Íngua: o que é, sintomas, causas e quando ir ao médico

outubro 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Quando ir ao médico
  4. Tratamento

A íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, ou linfonodos, que geralmente acontece por alguma infecção ou inflamação próximo da região em que surge, ou ainda por condições mais graves, como câncer ou doenças autoimunes, resultando em sintomas como um ou mais pequenos nódulos ou caroços sob a pele, que podem ou não ser dolorosos, e costumam durar entre 3 e 30 dias.

A íngua, também é conhecida como adenopatia ou linfadenopatia, é mais comum de surgir no pescoço, virilha ou axilas, mas também podem surgir em qualquer local do corpo, pois os gânglios linfáticos fazem parte do sistema imune e agem como filtros para substâncias ou microorganismos, ajudando no combate às infecções.

Geralmente, a íngua melhora em alguns dias, no entanto, quando cresce muito, é localizada em várias partes do corpo ou acompanhada de outros sintomas, como perda de peso ou suor noturno, deve-se consultar o clínico geral para que sejam realizados exames, identificada sua causa e iniciado  tratamento mais adequado.

Assista o vídeo a seguir com as principais causas de íngua e o que deve fazer:

Sintomas de íngua

Os principais sintomas de íngua são:

  • Caroço sob a pele, que pode medir cerca de 0,5 cm a 1 cm;
  • Caroço que se move, quando apalpado;
  • Aumento da sensibilidade no local da íngua;
  • Dor, que geralmente surge quando existe inflamação ou infecção do linfonodo;
  • Caroço no pescoço ou no maxilar, dor  de garganta ou nariz escorrendo ou entupido, devido a infecções no sistema respiratório superior;
  • Caroços em várias partes do corpo, devido a infecções sistêmicas ou doenças autoimunes.

Além disso, nos casos de câncer, geralmente podem surgir várias ínguas, que aumentam de tamanho com o tempo, além de serem duras e estar acompanhadas de outros sintomas como suor noturno, perda de peso, febre ou coceira na pele.

É importante consultar o clínico geral ou infectologista sempre que surgirem sintomas de íngua, e forem múltiplas, e estar acompanhada de outros sintomas, de forma que sua causa seja identificada, para iniciar o tratamento mais adequado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da íngua é feito pelo clínico geral ou infectologista através da avaliação da localização e do tamanho da íngua, além da palpação do caroço, verificando se é duro ou se move, e avaliação dos sintomas associados.

Além disso, o médico deve avaliar o histórico de saúde, uso de medicamentos, hábitos de vida, e solicitar a realização de exames para ajudar a identificar a causa do aparecimento da íngua, como hemograma completo, painel metabólico, e sorologia para doenças infecciosas, como sífilis, HIV ou tuberculose ganglionar, por exemplo.

Outros exames que o médico pode solicitar são raio X, tomografia computadorizada do tórax, abdome ou pelve, e, em alguns casos, biópsia do linfonodo afetado. Saiba como é feita a biópsia.  

Locais mais comuns das ínguas

Os locais mais comuns de aparecimento de ínguas são:

  • Pescoço; 
  • Virilha; 
  • Axilas; 
  • Maxilar;
  • Clavícula.

A localização da íngua, é importante para ajudar o médico identificar sua causa, como infecções ou inflamações próximas à região da caroço. Veja outras causas de caroço na virilha e nas axilas.  

Principais causas de íngua 

Os gânglios linfáticos estão espalhados por várias regiões do corpo, mas, geralmente, são percebidos como caroços na pele nas regiões mais superficiais, como pescoço, axilas, virilha ou mandíbula, por exemplo.

As causas mais comuns de íngua são:

1. Inflamação da pele

Qualquer tipo de inflamação pode causar esse carocinho, pois os gânglios funcionam como filtro contra possíveis ameaças ao corpo. É comum que surjam ínguas devido a irritações na pele pelo uso de substâncias químicas, como desodorante, ou por um pequeno ferimento que acontece depois da depilação, foliculite, pelo encravado ou cortes que acontecem no dia-a-dia, em diversos locais do corpo.

As inflamações que acontecem nas vias aéreas ou região oral, como rinite alérgica, faringite, gengivite ou inflamação de algum dente, por exemplo, também são importantes causas de íngua no pescoço ou no maxilar. Veja outras causas de íngua no pescoço

2. Infecções

Qualquer tipo de infecção provoca uma íngua, e algumas das mais comuns são resfriados, gripes, otite, sinusite, faringite, mononucleose infecciosa, toxoplasmose, citomegalovírus, ou qualquer tipo de virose, como Zika ou dengue, por exemplo, que causam o surgimento de caroço no pescoço, nuca, mandíbula ou atrás da orelha. Veja outras causas de caroço na nuca

Além disso, a infecção pela COVID-19, também pode levar ao surgimento de íngua no pescoço ou na nuca, e nos casos de síndrome inflamatória multissistêmica em crianças, também podem surgir ínguas no pescoço, axilas, virilhas ou qualquer outra parte do corpo. 

Outros tipos de infecção como pneumonia ou bronquite também podem causar gânglios nas axilas, e, além disso, infecções na região abdominal, como gastroenterites, infecções genitais, como HPV, sífilis, candidíase ou vaginose, e nas pernas ou pés, por pequenos ferimentos, normalmente, causam gânglios na virilha. 

3. Doenças auto-imunes

As doenças que interferem na imunidade também podem causar aumentos dos linfonodos, e alguns exemplos são o lúpus, artrite reumatóide, vasculite ou doença inflamatória intestinal.

4. Câncer

O câncer é uma causa mais rara dos linfonodos, que podem surgir em qualquer lugar do corpo e têm um aspecto mais endurecido, que não somem após 1 ou 2 meses e não param de crescer. 

Qualquer tipo de câncer pode causar ínguas, mas alguns mais característicos são o linfoma, câncer de mama e câncer de pulmão, por exemplo. Saiba identificar todos os sintomas do linfoma, câncer de mama e câncer de pulmão

Além disso, as ínguas também podem surgir devido a metástases de tumores, que ocorrem quando o câncer se espalha para outras regiões do corpo. 

5. Vacinação

Algumas vacinas, como a vacina BCG, gripe, herpes zoster ou a vacina contra a COVID-19, por exemplo, podem causar surgimento de íngua na axila, como uma resposta do sistema imunológico à imunização, estimulando a produção de anticorpos, ou como efeito colateral da vacina. Saiba como aliviar os efeitos colaterais das vacinas.

Quando se deve ir ao médico

A presença de ínguas passa a ser preocupante, indicando doenças mais sérias, como câncer, linfoma ou tuberculose ganglionar, por exemplo, quando:

  • Está localizada nos braços ou ao redor da clavícula;
  • Está espalhada por vários locais do corpo;
  • Mede mais que 2,5 cm;
  • É dura e não se move;
  • Não melhora após 1 mês;
  • É acompanhada de febre que não melhora em 1 semana, suor noturno, perda de peso ou mal estar.

Nesta situações, deve-se consultar o clínico geral ou infectologista, para que sejam realizados exames de sangue que avaliam infecções ou inflamações pelo corpo, ou a presença de doenças autoimunes ou câncer. 

Como é feito o tratamento

O tratamento da íngua deve ser orientado pelo clínico geral ou infectologista, de acordo com a causa da íngua.

Para o tratamento da íngua inflamada, geralmente, é recomendado somente repouso e hidratação, além de identificar e eliminar o que a está causando, já que não é necessário tomar nenhum remédio específico para tratá-la. Além disso, um bom remédio caseiro é tomar chá de eucalipto e usar compressas de argila, pois eles ajudam a desinflamar e fortalecer as defesas do organismo. Confira as receitas de remédios caseiros para íngua.  

No entanto, caso a íngua cause dor, desconforto ou aumento da sensibilidade local, o médico pode recomendar o uso de remédios analgésicos ou anti-inflamatórios, por exemplo.

Nos casos de infecções, o médico pode indicar o uso de remédios antibióticos, antifúngicos ou antivirais, por exemplo, para ajudar a combater a infecção. Já no caso da íngua ter sido causada por câncer pode ser recomendado a remoção cirúrgica do gânglio ou do tumor que está causando o seu inchaço, além da realização de sessões de quimioterapia ou radioterapia.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em outubro de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em novembro de 2019.

Bibliografia

  • ZEPPA, P.; COZZOLINO, I. Lymphadenitis and Lymphadenopathy. Monogr Clin Cytol. 23. 19-33, 2018
  • GADDEY, H. L.; RIEGEL, A. M. Unexplained Lymphadenopathy: Evaluation and Differential Diagnosis. Am Fam Physician. 94. 11; 896-903, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • KESHAVARZ, P.; et al. Lymphadenopathy Following COVID-19 Vaccination: Imaging Findings Review. Acad Radiol. 28. 8; 1058-1071, 2021
  • COSTAGLIOLA, G.; CONSOLINI, R. Lymphadenopathy at the crossroad between immunodeficiency and autoinflammation: An intriguing challenge. Clin Exp Immunol. 205. 3; 288-305, 2021
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASIL. Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação. 2014. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_epidemiologica_eventos_adversos_pos_vacinacao.pdf>. Acesso em 13 out 2022
  • WOLFSON, S.; et al. Axillary Adenopathy after COVID-19 Vaccine: No Reason to Delay Screening Mammogram. Radiology. 303. 2; 2022
  • YOSHIMOTO, N.; et al. Axillary Lymph Node Swelling After COVID-19 Booster Vaccination: Japanese Case Report and Literature Review. In Vivo. 36. 4; 1977-1981, 2022
  • MAINI, R.; NAGALLI, S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Lymphadenopathy. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK558918/>. Acesso em 13 out 2022
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.