16 principais causas de dor ao urinar (e o que fazer)

setembro 2022

A dor ao urinar, conhecida por disúria, geralmente é causada por uma infecção urinária e é um problema muito comum em mulheres, principalmente durante a gravidez e na menopausa. No entanto, também pode acontecer em homens, crianças ou bebês, podendo ser acompanhada de outros sintomas como ardência, sangue na urina ou dificuldade em urinar.

Além da infecção urinária, a dor ao urinar também pode surgir quando existem problemas como hiperplasia benigna da próstata, tumor na bexiga ou quando se tem pedras nos rins e/ou bexiga, por exemplo.

Assim, para se fazer o diagnóstico correto e iniciar o tratamento mais adequado, é necessário consultar o urologista, para fazer uma avaliação, realizar exames de diagnóstico, como exame de urina e ultrassom, por exemplo.

A dor ao urinar pode surgir devido a diversos problemas como:

1. Infecção urinária

A infecção urinária é a causa mais comum de dor ao urinar, causada pela entrada de bactérias no sistema urinário, sendo mais comum em mulheres, por terem a uretra mais curta, o que facilita a entrada de bactérias e sua proliferação. Além disso, a infecção urinária é comum durante a gravidez devido à baixa do sistema imune e ao aumento de proteínas na urina que provocam maior crescimento e desenvolvimento de bactérias.

Geralmente, a dor ao urinar é acompanhada de outros sintomas, como vontade urgente para urinar, mas em pouca quantidade, dificuldade para começar a urinar, urina turva com cheiro intenso e desagradável ou queimação ao urinar. Saiba identificar todos os sintomas de infecção urinária.

O que fazer: o tratamento deve ser recomendado pelo ginecologista ou urologista e é geralmente feito com antibióticos como fosfomicina, nitrofurantoína, amoxicilina, ou ciprofloxacino, por exemplo. Além disso, é também recomendado beber bastante água ou sucos de fruta, durante todo o tempo de recuperação, pois ajudam a eliminar a urina, contribuindo para a eliminação das bactérias. Veja os principais remédios indicados para infecção urinária.

2. Cistite

A cistite é uma infecção urinária que afeta a bexiga e que causa outros sintomas como vontade frequente para urinar, sensação de ardor, presença de sangue na urina, febre, mal-estar geral e urina turva ou escura. Saiba reconhecer os sintomas de cistite.

O que fazer: nesse caso é importante que o urologista seja consultado para que possa ser confirmado o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, sendo normalmente recomendado o uso de antibióticos de acordo com o microrganismo responsável pela infecção.

3. Pielonefrite

A pielonefrite é uma infecção dos rins, normalmente causada por bactérias que sobem da bexiga, causando inflamação e infecção, podendo haver febre, dor no fundo das costas, urina com mau cheiro, falta de apetite e mal estar.

O que fazer: o tratamento para pielonefrite deve ser feito com antibióticos e é importante que seja feito de acordo com a orientação do médico, mesmo que não existam mais sintomas, isso porque caso a bactéria permaneça no sistema urinário, é possível que surjam complicações. Veja como deve ser feito o tratamento da pielonefrite.

4. ​Uretrite

A uretrite trata-se de uma infecção que compromete apenas a uretra, gerando sintomas como vontade frequente para urinar, coceira e saída de secreção pela uretra. Conheça outros sintomas de uretrite.

O que fazer: nesse caso é importante que o tratamento seja orientado pelo urologista para que sejam evitadas complicações, como a pielonefrite, por exemplo.

5. Cervicite ou vulvovaginite

A cervicite e a vulvovaginite são inflamações do útero ou da vulva, o que acontece na maioria das vezes como consequência de infecções por fungos, vírus ou bactérias, levando ao surgimento de dor ao urinar, sendo acompanhada de outros sintomas como corrimento vaginal amarelado, febre acima de 38ºC ou sangramento vaginal.

O que fazer: é importante que seja identificada a causa da vulvovaginite para que o ginecologista indique o tratamento mais indicado, que normalmente é feito com antibióticos, antifúngicos ou antivirais de acordo com a causa da cervicite e da vulvovaginite. Entenda como é feito o tratamento para essas situações.

6. Pedra nos rins

A pedra nos rins, também chamada de cálculo renal, é uma massa semelhante a pedras que podem-se formar em qualquer local do sistema urinário, criando dificuldade e dor para urinar. Além disso é comum que exista dor na região lombar e presença de sangue na urina.

O que fazer: no caso de pedra nos rins, é importante que a pessoa adote algumas atitudes para favorecer a eliminação da pedra através da urina, sendo recomendado beber bastante água e evitar o consumo de sódio, principalmente. No entanto, em alguns casos o urologista pode indicar o uso de medicamentos que ajudem a aliviar os sintomas e a eliminar as pedras, podendo em alguns casos ser necessária a realização de cirurgia. Veja como deve ser o tratamento para pedra nos rins.

7. Pedra na bexiga

A presença de pedras na bexiga também podem causar dor ao urinar, principalmente quando são grandes e dificultam a passagem da urina. Além disso, é comum também que exista dor na parte de baixo do abdômen, urina turva e com sangue e, no caso dos homens, dor no pênis.

O que fazer: deve-se consultar o urologista ara que possam ser feitos exames que ajudem a identificar o tamanho da pedra e, assim, ser indicada a melhor forma de eliminação, seja por meio do uso de medicamentos ou através de um procedimento cirúrgico. Veja como é feito o tratamento da pedra na bexiga.

8. Infecções sexualmente transmissíveis

As infecções sexualmente transmissíveis, ou ISTs, como gonorreia, clamídia ou herpes genital, podem ocorrer tanto em homens como em mulheres e gera sintomas como corrimento esverdeado/amarelado, queimação na uretra e febre, além de dor ao urinar.

O que fazer: é importante que a pessoa consulte o urologista ou ginecologista para que sejam feitos exames que permitam identificar o microrganismo responsável pela infecção e, assim ser indicado o tratamento mais adequado. Além disso, é importante que o preservativo seja utilizado em toda relação sexual, sendo também recomendado que o (a) parceiro (a) faça o tratamento mesmo que não apresente sinais ou sintomas de infecção. Conheça as principais IST´s e como tratar.

9. Hipertrofia benigna da próstata

A hipertrofia benigna da próstata caracteriza-se pelo aumento da próstata do homem que, além da dor, pode causar dificuldade para urinar e vontade frequente de ir no banheiro. Segundo alguns estudos, não existe uma relação clara entre o tamanho da próstata e a frequência e gravidade dos sintomas. A etnia, a alimentação e a história familiar podem ter influência no desenvolvimento da doença.

O que fazer: nesse caso, o tratamento deve ser indicado pelo urologista, que leva em consideração idade do homem, tamanho da próstata e sintomas apresentados. Assim, de acordo com o caso pode ser indicado o uso de remédios que diminuem os sintomas e o tamanho da próstata, ou realização de procedimento cirúrgico.

10. Prostatite

A prostatite é uma inflamação na próstata do homem causada por infecções bacterianas, podendo causar dor ou ardor ao urinar, dor ou desconforto no pênis, períneo ou testículos, ou dor ao ejacular, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o urologista para realizar exames, como PSA, ultrassom para avaliar a próstata, e diagnosticar a prostatite, e assim iniciar o tratamento que geralmente é feito com o uso de antibióticos para eliminar as bactérias, além de analgésicos ou anti-inflamatórios para aliviar os sintomas. Confira outros remédios que podem ser indicados para a prostatite.

11. Câncer de próstata

O câncer de próstata é um tipo de câncer muito comum nos homens, especialmente após os 50 anos de idade, podendo não ter sintomas nos estágios iniciais, mas com a evolução da doença, podem surgir sintomas como dor ao urinar ou ejacular, dificuldade para começar a urinar ou sensação de bexiga cheia mesmo após ter urinado.

O que fazer: deve-se consultar o urologista para que seja realizada a biópsia da próstata, para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado que pode ser feito com cirurgia e/ou radioterapia, hormonioterapia ou quimioterapia.

É importante fazer o rastreio para o câncer de próstata por todos os homens a partir dos 50 anos ou a partir dos 45, caso exista histórico do câncer em outros homens da família e nos afrodescendentes.

Assista o vídeo a seguir sobre os exames para detectar o câncer de próstata:

12. Doença inflamatória pélvica

A doença inflamatória pélvica (DIP) é uma inflamação que tem origem na vagina e que pode afetar o colo do útero, o útero, as trompas e os ovários, e que pode levar ao aparecimento de alguns sintomas, como dor ao urinar, corrimento vaginal, sangramento ou cólica fora do período menstrual.

A doença inflamatória pélvica acontece na maioria dos casos como consequência de uma infecção sexualmente transmissível que não foi devidamente tratada, como gonorreia ou clamídia, mas também pode surgir devido a infecção no momento do parto, introdução de objetos contaminados na vagina durante a masturbação ou endometriose, por exemplo. Conheça outras causas de doença inflamatória pélvica.

O que fazer: o tratamento da doença inflamatória pélvica é feito com o uso de antibióticos receitados pelo ginecologista, como azitromicina, levofloxacino ou clindamicina, por exemplo, na forma de comprimido ou injeção. Além disso, deve-se evitar o contato íntimo durante o tratamento para dar tempo para os tecidos cicatrizarem. Saiba mais sobre o tratamento da doença inflamatória pélvica.

13. Alergias

A dor ao urinar também pode surgir devido a alergia a produtos, como absorventes, lenço umedecido, duchas vaginais, sabonete, detergentes para lavar roupa, papel higiênico perfumado, lubrificantes vaginais ou desodorante íntimo, por exemplo, que podem causar irritação ou alteração do pH vaginal, e resultar em um desequilíbrio de fungos e bactérias presentes naturalmente na vagina, aumentando o risco de desenvolvimento de candidíase ou infecções urinárias, por exemplo.

Além da dor ao urinar, podem surgir outros sintomas como vermelhidão, coceira intensa ou irritação na vagina.

O que fazer: é importante identificar o tipo de produto que causar irritação e evitar seu uso. Além disso, deve-se consultar o ginecologista para que seja feita uma avaliação e indicado produtos adequados para o pH vaginal, e no caso de infecção urinária ou candidíase, o médico pode indicar o tratamento com antibióticos ou antifúngicos, por exemplo. Saiba como é feito o tratamento da candidíase.

14. Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal causada principalmente pela bactéria Gardnerella vaginalis, que se desenvolve quando há diminuição da quantidade de bactérias boas na vagina, levando ao surgimento de dor ou sensação de queimação ao urinar, corrimento vaginal com odor semelhante a peixe, ou coceira intensa na região íntima.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista que pode indicar o tratamento com antibióticos, como o metronidazol, clindamicina ou secnidazol, na forma de óvulos vaginais, pomada ou comprimidos, por exemplo. Confira os principais tratamentos para a vaginose bacteriana.

15. Endometriose

A endometriose consiste na implantação de tecido do endométrio, que é a camada interna do útero, em outros órgãos do corpo da mulher, sendo mas comum de ocorrer nos ovários, tubas uterinas ou intestino, causando inflamação, dor abdominal, cólica intensa ou dor durante o contato íntimo.

No entanto, embora seja mais raro, o tecido do endométrio também pode se implantar dentro ou nas paredes da bexiga, levando ao surgimento dor ou ardor ao urinar, aumento da frequência urinária, dor quando a bexiga está cheia de urina, dor pélvica ou no fundo das costas, urgência ao urinar.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista para avaliar as características da dor e para que sejam feitos os exames físico, de imagem, como ultrassom transvaginal ou videolaparoscopia para confirmar a endometriose. O tratamento da endometriose geralmente é feito com anticoncepcional e/ou cirurgia. Saiba mais sobre o tratamento para a endometriose.

16. Câncer de bexiga ou útero

O crescimento de um tumor na bexiga ou no útero pode causar dor ao urinar e outros sintomas como dor constante, sangue na urina, perda de peso sem causa aparente ou cansaço excessivo, por exemplo.

O que fazer: caso seja confirmada a presença de câncer, pode ser indicada a realização de cirurgia ou outros tratamentos como intuito curativo, e do de medicamentos imunossupressores e bloqueadores hormonais, de acordo com a orientação do uro-oncologista.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022. Revisão clínica por Rodolfo Favaretto - Urologista, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • LITWIN, M. S.; TAN, H. J. The Diagnosis and Treatment of Prostate Cancer: A Review. JAMA. 317. 24; 2532-2542, 2017
  • LenIS, A. T. Bladder Cancer: A Review. JAMA. 324. 19; 1980-1991, 2020
Mostrar bibliografia completa
  • LANGAN, R. C. Benign Prostatic Hyperplasia. Prim Care. 46. 2; 223-232, 2019
  • KHAN, F. U. Comprehensive overview of prostatitis. Biomed Pharmacother. 94. 1064-1076, 2017
  • GENG, J. H.; LEE, Y. C. Bladder Endometriosis. N Engl J Med. 381. 26; e43, 2019
  • CICIONE, A.; et al. Bladder stone management: an update. Minerva Urol Nefrol. 70. 1; 53-65, 2018
  • AL-KURAN, O.; et al. How prevalent are symptoms and risk factors of pelvic inflammatory disease in a sexually conservative population. Reprod Health. 18. 1; 109, 2021
  • LAMB, Chris A. et al. Sexually transmitted infections manifesting as proctitis. Frontline Gastroenterology. 32-40, 2013
  • McCOMARCK, D.; KOONS, K. Sexually Transmitted Infections. Emerg Med Clin North Am. 37. 4; 725-738, 2019
  • SELL, J.; et al. Urethritis: Rapid Evidence Review. Am Fam Physician. 103. 9; 553-558, 2021
  • SÁNCHEZ, Esteban. Manejo de vulvovaginitis en la atención primaria. Revista médica sinergia. 3. 8; 2018
  • NEVO, A.; et al. Does bladder stone composition predict kidney stone composition?. Can J Urol. 27. 6; 10450-10455, 2020
  • ALELIGN, T.; PETROS, B. Kidney Stone Disease: An Update on Current Concepts. Adv Urol. 2018. 3068365, 2018
  • GUPTA, K.; et al. Urinary Tract Infection.. Ann Intern Med. 167. 7; ITC49-ITC64, 2017
  • KILMAN, K. B. Cystitis and Pyelonephritis: Diagnosis, Treatment, and Prevention.. Prim Care. 46. 2; 191-202, 2019
  • BUTRICJ, C. W. Patients With Chronic Pelvic Pain: Endometriosis or Interstitial Cystitis/Painful Bladder Syndrome?. JSLS. 11. 2; 182–189, 2007
Revisão clínica:
Rodolfo Favaretto
Urologista
Médico formado pela Universidade de Ribeirão Preto com CRM-SP 133358 e especialista em Urologia desde 2016 pela Sociedade Brasileira de Urologia.

Tuasaude no Youtube

  • Como identificar os sintomas e curar a INFECÇÃO URINÁRIA rapidamente

    07:47 | 457048 visualizações
  • INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS | com Drauzio Varella

    14:11 | 161342 visualizações
  • 4 Exames que detectam o CÂNCER DE PRÓSTATA

    04:40 | 126260 visualizações
  • Infecção Urinária e Cistite | O que comer para Curar e Evitar

    04:49 | 3915170 visualizações