Amoxicilina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
julho 2022
  1. Para que serve
  2. Como tomar
  3. Efeitos colaterais
  4. Contraindicações

A amoxicilina é um antibiótico indicado no tratamento de diversas infecções por bactérias, já que evitam a multiplicação e crescimento desses agentes infecciosos, como E. coli, Salmonella sp., Shigella sp., Neisseria gonorrhoeae e H. pylori. A dose de amoxicilina depende da doença a ser tratada e a gravidade dos sintomas, devendo ser recomendado pelo médico.

Os efeitos secundários da amoxicilina são pouco comuns e geralmente são passageiros, como náuseas, vômitos e diarreia. É importante que o médico seja informado sobre a alergia à penicilina, já que esse medicamento pode causar uma reação alérgica grave.

A amoxicilina só pode ser comprada nas farmácias convencionais com apresentação de receita médica, sob o nome genérico, "Amoxicilina" ou com os nomes comerciais de Amoxil, Novocilin, Velamox ou Amoximed, por exemplo.

Para que serve

A amoxicilina é indicada para:

  • Infecções urinárias, como pielonefrite ou cistite;
  • Amigdalite;
  • Sinusite;
  • Vaginite;
  • Infecção dos ouvidos;
  • Infecção da pele;
  • Infecções respiratórias, como pneumonia ou faringite estreptocócica;
  • Infecções articulares;
  • Infecções gastrointestinais, como febre tifoide.

Além disso, também pode ser utilizado para tratar a doença de Lyme e para prevenir infecções do coração durante cirurgia. Além disso, em conjunto com outros medicamentos, a amoxicilina pode ser indicada no tratamento das úlceras estomacais.

Como tomar

A dose de amoxicilina e o horário do tratamento variam de acordo com a infecção a tratar e, por isso, devem ser sempre indicados pelo médico. No entanto, na maioria dos casos as recomendações gerais são:

  • Adultos e crianças acima de 40 kg: a dose recomendada é de 250 a 500 mg via oral, 3 vezes ao dia. Em infecções mais graves, o médico pode sugerir o aumento da dose para 750 mg a 1g a cada 12 horas.
  • Crianças com menos de 40 kg: a dose deve ser indicada pelo pediatra de acordo com o tipo de infecção e a gravidade dos sintomas.

Em pessoas com insuficiência renal, o nefrologista pode ajustar a dose do medicamento, já que a Amoxicilina é eliminada principalmente através da urina, o que pode piorar os sintomas renais.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais da amoxicilina podem ser leves e passageiros, podendo haver, principalmente, náuseas, vômitos, diarreia, vermelhidão e coceira na pele. Veja como tratar a diarreia provocada pelo uso deste antibiótico.

A amoxicilina pode causar reações alérgicas graves ou anafiláticas que necessitam de atendimento médico imediato. Por isso, deve-se interromper o tratamento e procurar o pronto socorro mais próximo ao apresentar sintomas como dificuldade para respirar, tosse, dor no peito, sensação de garganta fechada, inchaço na boca, língua ou rosto, ou urticária. Saiba identificar todos sintomas de reação anafilática.

A amoxicilina corta o efeito do anticoncepcional?

Não existe evidência científica clara sobre o efeito da amoxicilina sobre o anticoncepcional, no entanto, existem casos em que podem ocorrer vômitos ou diarreia, devido a alterações da flora intestinal causados pelo antibiótico, podendo reduzir a quantidade de hormônios absorvidos.

Desta forma é aconselhado o uso de outros contraceptivos como o preservativo durante o tratamento com amoxicilina, e até 28 dias após terminado o tratamento. Veja quais os antibióticos que cortam o efeito do anticoncepcional.

Quem não deve tomar

Este antibiótico está contraindicado para pacientes com histórico de alergia a antibióticos betalactâmicos, como penicilinas ou cefalosporinas e para pacientes com alergia à amoxicilina ou a algum dos componentes da fórmula.

Além disso, se a pessoa estiver grávida ou amamentando, tiver problemas ou doenças nos rins ou se estiver em tratamento com outros medicamentos, deve conversar com o seu médico antes de iniciar o tratamento.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022.

Bibliografia

  • MENSA, Josep et al.. Guía de terapéutica antimicrobiana. Barcelona: Editorial Antares, 2018. 54-55.
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.