Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

Como é feito o tratamento para cirrose hepática

O tratamento para cirrose hepática é indicado pelo hepatologista de acordo com os sintomas e gravidade da cirrose, podendo ser recomendado o uso de medicamentos, dieta adequada ou transplante de fígado nos casos mais graves, por exemplo.

A cirrose hepática é uma doença progressiva do fígado, que surge como consequência de situações que levam à destruição lenta e progressiva das células do fígado, como consumo excessivo de álcool ou hepatite, por exemplo. Conheça outras causas de cirrose hepática.

O transplante de fígado é indicado quando a cirrose hepática encontra-se descompensada, favorecida pelo surgimento de complicações, como ascite, hemorragia digestiva varicosa, encefalopatia hepática e peritonite bacteriana espontânea. Por isso, é importante que o tratamento da cirrose hepática seja realizado o mais rápido possível, para desacelerar a progressão da doença e prevenir complicações.

Como é feito o tratamento para cirrose hepática

Desta forma, o tratamento para cirrose hepática consiste nas seguintes opções:

1. Uso de medicamentos

O tratamento medicamentoso da cirrose hepática tem como objetivo controlar alguns sintomas da cirrose, como a ardência e inchaço abdominal resultante da ascite, que é o acúmulo de líquido na barriga, podendo ser indicado pelo médico o uso de remédios diuréticos que ajudam a eliminar o excesso de líquido. Saiba mais o que é ascite e quais os sintomas.

Em caso de encefalopatia hepática, uma complicação da cirrose em que ocorre mau funcionamento do cérebro, alguns medicamentos como laxantes e antibióticos, como a lactulose e a neomicina ou rifaximina, podem ser prescritos para ajudar na eliminação das toxinas através dos intestinos, evitando que essas substâncias prejudiquem o funcionamento do cérebro. Como a cirrose hepática aumenta a pressão da artéria no fígado, também podem ser indicados medicamentos como betabloqueadores para reduzir a pressão arterial.

O tratamento farmacológico para cirrose hepática só deve ser indicado pelo gastroenterologista ou hepatologista, segundo as condições clínicas e sintomas apresentados por uma pessoa. Em alguns casos, a vacinação contra a hepatite A e B é recomendada para prevenir mais lesões no fígado.

2. Dieta para cirrose

A dieta para cirrose hepática deve ser indicada pelo nutricionista e é baseada em alimentos com baixo teor de sal, devendo ser substituído por outros temperos como salsa ou limão, por exemplo. Também é recomendado consumir alimentos ricos em fibras e com poucas proteínas, principalmente se a pessoa apresentar ascite ou encefalopatia hepática. Veja mais o cardápio e os alimentos da dieta para cirrose.

O tratamento nutricional da cirrose hepática também inclui a recomendação de não ingerir alimentos gordurosos e embutidos, assim como não fazer uso de drogas, sobretudo álcool que é uma das principais causas desta doença, pois podem lesar ainda mais o fígado. Desta forma, no tratamento para cirrose hepática alcoólica a abstinência de álcool é fundamental.

3. Tratamento natural

O tratamento natural da cirrose hepática não deve substituir o tratamento indicado e deve ser feito com orientação de um médico, sendo que alguns produtos naturais são indicados como o chá de sabugueiro ou de uxi amarelo que, devido às suas propriedades desintoxicantes e depurativas, podem ajudar no alívio dos sintomas da cirrose. Saiba como preparar os remédios caseiros para cirrose.

Para os casos em que a cirrose hepática não foi causada pelo excesso de álcool, chamada cirrose hepática não-alcoólica, pode ser recomendado o uso de suplementos de zinco e vitamina E, pois tem uma ação anti-inflamatória, reduzindo os sintomas desta doença.

4. Hemodiálise

A hemodiálise é indicada para pessoas que sofreram alguma lesão nos rins provocada pelas complicações da cirrose hepática, como aumento das toxinas no corpo, pois o fígado não consegue absorver e eliminar essas substâncias, assim como pelo aumento da pressão arterial ou pela pouca circulação de sangue nos rins.

Este procedimento deve ser feito em um hospital ou clínica e consiste em um tratamento para filtrar o sangue, eliminando toxinas e sais, ou seja, é feito através de uma máquina que realiza as mesmas funções dos rins. Veja mais como funciona a hemodiálise.

5. Transplante de fígado

O transplante de fígado é indicado pelo médico em casos mais graves, quando a cirrose hepática está descompensada, o fígado está gravemente comprometido e deixa de funcionar corretamente, ou quando o tratamento com medicamentos não está sendo eficaz. Este tipo de tratamento também pode ser indicado nos casos em que o fígado está afetado com um tumor.

Após a indicação deste procedimento, é necessário esperar na fila de doações, pois é somente depois de encontrar um doador que será programada a cirurgia de transplante. Entenda como funciona o transplante de fígado e como é a recuperação.

Complicações da cirrose hepática

A cirrose hepática deve ser tratada assim que for feito o diagnóstico, pois pode provocar complicações como ascite, que é o acúmulo de líquidos no abdome e que se desenvolve porque a pressão na artéria do fígado aumenta, fazendo com que os vasos sanguíneos fiquem comprimidos. Para reverter essa complicação são necessários uso de medicamentos e a realização de paracentese. Veja mais como é feita a paracentese.

Outras complicações da cirrose hepática podem ser as varizes esofágicas, que ocorrem devido ao rompimento de vasos sanguíneos no esôfago, provocados pelo aumento da pressão, e peritonite, que é a inflamação da membrana que encobre o abdome. Também podem surgir complicações cerebrais e pulmonares por causa da diminuição de oxigênio no sangue.

Bibliografia >

  • MATOS, Leopoldo; FIGUEIREDO, Pedro N. Gastroenterologia fundamental. 1.ed. Lousã: Lidel, 2013. 331-341.
  • SERVIÇO DE GASTRENTEROLOGIA DO HOSPITAL PROF. DR. FERNANDO FONSECA. ABORDAGEM CLÍNICA DA CIRROSE HEPÁTICA: PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO. 2018. Disponível em: <https://repositorio.hff.min-saude.pt/bitstream/10400.10/1967/1/Livro%20Abordagem%20Clinica_net.pdf>. Acesso em 31 Dez 2019
  • HOSPITAL PROFESSOR DOUTOR FERNANDO FONSECA. Lesão renal aguda no doente crítico com cirrose hepática. 2010. Disponível em: <https://repositorio.hff.min-saude.pt/bitstream/10400.10/1277/1/Catarina%20Rodrigues-%20LRA%20no%20doente%20critico%20com%20cirrose%20hepatica.pdf>. Acesso em 31 Dez 2019
  • SANYAL, Arun J. et al. Pioglitazone, vitamin E, or placebo for nonalcoholic steatohepatitis. N Engl J Med. Vol. 362, n.18. 1675-85, 2010
  • SOMI, Mohammad H. et al. Effects of Low Dose Zinc Supplementation on Biochemical Markers in Non-alcoholic Cirrhosis: A Randomized Clinical Trial. Arch Iran Med. Vol.15, n.8. 472-6, 2012
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem