2º trimestre de gravidez: sintomas, cuidados e exames

dezembro 2021

O 2º trimestre de gravidez, corresponde do 4º ao 6º mês e às semanas 14 a 27 da gestação, e é marcado pelo desenvolvimento e amadurecimento dos órgãos do bebê, formação de conexões entre os neurônios que permitem os movimentos, que poderão ser sentidos pela mulher. Além disso, os principais sentidos como audição, paladar, tato, olfato e visão já estão desenvolvidos e o bebê já realiza movimentos de sucção e deglutição para a futura amamentação.

Nesse trimestre, os seios da mulher ficam mais volumosos, a barriga cresce cada vez mais e o peso do útero sobre a bexiga pode causar alguns desconfortos, como perda da urina. Além disso, algumas mulheres podem apresentar dor nas costas, pois o crescimento do útero causa uma alteração no formato do corpo e no centro de gravidade.

Durante o 2º trimestre de gravidez, deve-se fazer duas consultas pré-natal e os exames recomendados pelo obstetra, como exames de sangue, urina e o segundo ultrassom obstétrico, para que o médico possa avaliar a saúde da mulher e o desenvolvimento do bebê, além de dar orientações sobre medidas que ajudem a aliviar os sintomas do segundo trimestre da gestação.

Desenvolvimento do bebê

O desenvolvimento do bebê no 2º trimestre da gravidez é marcado pelo desenvolvimento e amadurecimento dos órgãos, como pulmões, fígado, intestino, rins, ossos, cartilagens e sistema reprodutor. Neste trimestre da gestação é possível saber o sexo do bebê. Veja os principais exames para saber o sexo do bebê.

O sistema respiratório continua a se desenvolver e o bebê já consegue fazer movimentos respiratórios inspirando o líquido amniótico, o que permite o desenvolvimento dos pulmões que continuam a amadurecer até o final da gravidez.

As conexões entre os neurônios estão sendo formadas e o cérebro continua se desenvolvendo. O bebê já se movimenta ativamente, podendo ser sentido pela mulher. A audição, tato, paladar, olfato e visão já estão desenvolvidos, assim como os reflexos de sucção e deglutição.

Ao final do segundo trimestre, o bebê mede cerca de 34,7 centímetros e a placenta está desenvolvida e garante a quantidade ideal de vasos sanguíneos para fornecer todo o alimento de que o bebê precisa e o cordão umbilical transporta alimento e sangue rico em oxigênio para o bebê, além de levar os resíduos e o sangue pobre em oxigênio do bebê para a placenta.

Mudanças no corpo da mulher

No segundo trimestre da gravidez, as alterações físicas na mulher são agora muito mais notáveis, pois a barriga continua crescendo com o desenvolvimento do bebê, a silhueta torna-se mais redonda. Os seios aumentam de volume à medida que a gravidez evolui, devido ao desenvolvimento das glândulas mamárias e início da produção do colostro, que pode vazar e sujar o sutiã com um líquido amarelo.

Neste trimestre da gestação, a mulher pode sentir um pouco de dor nas costas, na região lombar que pode irradiar para as pernas, devido ao crescimento da barriga e aumento da curvatura da coluna, o que pode comprimir o nervo ciático. Essa mudança na curvatura da coluna, também pode alterar o centro de gravidade do corpo, e a mulher pode perder um pouco do equilíbrio corporal.

Além disso, a mulher pode ter perda de urina ou incontinência urinária e sentir outros sintomas como dor na pelve, azia, sensação de queimação no estômago, prisão de ventre, hemorróidas ou sensibilidade nas gengivas. Confira todas as mudanças no corpo da mulher semana a semana no segundo trimestre da gravidez.

Cuidados no 2º trimestre de gravidez

No segundo trimestre da gravidez é importante continuar a seguir todas as recomendações do obstetra, tomar o ácido fólico e/ou outros suplementos vitamínicos indicados pelo médico e evitar o uso de remédios por conta própria.

Para que a mulher tenha mais forças e energia para suportar o trabalho adicional que a gravidez exige do corpo, o obstetra pode indicar a prática de alguma atividade física regular, como natação, caminhada, ioga, pilates ou manter a atividade física que já praticava antes da gravidez, mas de forma leve e moderada, sempre acompanhada por um educador físico.

Além disso, deve-se fazer uma alimentação balanceada nutritiva incluindo frutas, legumes e verduras frescos, para fornecer todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento do bebê. Veja como deve ser a alimentação na gravidez.

Durante toda a gravidez também é importante evitar o consumo de bebidas alcoólicas, cigarro ou drogas de abuso, pois podem prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Como aliviar os sintomas do 2º trimestre

No segundo trimestre da gravidez alguns cuidados são importantes para ajudar a aliviar os desconfortos que podem surgir como:

  • Sensibilidade nos seios: usar um sutiã de sustentação para aliviar a sensibilidade, dor ou sensação de mamas pesadas. Este sutiã também ser utilizado à noite para dar um suporte às mamas e aliviar esse desconforto;
  • Dor nas costas: não ficar muito tempo de pé, ao sentar deve-se evitar cruzar as pernas e usar uma cinta de gestante para dar suporte à barriga e às costas, podem ajudar a melhorar a dor nas costas. Além disso, é importante fazer exercícios para alongar e fortalecer a musculatura das costas como ioga ou pilates, por exemplo. Confira os melhores exercícios para fazer na gravidez;
  • Perda de equilíbrio: os exercícios também podem ajudar a melhorar o equilíbrio corporal. Além disso, é recomendado usar sapatos confortáveis e evitar o uso de saltos altos;
  • Perda de urina: fazer exercícios para o períneo e músculos pélvicos podem ajudar a reduzir esse desconforto, sendo uma boa opção são os exercícios de Kegel. Saiba como fazer os exercícios de Kegel;
  • Dor pélvica: fazer alongamentos leves e movimentos suaves, praticar ioga ou pilates, desde que liberados pelo médico, podem ajudar a aliviar o desconforto, além de fortalecer a musculatura para suportar as mudanças no corpo durante a gravidez. No entanto, se a dor não melhorar, ou se tiver febre, deve-se entrar em contato com o médico imediatamente;
  • Azia ou sensação de queimação no estômago: comer em pequenas quantidades em intervalos menores de 2 a 3 horas podem ajudar a aliviar esse desconforto. Além disso, deve-se evitar deitar após fazer uma alimentação, evitar beber líquidos durante as refeições e evitar comer frituras, comidas apimentadas ou muito condimentadas. Veja outras dicas de como aliviar a azia na gravidez;
  • Prisão de ventre: praticar exercícios físicos regularmente recomendados pelo médico, para ajudar a melhorar os movimentos do intestino, comer mais fibras na forma de grãos inteiros, frutas e vegetais frescos e beber pelo menos 8 copos de água por dia para manter o corpo hidratado podem ajudar a aliviar esse desconforto;
  • Hemorroidas: fazer banho de assento com água morna, utilizar lenços umedecidos sem perfume ou lavar a região anal após defecar, podem ajudar a aliviar o desconforto da hemorroida. Além disso, não permanecer sentada ou em pé por muito tempo, podem ajudar a diminuir a pressão que a barriga faz sobre o reto e evitar o desenvolvimento da hemorroida. Veja mais dicas de como tratar hemorróida na gravidez;
  • Sensibilidade nas gengivas: usar uma escova de dentes macia e continuar escovando os dentes e passando o fio dental regularmente. Além disso, é recomendado consultar o dentista para avaliar a saúde da boca e dos dentes.

É importante sempre seguir as orientações do obstetra, de acordo com os sintomas apresentados, de forma a garantir a saúde da mulher e permitir o desenvolvimento saudável do bebê.

Sinais de alerta para ir ao médico

É importante ligar para o obstetra ou ir diretamente para o pronto-socorro do hospital caso a mulher apresente algum destes sintomas:

  • Febre acima de 37.5º C;
  • Dor abdominal intensa ou constante, que não alivia com o descanso;
  • Sangramento pela vagina;
  • Dor de cabeça e visão turva;
  • Vômitos;
  • Corrimento vaginal que não seja transparente;
  • Ardência ou dor ao urinar;
  • Coceira na vagina;
  • Deixar de sentir o bebê mexer.

Estes sinais e sintomas podem indicar candidíase, infecção urinária ou a presença de complicações, como doenças, pré-eclâmpsia ou problemas na placenta e por isso deve-se buscar ajuda médica para saber como lidar com cada situação.

Principais exames do 2º trimestre

No 2º trimestre da gestação, deve-se fazer pelo menos duas consultas pré-natais e o acompanhamento com o obstetra é feito por meio de exames que avaliam e monitoram o desenvolvimento do bebê e a saúde da mulher.

Os principais exames realizados pelo obstetra no 2º trimestre de gravidez incluem:

1. Pressão arterial

A medição da pressão arterial na gravidez é muito importante, pois assim é possível avaliar o risco de pré-eclâmpsia, que acontece quando a pressão está alta, que pode resultar em parto prematuro.

É normal que na primeira metade da gestação aconteça diminuição da pressão, no entanto ao longo da gestação a pressão arterial volta ao normal. No entanto, a pressão pode aumentar devido a alimentação desequilibrada ou malformação da placenta, por exemplo, o que pode colocar em risco a vida da mãe e do bebê. Assim, é importante que a pressão arterial seja verificada de forma periódica.

2. Altura do útero

O exame de altura do útero ou altura uterina é feito pelo obstetra através da medição da região abdominal, com o objetivo de avaliar o tamanho do útero, que até às 28ª semana de gestação deve ter cerca de 24 cm, além do crescimento do bebê.

3. Ultrassom morfológico

O ultrassom morfológico é um exame de imagem que permite visualizar o bebê dentro do útero. A realização desse exame é indicada entre a 18ª e a 24ª semana de gestação e avalia o desenvolvimento do coração, rins, bexiga, estômago e quantidade de líquido amniótico. Além disso, identifica o sexo do bebê e pode revelar síndromes e doenças cardíacas. Conheça mais sobre o ultrassom morfológico.

4. Urina e urocultura

Os exames de urina são bastante importantes durante a gravidez, pois dessa forma é possível identificar infecções urinárias e, assim, evitar complicações durante a gestação ou no parto. Assim, é importante que seja feito o exame de urina de tipo 1, conhecido também por EAS, e, caso seja verificada qualquer alteração, pode ser solicitada a realização de uma urocultura, em que são verificados microrganismos presentes na urina.

No caso de diagnóstico de infecção urinária, o médico pode recomendar o uso de antibiótico, como a cefalexina, sem que haja qualquer risco para a mãe ou para o bebê. Entenda como é feito o tratamento para infecção urinária na gravidez.

5. Hemograma

O hemograma também é bastante importante no segundo trimestre da gravidez, pois permite avaliar a quantidade de hemácias, hemoglobinas, leucócitos e plaquetas da mulher e, assim, verificar se está ou não com anemia.

A anemia na gravidez é normal principalmente entre o segundo e terceiro trimestre de gravidez porque há uma diminuição da quantidade de hemoglobina e aumento do uso de ferro para suprir as necessidades do bebê, no entanto, isso pode representar risco tanto para a mãe quanto para o bebê. Assim, é importante que seja feito o hemograma para diagnosticar a anemia o mais cedo possível e, assim, possa ser iniciado o tratamento. Saiba como reconhecer os sintomas de anemia na gravidez.

6. VDRL

O VDRL é um dos exames incluídos no pré-natal que é feito para verificar se a mãe é portadora da bactéria responsável pela sífilis, o Treponema pallidum. A sífilis é uma doença sexualmente transmissível que pode ser transmitida para o bebê no momento do parto caso a doença não seja identificada e tratada durante a gravidez, podendo haver alterações no desenvolvimento do bebê, parto prematuro, baixo peso ao nascer ou morte do bebê, por exemplo.

7. Toxoplasmose

O exame para a toxoplasmose é feito com o objetivo de verificar se a mãe possui ou não imunidade contra a toxoplasmose, que é uma doença infecciosa causada pelo parasita Toxoplasma gondii que pode ser transmitido para as pessoas através do consumo de alimentos ou água contaminados, bem como através do contato direto com gatos infectados pelo parasita.

A toxoplasmose pode ser transmitida de mãe para filho e acontece quando a mulher adquire o parasita durante a gravidez e não faz o tratamento adequado, podendo passar para o bebê. Conheça os riscos da toxoplasmose na gravidez.

8. Fibronectina fetal

O exame de fibronectina fetal tem como objetivo verificar se há risco de parto prematuro, e deve ser feito entre a 22ª e a 36ª semana de gestação através da coleta de de secreção vaginal e do colo do útero.

Para que seja realizado o exame é recomendado que a mulher não apresente sangramento genital e nem tenha tido relações sexuais 24 horas antes do exame.

O médico poderá indica a realização de outros exames como ureia, creatinina e ácido úrico, enzimas hepáticas, eletrocardiograma e MAPA para algumas grávidas. Além disso, também podem ser prescritos exames de urina ou de avaliação do corrimento vaginal e do colo do útero, para identificar outras doenças sexualmente transmissíveis, como a gonorreia e a clamídia. Veja as DSTs mais comuns na gravidez.

9. Translucência nucal

A 14ª semana da gestação, que corresponde à primeira semana do 2º trimestre, é a última semana para fazer o exame de translucência nucal. Este exame serve para detectar malformações e doenças genéticas, como a síndrome de Down, por exemplo. Saiba como é feito o exame de translucência nucal.

10. Amniocentese

A amniocentese é um exame que pode ser realizado entre a 15ª e a 18ª semanas de gravidez, sendo indicado pelo obstetra para grávidas com mais de 35 anos, que possuam histórico na família de doenças genéticas ou que tiveram filho com doença genética, para verificar alterações que possam representar risco para o bebê. Confira todas as indicações da amniocentese e como é feito esse exame.

Como se preparar para a chegada do bebê

Quando tiver passado das 20 semanas de gestação, pode começar a se preparar para o nascimento e por isso poderá frequentar as aulas de preparação para o parto, onde são feitos exercícios pélvicos que ajudam tanto no parto normal, como na recuperação da cesariana. Além disso, pode-se ler livros e revistas sobre como cuidar do bebê, como dar banho, como amamentar e colocar o bebê para dormir.

Essa também é uma boa fase para preparar o quarto do bebê, porque no final da gravidez, o peso da barriga poderá dificultar as idas à lojas para comprar os produtos que o bebê irá precisar quando nascer.

Também pode-se começar a se preparar para o chá de bebê e decidir se irá pedir apenas fraldas ou outros itens necessários para sua família e amigas mais próximas. Essa é uma data especial, que as gestantes guardam com muito carinho. Se optar pelo chá de fraldas, use nossa calculadora para saber quantas fraldas poderá pedir, e quais os tamanhos mais indicados para cada fase:

kg
Erro
Erro

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em dezembro de 2021. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • NAPOLITANO, R. Pregnancy dating by fetal crown–rump length: a systematic review of charts. Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. 121. 5; 556-665, 2014
  • GENG, Xin; OLIVER, Guillermo. Elucidating the molecular characteristics of organogenesis in human embryos. Genome Biology. 11. 130; 2010
Mostrar bibliografia completa
  • KISERUD, T.; et al. The World Health Organization Fetal Growth Charts: A multinational longitudinal study of ultrasound biometric measurements and estimated fetal weight. PLoS Med. 14. 3; e1002284, 2017
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Caderneta da gestante. 2016. Disponível em: <https://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/crianca_feliz/Treinamento_Multiplicadores_Coordenadores/Caderneta-Gest-Internet(1).pdf>. Acesso em 21 dez 2021
  • SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS. Pré-Natal. 2019. Disponível em: <https://www.saude.go.gov.br/biblioteca/7637-pr%C3%A9-natal>. Acesso em 21 dez 2021
  • BLOTT, Maggie. A sua gravidez dia a dia. DK, 2009. 272 -279.
  • KAMAI, Elizabeth M.; MCELRATH, Thomas F.; FERGUSON, Kelly K. Fetal growth in environmental epidemiology: mechanisms, limitations, and a review of associations with biomarkers of non-persistent chemical exposures during pregnancy. Environmental Health volume 18, Article number: 43 (2019) . 18. 43; 1-30, 2019
  • S.C. DEPARTMENT OF HEALTH AND ENVIRONMENTAL CONTROL. Embryonic Fetal Development. 2015. Disponível em: <https://scdhec.gov/sites/default/files/Library/ML-017049.pdf>. Acesso em 21 dez 2021
  • PARDI, Giorgio; CETIN, Irene. Human fetal growth and organ development: 50 years of discoveries. American Journal of Obstetrics and Gynecology. 194. 1088–1099, 2006
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • DOR NAS COSTAS NA GRAVIDEZ - O que fazer

    07:53 | 277940 visualizações
  • Como aliviar os Sintomas de Gravidez

    11:13 | 61640 visualizações
  • Como não engordar na gravidez

    05:37 | 899662 visualizações
  • Tratamento natural para HEMORRÓIDA

    03:00 | 1125760 visualizações
  • Como aliviar a AZIA na gravidez

    02:20 | 401098 visualizações