Doença Inflamatória Pélvica (DIP): o que é, sintomas, causas e tratamento

A doença inflamatória pélvica, também conhecida por DIP, é uma inflamação que tem origem na vagina e que progride afetando o útero, as trompas e os ovários, se espalhando por uma grande área pélvica, acontecendo na maioria dos casos como consequência de uma infecção que não foi devidamente tratada. 

Esta doença afeta principalmente adolescentes e jovens sexualmente ativas, com vários parceiros sexuais, que não usam camisinha e que mantém o hábito de lavar internamente a vagina, já que essas situações podem provocar desequilíbrio da microbiota vaginal normal e aumentar o risco de infecções, principalmente por Chlamydia trachomatis ou Neisseria gonorrhoeae, que são as bactérias mais frequentemente associadas com a DIP.

Apesar de ser normalmente relacionada com infecções sexualmente transmissíveis, a DIP pode estar também relacionada com outras situações como a colocação de DIU ou endometriose, que é uma situação em que o tecido do endométrio cresce fora do útero. Saiba mais sobre a endometriose.

Doença Inflamatória Pélvica (DIP): o que é, sintomas, causas e tratamento

Sintomas de DIP

A doença inflamatória pélvica pode ser muito sutil, e nem sempre a mulher consegue perceber seus sinais e sintomas, favorecendo a proliferação dos microrganismos e resultando em maiores inflamações da região genital. Em algumas situações podem ser identificados alguns sinais e sintomas, como:

  • Febre igual ou superior a 38ºC;
  • Dor no abdômen e na região pélvica, principalmente durante a sua palpação;
  • Sangramento vaginal fora da menstruação ou após a relação sexual;
  • Corrimento vaginal amarelado ou esverdeado com mau cheiro;
  • Dor durante o contato íntimo, principalmente durante a menstruação. 

As mulheres que possuem mais chances de desenvolver esse tipo de inflamação são as que possuem entre 15 e 25 anos de idade, não usam camisinha em todas relações sexuais, que possuem diversos parceiros sexuais, e as que tem o hábito de usar a ducha vaginal, o que muda a flora vaginal facilitando o desenvolvimento de doenças.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da doença inflamatória pélvica é feito a partir da observação e análise dos sintomas pelo ginecologista, além de outros exames que podem ser solicitados, como a ultrassonografia pélvica ou transvaginal, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou laparoscopia, que é o exame que costuma confirmar a doença. Além disso, o médico pode indicar a realização da análise da secreção vaginal com o objetivo de identificar o microrganismo relacionado com a inflamação.

A partir dos resultados dos exames, o médico é capaz de verificar o estágio da doença, sendo eles:

  • Estádio 1: Inflamação do endométrio e das trompas, mas sem infecção do peritôneo;
  • Estádio 2: Inflamação das trompas com infecção do peritôneo;
  • Estádio 3: Inflamação das trompas com oclusão tubária ou comprometimento tubo-ovariano, e abscesso íntegro;
  • Estádio 4: Abscesso tubo-ovariano roto, ou secreção purulenta na cavidade. 

Dessa forma, ao identificar a gravidade da DIP e o agente infeccioso responsável, é possível que o tratamento mais adequado seja indicado.

Principais causas

A doença inflamatória pélvica está normalmente relacionada com a proliferação de microrganismos e ausência de tratamento adequado. A principal causa de DIP são os microrganismos transmitidos sexualmente, podendo, nesses casos, ser consequência de gonorreia ou clamídia, que são infecções causadas por Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis, respectivamente.

Além disso, a DIP pode se desenvolver como consequência de infecção no momento do parto, introdução de objetos contaminados na vagina durante a masturbação, colocação de DIU a menos de 3 semanas, endometriose ou após a realização de biópsia do endométrio ou curetagem uterina.

Como é o tratamento

O tratamento para doença inflamatória pélvica pode ser feito com o uso de antibióticos por via oral ou por via intramuscular por cerca de 14 dias. Além disso, é importante repouso, ausência de contato íntimo durante o tratamento, nem mesmo com camisinha para dar tempo para os tecidos cicatrizarem, e a retirada do DIU, se for o caso.

Um exemplo de antibiótico para doença inflamatória pélvica é a Azitromicina, mas outros, como o Levofloxacino, Ceftriaxona, Clindamicina ou Ceftriaxona também podem ser indicados. Durante o tratamento é recomendado que o parceiro sexual também seja tratado mesmo que não tenha sintomas para evitar a recontaminação e a cirurgia pode ser necessária para tratar a inflamação das tubas uterinas ou para drenagem de abscessos. Entenda como é feito o tratamento da DIP.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde em Agosto de 2021. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias, Ginecologista em Fevereiro de 2016.
Mais sobre este assunto: