7 principais ISTs na gravidez

fevereiro 2022

As infecções sexualmente transmissíveis, também conhecidas como ISTs, podem surgir antes ou durante a gravidez e prejudicar a saúde da mãe e do bebê, trazendo complicações como parto prematuro, aborto, baixo peso ao nascer e atraso no desenvolvimento.

Os sintomas variam de acordo com o tipo de infecção apresentada, mas normalmente surgem feridas na região genital, corrimento e coceira. Na presença de sinais e sintomas indicativos de IST, é importante que a mulher consulte o ginecologista para que seja feito o diagnóstico e seja iniciado o tratamento mais adequado.

Além disso, é recomendado que a mulher realize os exames pré-natais de acordo com a orientação do médico, pois assim é possível descobrir de forma precoce a presença de doenças e iniciar o tratamento para prevenir complicações. Saiba mais sobre os exames do pré-natal.

As principais infecções sexualmente transmissíveis e que podem interferir na gravidez são:

1. Sífilis

A sífilis presente durante a gestação deve ser tratada logo que identificada, pois existe risco de a doença atravessar a placenta e passar para o bebê e causar complicações como aborto, baixo peso ao nascer, surdez e cegueira.

Os principais sintomas indicativos de sífilis são o surgimento de feridas avermelhadas nos genitais, que desaparecem depois de algumas semanas e voltam a surgir nas palmas da mãos e e plantas dos pés.

O que fazer: É recomendado que seja realizado um exame de sangue para confirmar o diagnóstico de sífilis e, assim, ser iniciado o tratamento mais adequado, que é feito com injeção de Penicilina, sendo importante que o parceiro também realize o tratamento mesmo que não apresente sintomas. Veja mais detalhes do tratamento da sífilis na gravidez.

2. AIDS

A AIDS é uma doença sexualmente transmissível que pode ser passada para o bebê durante a gestação, no momento do parto ou no aleitamento, especialmente se a mãe não receber o tratamento adequado durante a gravidez.

O que fazer: O diagnóstico da AIDS é feito durante os exames do primeiro pré-natal e, em casos positivos, o tratamento é feito com medicamentos que diminuem a reprodução do vírus no organismo, como o AZT.

3. Gonorreia

A gonorreia pode causar complicações na gravidez como parto prematuro, atraso do desenvolvimento do feto, inflamação nos pulmões, brônquios ou ouvido do bebê após o parto.

Na maior parte dos casos, essa doença não causa sintomas e por isso muitas vezes é descoberta apenas durante o pré-natal. No entanto, em algumas mulheres podem surgir sintomas como dor ao urinar ou no baixo ventre e aumento do corrimento vaginal.

O que fazer: O tratamento para gonorreia consiste no uso de antibióticos, que devem ser indicado pelo ginecologista ou obstetra e usados conforme a orientação, mesmo que não existam mais sintomas. Confira mais detalhes do tratamento da gonorreia na gravidez.

4. Clamídia

A infecção por clamídia também está relacionada a complicações como parto prematuro, conjuntivite e pneumonia do recém-nascido, causando dor ao urinar, corrimento vaginal com pus e dor no baixo ventre.

O que fazer: O tratamento para clamídia é feito com antibióticos que devem ser indicados pelo médico, podendo ser recomendado o uso de Azitromicina ou Eritromicina. Entenda melhor como é feito o tratamento da clamídia na gravidez.

5. Herpes

Durante a gravidez, a herpes aumenta os riscos de aborto, microcefalia, retardo do crescimento do feto e contaminação do bebê pela herpes congênita, especialmente durante o parto. Nesta doença surgem feridas na região genital que são acompanhadas de ardência, formigamento, coceira e dor, e podem evoluir para pequenas úlceras.

O que fazer: O tratamento é feito com medicamentos que combatem o vírus e evitam que atinja o bebê, além de aliviar os sintomas, no entanto a herpes não tem cura definitiva. Veja mais sobre o tratamento da herpes genital na gravidez.

6. Cancro mole

O cancro mole é caracterizado pelo surgimento de várias feridas dolorosas na região genital e no ânus, podendo ocorrer também o aparecimento de apenas uma úlcera mais profunda, sensíveis e com mal cheiro. Saiba mais sobre o cancro mole.

O que fazer: É importante consultar o ginecologista para que seja feito o diagnóstico e, assim, iniciar o tratamento mais adequado, que normalmente é feito com injeções ou comprimidos de antibióticos.

7. Donovanose

A donovanose também é conhecida como granuloma venéreo ou granuloma inguinal, e provoca o aparecimento de úlceras ou nódulos na região genital e anal que normalmente não causam dor, mas que pioram durante a gravidez.

O que fazer: Na maior parte dos casos, a donovanose não causa prejuízos ao feto, mas deve ser tratada com antibióticos de acordo com a orientação do médico para não se disseminar para outras regiões do corpo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em fevereiro de 2022.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.