Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Tuberculose: o que é, tipos, principais sintomas e transmissão

A tuberculose é uma doença infectocontagiosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis, popularmente conhecido como bacilo de Koch (BK), que entra no organismo por meio das vias aéreas superiores e se aloja no pulmão ou em outras partes do corpo, caracterizando a tuberculose extrapulmonar.

Os sintomas da tuberculose estão normalmente relacionados com o local que a bactéria se encontra, sendo mais comum de existirem sintomas respiratórios como tosse seca e com sangue, dor no peito ao tossir e dificuldade para respirar. É importante que a pessoa consulte o infectologista ou o clínico geral assim que surgirem os primeiros sintomas indicativos de tuberculose, pois assim é possível iniciar o tratamento logo em seguida, que costuma ser feito com uma combinação de antibióticos.

Tuberculose: o que é, tipos, principais sintomas e transmissão

Principais sintomas

Os sintomas da tuberculose estão principalmente relacionados com o desenvolvimento da bactéria nos pulmões, podendo haver tosse seca e persistente com ou sem sangue, perda de peso, dor no peito ao tossir e dificuldade respiratória.

No entanto, quando a bactéria desenvolve-se em outros órgãos, é possível que surjam outros sintomas como cansaço excessivo, suor noturno, febre e inchaço no local em que a bactéria está instalada. Conheça outros sintomas da tuberculose.

Tipos de tuberculose

De acordo com o local que a bactéria da tuberculose se instala e desenvolve-se, a tuberculose pode ser classificada em alguns tipos, sendo os principais:

  • Tuberculose pulmonar: É a forma mais comum da doença e ocorre devido a entrada do bacilo nas vias respiratórias superiores e alojamento nos pulmões. Esse tipo de tuberculose é caracterizado por tosse seca e constantes com ou sem sangue, sendo a tosse a principal forma de contágio, já que as gotículas de saliva liberadas por meio da tosse contêm os bacilos de Koch, podendo infectar outras pessoas;
  • Tuberculose miliar: É uma das formas mais graves da tuberculose e ocorre quando o bacilo entra na corrente sanguínea e chega a todos os órgãos, havendo risco de meningite. Além do pulmão ser gravemente acometido, outros órgãos também podem ser;
  • Tuberculose óssea: Apesar de não ser muito comum ocorre quando o bacilo consegue penetrar e se desenvolver nos ossos, o que pode provocar dor e inflamação, que nem sempre é inicialmente diagnosticada e tratada como sendo tuberculose;
  • Tuberculose ganglionar: É causada pela entrada do bacilo no sistema linfático, podendo acometer os gânglios do tórax, virilha, abdômen ou, mais frequentemente, do pescoço. Esse tipo de tuberculose extrapulmonar não é contagioso e tem cura quando tratado da maneira correta;
  • Tuberculose pleural: Ocorre quando o bacilo acomete a pleura, tecido que reveste os pulmões, causando intensa dificuldade em respirar. Esse tipo de tuberculose extrapulmonar não é contagioso, no entanto pode ser adquirido ao se entrar em contato com pessoa com tuberculose pulmonar ou ser uma evolução da tuberculose pulmonar.

É importante que o tipo de tuberculose seja identificado pelo infectologista ou clínico geral de acordo com os sintoma apresentados pela pessoa e resultado de exames, pois assim é possível que possa ser iniciado o tratamento adequado para combater a bactéria e, assim, prevenir o desenvolvimento da doença e surgimento de complicações.

No caso da tuberculose pulmonar, o diagnóstico pode ser feito por meio da realização de raio-x de tórax e exame do escarro com pesquisa do bacilo da tuberculose, também chamado de pesquisa de BAAR (Bacilo Álcool-Ácido Resistente). Para diagnosticar a tuberculose extrapulmonar recomenda-se a realização de biópsia do tecido afetado. Pode-se ainda realizar um teste cutâneo de tuberculina, conhecido também por teste de Mantoux ou PPD, que é negativo em 1/3 dos pacientes. Entenda como é feito o PPD.

Conheça mais sobre a tuberculose, tipos e como é feito o diagnóstico no vídeo a seguir:

Como acontece a transmissão

A transmissão da tuberculose pode acontecer pelo ar, de pessoa para pessoa através da inspiração de gotículas infectadas liberadas através da tosse, espirro ou fala. A transmissão só pode acontecer se houver comprometimento pulmonar e até 15 dias após o início do tratamento. 

As pessoas que possuem o sistema imune comprometido por doenças ou devido à idade, que fumam e/ou consumem drogas possuem mais chances de serem infectadas pelo bacilo da tuberculose e desenvolverem a doença.

A prevenção das formas mais graves da tuberculose pode ser feita através da vacina BCG ainda na infância. Além disso recomenda-se evitar locais fechados, mal ventilados e com pouca ou nenhuma exposição solar, mas é essencial manter-se afastado de pessoas diagnosticadas com tuberculose. Veja como ocorre a transmissão da tuberculose e como se prevenir.

Como é feito o tratamento

O tratamento para tuberculose é gratuito, e por isso, se a pessoa desconfia que está com a doença, deverá procurar o hospital ou posto de saúde imediatamente. O tratamento consiste no uso de medicamentos do tipo tuberculostáticos por cerca de 6 meses seguidos ou de acordo com a orientação do pneumologista. Em geral, o esquema de tratamento indicado para tuberculose é a combinação de Rifampicina, Isoniazida, Pirazinamida e Etambutol.

Nos 15 primeiros dias de tratamento, a pessoa deve ficar isolada, pois ainda pode transmitir o bacilo da tuberculose para outras pessoas. Após esse período pode voltar para a sua rotina normal e continuar usando os medicamentos. Entenda como é feito o tratamento da tuberculose.

Tuberculose tem cura

A tuberculose tem cura quando o tratamento é feito da maneira correta de acordo com as recomendações do médico. O tempo de tratamento é em torno de 6 meses consecutivos, o que quer dizer que mesmo que os sintomas desapareçam em 1 semana, a pessoa deverá continuar tomando os remédios até completar os 6 meses. Caso isso não aconteça, pode ser que o bacilo da tuberculose não seja eliminado do organismo e a doença não ser curada, além disso, pode haver resistência bacteriana, o que torna o tratamento mais difícil.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Prova Tuberculínica. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/tuberculose/aula05dots_prova_tuberculinica.pdf>.
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Técnicas de aplicação e leitura da prova tuberculínica. 2014. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/tecnicas_aplicacao_leitura_prova_tuberculinica.pdf>. Acesso em 16 Abr 2019
  • CDC. Treatment for TB Disease. Disponível em: <https://www.cdc.gov/tb/topic/treatment/tbdisease.htm>. Acesso em 16 Abr 2019
  • NHS. Tuberculosis: Treatment. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/tuberculosis-tb/treatment/>. Acesso em 16 Abr 2019
  • CDC. Transmission and Pathogenesis of Tuberculosis. Disponível em: <https://www.cdc.gov/tb/education/corecurr/pdf/chapter2.pdf>. Acesso em 16 Abr 2019
  • CDC. How TB Spreads. Disponível em: <https://www.cdc.gov/tb/topic/basics/howtbspreads.htm>. Acesso em 16 Abr 2019
  • NENO, Miguel et al.. Tuberculose ganglionar: desafio diagnóstico. Arquivos de Medicina. Vol.28. 1.ed; 2014
  • MATOS, Ana Sofia da Costa. Tuberculose Ganglionar: Artigo de Revisão. Tese de Mestrado, 2013. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...