Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Hiperuricemia: o que é, sintomas, causas e tratamento

A hiperuricemia caracteriza-se pelo excesso de ácido úrico no sangue, o que é um fator de risco para desenvolver gota, e ainda para o surgimento de outras doenças nos rins.

O ácido úrico é uma substância que resulta da degradação das proteínas, que depois é eliminado pelos rins. Porém, pessoas com problemas renais ou que ingerem doses altas de proteínas podem ter dificuldade em eliminar esta substância, permitindo o seu acúmulo nas articulações, tendões e rins.

O tratamento da hiperuricemia pode ser feito através da redução da ingestão de proteínas ou da administração de medicamentos recomendados pelo médico.

Hiperuricemia: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas 

A principal forma de identificar a hiperuricemia acontece quando o excesso de ácido úrico no organismo causa gota. Nesses casos, é comum o surgimento de sintomas como:

  • Dor nas articulações, especialmente nos dedos dos pés, mãos, tornozelos e joelhos;
  • Articulações inchadas e quentes;
  • Vermelhidão nas articulações.

Ao longo do tempo, o acúmulo excessivo de ácido úrico pode ainda resultar em deformações das articulações. Veja mais sobre a gota e como é feito o tratamento.

Além disso, algumas pessoas com hiperuricemia também podem apresentar pedra nos rins, que causam dor intensa no fundo das costas e dificuldade para urinar, por exemplo.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da hiperuricemia é feito através da análise de exames de sangue e de urina, que permite determinar os níveis de ácido úrico, de forma a perceber qual a gravidade da situação e se o que está na origem desses valores está relacionado com a ingestão de proteína em excesso ou com a eliminação de ácido úrico pelos rins.

Hiperuricemia: o que é, sintomas, causas e tratamento

Possíveis causas

O ácido úrico resulta da digestão de proteínas, que se degrada em diversas substâncias, entre elas a purina, que dá origem ao ácido úrico, que é depois eliminado na urina.

Porém, em pessoas com hiperuricemia, esta regulação do ácido úrico não ocorre de forma equilibrada, o que pode resultar de um excesso de ingestão de proteínas, através de alimentos como carnes vermelhas, feijão ou mariscos, por exemplo, e também da ingesta excessiva de bebidas alcoólicas, principalmente a cerveja, além das pessoas que podem ter alterações genéticas hereditárias, que consequentemente levam à produção de elevadas quantidades de ácido úrico ou de problemas renais, que impedem que essa substância seja eliminada de forma eficiente.

Como é feito o tratamento

O tratamento depende da gravidade da hiperuricemia e dos sintomas que a pessoa apresenta.

Em casos moderados e que estejam relacionados com o excesso da ingestão de proteínas, o tratamento pode ser feito apenas com ajustes na dieta, reduzindo alimentos com alto teor proteico, como carnes vermelhas, fígado, mariscos, certos peixes, feijão, aveia e ainda bebidas alcoólicas, principalmente cerveja. Veja o exemplo de um cardápio para baixar o ácido úrico.

Em situações mais graves, em que haja o comprometimento das articulações e desenvolvimento de crise de gota, pode ser necessário tomar remédios como o alopurinol, que reduz o ácido úrico no sangue, probenecida, que ajuda a reduzir o ácido úrico através da urina, e/ou anti-inflamatórios, como o ibuprofeno, naproxeno, etoricoxib ou celecoxib, que ajudam a reduzir a dor e o inchaço causado pelo acúmulo de ácido úrico nas articulações.

Quando se formam pedras nos rins, a dor que surge pode ser muito forte e às vezes a pessoa necessita ir a um pronto-socorro, para que sejam administrados analgésicos. O médico pode ainda receitar medicamentos que facilitam a eliminação das pedras do rim.

Assista ainda o vídeo seguinte e veja mais dicas para controlar os níveis de ácido úrico no organismo:

Bibliografia >

  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 916-918.
  • LUTZ, Carrol; PRZYTULSKI, Karen. Nutrición y dietoterapia. 5.ed. México: McGraw Hill, 2011. 406.
  • P H Desseina, E A Shiptonb, A E Stanwixc, B I Joffed, J Ramokgadie. Beneficial effects of weight loss associated with moderate calorie/carbohydrate restriction, and increased proportional intake of protein and unsaturated fat on serum urate and lipoprotein levels in gout: a pilot study. Annals of the Rheumatic Diseases. 59. 7; :539–543, 2000
  • Anothaisintawee T, Lertrattananon D, Thamakaison S, Reutrakul S, Ongphiphadhanakul B, Thakkinstian A. Direct and Indirect Effects of Serum Uric Acid on Blood Sugar Levels in Patients with Prediabetes: A Mediation Analysis.. Journal of Diabetes Research. 2017. 2017
  • SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Orientação nutricional para a diarreia. 2019. Disponível em: <http://www.saude.campinas.sp.gov.br/especialidades/nutricao/Orientacao_nutricional_para_Diarreia_FO1224.pdf>. Acesso em 03 Dez 2019
  • AZEVEDO, Valderilio F. et al. Revisão crítica do tratamento medicamentoso da gota no Brasil. Revista Brasileira de Reumatologia. Vol 57. 4 ed; 346-355, 2017
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA. Gota. Disponível em: <https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/gota/>. Acesso em 25 Set 2019
  • ZHU, Yanian et. al.. Prevalence of Gout and Hyperuricemia in theUS General Population. ARTHRITIS & RHEUMATISMVol. 63, No. 10, October 2011, pp 3136–3141. Vol.63. 10.ed; 3136-3141, 2011
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem