Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Dor na bexiga: 11 principais causas e o que fazer

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
novembro 2022

A dor na bexiga pode surgir devido a inflamações ou infecções na bexiga ou trato urinário, causadas por infecção urinária, pedra na bexiga, endometriose ou prostatite, mas também pode surgir devido a condições que afetam os nervos que controlam a bexiga, como a bexiga neurogênica, ou até câncer de bexiga, por exemplo.

Geralmente, a dor na bexiga é acompanhada de outros sintomas, como sensação de dor ou ardor ao urinar, sangue na urina, vontade frequente para urinar, incontinência urinária, sensação de esvaziamento incompleto na urina, diminuição da quantidade de urina ou incapacidade para urinar, e em alguns casos febre ou calafrios.

É importante consultar o urologista, o ginecologista ou o clínico geral, sempre que surgir dor na bexiga, especialmente se piorar rapidamente ou for acompanhado de outros sintomas, para que seja diagnosticada a sua causa e iniciado o tratamento mais adequado.

Imagem ilustrativa número 1

Principais causas de dor na bexiga

As principais causas e tratamentos para dor na bexiga são:

1. Infecção urinária

A infecção urinária pode afetar a bexiga, a uretra ou, quando mais grave, os rins, sendo a causa mais frequente de dor na bexiga, e normalmente é acompanhada de outros sintomas como dor ou ardor ao urinar, urina turva e vontade frequente para urinar, por exemplo. Conheça outros sintomas de infecção urinária.  

A infecção urinária é mais frequente nas mulheres, mas também pode acontecer em homens, sendo causada principalmente por bactérias que estão naturalmente presentes no organismo, que podem se podem proliferar devido a um desequilíbrio da microbiota da região genital, por segurar o xixi por muito tempo ou beber pouca água durante o dia, levando a uma inflamação da bexiga, uretra ou rins.

O que fazer: o tratamento deve ser recomendado pelo ginecologista ou urologista e é geralmente feito com antibióticos como fosfomicina, nitrofurantoína, amoxicilina, ou ciprofloxacino, por exemplo. Além disso, é também recomendado beber bastante água ou sucos de fruta, durante todo o tempo de recuperação, pois ajudam a eliminar a urina, contribuindo para a eliminação das bactérias.

2. Síndrome da bexiga dolorosa

A síndrome da bexiga dolorosa, também conhecida como cistite intersticial, é uma inflamação ou irritação crônica e não infecciosa da parede da bexiga resultando em sintomas como dor intensa na bexiga, urgência para urinar, vontade de urinar várias vezes ao dia e à noite, dor ou desconforto ao urinar ou dor durante o contato íntimo. Saiba identificar todos os sintomas da síndrome da bexiga dolorosa

As causas da cistite intersticial ainda não são completamente conhecidas, mas acredita-se que pode ocorrer devido a danos no revestimento da bexiga, problemas nos músculos do assoalho pélvico que controlam a urina, ou alterações no sistema imunológico, por exemplo.

Além disso, em algumas pessoas, estes sintomas podem aparecer ou exacerbar com o consumo de substâncias como cigarro, café, álcool, chá preto, alimentos ácidos ou causas psicológicas.

O que fazer: o tratamento deve ser feito com orientação do urologista que pode indicar o uso de remédios analgésicos ou anti-inflamatórios para aliviar os sintomas, além de ser importante tratar as causas de estresse e ansiedade, com psicoterapia ou terapias alternativas, como meditação, e evitar o uso de substâncias que desencadeiam as crises. Veja mais detalhes sobre como identificar e tratar a cistite intersticial

3. Bexiga neurogênica

A bexiga neurogênica é a incapacidade de controlar a bexiga ou o esfíncter uretral interno, que fica no colo da bexiga, causada por condições que afetam os nervos que controlam a bexiga, ou danos cerebrais ou na medula espinhal, resultando em incontinência urinária, sensação de esvaziamento incompleto na urina e, em muitos casos, dor na bexiga.

A bexiga neurogênica pode ser do tipo hipoativa, em que a bexiga não consegue se contrair voluntariamente, e acumula urina, ou hiperativa, em que a bexiga se contrai com facilidade, causando urgência para urinar em horários inapropriados, sendo mais comum nas mulheres.

O que fazer: o tratamento deve ser orientado pelo urologista ou neurologista de acordo com a causa e a gravidade dos sintomas, podendo ser indicada a realização de fisioterapia, uso de remédios como oxibutinina ou tolterodina, passagem de sonda vesical ou, em alguns casos, cirurgia. Veja todas as opções de tratamento para a bexiga neurogênica

4. Endometriose na bexiga

A endometriose é uma condição inflamatória crônica causada pelo crescimento anormal de células do endométrio fora do útero, sendo mais comum nos ovários ou trompa de Falópio, mas que podem se implantar dentro ou na superfície da bexiga, causando a endometriose na bexiga.

A endometriose na bexiga pode causar dor na bexiga quando está cheia de urina, além de outros sintomas como irritação na bexiga, vontade frequente ou urgência para urinar, sensação de dor ou ardor ao urinar ou dor pélvica. Saiba como identificar os sintomas da endometriose

O que fazer: a endometriose deve ser tratada com orientação do ginecologista, que pode indicar o uso de anticoncepcionais ou colocação do DIU Mirena, anti-inflamatórios para aliviar as cólicas, ou nos casos mais graves, cirurgia. Veja todas opções de tratamento para a endometriose

5. Pedra nos rins

A pedra nos rins geralmente causa dor intensa final das costas ou na lateral do corpo, cólicas, náuseas e vômitos, e se deslocar para qualquer parte do trato urinário, desde os ureteres, bexiga, até a uretra, causando dor intensa em todo o trajeto por onde passa.

Além disso, outros sintomas podem surgir como necessidade de urinar frequentemente ou urgência em urinar, ou diminuição da quantidade de urina ou incapacidade para urinar pode ocorrer quando a pedra bloqueia totalmente ou parcialmente alguma parte do trato urinário, como ureter, bexiga ou uretra. Saiba identificar todos os sintomas de pedra nos rins

O que fazer: deve-se procurar atendimento médico imediatamente para fazer analgésicos diretamente na veia para aliviar a dor. Em alguns casos, o médico pode fazer cirurgia, como litotripsia, ureteroscopia ou nefrolitotomia para remover ou partir a pedra em pedaços menores para ser eliminada na urina. Além disso, é importante aumentar o consumo de água e facilitar a eliminação ou a formação das pedras nos rins. Veja todas as opções de tratamento para a pedra nos rins

6. Pedra vesical

A pedra vesical é uma pedra na bexiga que se forma quando os minerais presentes na urina, como sais de cálcio, ácido úrico, fosfato-amônio magnésio e/ou cistina, se cristalizam e se juntam na bexiga, podendo não causar sintomas. 

No entanto, a pedra vesical pode causar uma irritação na bexiga ou bloquear a passagem da urina, levando ao surgimento de dor na bexiga, dificuldade ou incapacidade para urinar, ou aumento da frequência urinária, por exemplo. 

O que fazer: o tratamento deve ser feito pelo urologista que deve orientar beber muita água para tentar eliminar a pedra da bexiga naturalmente, caso sejam pequenas. Em alguns casos, o médico pode indicar cirurgia para remoção das pedras, como a cistolitotripsia ou cistolitotomia, por exemplo. Veja como é feito o tratamento da pedra na bexiga

7. Câncer de bexiga

O câncer de bexiga é um tumor maligno que pode afetar a camada interna da bexiga ou o músculo da bexiga, sendo que geralmente os sintomas iniciais são sangue na urina ou urina alaranjada ou vermelho escura.

À medida que a doença evolui, podem surgir outros sintomas, como jato de urina fraco, sensação de dor ou ardor ao urinar, dor na bexiga, dificuldade ou incapacidade para urinar, dor lombar, fraqueza ou perda de peso sem motivo aparente.

O que fazer: deve-se consultar o oncologista para iniciar o tratamento que pode ser feito com aplicação de BCG diretamente na bexiga através de um cateter vesical, cirurgia, quimioterapia ou radioterapia. Veja como é feito o tratamento do câncer de bexiga.

8. Alterações na próstata

A dor na bexiga em homens também pode surgir devido alterações na próstata, como inflamações, infecções, como a prostatite, ou até câncer de próstata.

Além disso, outros sintomas que podem surgir devido a alterações na próstata são dor nos testículos ou no pênis, dor na região entre a bolsa escrotal e o reto, dor ao urinar, diminuição do jato de urina, ou presença de sangue na urina e/ou no esperma. 

O que fazer: o tratamento das alterações na próstata deve ser feito com orientação do urologista, de acordo com sua causa, podendo ser indicado o uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, para aliviar os sintomas, e o uso de antibióticos, no caso de infecções. Já no caso de câncer de próstata, o tratamento pode ser feito com cirurgia, radioterapia, hormonioterapia ou quimioterapia, por exemplo. 

9. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos, especialmente os quimioterápicos utilizados no tratamento do câncer, como ifosfamida, ciclofosfamida ou BCG intravesical, por exemplo, podem causar irritação do tecido da bexiga, cistite ou infecções urinárias, resultando em dor ou desconforto na bexiga, sensação de queimação ao urinar, sangramento ao urinar, febre ou calafrios.

Além disso, qualquer tipo de quimioterápico utilizado no tratamento do câncer pode reduzir as defesas naturais do corpo no combate à infecções, aumentando o risco de infecções urinárias.

O que fazer: deve-se consultar o oncologista responsável pelo tratamento, que pode indicar o uso de analgésicos para aliviar os sintomas, e antibióticos para combater a infecção. 

10. Uso de sonda vesical

A sonda vesical é um tubo flexível inserido através da uretra até a bexiga, para drenar a urina, sendo normalmente indicado para o alívio da retenção urinária aguda ou crônica, esvaziamento da bexiga antes ou após cirurgias, administração de remédios diretamente na bexiga, ou controle da quantidade de urina no pós-cirúrgico, por exemplo.

No entanto, o uso prolongado da sonda vesical pode aumentar o risco de complicações, como a infecção urinária, resultando em dor na bexiga, mal estar ou febre, por exemplo.

O que fazer: o tratamento da infecção urinária causado pelo uso de sonda vesical é feito pelo urologista ou clínico geral, com o uso de remédios antibióticos para combater a bactéria, analgésicos ou anti-inflamatórios para aliviar a dor e reduzir a febre, além de ser recomendado a troca da sonda ou sua retirada, o que depende de cada caso e da avaliação médica. Veja os cuidados que se deve ter ao usar a sonda vesical

11. Inflamações nos órgãos da região na pelve

Algumas inflamações nos órgãos da região na pelve, podem causar dor abdominal e irradiar para outros locais, podendo dar a sensação de dor na bexiga. 

Algumas das principais inflamações nos órgãos da região na pelve são doença inflamatória pélvica (DIP), doença inflamatória intestinal ou síndrome do cólon irritável, ou inflamações de músculos ou articulações da pelve.

O que fazer: deve-se consultar o urologista, no caso de homens, ou o ginecologista, no caso de mulheres, para identificar a causa da dor na bexiga, e assim, iniciar o tratamento específico, de acordo com sua causa.

Dor na bexiga pode ser gravidez?

Geralmente a dor na bexiga não indica gravidez, no entanto, toda grávida tem maior tendência para desenvolver infecção urinária nessa fase, e por isso é comum associar a dor na bexiga com a gravidez. No entanto, as infecções urinárias na gravidez geralmente não surgem antes da mulher descobrir que está grávida, sendo uma alteração mais tardia.

Quando a grávida sente dor na bexiga este é um sintoma que se deve principalmente às modificações corporais que a mulher sofre durante este período, o que é mais comum no final da gestação, principalmente devido a pressão que o útero aumentado faz sobre os órgãos da pelve.

Além disso, devido ao aumento da produção do hormônio progesterona, a bexiga torna-se mais relaxada e pode conter mais urina, que juntamente com o peso do útero sobre a bexiga pode causar desconforto ao urinar ou dor na bexiga durante o dia. Por possuir uma urina mais rica em proteínas a grávida fica também mais disposta a desenvolver uma infecção urinária e assim sentir dor na bexiga.

O que fazer: para diminuir ou evitar dores na bexiga durante a gravidez, a gestante deve beber muita água, utilizar roupa confortável e de algodão, manter uma boa higiene da região íntima e descansar o suficiente durante o dia para evitar o estresse.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • BISHOP, K.; et al. Nephrolithiasis. Prim Care. 47. 4; 661-671, 2020
  • TORRICELLI, F. C. M.; et al. Tratamento cirúrgico da litíase vesical: revisão de literatura. Rev. Col. Bras. 40. 3; 227-233, 2012
Mostrar bibliografia completa
  • CICIONE, A.; et al. Bladder stone management: an update. Minerva Urol Nefrol. 70. 1; 53-65, 2018
  • CURRY, A.; et al. Pelvic Inflammatory Disease: Diagnosis, Management, and Prevention. Am Fam Physician. 100. 6; 357-364, 2019
  • KHAN, F. U. Comprehensive overview of prostatitis. Biomed Pharmacother. 94. 1064-1076, 2017
  • WANG, G.; et al. The Diagnosis and Treatment of Prostate Cancer: A Review. Genes Dev. 32. 17-18; 1105-1140, 2018
  • LENIS, A. T. Bladder Cancer: A Review. JAMA. 324. 19; 1980-1991, 2020
  • MARCU, I.; et al. Interstitial Cystitis/Bladder Pain Syndrome. Semin Reprod Med. 36. 2; 123-135, 2018
  • PANICKER, J. N. Neurogenic Bladder: Epidemiology, Diagnosis, and Management. Semin Neurol. 40. 5; 569-579, 2020
  • LESLIE, S. W.; TADI, P.; TAYYEB, M. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Neurogenic Bladder and Neurogenic Lower Urinary Tract Dysfunction. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK560617/>. Acesso em 08 nov 2022
  • LESLIE, S. W.; SAJJAD, H.; MURPHY, P. B. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Bladder Stones. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK441944/>. Acesso em 08 nov 2022
  • BERLANDA, N.; et al. Ureteral and vesical endometriosis. Two different clinical entities sharing the same pathogenesis. Obstet Gynecol Surv. 64. 12; 830-42, 2009
  • SACHEDINA, A.; TODD, N. Dysmenorrhea, Endometriosis and Chronic Pelvic Pain in Adolescents. J Clin Res Pediatr Endocrinol. 12. Suppl 1; 7-17, 2020
  • LIM, Y.; O'ROURKE, S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Interstitial Cystitis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK570588/>. Acesso em 08 nov 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • 6 sintomas para descobrir ENDOMETRIOSE · com Dr. Mauricio Abrão

    14:03 | 13390 visualizações
  • Como identificar os sintomas e curar a INFECÇÃO URINÁRIA rapidamente

    07:47 | 474824 visualizações
  • INFECÇÃO URINÁRIA NA GRAVIDEZ: O que comer para Curar e Evitar

    04:39 | 314210 visualizações
  • Infecção Urinária e Cistite | O que comer para Curar e Evitar

    04:49 | 3984755 visualizações
  • Dieta para cada Tipo de Pedra nos Rins

    05:26 | 208518 visualizações