Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Entenda o que é e como identificar o Linfoma

O linfoma é um tipo de câncer que afeta os linfócitos, que são células responsáveis por proteger o organismo contra infecções e doenças. Este tipo de câncer desenvolve-se nas ínguas que se encontram na axila, virilha, pescoço, estômago, intestino e pele, levando à formação de caroços que causam dor.

Existem 2 tipos de linfoma, o Linfoma Hodgkin, que é muito pouco frequente e, o Linfoma Não-Hodgkin, sendo uma doença mais comum nos idosos, a partir dos 60 anos. A único diferença é na forma das células do câncer, sendo que ambas doenças se desenvolvem de maneira semelhante.

Principais sinais e sintomas

Os sintomas mais comuns incluem:

  1. Ínguas inchadas, que provoca caroços no pescoço, perto da clavícula, na axila, no abdômen ou na virilha;
  2. Febre constante;
  3. Suor noturno;
  4. Cansaço;
  5. Coceira;
  6. Mal-estar;
  7. Suor noturno:
  8. Perda do apetite;
  9. Emagrecimento sem causa aparente.

Além disso, o linfoma pode gerar outros sintomas como tosse, falta de ar e dor no tórax. Para conhecer mais sintomas leia: Sintomas do Linfoma de Hodgkin.

Entenda o que é e como identificar o Linfoma

O que fazer em caso de suspeita

Caso surjam vários destes sintomas é recomendado consultar um clínico geral para fazer exames de diagnóstico como o exame de sangue ou uma biópsia ao tecido, para avaliar se existem células afetadas e confirmar ou não a doença, iniciando o tratamento adequado.

Após isso, se for confirmado o diagnóstico, é ainda indicado fazer outros exames como raio X, tomografia, ressonância magnética ou ultrassonografia, pois observar o tamanho do linfoma, as região afetadas e o seu grau de desenvolvimento.

Como é feito o tratamento

O tratamento deve ser indicado por um hematologista ou um oncologista e depende do tipo de linfoma, do estádio em que se encontra a doença, da região afetada, da idade e do estado geral do doente.

O tratamento pode incluir quimioterapia, radioterapia ou transplante de medula, sendo que o linfoma Hodgkin tem mais chances de cura do que o linfoma Não-Hodgkin e, os melhores resultados são alcançados quando a doença é descoberta e tratada precocemente. Para saber mais detalhes sobre o tratamento veja: Câncer linfático tem cura.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...