Escape de urina: o que pode ser (e como tratar)

Atualizado em dezembro 2023

O escape de urina pode ser causado por situações mais simples como gravidez, parto e infecção urinária. Além disso, algumas condições mais sérias que também podem causar o escape de urina incluem o acidente vascular cerebral e a diabetes.

Conforme a causa do escape de urina, que também é conhecido como incontinência urinária, essa condição também pode ser acompanhada de outros sintomas como dor ou queimação ao urinar, dificuldades para movimentar braços e pernas, e sensação de bexiga cheia mesmo após urinar. Conheça mais sobre a incontinência urinária.

Assim, quando o escape de urina é persistente, piora ao longo do tempo e/ou é acompanhado de outros sintomas, é aconselhado consultar o urologista ou clínico geral, para que seja feita uma avaliação completa e seja indicado o tratamento mais adequado.

Imagem ilustrativa número 1

As principais causas de escape de urina são:

1. Gravidez

Durante a gravidez, o crescimento do bebê aumenta a pressão da bexiga, da uretra e dos músculos do assoalho pélvico, o que pode enfraquecer esses músculos, provocando o escape de urina.

Como tratar: geralmente, o escape de urina durante a gravidez desaparece dentro de algumas semanas após o parto. Mas, se o escape de urina permanecer por mais de 6 semanas, o médico poderá recomendar o uso de medicamentos, injeções de botox ou o uso de pessário vaginal, um dispositivo em forma de anel, que se coloca na vagina para empurrar a parede da vagina e da uretra para apoiar os músculos do assoalho pélvico e ajudar a diminuir os escapes.

Além disso, o médico também poderá indicar a prática de exercícios de Kegel, exercícios que ajudam a fortalecer os músculos da região pélvica. Conheça melhor sobre os exercícios de Kegel.

Não ignore os seus sintomas!

Priorize sua saúde. Descubra a causa dos seus sintomas e receba o cuidado que precisa.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

2.  Parto

Durante o parto, principalmente o parto vaginal, podem surgir alguns problemas que podem enfraquecer os músculos do assoalho pélvico e lesionar os nervos que controlam a bexiga, causando, assim, o escape de urina.

Como tratar: normalmente, os problemas de escape de urina provocados pelo trabalho de parto desaparecem depois de algumas semanas, que é o tempo que os músculos do assoalho pélvico precisam para cicatrizar.

No entanto, quando o escape de urina dura mais de 6 semanas, o médico pode recomendar o uso de remédios para relaxar o músculo da bexiga e a aumentar a capacidade da bexiga, e a realização de alguns exercícios para incontinência urinária, como abdominais hipopressivos, ponte ou exercícios de Kegel, por exemplo. Conheça outros exercícios indicados para incontinência urinária.

3. Infecção urinária

A infecção urinária pode causar o escape de urina, além de outros sintomas, como dor ou queimação ao urinar, sensação de peso na bexiga, febre baixa constante e urina muito escura e com cheiro forte. Saiba reconhecer todos os sintomas da infeção urinária.

Como tratar: o tratamento da infecção urinária geralmente é feito com o uso de antibióticos, como ciprofloxacino ou fosfomicina e analgésicos, como fenazopiridina , que devem ser prescritos por um médico, para combater as bactérias que estejam causando a infecção e aliviar a dor ao urinar ou queimação.

Além disso, alguns remédios caseiros, como suco de arando, chá de cavalinha e chá de uva-ursi, podem ser usados para completar o tratamento médico. Veja outros remédios caseiros para infecção urinária.

4. Bexiga hiperativa

A bexiga hiperativa é uma condição caracterizada pela sensação súbita e urgente de urinar ou escape de urina, podendo ser causada pelo aumento da atividade do músculo que controla a bexiga, ou alterações nos sinais nervosos entre o cérebro e a bexiga, levando à vontade urgente de urinar mesmo quando a bexiga não está totalmente cheia.

Como tratar: o tratamento deve ser feito pelo urologista ou clínico geral, através da prática de exercícios de Kegel, aplicação de toxina botulínica, fisioterapia uroginecológica ou o uso de remédios, como oxibutinina, tolterodina ou fesoterodina. Entenda melhor como é o tratamento da bexiga hiperativa.

5. Acidente vascular cerebral

O escape de urina é uma sequela que pode surgir após um acidente vascular cerebral (AVC), pois essa condição causa fraqueza muscular, podendo afetar também os músculos que controlam a urina, além de causar a perda da coordenação motora e dificuldades para movimentar braços e pernas. Conheça as possíveis sequelas do AVC.

Como tratar: para diminuir as sequelas acidente vascular cerebral, o médico pode recomendar a realização de fisioterapias, de terapias ocupacionais e a fonoaudiologia.

6. Doenças neurológicas

Algumas doenças neurológicas, como doença de Parkinson ou esclerose múltipla, podem afetar a comunicação entre o sistema nervoso central e a bexiga, causando uma hiperatividade da bexiga e/ou uma alteração na função dos músculos da uretra, provocando o escape de urina.

Como tratar: o tratamento varia conforme o tipo de doença, podendo incluir o uso de medicamentos antiparkinsonianos, anticonvulsivantes, analgésicos e relaxantes musculares, que devem ser prescritos pelo médico.

Além disso, a terapia ocupacional e a fisioterapia, com exercícios de alongamento e fortalecimento muscular, também são recomendados para ajudar a controlar a fraqueza nas pernas, recuperar os movimentos e diminuir a dificuldade de andar, por exemplo.

7. Diabetes

O escape de urina pode acontecer duranta a diabetes, porque nessa condição o corpo produz mais urina. Além disso, a neuropatia periférica, uma complicação que pode acontecer na diabetes, também pode afetar a função da bexiga, provocando a incontinência urinária.

Como tratar: o tratamento da diabetes varia com o tipo dessa condição, podendo ser indicado pelo médico o uso de injeções de insulina ou medicamentos orais como, metformina, acarbose e liraglutida. Confira todos os tipos de tratamento para diabetes.

8. Excesso de peso corporal

O escape de urina pode ser causado pelo excesso de peso corporal, como no caso do sobrepeso e da obesidade, pois essa condição aumenta a pressão sobre a bexiga, enfraquecendo os músculos desse órgão.

Como tratar: o tratamento pode ser feito com uma dieta, com a prática regular de exercícios físicos ou com o uso de remédios indicados pelo médico para ajudar a diminuir o apetite e a compulsão alimentar.

Além disso, nos casos de obesidade, a cirurgia bariátrica também pode ser indicada, já que diminui a absorção dos alimentos pelo trato gastrointestinal, promovendo a perda de peso.

9. Menopausa

O escape de urina pode acontecer durante a menopausa, pois acredita-se que alterações hormonais, como baixos níveis de estrogênio enfraquecem a uretra, alterando o controle da bexiga. Além disso, o envelhecimento também enfraquece os músculos da bexiga e da uretra, podendo causar a incontinência urinária.

Como tratar: o tratamento é feito com a terapia de reposição hormonal, na forma de comprimidos, e remédios antidepressivos e os anticonvulsivantes, que devem ser indicados pelo médico e ajudam a aliviar alguns sintomas. Confira todos os tipos de tratamento para menopausa.

10. Aumento da próstata

O aumento da próstata, cientificamente conhecida como hiperplasia benigna de próstata, é uma condição que aumenta a pressão sobre a bexiga, podendo causar sintomas como escape de urina, vontade frequente de urinar, sensação de bexiga cheia mesmo após urinar, por exemplo. Saiba reconhecer os sintomas da hiperplasia benigna da próstata.

Como tratar: o tratamento varia de acordo com o tamanho da próstata, a idade do homem e os sintomas apresentados, podendo incluir o uso de medicamentos, terapias como ressecção transuretral da próstata e enucleação da próstata, ou ainda a cirurgia, que é aconselhada quando as outras formas de tratamento não melhoram a condição.