Colposcopia: o que é, para que serve e como é feito

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
maio 2022

A colposcopia é um exame ginecológico em que é feita a observação da vulva, vagina e colo do útero de forma bem detalhada, buscando sinais que podem indicar inflamação​ ou doenças como HPV e câncer.

Geralmente, o ginecologista realiza esse exame quando, durante o exame ginecológico, são visualizadas lesões no colo do útero ou vagina ou quando o exame de papanicolau apresentou alguma alteração.

Esse exame é simples e não dói, mas pode causar um pequeno desconforto e uma sensação de ardor quando o ginecologista aplica produtos que ajudam a observar melhor o colo do útero e a vagina. Durante o exame, caso o médico verifique a presença de alguma alteração suspeita, pode coletar uma amostra para que seja feita a biópsia.

Para que serve

A colposcopia é indicada para observar com mais detalhes a vulva, a vagina e o colo do útero, esse exame pode ser realizado para:

  • Investigar inflamações no colo do útero, chamada cervicite;
  • Identificar pólipos benignos;
  • Identificar lesões indicativas de câncer de colo do útero;
  • Investigar a causa de sangramento vaginal excessivo e/ou inespecífico;
  • Verificar a presença de lesões pré-cancerosas na vagina e na vulva;
  • Investigar a causa de dor pélvica;
  • Analisar verrugas genitais ou outras lesões que podem ser identificadas visualmente.

A colposcopia é normalmente indicada após resultado anormal do papanicolau, no entanto pode também ser solicitado como exame ginecológico de rotina, podendo ser realizado juntamente com o papanicolau. Entenda o que é e como é feito o exame de papanicolau

Como é feita a colposcopia

A colposcopia é um exame simples e rápido em que a mulher precisa ficar em posição ginecológica para que o procedimento seja realizado. Em seguida, o ginecologista irá seguir as seguintes etapas para realizar a colposcopia:

  1. Introdução de um pequeno instrumento chamado espéculo na vagina, o mesmo utilizado no exame ginecológico de rotina, para manter o canal vaginal aberto e permitir uma melhor observação do colo do útero;
  2. Colocar o colposcópio, que é um tipo de microscópio que parece um binóculo, em frente à mulher para permitir uma visão aumentada e detalhada da parede da vagina, vulva e colo do útero;
  3. Aplicar diferentes produtos no colo do útero, caso seja necessário, como ácido acético, para eliminar o muco e permitir melhor visualização do colo do útero, ou solução de Lugol ou solução de Schiller, para identificar alterações na região. É durante este momento que a mulher pode sentir um pouco de ardor.

Além disso, durante o procedimento o médico também pode utilizar o instrumento para tirar fotografias ampliadas do colo do útero, da vulva ou da vagina para colocar no relatório final do exame.

Colposcopia com biópsia

No caso de serem identificadas alterações durante a realização do exame, o médico pode coletar uma pequena amostra da região para que seja realizada a biópsia, sendo assim possível saber se a alteração identificada é benigna ou maligna e, nesse caso, ser possível iniciar o tratamento adequado. Entenda como é feita a biópsia e como entender o resultado.  

É possível fazer colposcopia durante a gravidez?

A colposcopia também pode ser realizada normalmente durante a gravidez, pois não causa nenhum dano ao feto, mesmo que o procedimento seja feito com biópsia.

Caso seja identificada alguma alteração, o médico irá avaliar se o tratamento pode ser adiado para depois do parto, quando um novo exame será feito para avaliar a evolução do problema.

Como se preparar para o exame

Para a realização da colposcopia, devem ser tomados alguns cuidados, como:

  • Informar ao médico sobre o uso de remédios anticoagulantes, como varfarina, heparina, rivaroxabana ou ácido acetilsalicílico, pois podem aumentar o risco de sangramento, caso seja feita biópsia;
  • Não ter relação sexual por 48 horas antes do exame, mesmo que seja com uso de camisinha;
  • Não usar absorvente interno, ducha vaginal, cremes ou outros medicamentos vaginais, por 24 horas antes do exame; 
  • Não estar menstruada, a não ser que o exame tenha sido solicitado para investigar a causa de sangramento vaginal excessivo e/ou inespecífico;
  • Esvaziar a bexiga, imediatamente antes do exame,
  • Informar ao médico se apresenta alergia ao iodo, pois a solução de Schiller e a solução de Lugol, possuem iodo na sua composição;
  • Informar ao médico se apresenta alergia a outros medicamentos ou látex, por exemplo;
  • Tomar os remédios de uso habitual normalmente, conforme orientação médica.

Além disso, de forma a evitar dor ou desconforto durante a colposcopia, pode ser recomendado pelo médico que a mulher tome um analgésico, como o ibuprofeno, cerca de 30 a 60 minutos antes do exame.

É recomendado também que a mulher leve o resultado do último exame de papanicolau ou outro que tenha feito recentemente, como ultrassom transvaginal, ultrassonografia abdominal ou exames de sangue.

Como entender o resultado

Durante a colposcopia, o ginecologista deve informar se encontrou alguma alteração no colo do útero, vagina ou vulva, e caso tenham sido visualizadas alterações, realizar a biópsia. 

O resultado da colposcopia com biópsia é interpretado pelo ginecologista, que pode indicar a presença de células alteradas na região onde foi realizada a biópsia. Neste caso, dependendo do grau de alteração nas células, o médico pode indicar o tratamento mais adequado. Saiba como é feito o tratamento do câncer de colo de útero

Cuidados após a colposcopia

A colposcopia é um exame rápido e dura cerca de 15 a 20 minutos, sendo que após o exame, pode ocorrer dor ou desconforto na vagina ou na vulva, por cerca de 1 a 2 dias, devido ao uso do espéculo ou da aplicação dos produtos no colo do útero. 

Além disso, caso tenha sido realizada a colposcopia com biópsia, é possível que ocorram cólicas, sangramentos leves ou corrimento marrom. Neste caso, deve-se evitar fazer sexo ou usar duchas vaginais ou absorventes internos, durante 1 semana após o exame, para permitir a cicatrização do colo do útero.

Possíveis complicações do exame

A colposcopia é um exame seguro, geralmente não causando complicações durante o procedimento. No entanto, em alguns casos, especialmente quando é realizada a colposcopia com biópsia, podem ocorrer sangramento vaginal excessivo, corrimento com mau cheiro, cólica intensa, febre ou calafrios.

Nesses casos, é importante entrar em contato com o ginecologista imediatamente ou procurar o pronto-socorro mais próximo, pois pode ser indicativo de infecção.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em maio de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Colposcopy. 2020. Disponível em: <https://www.acog.org/patient-resources/faqs/special-procedures/colposcopy>. Acesso em 17 mar 2022
  • PRENDIVILLE, W.; SANKARANARAVANAN, R. Colposcopy and Treatment of Cervical Precancer. Lyon (FR): International Agency for Research on Cancer. (IARC Technical Report, No. 45.), 2017
Mostrar bibliografia completa
  • PRETORIUS, R. G.; BELINSON, J. L. Colposcopy. Minerva Ginecol. 64. 2; 173-80, 2012
  • REDMAN, C. W. E.; et al. European consensus statement on essential colposcopy. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 256. 57-62, 2021
  • KHAN, M. J.; et al. ASCCP Colposcopy Standards: Role of Colposcopy, Benefits, Potential Harms, and Terminology for Colposcopic Practice. J Low Genit Tract Dis. 21. 4; 223-229, 2017
  • INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (BRASIL). COORDENAÇÃO GERAL DE AÇÕES ESTRATÉGICAS. DIVISÃO DE APOIO À REDE DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA – RIO DE JANEIRO: INCA. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer. 2011. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/rastreamento_cancer_colo_utero.pdf>. Acesso em 17 mar 2022
  • INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (BRASIL). COORDENAÇÃO GERAL DE AÇÕES ESTRATÉGICAS. DIVISÃO DE APOIO À REDE DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA – RIO DE JANEIRO: INCA. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer. 2011. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/rastreamento_cancer_colo_utero.pdf>. Acesso em 17 mar 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.