Gonorreia: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

setembro 2022

A gonorreia é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que é transmitida de pessoa para pessoa por meio da relação sexual anal sem camisinha. Na maioria dos casos, a gonorreia não causa sintomas, sendo descoberta apenas após exames de rotina, no entanto em algumas pessoas pode haver dor ou ardor ao urinar e surgimento de corrimento branco-amarelado, semelhante ao pus.

É importante que a gonorreia seja identificada e tratada rapidamente com antibióticos de acordo com a orientação do clínico geral, infectologista ou urologista, pois assim é possível diminuir o risco de complicações como infertilidade e doença inflamatória pélvica, por exemplo.

A gonorreia tem cura quando o tratamento é feito de acordo com a recomendação do médico. No entanto, algumas pessoas podem não responder corretamente ao tratamento devido à resistência adquirida pela bactéria aos antibióticos utilizados habitualmente, o que dificulta a cura. Neste caso pode ser necessário recorrer a uma combinação de antibióticos diferentes para curar a gonorreia.

Sintomas de gonorreia

Os principais sintomas de gonorreia são:

  • Dor ou ardor ao urinar;
  • Incontinência urinária;
  • Corrimento branco-amarelado, semelhante ao pus;
  • Inflamação das glândulas de Bartholin, que ficam nas laterais da vagina e são responsáveis pela lubrificação da mulher;
  • Uretrite aguda, que é mais comum de acontecer nos homens;
  • Vontade frequente para urinar;
  • Dor de garganta e comprometimento da voz, quando há relação íntima oral;
  • Inflamação do ânus, quando há relação íntima anal.

Os sintomas de gonorreia podem surgir até 10 dias após o contato coma bactéria responsável pela doença, no entanto, na maioria dos casos em mulheres a gonorreia é assintomática, sendo identificada apenas no momento da realização de exames ginecológicos de rotina. No caso dos homens, a maioria dos casos é sintomática e os sintomas aparecem poucos dias depois do contato sexual desprotegido.

Os sintomas de gonorreia podem variar de acordo com o tipo de relação sexual desprotegida, ou seja, se foi oral, anal ou com penetração, sendo importante que o ginecologista, urologista ou clínico geral seja consultado.

Gonorreia em recém-nascidos

Os bebês que entram em contato com a bactéria durante o parto podem apresentar alguns sinais e sintomas como dor e inchaço nos olhos, secreção purulenta e dificuldade para abrir os olhos, podendo levar à cegueira quando não tratada adequadamente.

Como acontece a transmissão

A gonorreia é transmitida de uma pessoa para outra por meio da relação sexual desprotegida, seja ela anal, oral ou vaginal. Assim, ao entrar em contato com a mucosa da região genital, é possível haver a transmissão da bactéria Neisseria gonorrhoeae.

Além disso, é possível também haver a transmissão da gonorreia da mulher para o bebê durante o parto quando a doença não é identificada e/ ou tratada durante a gravidez. Confira mais detalhes da transmissão da gonorreia.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da gonorreia é feito pelo clínico geral, ginecologista ou urologista a partir de exames físicos e resultado de exames laboratoriais, principalmente microbiológicos, que são feitos a partir da análise de urina, secreção vaginal ou da uretra, no caso dos homens, que são coletadas em laboratório especializado.

As amostras são levadas para o laboratório para análise onde são submetidas a uma série de testes para identificação da bactéria, além de também poderem ser realizados testes sorológicos e moleculares para identificação da Neisseria gonorrhoeae.

Além disso, é realizado o antibiograma com o objetivo de verificar o perfil de sensibilidade e resistência do microrganismo aos antibióticos normalmente utilizados. Dessa forma, o médico poderá indicar o melhor antibiótico para o tratamento.

Tratamento da gonorreia

O tratamento para gonorreia deve ser orientado por um ginecologista, no caso da mulher, ou um urologista, no caso do homem e, normalmente, é feito com o uso de Azitromicina em comprimidos e Ceftriaxona em injeção única para eliminar a bactéria que causa a doença do organismo. Normalmente o médico indica que o tratamento deve ser feito em 7 a 10 dias, devendo a pessoa seguir esse tratamento mesmo que os sintomas não existam mais.

Durante o tratamento para gonorreia é importante que a pessoa evite ter relações sexuais até estar completamente curado. Além disso, o parceiro sexual da pessoa deve também ser tratado com antibióticos, mesmo que não apresentem sintomas, devido ao risco de transmitir a gonorreia para outras pessoas. Veja como é feito o tratamento para gonorreia.

Principais complicações

As complicações da gonorreia podem acontecer quando a doença não é identificada e tratada corretamente, o que faz com que a bactéria continue se multiplicando no corpo e aumentando o risco de atingir outros órgãos além do sistema genital.

No caso das mulheres, quando a gonorreia não é identificada e tratada corretamente, há aumento do risco de desenvolvimento de doença inflamatória pélvica, gravidez ectópica e esterilidade, além de também haver aumento da chance da bactéria espalhar-se através da corrente sanguínea e levar à dores na articulação, febre e aparecimento de lesões nas extremidades do corpo.

Nos homens, as principais complicações da gonorreia são incontinência urinária, sensação de peso na região do pênis e infertilidade. Saiba como identificar a gonorreia no homem.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • MAHON, Connie R.; LEHMAN, Donald C. Textbook of Diagnostic Microbiology. 6 ed. St- Louis, Missouri: Elsevier, 2019. 369-376.
  • MORGAN, Mackenzie K.; DECKER, Catherine F. Gonorrhea. Disease-a-Month. Vol.62(8). 260-268, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • PAPADAKIS, Maxine A.; MCPHEE, Stephen J.; RABOW, Michael W. Current Medical Diagnosis & Treatment 2019. 58th. NEW YORK: McGraw-Hill Education, 2019.
  • BOSTON PUBLIC HEALTH COMMISSION. Gonorreia. 2018. Disponível em: <https://bphc.org/whatwedo/infectious-diseases/Infectious-Diseases-A-to-Z/Documents/Fact%20Sheet%20Languages/Gonorrhea/Portuguese.pdf>. Acesso em 14 nov 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. Gonorreia. Disponível em: <https://www.infectologia.org.br/pg/986/gonorreia>. Acesso em 28 ago 2019
  • BARER, Michael R et al. Medical Microbiology: A guide to microbial infections - pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 264-266.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.