Caroço na nuca: o que pode ser e o que fazer

agosto 2022

O caroço na nuca pode surgir devido a uma contratura muscular, que ocorre quando o músculo contrai de maneira incorreta e não volta ao seu estado normal de relaxamento, mas também pode surgir devido a inflamações ou infecções, como no caso do furúnculo ou mononucleose infecciosa, ou ser indicativo de câncer.

Dependendo da sua causa, o caroço na nuca pode ser acompanhado de outros sintomas, como aumento da temperatura local, vermelhidão e sensibilidade ao toque, formação de pus ou febre.

Na presença do caroço na nuca, é importante consultar o clínico geral ou dermatologista, para que sejam avaliadas as suas características e os sintomas associados, e, assim, ser possível identificar a causa e iniciado o  tratamento mais adequado, que pode ser feito com uso de remédios antibióticos, anti-inflamatórios ou cirurgia, por exemplo.

As principais causas de caroço na nuca são:

1. Contratura muscular 

A contratura muscular ocorre quando o músculo contrai de maneira incorreta e não volta ao seu estado normal de relaxamento, causando o surgimento de um caroço no músculo da nuca, e outros sintomas como dor, desconforto e, algumas vezes, essa dor pode irradiar para o braço e causar formigamento, perda de força no braço ou dificuldade para movimentar a cabeça, o pescoço ou o braço.

A contratura muscular pode surgir devido a traumas por carregar excesso de peso nos ombros como bolsas ou mochilas, não fazer aquecimento antes de exercícios físicos, ou por fraqueza muscular ou estresse, por exemplo.

O que fazer: pode-se massagear o músculo com movimentos fortes e circulares usando um creme hidratante ou óleo essencial relaxante, usar bolsa de água quente durante 15 a 20 minutos, de 2 a 3 vezes por dia, ou fazer alongamentos para o pescoço. No caso de não melhorar, deve-se consultar o clínico geral ou ortopedista que pode indicar o uso de anti-inflamatórios ou relaxantes musculares, ou fisioterapia. Saiba como é feita a fisioterapia para contratura muscular

Assista o vídeo com dicas de como fazer alongamentos para o pescoço:

2. Cisto sebáceo

O cisto sebáceo é um caroço que se forma sob a pele, de formato arredondado, que mede poucos centímetros, mas que pode aumentar de tamanho ao longo do tempo, podendo ser duro ou mole, e se mover durante a palpação, podendo surgir na nuca ou em qualquer outra região do corpo.

Esse tipo de cisto é benigno, causado por uma obstrução na glândula sebácea, o que faz  com que o sebo se acumule sob a pele, e geralmente não causa sintomas. No entanto, quando fica inflamado, pode haver dor, aumento da temperatura na região, sensibilidade ou vermelhidão.

O que fazer: geralmente não é necessário um tratamento específico, especialmente quando é pequeno, podendo ser indicado pelo dermatologista o uso de compressa morna por 15 minutos no local ou remoção cirúrgica por motivos estéticos. No caso de inflamação ou infecção do cisto, o médico pode fazer uma drenagem e indicar o uso de antibióticos. Veja outras opções de tratamento para o cisto sebáceo.  

3. Furúnculo

O furúnculo é um caroço com pus que pode crescer ao longo do tempo, causando dor, aumento da temperatura local, vermelhidão e sensibilidade ao toque, e ocorrer na região da nuca ou qualquer outra região do corpo que sua muito ou sofre maior fricção.

O furúnculo pode surgir devido a uma inflamação na raiz do pelo, obstrução de uma glândula sebácea ou uma ferida na região da nuca, e está na maioria dos casos associado à infecção pela bactéria Staphylococcus aureus, que pode ser encontrada naturalmente nas mucosas e na pele.

O que fazer: pode-se fazer uma compressa com água morna cerca de 3 vezes por dia, além de lavar bem a região com água morna e sabonete neutro. Nunca se deve espremer o furúnculo, pois isso pode piorar a inflamação e a infecção, sendo mais difícil de tratar. Em alguns casos, o dermatologista pode recomendar a realização da drenagem do abscesso, que consiste na retirada do pus, além do uso de antibióticos para combater a infecção. Confira os principais remédios para furúnculo

4. Lipoma

O lipoma é um caroço redondo e macio, que se forma sob a pele  e é composto por células de gordura, podendo surgir na nuca, pescoço, costas, ombros, axilas ou qualquer local do corpo onde as células de gordura estão presentes.

Geralmente, o lipoma não causa dor, no entanto, em alguns casos pode crescer e pressionar os nervos em volta e causar dor e até inflamação com sintoma de vermelhidão ou aumento da temperatura no local.

O que fazer: geralmente, não é necessário nenhum tratamento para o lipoma, no entanto, quando o lipoma é muito grande ou causa desconforto estético, o dermatologista pode realizar uma cirurgia para retirada. 

5. Inflamação dos gânglios linfáticos

A inflamação dos gânglios linfáticos na região da nuca, pode levar ao surgimento de caroço na nuca, conhecido como íngua, além de dor, vermelhidão ou sensibilidade na pele da nuca ou febre.

A inflamação dos gânglios linfáticos, também chamada de adenite ou linfadenite cervical, geralmente indicam uma infecção da região, podendo também surgir devido a doenças auto-imunes, uso de remédios ou mesmo câncer de cabeça, pescoço ou linfoma, por exemplo. Veja outras causas da inflamação dos gânglios linfáticos

O que fazer: o tratamento deve ser feito com orientação do clínico geral, de acordo com a causa da inflamação no linfonodo, podendo ser indicado o uso de remédios anti-inflamatórios, antibióticos, antivirais, corticóides ou terapia biológica, por exemplo. Já no caso de ter sido causada por câncer pode ser recomendado a remoção cirúrgica do gânglio ou do tumor que está causando o seu inchaço, além da realização de sessões de quimioterapia ou radioterapia. 

6. Acne queloidiana da nuca

A acne queloidiana da nuca é uma inflamação da raiz do pêlo, que leva ao surgimento de um ou mais caroços arredondados, sólidos, e com menos de 1 cm, ao longo da linha do cabelo, causando inchaço, coceira, formação de quelóide ou até perda de cabelo na região.

Esse tipo de acne é mais comum em homens que possuem cabelos mais grossos e encaracolados, podendo surgir por irritação crônica da pele, por golas de camisas, ou ainda por cortes de cabelo frequentes ou por raspar o cabelo da nuca.

O que fazer: deve-se evitar raspar os cabelos da nuca e usar golas apertadas, para evitar a fricção dos pelos e surgimento da acne queloidiana. Além disso, é importante manter a região sempre limpa, lavando com sabonete neutro. No caso de não ter melhora, deve-se consultar o dermatologista que pode indicar o uso de pomadas corticóides ou antibióticos, depilação a laser ou até cirurgia.

7. Mononucleose infecciosa

O caroço na nuca ou no pescoço pode surgir devido a mononucleose infecciosa, também chamada de doença do beijo, que é uma infecção causada pelo vírus Epstein-Barr, transmitido através da saliva, levando ao surgimento de ínguas, dor de garganta, febre, placas esbranquiçadas na boca, língua e/ou na garganta ou dor de cabeça constante. Confira outros sintomas da mononucleose infecciosa.  

O que fazer: ​​deve-se fazer repouso e aumentar a ingestão de líquidos, como água ou chás para acelerar a recuperação, uma vez que não existe um tratamento específico para a mononucleose. No entanto, o clínico geral pode recomendar o uso de analgésicos ou anti-inflamatórios para reduzir as ínguas e a febre. 

8. Alergias

A alergia é uma reação inflamatória que surge devido a uma resposta exagerada do sistema imunológico a substâncias como shampoos, condicionador, protetor solar, ou até o tecido da roupa, por exemplo, levando ao surgimento de caroço na nuca, irritação, coceira intensa bolinhas ou manchas avermelhadas na pele.

O que fazer: deve-se tentar identificar a causa da alergia, e assim, evitar a exposição às substâncias que as desencadeiam. No caso de não ocorrer melhora dos sintomas, deve-se consultar o dermatologista que pode fazer um teste de alergia para identificar o tipo de substância que está causando os sintomas, e se necessário, indicar o tratamento com antialérgicos ou corticóides. Veja os principais remédios que podem ser indicados para alergia na pele

9. Linfoma

O caroço na nuca pode surgir devido ao linfoma, que é um tipo de câncer dos linfonodos, levando ao surgimento de caroço duro na nuca, que não some após 1 ou 2 meses e não para de crescer.

Geralmente, neste tipo de câncer outros sintomas podem estar presentes além do caroço na nuca, como febre, suor noturno, cansaço excessivo e emagrecimento sem motivo aparente.

O que fazer: deve-se consultar o clínico geral, o hematologista ou o oncologista para que sejam feitos exames de sangue, tomografia ou PET-CT, por exemplo, para identificar o tipo de linfoma, e iniciar o tratamento mais adequado, que geralmente é feito com quimioterapia ou radioterapia. Confira todas as opções de tratamento para o linfoma.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • KAMYAB, K.; et al. Cutaneous cysts: a clinicopathologic analysis of 2,438 cases. Int J Dermatol. 59. 4; 457-462, 2020
  • NOWICKA, D.; GRYWALSKA, E. Staphylococcus aureus and Host Immunity in Recurrent Furunculosis. Dermatology. 235. 4; 295-305, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • CLEBAK, K. T.; MALONE, M. A. Skin Infections. Prim Care. 45. 3; 433-454, 2018
  • BAZEMORE, A. W.; SMUCKER, D. R. Lymphadenopathy and malignancy. Am Fam Physician. 66. 11; 2103–2110, 2002
  • TEMELKOVA, I.; et al. Lipoma of the Neck. Open Access Maced J Med Sci. 23. 6; 1875-1877, 2018
  • VALDMAN-GRINSHPOUN, Y.; et al. Acne keloidalis nuchae: prevalence, impact, and management challenges. 60. 4; Int J Dermatol, 2021
  • RAMADAS, A. A.; et al. Cervical lymphadenopathy: Unwinding the hidden truth. Dent Res J (Isfahan). 14. 1; 73-78, 2017
  • CDC. About Infectious Mononucleosis. Disponível em: <https://www.cdc.gov/epstein-barr/about-mono.html>. Acesso em 08 out 2022
  • NAUGHTON, P.; et al. Infectious Mononucleosis: diagnosis and clinical interpretation. Br J Biomed Sci. 78. 3; 107-116, 2021
  • NOVAK-BILIC, G.; et al. Irritant and allergic contact dermatitis - skin lesion characteristics. Acta Clin Croat. 57. 4; 713-720, 2018
  • MUGNAINI, E. N.; GHOSH, N. Lymphoma. Prim Care. 43. 4; 661-675, 2016
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • Alongamento para o Dia a Dia

    01:08 | 328064 visualizações