Fenilcetonúria: o que é, sintomas, tratamento e complicações

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
março 2022
  1. Sintomas
  2. Diagnóstico
  3. Tratamento
  4. Possíveis complicações
  5. Como dar o leite materno

A fenilcetonúria é uma doença genética rara caracterizada pela presença de uma mutação responsável por alterar a função de uma enzima no organismo responsável pela conversão do aminoácido fenilalanina em tirosina, o que leva ao acúmulo de fenilalanina no sangue, que em grandes concentrações é tóxico para o organismo, podendo causar deficiência intelectual e convulsões, por exemplo.

Essa doença genética tem caráter autossômico recessivo, ou seja, para que a criança nasça com essa mutação é preciso que os dois pais sejam pelo menos portadores da mutação. O diagnóstico da fenilcetonúria pode ser feito logo após o nascimento por meio do teste do pezinho, sendo então possível estabelecer o tratamento logo em seguida.

A fenilcetonúria não tem cura, no entanto o seu tratamento é feito por meio da alimentação, sendo necessário evitar o consumo de alimentos ricos em fenilalanina, como queijos, ovos, leite e carnes, por exemplo.

Sintomas de fenilcetonúria

Os recém-nascidos com fenilcetonúria inicialmente não apresentam sintomas, porém os sintomas surgem alguns meses depois, sendo os principais:

  • Feridas na pele semelhante ao eczema;
  • Odor desagradável, característico do acúmulo de fenilalanina no sangue;
  • Náusea e vômito;
  • Comportamento agressivo;
  • Hiperatividade;
  • Retardo mental, geralmente grave e irreversível;
  • Convulsões;
  • Problemas comportamentais e sociais.

Normalmente esses sintomas são controlados por meio de uma dieta adequada e pobre em alimentos fonte de fenilalanina. Além disso, é importante que a pessoa com fenilcetonúria seja acompanhada de forma regular pelo pediatra e nutricionista desde a amamentação para que não haja complicações muito graves e o desenvolvimento da criança não seja comprometido.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da fenilcetonúria é feito logo após o nascimento por meio do teste do pezinho, que deve ser realizado entre as primeiras 48 e 72 horas de vida do bebê. Esse teste é capaz de diagnosticar não só a fenilcetonúria no bebê, mas também a anemia falciforme e fibrose cística, por exemplo. Saiba quais são as doenças identificadas pelo teste do pezinho.

As crianças que não tenham sido diagnosticadas por meio do teste do pezinho, podem ter o diagnóstico feito por meio de exames laboratoriais cujo objetivo é avaliar a quantidade de fenilalanina no sangue e, no caso de concentração muito elevada, pode ser realizado teste genético para identificar a mutação relacionada à doença.

A partir do momento que é identificada a mutação e a concentração de fenilalanina no sangue, é possível que o médico verifique qual o estágio da doença e probabilidade de complicações. Além disso, essas informações são importantes para que o nutricionista indique o plano alimentar mais adequado para a condição da pessoa.

É importante que a dosagem de fenilalanina no sangue seja feito de forma regular. No caso dos bebês é importante que seja feito toda semana até que o bebê complete 1 ano, enquanto que para crianças entre 2 e 6 anos o exame deve ser realizado quinzenalmente e para crianças a partir dos 7 anos, mensalmente.

Como é feito o tratamento

O tratamento da fenilcetonúria tem como principal objetivo diminuir a quantidade de fenilalanina no sangue e, por isso, é normalmente indicada a realização de uma dieta pobre em alimentos que contenham a fenilalanina, como os alimentos de origem animal, como por exemplo:

  • Alimentos de origem animal: carnes, leites e derivados, ovos, peixes, mariscos, e derivados de carnes, como salsicha, linguiça, bacon, presunto.
  • Alimentos de origem vegetal: trigo, soja e derivados, grão de bico, feijão, ervilha, lentilha, castanhas, amendoim, nozes, amêndoas, avelã, pistache, pinhão;
  • Adoçantes com aspartame;
  • Produtos que tenham como ingrediente os alimentos proibidos, como bolos, bolachas, sorvete e pão.

As frutas e os vegetais podem ser consumidos pelos fenilcetonúricos, assim como os açúcares e as gorduras. Também é possível encontrar no mercado vários produtos especiais feitos para esse público, como arroz, macarrão e bolachas, e há diversas receitas que podem ser utilizadas para produzir alimentos com baixo teor em fenilalanina.

É importante que essas alterações na alimentação sejam orientadas pelo nutricionista, isso porque pode ser necessária a suplementação de algumas vitaminas ou minerais que não conseguem ser obtidos na alimentação normal. Veja como deve ser a alimentação em caso de fenilcetonúria.

A mulher com fenilcetonúria e que deseja engravidar deve ter orientação do obstetra e do nutricionista quanto os riscos do aumento da concentração de fenilalanina no sangue. Por isso, é importante que seja avaliada pelo médico periodicamente, além de seguir uma dieta adequada para a doença e, provavelmente, fazer suplementação de alguns nutrientes para que tanto a mãe quanto a criança fiquem saudáveis.

É recomendado também que o bebê com fenilcetonúria seja acompanhado durante toda a vida e de forma regular para evitar complicações, como o comprometimento do sistema nervoso, por exemplo.

Como dar leite materno com segurança

Apesar da recomendação ser a exclusão do leite materno na alimentação do bebê, utilizando apenas leite de farmácia sem fenilalanina, é ainda possível amamentar o bebê fenilcetonúria, no entanto para isso é necessário:

  • Fazer um exame de sangue no bebê todas as semanas, para que sejam verificados os níveis de fenilalanina no sangue;
  • Calcular a quantidade de leite materno a dar para o bebê, de acordo com os valores de fenilalanina no sangue do bebê e segundo orientação do pediatra;
  • Calcular a quantidade de leite de farmácia sem fenilalanina, para completar a alimentação do bebê;
  • Retirar com a bomba a quantidade certa de leite materno que a mãe pode dar ao bebê;
  • Usar a mamadeira ou a técnica de relactação para alimentar o bebê.

É fundamental excluir da alimentação o aminoácido fenilalanina, para que o bebê não tenha problemas no desenvolvimento físico e mental, como retardo mental.

Suplementos nutricionais

Como a alimentação da pessoa com fenilcetonúria é bastante restrita, é possível que não tenha a quantidade de vitaminas e minerais necessários para o bom funcionamento do organismo e para o desenvolvimento correto da criança. Assim, o nutricionista pode indicar o uso de suplementos e fórmulas nutricionais para garantir o o crescimento adequado do bebê e promover a sua saúde.

A suplementação a ser utilizada é indicada pelo nutricionista de acordo com a idade, peso da pessoa e capacidade de digestão do bebê, devendo ser mantida durante toda a vida.

Possíveis complicações da fenilcetonúria

As complicações da fenilcetonúria surgem quando o diagnóstico não é feito precocemente ou quando o tratamento não é seguido de acordo com as orientações do pediatra, havendo acúmulo de fenilalanina no sangue, que pode atingir áreas específicas do cérebro e levar ao desenvolvimento de alterações permanentes, como:

  • Atraso no desenvolvimento psicomotor;
  • Pouco desenvolvimento cerebral;
  • Microcefalia;
  • Hiperatividade;
  • Distúrbios comportamentais;
  • Diminuição do QI;
  • Deficiência mental grave;
  • Convulsões;
  • Tremores.

Com o passar do tempo, se a criança não for devidamente tratada, pode haver dificuldade para sentar e para andar, distúrbios do comportamento e atraso na fala e no desenvolvimento intelectual, além de poder haver depressão, epilepsia e ataxia, que é perda do controle dos movimentos voluntários.

Fenilcetonúria tem cura?

A fenilcetonúria não tem cura e, por isso, o tratamento é feito apenas com o controle na alimentação. Os danos e o comprometimento intelectual que podem acontecer com o consumo de alimentos ricos em fenilalanina é irreversível nas pessoas que não possuem a enzima ou possuem a enzima instável ou ineficiente no que diz respeito à conversão da fenilalanina em tirosina. Esses danos, porém, podem ser facilmente evitados por meio da alimentação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em março de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em março de 2022.

Bibliografia

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Fenilcetonúria (PKU). Disponível em: <https://www.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-nacional-da-triagem-neonatal/fenilcetonuria-pku>. Acesso em 27 abr 2020
  • COMISSÃO NACIONAL DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (CONITEC). Relatório de Recomendação - protocolo clínico e diretrizes terapêuticas: fenilcetonúria. 2019. Disponível em: <http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2019/Relatrio_PCDT_Fenilcetonria_CP16_2019.pdf>. Acesso em 27 abr 2020
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.