10 exames IST: quais são, o que detectam (e quando fazer)

Atualizado em março 2024

Os exames para IST, como exames de sangue ou urina, coleta de secreções genitais ou biópsia de lesões, podem ser indicados como exame de rotina para pessoas com alto risco de ter IST ou sempre que há suspeita de alguma infecção.

Esses exames permitem ao médico diagnosticar infecções sexualmente transmissíveis (IST’s), como HIV, clamídia, gonorreia, tricomoníase, sífilis, HPV ou ureaplasma, por exemplo. Veja os principais tipos de IST.

O resultado dos exames de IST devem ser interpretados pelo ginecologista, urologista ou infectologista, para que seja iniciado o tratamento mais adequado, o que varia com o tipo de infecção e evitar a transmissão.

Imagem ilustrativa número 1

Principais exames para IST

Os principais exames que detectam IST são:

1. Testes rápidos

Os testes rápidos para IST podem ser realizados em Unidade Básicas de Saúde ou nos Centros de Testagem e Aconselhamento, permitindo um resultado em cerca de 30 minutos.

Geralmente, quando o resultado dá resultado positivo, o médico indica outros exames para confirmar a IST, como exames de sangue, e assim indicar o tratamento de acordo com o tipo de IST detectada.

No caso de mulheres grávidas, caso o resultado do teste rápido seja positivo, o tratamento é iniciado imediatamente, mesmo antes de exames de sangue, para evitar a transmissão da IST para o bebê. Confira as principais IST's na gravidez.

Infecções que detecta: os testes rápidos podem ser feitos para detectar IST’s como HIV, sífilis ou hepatite B e C.

Como é feito: esse exame é feito coletando uma amostra de saliva com um cotonete e colocando-o em um tubo contendo reagente, ou uma gota de sangue colocada no dispositivo do teste. Entenda como é feito o teste rápido de HIV.

2. Exames de sangue

Os exames de sangue para IST, como VDRL, anti-HIV-1, anti-HIV-2 ou anti-HSV IgG, por exemplo, permitem detectar anticorpos, antígenos ou ácidos nucleicos de vírus ou bactérias.

Infecções que detecta: os exames de sangue permitem detectar IST's como HIV, hepatites A, B ou C, sífilis, clamídia, linfogranuloma venéreo ou herpes genital.

Como é feito: esse exame é feito recolhendo uma amostra de sangue, que é colocado em um tubo de ensaio, para ser analisado no laboratório.

Preocupado com o resultado do seu exame?

Estamos aqui para ajudar! Fale com os nossos profissionais e receba orientação especializada sobre o que fazer a seguir.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

3. Exame de urina

O exame de urina para IST permite detectar a presença e o tipo de bactéria ou protozoário que está causando a infecção, através da urocultura ou PCR, por exemplo.

Infecções que detecta: o exame de urina para IST detecta clamídia, gonorreia, tricomoníase ou Mycoplasma genitalium.

Como é feito: esse exame é feito recolhendo uma amostra da primeira urina da manhã, coletada em um frasco próprio para exame de urina, após higienização da região genital e desprezando o primeiro jato de urina. Veja como deve ser preparo para a urocultura.

4. Coleta de secreções

A coleta das secreções para IST permitem detectar bactérias, vírus ou protozoários presentes em secreções vaginais, uretrais, do colo do útero, anais, bucais, oculares ou de úlceras e feridas genitais, através de exame de microscopia, NAAT ou RT-PCR.

Infecções que detecta: o exame de coleta de secreções permite detectar IST's, como clamídia, gonorreia, sífilis, tricomoníase, cancro mole, herpes genital, donovanose, linfogranuloma venéreo, Mycoplasma genitalium ou doença inflamatória pélvica (DIP).

Como é feito: esse exame é feito recolhendo uma amostra da secreção com um swab, que é um material tipo um cotonete, que é colocado dento de um tubo de ensaio próprio para o teste ou uma lâmina de microscopia para ser analisado no laboratório.

Leia também: Exame PCR: o que é, para que serve e resultados tuasaude.com/exame-pcr

5. Papanicolau

O papanicolau é um exame para IST em mulheres que já iniciaram a vida sexual, fazendo parte dos exames ginecológicos de rotina. Veja os principais exames ginecológicos de rotina.

Infecções que detecta: o exame de papanicolau detecta a presença do vírus HPV, assim como o subtipo, sendo um exame importante para a prevenção do câncer de colo de útero.

Leia também: Câncer de colo do útero: o que é, sintomas, causas e tratamento tuasaude.com/sintomas-de-cancer-de-colo-de-utero

Como é feito: esse exame é feito no consultório do ginecologista, realizando uma raspagem do colo do útero, com auxílio de uma espátula ou escovinha, para recolher células do colo do útero que são enviadas para análise em laboratório.

Caso o exame de papanicolau detecte o HPV e o subtipo, o ginecologista pode realizar uma colposcopia, que é um exame que permite ao médico identificar lesões do HPV no colo do útero, vulva ou vagina, que não são visíveis a olho nu. Veja como é feita a colposcopia.

6. Peniscopia

A peniscopia é um exame para IST em homens, pois permite ao médico visualizar pequenas lesões no pênis, no saco escrotal ou região perianal, ou verrugas microscópicas.

Infecções que detecta: o exame de peniscopia detecta infecções por HPV no homem, herpes genital ou sífilis, que causam feridas ou úlceras na região genital.

Como é feito: a peniscopia é feita pelo urologista utilizando o peniscópio, que é um instrumento capaz de aumentar e ampliar a imagem, após a aplicação de ácido acético, o que permite visualizar as células e suas alterações de forma detalhada. Entenda como é feita a peniscopia.

Leia também: HPV no homem: sintomas, transmissão e tratamento tuasaude.com/hpv-no-homem

7. Biópsia de lesões

A biópsia de lesões para IST pode ser feita coletando uma pequena amostra de lesões genitais, anais ou bucais, por exemplo, permitindo identificar bactérias,

Infecções que detecta: esse exame normalmente é feito para detectar IST's como donovanose, HPV genital, ânus, boca ou garganta, ou verrugas genitais. Além disso, a biópsia é feita nos casos de alterações no exame de colposcopia ou peniscopia, nos casos de HPV em mulheres ou homens.

Leia também: HPV na mulher: o que é, sintomas, transmissão e tratamento tuasaude.com/sintomas-de-hpv

Como é feito: a biópsia de lesões é feita coletando uma pequena amostra da lesão ou verruga, colocado em um frasco próprio para enviar ao laboratório. Entenda como é feita a biópsia e principais tipos.

8. Lâmpada de Wood

O exame da lâmpada de Wood é um tipo de teste para IST que emite uma luz UV, permitindo ao médico analisar as características da pele e confirmar o diagnóstico da IST.

Infecções que detecta: o exame da lâmpada de Wood pode ser feito para confirmar o diagnóstico da pediculose, conhecida popularmente como chato. Confira os principais sintomas de chato.

Como é feito: o exame da lâmpada de Wood é feito pelo dermatologista utilizando um pequeno equipamento que emite uma luz fluorescente, permitindo verificar a presença do parasita, assim como os ovos depositados nos pelos pubianos.

Leia também: Lâmpada de Wood: o que é, para que serve e como funciona tuasaude.com/lampada-de-wood

9. Exames de imagem

Os exames de imagem para IST, como ultrassom pélvico ou transvaginal, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, permitem ao médico detectar alterações nos órgãos urogenitais ou cerebrais.

Infecções que detecta: os exames de imagem permitem ao médico identificar complicações de IST's, como a doença inflamatória pélvica (DIP) causada por clamídia e gonorreia, ou neurossífilis causada pela sífilis.

Leia também: Doença Inflamatória Pélvica (DIP): o que é, sintomas, causas e tratamento tuasaude.com/doenca-inflamatoria-pelvica

Como é feito: o exame de imagem é feito pelo radiologista em hospitais ou clínicas especializadas, utilizando diferentes aparelhos para captar imagens de órgãos internos da cavidade pélvica e abdominal ou cérebro e medula espinhal.

10. Punção lombar

A punção lombar para IST pode ser indicado pelo médico quando existe suspeita da infecção ter atingido o sistema nervoso central, como cérebro, meninges e medula espinhal.

Infecções que detecta: a punção lombar permite ao médico detectar a neurosífilis, que é uma complicação da sífilis, quando a bactéria Treponema pallidum afeta o sistema nervoso central.

Como é feito: esse exame é feito coletando uma amostra do líquido cefalorraquidiano (LCR) através da colocação de uma agulha fina na coluna lombar, após anestesia local, coletando o líquido em um frasco estéril para ser enviado ao laboratório e identificar ou não a presença da bactéria. Entenda como é feita a punção lombar e cuidados.

Quando fazer

Os exames para IST's devem ser feitos por todas as pessoas com vida sexual ativa e nas seguintes situações:

  • Check-up anual com o ginecologista ou urologista;
  • Relação sexual desprotegida;
  • Múltiplos parceiros ou ter um(a) parceiro(a) diagnosticado(a) com IST;
  • Gravidez ou mulheres que estão tentando engravidar;
  • Compartilhamento de agulhas, seringas, lâminas de barbear ou alicates de unha.

Deve-se fazer os exames também caso a pessoa apresente sintomas de IST, como dor ao urinar, sangramento ou dor durante o contato íntimo, corrimento vaginal ou peniano, lesões na região genital ou anal, por exemplo. Confira os principais sintomas de IST em mulheres e homens.

Desta forma, o médico pode indicar o tratamento mais adequado de acordo com o tipo de ISt identificada, e dependendo do seu tipo, podem ser necessários exames periódicos para avaliar a eficácia do tratamento, carga viral ou complicações.

Leia também: Como tratar as 11 IST's mais comuns tuasaude.com/tratamento-para-dst

Vídeos relacionados