Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Câncer de colo do útero: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
janeiro 2023
  1. Sintomas
  2. Diagnóstico
  3. Estágios
  4. Causas
  5. Tratamento
  6. Prevenção

O câncer de colo do útero é um tipo de tumor que normalmente não provoca sintomas na fase inicial, mas à medida que a doença se desenvolve pode haver sintomas como sangramento vaginal fora do período menstrual ou após as relações sexuais, corrimento com mau cheiro, dor durante a relação sexual, dor abdominal e sensação de pressão na parte inferior da barriga.

O câncer de colo de útero, também chamado de câncer cervical, é causado principalmente pela infecção pelo vírus HPV, no entanto pode também acontecer em mulheres que não foram infectadas pelo vírus e que tem mais de 45 anos, fumam e fazem uso de pílula anticoncepcional por muito tempo, por exemplo.

Quando identificado nos estágios iniciais, o câncer de colo de útero pode ser tratado e tem cura. Por isso, é importante consultar regularmente o ginecologista, para fazer exames como papanicolau e colposcopia, por exemplo, que facilitam a identificação precoce de alterações sugestivas de câncer.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas de câncer de colo do útero

Os principais sintomas de câncer de colo do útero são:

  1. Sangramento fora do período menstrual;
  2. Sangramento após a relação sexual;
  3. Corrimento com mau cheiro ou coloração escura;
  4. Dor abdominal ou pélvica, que pode piorar ao urinar ou evacuar;
  5. Dor durante a relação sexual;
  6. Sensação de pressão na parte inferior da barriga;
  7. Vontade de urinar mais frequente, mesmo durante a noite;
  8. Perda rápida de peso sem motivo aparente.

Além disso, em alguns casos a pessoa também pode apresentar cansaço excessivo, dor e inchaço nas pernas, perdas involuntárias de urina ou de fezes.

Os sintomas do câncer de colo de útero são mais frequentes quando a doença já está mais avançada, por isso é fundamental que o ginecologista seja consultada assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do câncer de colo do útero é feito pelo ginecologista através do exame pélvico e da avaliação da história familiar e de saúde da pessoa. Durante a consulta ginecológica, poderá ser realizado o toque vaginal e avaliação da vagina e do colo do útero.

Além disso, o médico também indica o papanicolau, também conhecido como exame preventivo, e o exame de colposcopia, pois assim é possível avaliar mais detalhadamente o colo do útero.

Caso sejam identificadas alterações, o médico pode solicitar a realização de uma biópsia do colo do útero, um exame onde é feita a coleta de um pequeno pedaço tecido do colo do útero para ser analisada em laboratório. Veja como é feita a biópsia do colo do útero.

Estágios do câncer de colo de útero

De acordo com o desenvolvimento do tumor, é possível classificar a doença em alguns estágios:

  • Estágio 1: nesse estágio, o tumor está localizado somente no útero;
  • Estágio 2: o tumor é encontrado dentro e fora do útero, mas não atinge a parede pélvica ou o terço inferior da vagina;
  • Estágio 3: tumor que se estende à parede pélvica, compromete a parte inferior da vagina, ou causa alteração nos rins;
  • Estágio 4: Tumor que invade a mucosa da bexiga ou ânus ou e/ou que se estende além da pélvis.

É importante que seja verificado o estágio do câncer de colo de útero para que o médico possa indicar o tratamento mais adequado para combater o câncer e prevenir a evolução da doença e a ocorrência de metástases, que é quando as células cancerígenas se desprendem do tumor e passam para a corrente sanguínea, afetando outros órgãos. 

Possíveis causas

A principal causa do câncer de colo do útero é a infecção pelo vírus HPV, que é transmitido principalmente através das relações sexuais desprotegidas, com ou sem penetração. Conheça mais sobre o HPV.

Além disso, alguns fatores de risco que que também podem contribuir para o surgimento do câncer de colo de útero são:

  • Iniciar precocemente a atividade sexual;
  • Ter múltiplos parceiros sexuais;
  • Fumar;
  • Usar pílulas anticoncepcionais por muito tempo;
  • Ter mais de 45 anos;
  • Engravidar antes dos 17 anos ou dar a luz a vários filhos.

Além disso, mulheres que possuem outras infecções sexualmente transmissíveis, como clamídia, herpes ou gonorreia, também apresentam maiores riscos de desenvolverem o câncer de colo de útero.

Como é feito o tratamento

O tratamento para o câncer de colo do útero varia conforme o estágio da doença, o tamanho do tumor, se existem metástases da doença, a idade e o estado de saúde geral da mulher.

1. Conização

A conização consiste na retirada de uma pequena parte do colo do útero, em forma de cone. Embora seja uma técnica mais usada para fazer a biópsia e confirmar o diagnóstico de câncer, a conização também pode ser considerada uma forma de tratamento padrão em casos de lesão escamosa intraepitelial de alto grau, que ainda não é considerada câncer, mas que pode evoluir para câncer. Veja como é feita a conização.

2. Histerectomia

A histerectomia é o principal tipo de cirurgia para tratar o câncer de colo de útero, podendo ser utilizada nas fases iniciais ou mais avançadas da doença, podendo ser:

  • Histerectomia total: remove apenas o útero e o colo do útero e pode ser feita através de um corte no abdômen, por laparoscopia ou através do canal vaginal; 
  • Histerectomia radical: além do útero e do colo do útero, também são removidos a parte superior da vagina e os tecidos próximos, que podem estar afetados pelo câncer.

É importante lembrar que nos dois tipos de histerectomia os ovários e as trompas só são retirados se também tiverem sido afetados pelo câncer. Veja os tipos de histerectomia e os cuidados após a cirurgia.

3. Radioterapia e quimioterapia

A radioterapia é um tratamento que pode ser indicado antes, durante ou após o tratamento com cirurgia ou quimioterapia, onde utiliza-se a aplicação de radiação diretamente no tumor.

Já a quimioterapia é um procedimento onde se administra medicamentos via oral, ou injetáveis para eliminar ou impedir o crescimento das células cancerígenas.

4. Traquelectomia

A traquelectomia é um tipo de cirurgia que remove apenas o colo do útero e o terço superior da vagina, deixando o corpo do útero intacto, o que permite que a mulher engravide após o tratamento, caso desejado.

Normalmente, esta cirurgia é usada nos casos de câncer de colo do útero detectados na fase inicial e que ainda não afetou outras estruturas.

5. Exenteração pélvica

A exenteração pélvica é uma cirurgia mais extensa que pode ser indicada nos casos em que o câncer volta e afeta outras regiões. Nesta cirurgia são retirados o útero, o colo do útero, os gânglios da pélvis, podendo também ser necessário retirar outros órgãos como ovários, trompas, vagina, bexiga e parte do final do intestino.

Como prevenir o câncer de colo do útero

A principal forma de se prevenir o câncer de colo do útero, é através da vacina contra o HPV, que pode ser encontrada em postos de saúde e clínicas particulares. Entenda como e quando tomar a vacina contra o HPV.

Além disso, é importante também usar preservativos em todas as relações sexuais e consultar regularmente o ginecologista.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em janeiro de 2023. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em outubro de 2020.

Bibliografia

  • INCA. Câncer do colo do útero. Disponível em: <https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero>. Acesso em 06 dez 2022
  • NHS. Cervical cancer. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/cervical-cancer/>. Acesso em 06 dez 2022
Mostrar bibliografia completa
  • CDC. Cervical Cancer. Disponível em: <https://www.cdc.gov/cancer/cervical/index.htm>. Acesso em 06 dez 2022
  • STATPEARLS. StatPearls: cervical cancer. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK431093/>. Acesso em 06 dez 2022
  • SOCIEDADE EUROPÉIA DE GINECOLOGIA ONCOLÓGICA (. Câncer de colo de útero Guidelines. 2019. Disponível em: <https://www.esgo.org/media/2019/01/ESGO_Cervical-Cancer_A4PT.pdf>. Acesso em 06 dez 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • TRATAMENTO do CÂNCER: como aliviar os EFEITOS COLATERAIS

    14:07 | 84769 visualizações