Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

Sintomas de Cirrose hepática, diagnóstico, fatores de risco e tratamento

Os sintomas da cirrose hepática normalmente aparecem em fases mais avançadas da doença, quando o fígado já está mais comprometido, podendo ser percebida fraqueza, inchaço inchaço das pernas, pele e olhos amarelados, aparecimento de aranhas vasculares e abdômen inchado.

É importante que essa doença seja diagnosticada logo ao surgirem os sintomas, para que não haja complicações. O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais que avaliam principalmente a função do fígado e exames de imagem para que o órgão seja observado e seja verificada a extensão da cirrose.

A cirrose hepática é uma inflamação crônica do fígado que pode acontecer devido ao uso excessivo de álcool ou medicamentos, infecções virais e doenças genéticas como a hemocromatose e a síndrome de Budd-Chiari. Conheça outras causas de cirrose hepática.

Sintomas de Cirrose hepática, diagnóstico, fatores de risco e tratamento

Sintomas da cirrose hepática

As pessoas que estão na fase inicial da cirrose normalmente não apresentam sintomas, porém em casos um pouco mais avançados pode haver o surgimento de vários sintomas, como:

  • Fraqueza;
  • Cansaço excessivo;
  • Falta de apetite;
  • Náusea;
  • Perda de peso sem causa aparente;
  • Pele e olhos amarelados;
  • Coceira por todo o corpo;
  • Abdômen inchado;
  • Vômito com sangue, devido ao sangramento das varizes do esôfago;
  • Inchaço das pernas;
  • Insuficiência renal;
  • Desnutrição, em casos avançados;
  • Atrofia muscular;
  • Rubor das palmas das mãos;
  • Flexão dos dedos das mãos;
  • Aranhas vasculares, que são veias em forma de aranha sob a pele;
  • Aumento das mamas nos homens;
  • Aumento das glândulas salivares localizadas ao nível das bochechas;
  • Atrofia testicular;
  • Neuropatia periférica, que é a perturbação das junções do sistema nervoso.

Ao ser notado qualquer um desses sintomas é importante consultar o hepatologista ou um clínico geral, pois pode se tratar de cirrose, devendo ser iniciado o tratamento rapidamente.

Sintomas de Cirrose hepática, diagnóstico, fatores de risco e tratamento

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da cirrose hepática é feito pelo clínico geral ou hepatologista por meio da avaliação dos sintomas, hábitos da pessoa e exames laboratoriais que avaliam a função do fígado, rins e a capacidade de coagulação, além de testes sorológicos para identificar infecções virais.

Os principais exames laboratoriais que o médico solicita para avaliar o fígado são a dosagem das enzimas hepáticas TGO e TGP, que encontram-se elevadas no sangue quando o fígado apresenta lesões. Além disso, o médico normalmente solicita a dosagem de gama-GT, que também é uma enzima produzida no fígado e que pode ter sua concentração aumentada em caso de problemas hepáticos. Conheça outros exames que avaliam o fígado.

Além disso, para confirmação do diagnóstico, o médico pode solicitar a realização de exames de imagem como tomografia computadorizada ou ressonância magnética com o objetivo de avaliar o fígado e a região abdominal, sendo possível identificar regiões lesionadas e indicar a necessidade de realização de biópsia, por exemplo. A biópsia de fígado não é feita com o objetivo de diagnóstico, mas sim para determinar gravidade, extensão e causa da cirrose.

Fatores de risco

O desenvolvimento da cirrose hepática está muito relacionada com os hábitos de vida da pessoa, havendo maior risco de acontecer em pessoas que possuem hábito de consumir excessivamente bebidas alcoólicas, fazem uso de medicamentos de forma indiscriminada, ou seja, sem orientação médica, e possuem excesso de peso ou são obesos.

Além disso, outros fatores que aumentam o risco de cirrose hepática são predisposição genética, ou seja, parente próximo que possuam cirrose hepática, idade superior a 40 anos, diabetes e hepatites B e C, por exemplo.

No caso da cirrose que acontece como consequência do estilo de vida, é importante adotar hábitos que evitem o surgimento da doença, como prática de atividades físicas, dieta saudável e equilibrada e uso de medicamentos apenas sob indicação e orientação médica.

Tratamento para cirrose

O tratamento para cirrose varia de acordo com a causa, podendo ser feito com a suspensão do medicamento ou álcool, por exemplo. Além disso, é importante manter uma dieta adequada e que inclua suplementação de vitaminas, já que devido ao comprometimento do fígado, a pessoa pode apresentar dificuldade para digerir as gorduras corretamente. Saiba como é feita a dieta para cirrose.

É importante que a cirrose hepática seja identificada rapidamente e o tratamento logo iniciado para que se possam evitar complicações e necessidade de realização de transplante de fígado, por exemplo, que é a opção de tratamento indicada pelo hepatologista em casos mais graves quando o fígado não funciona mais como deveria. Entenda como é feito o tratamento para cirrose.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem