Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Doenças causadas por bactérias: sintomas, tratamento e prevenção

As bactérias são pequenos microrganismos que estão naturalmente presentes no organismo e no ambiente e que podem ou não causar doença. As bactérias que causam doenças são conhecidas como bactérias patogênicas e que podem entrar no organismo por meio da ingestão de alimentos ou água contaminados, contato sexual desprotegido ou pelas vias aéreas, por exemplo.

As doenças causadas por bactérias são tratadas principalmente com o uso de antibióticos, que devem ser usados conforme a orientação do médico para evitar o surgimento de bactérias multirresistentes, que são responsáveis por infecções mais graves e de tratamento mais complicado.

Doenças causadas por bactérias: sintomas, tratamento e prevenção

Principais doenças causadas por bactérias

1. Infecção urinária

A infecção urinária é uma das infecções mais comuns causadas por bactérias, podendo acontecer devido a um desequilíbrio da microbiota da região genital, ou devido ao fato de segurar o xixi, não realizar a higienização íntima adequada, beber pouca água durante o dia ou possuir pedras nos rins, por exemplo.

Várias são as bactérias que podem causar infecção urinária, sendo as principais Escherichia coli, Proteus sp., Providencia sp. e Morganella spp..

Principais sintomas: Os principais sintomas relacionados à infecção urinária são dor e ardor ao urinar, urina turva ou com presença de sangue, febre baixa e persistente, vontade frequente de fazer xixi e sensação de não conseguir esvaziar a bexiga.

Como tratar: O tratamento para infecção urinária é indicado pelo médico quando há sintomas e o microrganismo é identificado, sendo normalmente indicado o uso de antimicrobianos, como o Ciprofloxacino, por exemplo. No entanto, quando não existem sintomas, o médico pode optar por não realizar tratamento com antibióticos para evitar o surgimento de bactérias resistentes.

Como é feita a prevenção: A prevenção das infecções urinárias é feita por meio do controle das causas. Assim, é importante realizar a higiene íntima adequadamente, evitar segurar o xixi por muito tempo e beber pelo menos 2 litros de água por dia, por exemplo.

2. Meningite

A meningite corresponde à inflamação do tecido que envolve o cérebro e a medula espinhal, a meninge, e pode ser causada por diversas espécies de bactérias, sendo as principais Streptococcus pneumoniae, Mycobacterium tuberculosis, Haemophilus influenzae e Neisseria meningitidis, que podem ser adquiridas por meio de secreções de pessoas diagnosticadas com a doença.

Principais sintomas: Os sintomas da meningite podem surgir cerca de 4 dias após o acometimento das meninges, podendo haver febre, dor de cabeça e ao movimentar o pescoço, aparecimento de manchas roxas na pele, confusão mental, cansaço excessivo e rigidez muscular no pescoço.

Como tratar: O tratamento da meningite normalmente é feito no hospital, para que o médico possa avaliar a evolução da pessoa e prevenir complicações. Assim, é necessário o uso de antibióticos, de acordo com a bactéria responsável, podendo ser indicado o uso de Penicilina, Ampicilina, Cloranfenicol ou Ceftriaxona, por exemplo, que devem ser utilizados conforme orientação do médico.

Como é feita a prevenção: A prevenção da meningite deve ser feita principalmente por meio da vacinação contra a meningite, que deve ser tomada ainda em criança. Além disso, é importante que as pessoas com meningite usem máscara e evitem tossir, falar ou espirrar perto de pessoas saudáveis para evitar o contágio. Saiba quais são as vacinas que protegem contra a meningite.

Doenças causadas por bactérias: sintomas, tratamento e prevenção

3. Doenças sexualmente transmissíveis

As doenças sexualmente transmissíveis, ou DSTs, são doenças que podem ser adquiridas por meio do contato sexual desprotegido, sendo ele vaginal, oral ou anal. As DSTs mais comuns provocadas por bactérias são a Clamídia, provocada pela Chlamydia trachomatis, a Gonorreia, que é causada pela Neisseria gonorrhoeae, e a Sífilis, que é causada pela bactéria Treponema pallidum.

Principais sintomas: De forma geral, os sintomas das doenças sexualmente transmissível podem surgir dias ou semanas depois do comportamento de risco, podendo haver o aparecimento de feridas na região genital, corrimento vaginal ou peniano, dor ou sangramento durante o contato íntimo, dor e queimação na hora de urinar e dor abdominal, por exemplo. Assim que surgirem esses sintomas, é recomendado consultar o urologista ou o ginecologista para que seja feito o diagnóstico da doença e iniciado o tratamento.

Como tratar: O tratamento das DSTs é recomendado pelo médico de acordo com a doença e geralmente envolve o uso de antibióticos. No caso da Clamídia, por exemplo, o médico pode recomendar o uso de Azitromicina ou Doxiciclina, enquanto que na Gonorreia pode ser indicado o uso de Azitromicina ou Ceftriaxona, e na Sífilis Penicilina ou Eritromicina.

Além disso, é recomendado que durante o tratamento a pessoa evite ter relações sexuais e o tratamento também deve ser realizado pelo parceiro, mesmo que não haja sintomas.

Como é feita a prevenção: A principal forma de prevenção das doenças sexualmente transmissíveis é por meio do uso de preservativo durante a relação sexual, pois assim, evita-se o contato direto entre as mucosas genitais e diminui o risco de infecções por bactérias, parasitas e vírus.

4. Hanseníase

A hanseníase, também conhecida como lepra, é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium leprae e que pode ser transmitida por meio do contato com secreções nasais de pessoas com lepra, principalmente.

Principais sintomas: Essa bactéria possui predileção pelo sistema nervoso, podendo causar paralisia muscular, por exemplo. No entanto, os sintomas mais característicos da hanseníase são as lesões formadas na pele, que acontecem devido à presença da bactéria no sangue e na pele. Assim, os sintomas mais característicos da hanseníase são ressecamento da pele, perda da sensibilidade e presença de lesões e feridas nos pés, nariz e olhos, o que pode resultar em cegueira.

Como tratar: O tratamento para a hanseníase deve ser indicado pelo infectologista assim que o diagnóstico é feito para que haja chances reais de cura. Assim, o tratamento geralmente é feito com vários medicamentos com o objetivo de eliminar a bactéria e evitar a progressão da doença e o surgimento de complicações. Os medicamentos mais indicados são Dapsona, Rifampicina e Clofazimina, que devem ser utilizados conforme a orientação do médico.

Além disso, devido às deformidades que podem surgir, pode ser necessária a realização de procedimentos para correção e, até mesmo, acompanhamento psicológico, uma vez que as pessoas com hanseníase podem sofrer discriminação devido a sua aparência. Entenda como é feito o tratamento para a hanseníase.

Como é feita a prevenção: A forma de prevenção mais eficaz contra a lepra é o a detecção da doença em fases iniciais e início da terapia assim que é estabelecido o diagnóstico. Dessa forma, é possível prevenir a ocorrência dos sintomas e de complicações e o contágio de outras pessoas.

5. Infecções respiratórias

Coqueluche, tuberculose e pneumonia são doenças respiratórias causadas por bactérias e que podem entrar no organismo por meio das vias respiratórias e permanecer no pulmão, alvéolos ou brônquios resultando nos sintomas da infecção. As bactérias responsáveis por essas doenças são, principalmente, Bordetella pertussis, Mycobacterium tuberculosis e Streptococcus pneumoniae.

Principais sintomas: Os principais sintomas relacionados com as infecções respiratórias são coriza, tosse constante, mal estar, febre, dor de cabeça e falta de ar, por exemplo. No caso da coqueluche, por exemplo, o sintoma mais característico dessa doença é uma crise de tosse em que a pessoa sente dificuldade para respirar e que resulta em um som agudo como um guincho.

Já no caso da tuberculose, a tosse frequente é um dos sintomas mais característicos, havendo, na maioria das vezes, secreção ou presença de sangue. 

Como tratar: O tratamento varia com o tipo de infecção, sendo normalmente recomendado para a coqueluche o uso de antibióticos, como Azitromicina, Claritromicina e Eritromicina, por exemplo, que deve ser utilizado conforme a orientação do médico.

O tratamento para a tuberculose é realizado de forma contínua, ou seja, o pneumologista ou infectologista indica a combinação de Rifampicina, Isoniazida, Pirazinamida e Etambutol por cerca de 6 meses ou até a cura da doença. Além disso, é recomendado que a pessoa em tratamento para tuberculose permaneça isolada nos 15 primeiros dias de tratamento, pois ainda é capaz de transmitir a bactéria para outras pessoas.

Já no caso da pneumonia, o médico normalmente opta por utilizar antibióticos para eliminar o agente causador da infecção, como Amoxicilina ou Azitromicina, por exemplo, além de repouso.

Como é feita a prevenção: A prevenção das infecções respiratórias pode ser feita por meio de medidas simples, como evitar ficar em lugares públicos e fechados, cobrir a boca ao tossir e lavar regularmente as mãos. Além disso, no caso da coqueluche e da tuberculose, a prevenção também pode ser feita por meio da vacinação, que deve ser feita logo após o nascimento, no caso da vacina BCG que previne a tuberculose, ou a partir dos 2 meses de vida, que é a vacina conhecida como DTPA, que protege contra a coqueluche, a difteria e o tétano, que também são doenças causadas por bactérias. Saiba mais sobre a vacina DTPA.

Doenças causadas por bactérias: sintomas, tratamento e prevenção

6. Salmonelose

A salmonelose, ou intoxicação alimentar, é uma doença causada pela Salmonella sp., que pode ser adquirida por meio do consumo de alimentos e água, além de contato com animais contaminados pela bactéria. A principal fonte de Salmonella sp. são os animais criados em fazendas, como vacas, porcos e galinhas, principalmente. Assim, os alimentos que podem ser obtidos desses animais, como carnes, ovos e leite, correspondem à principal fonte de infecção de salmonelose.

Principais sintomas: Os sintomas da infecção por Salmonella sp. surgem 8 a 48 horas após o contato com a bactéria, podendo ser observado, vômitos, náuseas, dor abdominal, febre, dor de cabeça, mal-estar e calafrios. Em alguns casos, também pode ser percebido diarreia e presença de sangue nas fezes.

Como tratar: O tratamento da salmonelose normalmente não é feito com o uso de antibióticos, sendo geralmente indicado pelo médico a reposição dos fluidos, para evitar a desidratação, que é muito comum em pessoas mais velhas e crianças, e controle da náusea, vômitos e dor.

Em casos mais graves, quando os sintomas persistem e há suspeita de infecção de corrente sanguínea por essa bactéria, o infectologista pode recomendar o uso de antibióticos, como Fluoroquinolonas ou Azitromicina, por exemplo.

Como é feita a prevenção: A prevenção do contágio por Salmonella sp., é feita principalmente por meio de medidas de higienização pessoal e do alimento. Ou seja, é importante lavar bem as mãos após o contato com animais e antes e após o preparo dos alimentos, principalmente quando estes estão crus.

7. Leptospirose

A leptospirose é uma doença infecciosa causada por bactérias do gênero Leptospira, cuja infecção acontece pelo contato direto ou indireto com urina, fezes ou secreções infectadas pela bactéria. Essa doença é mais comum de acontecer em períodos de chuva, uma vez que a urina e excrementos de ratos, cães ou gatos, são espalhados pelo local, facilitando o contágio pela bactéria.

Principais sintomas: Os sintomas de leptospirose normalmente surgem após cerca de 5 a 14 dias após a entrada da bactéria no organismo através de mucosas ou feridas na pele, e pode provocar sintomas como dor de cabeça, dor muscular, febre alta, calafrios, olhos avermelhados e náuseas Em alguns casos, a bactéria pode atingir a corrente sanguínea e se espalhar para outros tecidos, incluindo o cérebro, causando sintomas mais graves, como dificuldade para respirar e tosse com sangue.

Além disso, devido à persistência da bactéria do organismo, pode haver insuficiência e, consequentemente, falência renal, o que pode colocar a vida da pessoa em risco.

Como tratar: A principal forma de tratamento é por meio de antibióticos, que devem ser indicados assim que os sintomas surgirem. Normalmente o infectologista recomenda o uso de Amoxicilina por 7 a 10 dias e, no caso de pacientes alérgicos a esse antibiótico, é recomendado Eritromicina. Além disso, dependendo da gravidade dos sintomas, é preciso que haja monitoramento da função dos rins, podendo ser necessária a realização de diálise.

Apesar de não ser uma doença transmissível de pessoa para pessoa, é recomendado que a pessoa diagnosticada com Leptospirose fique de repouso e beba bastante água para que a recuperação seja mais rápida.

Como é feita a prevenção: Para evitar a leptospirose, é recomendado evitar locais potencialmente contaminados, como lama, rios, água parada e lugares alagados, por exemplo. Além disso, no caso de alagamento da casa, por exemplo, é recomendado lavar todos os móveis e chão com água sanitária ou cloro.

É importante, também, evitar acumular lixo em casa e evitar acumular água, pois assim, além de evitar a leptospirose, evita-se outras doenças, como a dengue e a malária, por exemplo. Conheça outras formas de prevenção da leptospirose.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar