Dieta para ácido úrico alto: o que comer e o que evitar

A dieta para ácido úrico tem como principal objetivo diminuir a ingestão de purinas, um tipo de proteína que, quando em excesso, aumenta a produção de ácido úrico e que está presente principalmente nas carnes de boi e porco, assim como nas vísceras como fígado e moela, além de também estar presente em alguns peixes, como atum ou sardinha, e frutos do mar, como camarão e mexilhões. 

É ainda recomendado diminuir o consumo de carboidratos simples, como pães, doces, refrigerantes ou sucos de fruta, pois facilitam o aumento de peso que é uma das principais causas de ácido úrico elevado. Entenda melhor o que é ácido úrico alto, suas causas e sintomas.

Por outro lado, é importante aumentar o consumo de vegetais e frutas, pois as fibras e as vitaminas, principalmente a vitamina C, ajudam a regular o ácido úrico no sangue, assim como é recomendado aumentar a ingestão de água, por eliminar o excesso de ácido úrico pela urina. Veja alguns remédios caseiros para baixar o ácido úrico.

Dieta para ácido úrico alto: o que comer e o que evitar

Alimentos permitidos, moderados e a evitar

Os alimentos que devem ser evitados são principalmente os carboidratos simples, como pães, açúcar e farinhas, as carnes vermelhas, as vísceras e os frutos do mar.

Por outro lado, é importante aumentar a ingestão de frutas, vegetais, gorduras boas e grãos integrais, como mostrados na tabela a seguir:

Permitidos

Consumo moderado

Evitar

Frutas in natura e com casca

Ervilha, feijão, soja, milho, lentilha, grão-de-bico

Molhos industrializados, caldos de carne, extrato de carne

Verduras e legumes

Aspargos, couve-flor, espinafre

Carnes processadas como salsicha, linguiça, presunto, mortadela

Leite desnatado, iogurte desnatado e queijos magros como cottage e ricota

Cogumelos

Vísceras como fígado, rins e moela

Café e chás

Cereais integrais, como pão integral, arroz integral, farelo de trigo, aveia

Pão, arroz, macarrão e farinha de trigo brancos

Azeite, castanhas, nozes, amendoim, amêndoas

Aves, como frango e peru, peixes como sardinha, atum, anchovas e ovos

Açúcar, doces, sorvetes refrigerantes e sucos industrializados

---

Carne vermelha, como boi e porco

Bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja

---

Sucos de fruta naturais

Frutos do mar como caranguejo, camarão, mexilhões, ovas e caviar

Os alimentos que devem ser consumidos com moderação, como o frango, a carne vermelha e o ovo, podem ter que ser excluídos da alimentação temporariamente, quando o ácido úrico no sangue está muito alto ou quando acontece a crise de gota. Saiba o que é a gota, os sintomas e tratamento.

Apesar de se recomendar evitar o consumo de tomate, por estar associado com o aumento do ácido úrico, não existem estudos que confirmem essa relação. O tomate é um alimento saudável, rico em vitamina C e antioxidantes que ajudam a equilibrar o ácido úrico. Por isso, pessoas que não identifiquem uma ligação direta entre a ingestão do tomate e o surgimento ou piora das crises de gota, podem continuar consumindo o fruto.

Outro mito é pensar que as frutas cítricas acidificam o sangue, aumentando o ácido úrico. A acidez das frutas é neutralizada pelo ácido do estômago, que é mais forte que o ácido do alimento. Ao serem absorvidos pelo organismo, os ácidos das frutas cítricas não interferem na acidez do sangue e não pioram o ácido úrico.

Dieta para ácido úrico alto: o que comer e o que evitar

Dicas para diminuir o ácido úrico

Para ajudar a diminuir o ácido úrico, existem algumas dicas que podem ser seguidas todos os dias, como:

  • Beber de 1,5 a 2 litros de água por dia;
  • Aumentar o consumo de frutas e vegetais frescos;
  • Diminuir a ingestão de carne, frango e peixe;
  • Dar preferência para alimentos diuréticos como melancia, pepino ou salsão. Veja uma lista de alimentos diuréticos;
  • Evitar o consumo de alimentos ricos em purinas, como fígado, rins e moela;
  • Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas;
  • Diminuir o consumo de produtos industrializados e com muito açúcar, como refrigerantes, bolachas, sorvetes ou comida pronta;
  • Aumentar o consumo de alimentos com vitamina C como laranja, abacaxi e acerola. Veja outros alimentos ricos em vitamina C;
  • Perder ou manter o peso adequado, pois a obesidade e o sobrepeso são umas das causas do ácido úrico alto no sangue;
  • Praticar atividade física regular, porque é fundamental para manter o peso e os níveis de ácido úrico adequados.

Para o tratamento do ácido úrico alto, é importante ter o acompanhamento de um nutricionista, priorizando uma dieta personalizada e de um profissional de educação física, para auxiliar na prática de exercícios.

Confira alguns alimentos que podem aumentar a gota e você nem imagina.

Cardápio para baixar o ácido úrico

A tabela a seguir mostra o exemplo de um cardápio de 3 dias para ajudar a controlar os níveis de ácido úrico no sangue:

Refeição

Dia 1

Dia 2

Dia 3

Café da Manhã

1 xícara de café sem açúcar + uma omelete com 2 ovos + 1 kiwi

1 iogurte natural desnatado com morangos picados + 1 fatia de pão integral com queijo ricota

1 xícara de café com leite desnatado + 2 ovos mexidos + 1 fatia pequena de mamão

Lanche da manhã

1 banana + 5 castanhas de caju

1 fatia de mamão + 1 colher de sopa de pasta de amendoim

1 copo de suco verde, feito com laranja e couve

Almoço/Jantar

Arroz integral com brócolis + filé de tilápia assada + 1 goiaba

Purê de batata doce + 1 posta de robalo ensopado  + salada de alface com rúcula e cenoura ralada crua e azeite + 1 copo de suco de caju

Macarrão integral com molho pesto + 1 filé de frango grelhado + 1  salada de repolho e cenoura refogados no azeite + 1 fatia de melão

Lanche da tarde

1 tapioca recheada com cottage +  3 nozes + 2 fatias pequenas de abacaxi 

1 xícara de café com leite desnatado + 1 fatia de pão integral + 1 ovo mexido

1 iogurte natural desnatado + 10 castanhas de caju + 1 fatia de melancia

Este modelo de cardápio é apenas um exemplo para incluir na dieta. Para o tratamento do ácido úrico alto, além do acompanhamento do reumatologista, é recomendado ter a orientação de um nutricionista, para um cardápio personalizado e equilibrado.

Assista ao vídeo a seguir e veja mais dicas para controlar o ácido úrico:

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • P H Desseina, E A Shiptonb, A E Stanwixc, B I Joffed, J Ramokgadie. Beneficial effects of weight loss associated with moderate calorie/carbohydrate restriction, and increased proportional intake of protein and unsaturated fat on serum urate and lipoprotein levels in gout: a pilot study. Annals of the Rheumatic Diseases. 59. 7; :539–543, 2000
  • Anothaisintawee T, Lertrattananon D, Thamakaison S, Reutrakul S, Ongphiphadhanakul B, Thakkinstian A. Direct and Indirect Effects of Serum Uric Acid on Blood Sugar Levels in Patients with Prediabetes: A Mediation Analysis.. Journal of Diabetes Research. 2017. 2017
  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 916-918.
  • LUTZ, Carrol; PRZYTULSKI, Karen. Nutrición y dietoterapia. 5.ed. México: McGraw Hill, 2011. 406.
  • Stephen P Juraschek, MD, PhD, Mara McAdams-Demarco, PhD, Allan C Gelber, MD, PhD, Frank M. Sacks, MD, Lawrence J Appel, MD, MPH, Karen White, MS, RD, and Edgar R Miller, III, MD, PhD. Effects of Lowering Glycemic Index of Dietary Carbohydrate on Plasma Uric Acid: The OmniCarb Randomized Clinical Trial. Arthritis Rheumatol. 68. 5; 1281–1289, 2016
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA. Gota. Disponível em: <https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/gota/>. Acesso em 27 Mai 2021
  • MAYO CLNIC. Gout diet: what is allowed and what is not. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/es-es/healthy-lifestyle/nutrition-and-healthy-eating/in-depth/gout-diet/art-20048524>. Acesso em 27 Mai 2021
  • BRZEZINSKA, Olga et al. Role of Vitamin C in Prophylaxis and Treatment of Gout—A Literature Review. Nutrients. Vol.13. 2.ed; 1-20, 2021
  • CARDOSO, S, Anajás et al. Association of uric acid levels with components of metabolic syndrome and non-alcoholic fatty liver disease in overweight or obese children and adolescents. Jornal de Pediatria. Vol.89. 4.ed; 412-418, 2013
  • POLETTO, Juliana. Prevalência da hiperuricemia e fatores nutricionais associados: um estudo transversal com nipo-brasileiros do município de Bauru. Tese de conclusão de curso, 2009. Universidade Federal de São Paulo.
  • CHOI, K, Hyon et al. Purine-Rich Foods, Dairy and Protein Intake, and the Risk of Gout in Men . The New England Journal of Medicine. Vol.350. 1093-1103, 2004
  • VILLEGAS, Raquel et al. Purine-rich foods, protein intake, and the prevalence of hyperuricemia: The Shanghai Men’s Health Study. Nutrition Metabolism and Cardiovascular Diseases. Vol.22. 5.ed; 409-416, 2012
Mais sobre este assunto: