Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Remédios para úlcera gástrica: o que são e quando tomar

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
novembro 2022

Os remédios para úlcera gástrica são principalmente os medicamentos antiulcerosos, como omeprazol, cimetidina ou antiácidos, que ajudam a diminuir a acidez do estômago e, assim, evitar o surgimento de úlceras. Além disso, são usados para curar ou facilitar a cicatrização da úlcera e prevenir ou tratar qualquer inflamação na mucosa do trato gastrointestinal.

A úlcera gástrica é uma ferida aberta que se forma no estômago que pode ser causada por diferentes situações, como má alimentação ou infecção por bactéria, por exemplo, resultando em sintomas como dor no estômago, náuseas e vômitos. Saiba identificar todos os sintomas de úlcera gástrica.

Os medicamentos antiulcerosos devem ser usados somente com indicação do gastroenterologista dependendo da causa da acidez e da úlcera, após a realização de exames como a endoscopia.

Imagem ilustrativa número 1

Principais medicamentos antiulcerosos

Os principais remédios antiulcerosos que podem ser indicados pelo médico são:

1. Antibióticos

Os antibióticos, como a claritromicina, amoxicilina, tetraciclinametronidazol ou levofloxacino, por exemplo, podem ser indicados pelo médico nos casos de úlceras no estômago causada por uma infecção pela bactéria Helicobacter pylori, após realização de exames de diagnóstico, como endoscopia, e a detecção da bactéria no estômago.

Geralmente, são utilizados dois tipos de antibióticos no tratamento, associados a um inibidor da bomba de prótons, como o esomeprazol, lansoprazol ou omeprazol, e/ou um antiácido, como o subsalicilato de bismuto, durante cerca de 7 a 14 dias de tratamento, conforme orientação médica.

Os antibióticos podem causar efeitos colaterais como diarreia, vômitos, má digestão, náusea, dor abdominal, reações na pele, dor de cabeça, alterações do paladar e insônia.

2. Inibidores da bomba de prótons

Os inibidores da bomba de prótons, como omeprazol, esomeprazol ou lansoprazol, por exemplo, são indicados para o tratamento da úlcera gástrica pois agem diminuindo a produção de ácido no estômago, através da inibição da bomba de prótons presente nas células da parede do estômago. Desta forma, o estômago é menos agredido pelo ácido estomacal, permitindo a cicatrização das úlceras.

Esses remédios devem ser usados com indicação do gastroenterologista pois podem causar efeitos colaterais como problemas nos rins, dor de cabeça, diarreia, formação de bolinhas na pele, dor abdominal, produção excessiva de gases intestinais, náuseas, prisão de ventre ou deficiência de vitamina B12.

Além disso, o uso prolongado desses remédios, pode aumentar o risco de fraturas ósseas, nos quadris, pulso ou coluna, por exemplo.

3. Antagonistas dos receptores da histamina

Os antagonistas dos receptores da histamina, como cimetidina, nizatidina ou famotidina, são uma classe de remédios que agem reduzindo a produção de ácido pelo estômago, por se ligarem em regiões nas células da parede do estômago, impedindo a ação da histamina, que quando ativada aumenta a produção de ácidos.

Desta forma, os antagonistas dos receptores da histamina podem ser indicados pelo gastroenterologista para diminuir a acidez do estômago e facilitar a cicatrização da úlcera.

Os efeitos colaterais mais comuns provocados pelo uso destes medicamentos são diarreia, dor de cabeça, sonolência, insônia, cansaço, dor muscular, tontura, vertigem ou prisão de ventre.

4. Protetores gástricos

Os protetores gástricos, como o sucralfato, formam uma barreira protetora na mucosa do estômago sobre as úlceras, impedindo que o ácido danifique a parede do estômago, promovendo sua cicatrização.

Os efeitos colaterais mais comuns provocados pelos protetores gástricos são escurecimento das fezes, tontura, dor de cabeça, boca seca, náuseas, vômitos, diarreia ou prisão de ventre, formação de bolinhas na pele ou distúrbios psicóticos. 

5. Antiácidos

Os antiácidos, como hidróxido de alumínio, hidróxido de magnésio, carbonato de cálcio ou bicarbonato de sódio, agem neutralizando rapidamente o ácido do estômago, fazendo com que o estômago seja menos agredido pelo ácido, aliviando temporariamente a dor e o desconforto causado pela úlcera gástrica.

No entanto, os antiácidos não curam a úlcera gástrica, apenas ajudam a aliviar temporariamente a dor da úlcera gástrica, devendo ser usados somente se recomendado pelo gastroenterologista, pois o uso excessivo ou por muito tempo pode causar acidez rebote, que é quando o estômago aumenta a produção de ácido por perceber que a acidez diminuiu e, assim, o desconforto da úlcera pode piorar. 

Além disso, os antiácidos podem causar efeitos colaterais como diarreia ou problemas nos rins, não sendo recomendado seu uso por mais de 2 semanas. 

Outro antiácido que pode ser indicado pelo médico, é o subsalicilato de bismuto, especialmente nos casos de úlcera gástrica causada pela bactéria H. pylori, pois além de diminuir a acidez do estômago, ajuda também a reduzir a inflamação do estômago e tem ação bactericida, sendo normalmente usado em associação com os antibióticos e os inibidores da bomba de prótons. 

Quando tomar

Os medicamentos antiulcerosos são recomendados pelo gastroenterologista em caso de:

  • Úlcera péptica;
  • Gastrite;
  • Doença gastroduodenal ulcerosa;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Úlcera duodenal;
  • Síndrome de Zollinger-Ellison.

Geralmente, essas condições de saúde podem causar dor ou desconforto no estômago, sendo por isso recomendado pelo médico o uso de remédios antiulcerosos para prevenir ou tratar úlceras. Veja quais são as principais causas e como é feito o tratamento para dor no estômago.

Dependendo dos sintomas, o médico indica o medicamento com mecanismo de ação mais adequado para a situação, podendo ser um bloqueador da bomba de prótons ou protetores da mucosa gástrica, por exemplo.

Quem não deve usar

Os remédios antiulcerosos não devem ser usados por pessoas que tenham alergia a qualquer um dos componentes das fórmulas dos medicamentos, ou que tenham problemas graves no fígado ou dos rins.

Além disso, no caso de crianças, mulheres grávidas ou em amamentação, esses remédios só devem ser usados se recomendados pelo médico após avaliar os riscos e os benefícios do tratamento.

Cuidados durante o tratamento

Durante o tratamento das úlceras no estômago alguns cuidados são importantes, como:

  • Tomar os remédios nos horários corretos, conforme orientado pelo médico;
  • Evitar tomar remédios por conta própria, especialmente anti-inflamatórios;
  • Evitar fumar ou consumir bebidas alcoólicas;
  • Evitar o consumo de comidas apimentadas ou muito condimentadas, pois podem piorar os sintomas;
  • Evitar o estresse, reservando um tempo para descansar ou praticando uma atividade física para relaxar.

Além disso, é importante fazer uma dieta equilibrada, saudável, de fácil digestão e pobre em gordura e açúcares, orientada pelo nutricionista, incluindo alimentos  ricos em fibras, como frutas, verduras e legumes frescos, por exemplo. Veja um exemplo de cardápio para úlcera gástrica

Assista o vídeo a seguir com a nutricionista Tatiana Zanin com dicas de alimentação para úlcera gástrica ou gastrite:

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • YEGEN, B. C. Lifestyle and Peptic Ulcer Disease. Curr Pharm Des. 24. 18; 2034-2040, 2018
  • SCALLY, B.; et al. Effects of gastroprotectant drugs for the prevention and treatment of peptic ulcer disease and its complications: a meta-analysis of randomised trials. Lancet Gastroenterol Hepatol. 3. 4; 231-241, 2018
Mostrar bibliografia completa
  • FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA. Úlcera Péptica. 2003. Disponível em: <https://amb.org.br/files/_BibliotecaAntiga/ulcera-peptica.pdf>. Acesso em 07 nov 2022
  • WNAG, Y-P.; et al. Non-pharmacological Approach in the Management of Functional Dyspepsia. J Neurogastroenterol Motil. 26. 1; 6–15, 2020
  • KAMADA, T.; et al. Evidence-based clinical practice guidelines for peptic ulcer disease 2020. J Gastroenterol. 56. 4; 303-322, 2021
  • KAVITT, R. T.; et al. Diagnosis and Treatment of Peptic Ulcer Disease. Am J Med. 132. 4; 447-456, 2019
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.

Tuasaude no Youtube

  • Remédio caseiro para acabar com AZIA e QUEIMAÇÃO rápido

    12:46 | 891239 visualizações
  • REFLUXO GASTROESOFÁGICO - tratamento natural

    05:19 | 2696926 visualizações
  • O que comer para aliviar os sintomas de Gastrite

    03:11 | 2244233 visualizações