Urina com cheiro forte: o que pode ser (e o que fazer)

julho 2022

A urina com cheiro forte na maioria das vezes surge devido a baixa ingestão de água ao longo do dia, o que também pode deixar a urina com a cor amarelo escuro, ou ainda também pode surgir devido ao consumo de alimentos como alho, cebola ou aspargo, podendo ser aliviada com medidas simples como beber bastante líquido durante o dia ou evitando o consumo desses alimentos, por exemplo.

No entanto, a urina com cheiro forte também pode indicar algumas condições de saúde como infecção urinária, diabetes não controlada ou até infecções sexualmente transmissíveis, sendo esses casos geralmente acompanhados de outros sintomas como dor ou ardor ao urinar, vontade frequente para urinar, sede excessiva ou inchaços, por exemplo.

É importante consultar o clínico geral, o urologista ou o ginecologista, sempre que surgir urina com cheiro forte, especialmente se estiver acompanhada de outros sintomas, para que possa ser identificada sua causa e iniciado o tratamento mais adequado. 

As principais causas de urina com cheiro forte são:

1. Beber pouca água

Quando se bebe pouca água durante o dia, as substâncias que são eliminadas na urina ficam mais concentradas, o que resulta no cheiro forte da urina. Além disso, é comum também que nesses casos a urina fique mais escura.

A baixa ingestão de água durante o dia, também pode levar à desidratação, que além da urina ficar mais concentrada, escura e com cheiro forte, pode ser acompanhada de outros sintomas como boca seca, dor de cabeça, cansaço excessivo ou aumento da sede, por exemplo. Saiba identificar os sintomas da desidratação

O que fazer: nesse caso, é importante aumentar o consumo de água ao longo do dia, sendo recomendado ingerir pelo menos 2 litros de água por dia. Além disso, é interessante também consumir alguns alimentos ricos em água, como a melancia e o pepino, por exemplo, pois assim é possível manter o corpo hidratado e diminuir o cheiro forte da urina. Veja quanto de água se deve beber por dia para manter o corpo hidratado

2. Alimentação rica em enxofre

Alguns alimentos podem deixar a urina com cheiro forte, especialmente o aspargo, pois é rico em ácido asparagúsico, um composto sulfurado, que é transformado no corpo em metanotiol ou metil mercaptano, responsável por deixar a urina com cheiro de enxofre, semelhante ao cheiro de repolho podre.

Além disso, outros alimentos também podem deixar a urina com cheiro forte, como o alho ou a cebola, pois também possuem compostos sulfurosos, ou ainda a couve de bruxelas, o café, o funcho ou frutos secos, por exemplo.

O que fazer: pode-se diminuir o consumo dos alimentos que deixam a urina com cheiro forte, ou evitar consumi-los por alguns dias para ver se o cheiro desaparece. No caso de não desaparecer, deve-se consultar o clínico geral para avaliar se existe alguma outra causa do cheiro forte na urina.

3. Gravidez

As mudanças hormonais normais que ocorrem na gravidez podem deixar a mulher mais sensível a cheiros, podendo também ter a sensação de que a urina tem um cheiro mais forte.

Além disso, durante a gravidez, o uso de suplementos vitamínicos pré-natais também podem afetar  a cor ou o cheiro da urina, além de que a grávida também pode desenvolver infecção urinária, e nesse caso, a urina com cheiro forte pode estar acompanhada de dor, ardor ou sensação de queimação ao urinar.

O que fazer: durante a gravidez deve-se fazer o acompanhamento pré-natal e utilizar os suplementos vitamínicos receitados pelo obstetra, não devendo interromper o seu uso por conta própria. No caso da mulher apresentar sintomas de infecção urinária, deve consultar o obstetra para fazer o tratamento mais adequado, sendo geralmente receitado pelo médico o uso de antibióticos. Veja como é feito o tratamento da infecção urinária na gravidez

4. Infecção urinária

A infecção urinária é uma das principais causas de urina com cheiro forte e isso acontece devido à presença de grandes quantidades de microrganismos presentes no sistema urinário. 

Além do cheiro forte, é comum também que surjam outros sintomas como dor ou ardor ao urinar, urina escura e vontade frequente para urinar, por exemplo. Conheça outros sintomas de infecção urinária

O que fazer: o tratamento deve ser recomendado pelo ginecologista ou urologista e é geralmente feito com antibióticos como fosfomicina, nitrofurantoína, amoxicilina, ou ciprofloxacino, por exemplo. Além disso, é também recomendado beber bastante água ou sucos de fruta, durante todo o tempo de recuperação, pois ajudam a eliminar a urina, contribuindo para a eliminação das bactérias. 

5. Insuficiência renal

Pouca quantidade de urina e com cheiro forte pode ser sinal de mau funcionamento dos rins, resultando na maior concentração de substâncias na urina. 

Além disso, no caso de insuficiência renal, outros sintomas que podem surgir são tremores nas mãos, cansaço, sonolência e inchaço no corpo, especialmente nos olhos, pernas e pés devido à retenção de líquidos. Confira outros sintomas que podem indicar um problema nos rins.

O que fazer: o tratamento deve ser recomendado pelo nefrologista e pode ser feito através do uso de medicamentos para diminuir a pressão arterial e inchaço do corpo, como lisinopril ou furosemida, por exemplo.

Além disso, o tratamento deve ser complementado com uma dieta pobre em proteínas, sal e potássio, para evitar a sobrecarga dos rins, sendo também recomendado beber bastante água. Confira no vídeo a seguir mais detalhes da alimentação para quem tem problema nos rins:

6. Diabetes não controlada

A diabetes não controlada é também uma causa frequente de urina com cheiro forte, o que pode acontecer devido ao excesso de açúcar circulante no organismo ou ser devido a alterações renais. 

Além disso, outros sintomas de diabetes descompensada são aumento da sede, vontade frequente para urinar, cansaço, feridas que cicatrizam lentamente ou formigamento nos pés e mãos.

O que fazer: o tratamento da diabetes deve ser feito com orientação do endocrinologista e envolve o uso de remédios antidiabéticos que dependem do tipo de diabetes diagnosticado, sendo também necessário realizar ajustes alimentares que ajudam no controle da doença, além de prática de atividade física de forma regular.

7. Infecção sexualmente transmissível

A urina com cheiro forte também pode ser sinal de uma infecção sexualmente transmissível (IST), como a gonorréia, clamídia ou tricomoníase, por exemplo. Isto porque as IST´s podem provocar corrimento com cheiro forte ou inflamação na uretra, alterando o cheiro da urina. 

Além disso, as IST’s podem estar acompanhadas de outros sintomas, como dor ou ardor ao urinar, corrimento vaginal branco-amarelado, semelhante ao pus, ou dor pélvica, por exemplo. 

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista ou o urologista para que seja diagnosticada a IST e iniciado o tratamento mais adequado, de acordo com o tipo de infecção, o que normalmente envolve o uso de antibióticos específicos. Veja os principais tratamentos das IST’s. ​​ 

8. Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal causada principalmente pela Gardnerella vaginalis, uma bactéria que se desenvolve quando há diminuição da quantidade de bactérias boas na vagina, levando ao surgimento de corrimento vaginal com odor semelhante a peixe, o que pode afetar o cheiro da urina. 

Além disso, outros sintomas que podem surgir são coceira intensa na região íntima, corrimento branco-acinzentado ou sensação de queimação ao urinar.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista que pode indicar o tratamento com antibióticos, como o metronidazol, clindamicina ou secnidazol, na forma de óvulos vaginais, pomada ou comprimidos, por exemplo. Confira os principais tratamentos para a vaginose bacteriana

9. Doença inflamatória pélvica

A urina com cheiro forte pode surgir devido a doença inflamatória pélvica (DIP) que é uma inflamação que tem origem na vagina e que progride afetando o útero, as trompas e os ovários, se espalhando por uma grande área pélvica, levando ao surgimento de corrimento vaginal amarelado ou esverdeado com mau cheiro, que pode afetar o cheiro da urina.

A doença inflamatória pélvica acontece na maioria dos casos como consequência de uma infecção sexualmente transmissível que não foi devidamente tratada, como gonorreia ou clamídia, mas também pode surgir devido a infecção no momento do parto, introdução de objetos contaminados na vagina durante a masturbação ou endometriose, por exemplo. 

O que fazer: o tratamento da doença inflamatória pélvica é feito com o uso de antibióticos receitados pelo ginecologista, como azitromicina, levofloxacino ou clindamicina, por exemplo, na forma de comprimido ou injeção. Veja os principais tratamentos para a doença inflamatória pélvica

10. Uso de suplementos vitamínicos

O uso de suplementos vitamínicos, especialmente as vitaminas do complexo B, como a tiamina (vitamina B1), colina (vitamina B8), piridoxina (vitamina B6) ou riboflavina (vitamina B2), podem deixar a urina com cheiro mais forte ou mais escurecida, pois são vitaminas hidrossolúveis, que se dissolvem na água para serem eliminadas na urina.

O que fazer: geralmente, o cheiro forte na urina desaparece após alguns dias após o término do uso dos suplementos contendo vitaminas do complexo B, que devem ser usadas somente com indicação do médico ou do nutricionista, sendo importante não interromper seu uso por conta própria.  

11. Doenças do fígado

Algumas doenças do fígado, como a insuficiência hepática ou infecção no fígado, podem aumentar a produção de amônia, que é eliminada pela urina, o que pode deixar a urina com cheiro forte, adocicado ou semelhante a mofo.

Além disso, outros sintomas que podem indicar uma doença no fígado são urina escura, fezes claras, pele ou olhos amareladas, inchaço na barriga, ou dor no lado superior direito do abdômen.

O que fazer: deve-se consultar o hepatologista ou gastroenterologista para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, o que varia de acordo com o que causou a doença no fígado. Veja as principais causas de doença no fígado e como é feito o tratamento

12. Fenilcetonúria 

A urina com cheiro forte e a mofo pode ser sintoma de fenilcetonúria, uma doença rara e congênita que não tem cura, e que é caracterizada pelo acúmulo de fenilalanina organismo e que pode ser diagnosticada logo após o nascimento, com o teste do pezinho

Outros sintomas causados por esta doença incluem dificuldade no desenvolvimento, cheiro a mofo na pele, eczema na pele ou deficiência mental. Conheça mais sobre a fenilcetonúria

O que fazer: o tratamento envolve a realização de uma dieta rigorosa baixa em fenilalanina, um aminoácido natural que pode ser encontrado na carne, ovos, oleaginosas, alimentos industrializados, leite e derivados. 

13. Doenças metabólicas

Algumas doenças metabólicas hereditárias, como a tirosinemia, a trimetilaminuria, a doença da urina do xarope bordo ou a cistinúria, podem deixar a urina com cheiro forte, semelhante ao cheiro de peixe, ovo podre ou de repolho cozido, ou ainda com cheiro adocicado. 

Além disso, essas doenças metabólicas também podem afetar o cheiro do suor, da respiração ou da cera de ouvido, por exemplo.

O que fazer: o tratamento das doenças metabólicas deve ser feito com orientação do pediatra, uma vez que se manifestam na infância. Por isso, caso o bebê ou a criança apresentem alteração no cheiro da urina, é importante consultar o pediatra para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que varia de acordo com o tipo de doença metabólica, para evitar complicações como deficiências no crescimento ou intelectuais, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em julho de 2022.

Bibliografia

  • VAN SPRONSEN, F. J.; et al. Phenylketonuria. Nat Rev Dis Primers. 7. 1; 36, 2021
  • BAGNALL, P.; RIZZOLO, D. Bacterial vaginosis: A practical review. JAAPA. 30. 12; 15-21, 2017
Mostrar bibliografia completa
  • CURRY, A.; et al. Pelvic Inflammatory Disease: Diagnosis, Management, and Prevention. Am Fam Physician. 100. 6; 357-364, 2019
  • SQUIRES, J. E.; et al. Acute Liver Failure: An Update. Clin Liver Dis. 22. 4; 773-805, 2018
  • JALIL, E. M.; et al. Prevalence of Chlamydia and Neisseria gonorrhoeae infections in pregnant women in six Brazilian cities. Rev Bras Ginecol Obstet. 30. 12; 614-9, 2008
  • ROWLEY, J.; et al. Chlamydia, gonorrhoea, trichomoniasis and syphilis: global prevalence and incidence estimates, 2016. Bull World Health Organ. 97. 8; 548-562P, 2019
  • GUL, A.; et al. Evaluation of smell function changes in pregnancy. Kulak Burun Bogaz Ihtis Derg. 25. 2; 92-6, 2015
  • TAN, N. C.; et al. Accuracy of urinary symptoms and urine microscopy in diagnosing urinary tract infection in women. Fam Pract. 36. 4; 417-424, 2019
  • MARQUES, L. P.; et al. Epidemiological and clinical aspects of urinary tract infection in community-dwelling elderly women. Braz J Infect Dis. 16. 5; 436-41, 2012
  • HO, Y. M. S.; et al. Culture-negative hand abscesses in immunocompetent individuals. Singapore Med J. 53. 2; e38-9, 2012
  • AL-KURAN, O.; et al. How prevalent are symptoms and risk factors of pelvic inflammatory disease in a sexually conservative population. Reprod Health. 18. 1; 109, 2021
  • MITCHEL, S. C.; et al. Asparagus, urinary odor, and 1,2-dithiolane-4-carboxylic acid. Perspect Biol Med. 56. 3; 341-51, 2013
  • PELCHAT, M. L.; et al. Excretion and Perception of a Characteristic Odor in Urine after Asparagus Ingestion: a Psychophysical and Genetic Study. Chem Senses. 36. 1; 9–17, 2011
  • ARSECULERATNE, G.; et al. Trimethylaminuria (Fish-Odor Syndrome). Arch Dermatol. 143. 81–84, 2007
  • STRUTHERS, S.; et al. Parental reporting of smelly urine and urinary tract infection. Arch Dis Child. 88. 3; 250-2, 2003
  • FELIX, P.; et al. My child has smelly urine - questions. Pediatric Nephrology. 27. 1087, 2012
  • FELIX, P.; et al. My child has smelly urine: Answers. Pediatric Nephrology. 27. 1089–1090, 2012
  • MARKT, S. C.; et al. Sniffing out significant “Pee values”: genome wide association study of asparagus anosmia. BMJ. 355. i6071, 2016
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.

Tuasaude no Youtube

  • INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS | com Drauzio Varella

    14:11 | 161387 visualizações
  • 10 ALIMENTOS MAIS RICOS EM ÁGUA (inclui receita)

    05:42 | 36815 visualizações
  • Infecção Urinária e Cistite | O que comer para Curar e Evitar

    04:49 | 3916112 visualizações
  • Dieta para tratar a insuficiência renal

    04:11 | 488333 visualizações
  • Alimentação para DIABÉTICO

    03:14 | 1283776 visualizações