Remédios proibidos e permitidos na amamentação

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
agosto 2022

A maioria dos medicamentos passa para o leite materno, porém, muitos deles são transferidos em pequenas quantidades e, mesmo quando presentes no leite, podem não ser absorvidos no trato gastrointestinal do bebê. No entanto, sempre que for necessário tomar um remédio durante a amamentação, a mulher deve primeiro falar com o médico, para verificar se o remédio é perigoso,se deve evitá-lo, se é necessário suspender a amamentação ou se pode usar de forma segura.

Em geral, as mães que amamentam devem evitar o uso de medicamentos, no entanto, se for mesmo necessário, devem optar pelos mais seguros e por aqueles que já estejam estudados e que sejam pouco excretados no leite materno, de forma a evitar riscos para a saúde do bebê. Os medicamentos de uso prolongado pela mãe, geralmente, acarretam um maior risco para o bebê, devido aos níveis que podem atingir no leite materno.

Remédios que a mulher não pode tomar

Alguns exemplos de remédios que não devem, em momento algum, ser usados durante a lactação são:

Ácido acetilsalicílico

Carisoprodol

Etretinato

Propoxifeno

Acitretina

Cetorolaco

Fenindiona

Remédios para quimioterapia

Alfalutropina

Ciclofosfamida

Ganciclovir

Remédios à base de iodo

Amiodarona

Ciclosporina

Leuprolida

Reserpina

Alfalutropina

Cloranfenicol

Isotretinoína

Selegilina

Anfepramona

Clomifeno

Lítio

Sinvastatina

Anfetaminas

Codeína

Linezolida

Tamoxifeno

Anticoncepcionais orais combinado

Descongestionantes nasais

Lisurida

Tretinoína

Anticoagulantes

Diazepam

Meperidina

Sais de ouro

Antipirina

Dietilestilbestrol

Metotrexato

Verteporfina

Atenolol

Dissulfiram

Mifepristona ou Misoprostol

Zonisamida

Brometos

Doxepina

Oxicodona

 

Bromocriptina

Ergotamina

Pentazocina

 

Cabergolina

Estradiol ou etinilestradiol

Pseudoefedrina

 

No caso de ser necessário realizar o tratamento com algum desses remédios, o uso deve ser feito somente com indicação e orientação médica, sendo necessário interromper a amamentação.

Outros remédios que necessitam da interrupção da amamentação, são os contrastes radiológicos de iodo, cobre, gálio, índio, tecnécio ou sódio radioativo, devendo-se interromper a lactação conforme orientação médica.

Além disso, algumas plantas medicinais não devem ser usadas durante a amamentação como camomila, borragem, confrei, black cohosh ou erva de são cristóvão, kombucha, kava-kava, equinácea, ginseng, ginkgo biloba, hipéricum ou erva de são joão, feno grego ou valeriana.

Remédios que podem ser usados durante a amamentação

Os medicamentos que podem ser usados na amamentação de forma segura são o paracetamol ou ibuprofeno, para o tratamento de sintomas de gripes ou resfriados como febre, mal estar ou dor no corpo, por exemplo. No entanto, nenhum deles deve ser usado sem orientação médica.

Além disso, alguns antibióticos ou antidepressivos, podem ser receitados pelo médico que deve orientar os horários corretos de tomar e a necessidade ou não de interromper a amamentação durante seu uso.

Saiba também quais os chás permitidos e proibidos na amamentação.

A dipirona é indicada na amamentação?

A dipirona não é indicada para uso durante a amamentação, pois estar presente no leite por até 48 horas após uma dose e passar em grandes quantidades para o bebê através do leite materno, podendo levar ao surgimento de reações adversas no bebê como cianose, que é uma coloração azulada da pele, unhas ou boca, ou agranulocitose, que é uma diminuição da quantidade de glóbulos brancos do sangue. Entenda melhor o que é a agranulocitose.

Por isso, a dipirona não é recomendada para ser usada na amamentação, a menos que recomendado pelo médico.

O que fazer antes de tomar um remédio durante a amamentação?

Antes de decidir usar um remédio durante a lactação, a mulher deve:

  • Verificar juntamente com o médico se é necessário tomar o medicamento, pois o médico deve avaliar os benefícios e os riscos;
  • Preferir medicamentos estudados que sejam seguros em crianças ou que sejam pouco excretados no leite materno;
  • Preferir remédios de aplicação local, quando possível;
  • Definir bem os horários de uso do medicamento, de forma a evitar picos de concentração no sangue e no leite, que coincidam com o horário das mamadas;
  • Optar, quando possível, por remédios contendo apenas uma substância ativa, evitando aqueles que tenham muitos componentes, como por exemplo antigripais, preferindo tratar os sintomas mais evidentes, com o paracetamol, para aliviar a dor ou a febre, ou a cetirizina para tratar os espirros e a congestão nasal, por exemplo;
  • Observar o bebê, caso a mulher necessite usar algum medicamento, de forma a detetar possíveis efeitos colaterais, tais como alterações dos padrões alimentares, hábitos de sono, agitação ou distúrbios gastrointestinais, por exemplo;
  • Evitar remédios de ação prolongada, por serem mais difíceis de eliminar pelo organismo;
  • Retirar o leite com antecedência e guardar no congelador para alimentar o bebê no caso de interrupção temporária da amamentação. Saiba como armazenar o leite materno corretamente

Esses cuidados devem ser adotados sempre que o médico indicar algum remédio para a mulher durante o período de amamentação, para que sejam utilizados de forma segura e detectados efeitos colaterais no bebê.

É importante ressaltar que o uso de remédios durante a lactação só deve ser feito com orientação médica, evitando o uso por conta própria.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • MALONE, K.; et al. Antidepressants, Antipsychotics, Benzodiazepines, and the Breastfeeding Dyad. Perspectives in Psychiatric Care. 40. 2; 73-85, 2004
  • INSTITUTO DE EVALUACIÓN TECNOLÓGICA EN SALUD. Uso de Medicamentos en la Lactancia. Disponível em: <http://medicamentosaunclic.gov.co/contenidos/fichas/02-Medicamentos_durante_la_lactancia.pdf>. Acesso em 23 nov 2021
Mostrar bibliografia completa
  • CHAVES, R. G.; LAMOUNIER, J. A. Breastfeeding and maternal medications. J Pediatr (Rio J). 80. 5; S189-S198:, 2004
  • DE SWIET’S MEDICAL DISORDERS IN OBSTETRIC PRACTICE, FIFTH EDITION. Appendix: Medications and their relative risk to breastfeeding infants. 2010. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1002/9781444323016.app1>. Acesso em 23 nov 2021
  • ARMSTRONG, Carrie. ACOG Guidelines on Psychiatric Medication Use During Pregnancy and Lactation. Am Fam Physician. 78. 6; 772-778, 2008
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Uso de medicamentos e outras substâncias pela mulher durante a amamentação. 2017. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Aleitamento_-__Uso_Medicam_durante_Amament.pdf>. Acesso em 14 nov 2019
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Amamentação e uso de medicamentos e outras substâncias. 2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/amamentacao_uso_medicamentos_2ed.pdf>. Acesso em 23 nov 2021
  • RAMINELLI, Michele; HAHN, Siomara R. Medicamentos na amamentação: quais as evidências?. Ciênc. saúde coletiva. Vol.24(2). 573-587, 2019
  • FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Manual de aleitamento materno. 2015. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/images/arquivos/manuais/Manuais_Novos/aleitamento_.pdf>. Acesso em 14 nov 2019
  • CHAVES, Roberto Gomes; et al. Amamentação e uso de antiinflamatórios não esteróides pela nutriz: informações científicas versus conteúdo em bulas de medicamentos comercializados no Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife. 6. 3; 269-276, 2006
  • ZYLBER-KATZ, E.; et al. Excretion of dipyrone metabolites in human breast milk. Eur J Clin Pharmacol. 30. 3; 359-61, 1986
  • RIZZONi, G.; FURLANUT, M. Cyanotic Crises in a Breast-fed Infant from Mother taking Dipyrone. Human Toxicol. 3. 305-507, 1984
  • DRUGS AND LACTATION DATABASE (LACTMED) [INTERNET]. BETHESDA (MD): NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE (US). Dipyrone. 2020. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK501526/>. Acesso em 23 nov 2021
  • RAMINELLI, Michele; et al. Medicamentos na amamentação: quais as evidências?. Ciência & Saúde Coletiva. 24. 2; 573-587, 2019
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.