Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

5 principais disfunções hormonais e o que fazer

Outubro 2020

A disfunção hormonal é um problema de saúde em que há aumento ou diminuição da produção de hormônios relacionados com o metabolismo ou a reprodução. Em algumas mulheres a disfunção pode estar relacionada aos hormônios e geralmente está ligada à menstruação e produzir sintomas como aumento do peso, acne e excesso de pelos no corpo. Em homens, geralmente as disfunções hormonais relacionam-se à testosterona, causando sintomas de disfunção erétil ou infertilidade, por exemplo.

Os hormônios são substâncias químicas produzidas pelas glândulas e circulam pela corrente sanguínea agindo sobre diferentes tecidos e órgãos no corpo. Os sintomas da disfunção hormonal dependem da glândula que está afetada e o diagnóstico é laboratorial avaliando-se a quantidade de hormônio na corrente sanguínea.

No caso apresentar algum dos sintomas de disfunção hormonal, é importante fazer consulta médica para iniciar o tratamento mais adequado o mais breve possível.

5 principais disfunções hormonais e o que fazer

1. Hipotireoidismo ou hipertireoidismo

A tireoide é uma glândula localizada no pescoço por baixo do pomo de adão e produz hormônios tireoidianos, a triiodotironina (T3) e a tiroxina (T4), responsáveis por controlar o metabolismo no corpo, além influenciar várias funções do corpo como batimentos cardíacos, fertilidade, ritmo do intestino e queima de calorias. Um outro hormônio que pode estar alterado e que influencia a tireoide é o hormônio estimulador da tireoide (TSH).

O hipotireoidismo ocorre quando a tireoide diminui a produção dos seus hormônios, provocando sintomas como cansaço, sonolência, voz rouca, intolerância ao frio, prisão de ventre, unhas fracas e aumento de peso. Nos casos mais avançados, pode ocorrer inchaço do rosto e das pálpebras, chamado mixedema.

Já no hipertireoidismo, a tireoide aumenta a produção dos seus hormônios causando sintomas como aumento dos batimentos cardíacos e da pressão arterial, nervosismo, ansiedade, insônia e perda de peso. Nos casos mais graves, pode ocorrer projeção dos globos oculares, chamado bócio exoftálmico.

Saiba mais sobre os sintomas de problemas na tireoide.

O que fazer: no caso de apresentar sintomas de disfunções da tireoide, deve-se fazer avaliação pelo médico endocrinologista. O tratamento geralmente é feito com hormônios para tireóide, como a levotiroxina, por exemplo. Para mulheres com mais de 35 anos e homens com mais de 65 anos, recomenda-se a realização de exames preventivos a cada 5 anos. Mulheres grávidas e recém-nascidos também devem fazer exames preventivos.

2. Diabetes

O diabetes melito, também chamado de diabetes tipo 2, é uma condição em que o pâncreas diminui ou pára a produção do hormônio insulina que é responsável por retirar a glicose da corrente sanguínea e levar até as células para exercerem suas funções. 

Os sintomas do diabetes melito incluem aumento da glicose na corrente sanguínea porque o pâncreas não produz insulina, o que causa aumento da sede, aumento da vontade de urinar, aumento da fome, visão embaçada, sonolência e náusea.

O que fazer: deve-se fazer uma dieta orientada pelo médico ou nutricionista, atividade física, perder peso e fazer acompanhamento rigoroso com o endocrinologista. O tratamento do diabetes melito muitas vezes requer injeção de insulina, mas somente o médico pode prescrever porque as doses são personalizadas para cada pessoa. Saiba mais sobre o diabetes melito.

3. Síndrome dos ovários policísticos

A disfunção hormonal mais comum nas mulheres é a Síndrome dos Ovários Policísticos, relacionada ao aumento do hormônio testosterona, levando à produção de cistos nos ovários e geralmente inicia na puberdade. 

Estes cistos são os responsáveis por sintomas como acne, engrossamento da voz, ausência de menstruação ou menstruação irregular, diminuição do desenvolvimento das mamas e aumento da quantidade de pelos no corpo. Além disso, podem aumentar o estresse na mulher e causar infertilidade. Saiba mais sobre a síndrome do ovário policístico.

O que fazer: o tratamento da síndrome dos ovários policísticos baseia-se no alívio dos sintomas, regulação da menstruação ou tratamento da infertilidade. Geralmente, são utilizados anticoncepcionais mas é preciso tomar fazer acompanhamento com um ginecologista.

5 principais disfunções hormonais e o que fazer

4. Menopausa

A menopausa é a fase na vida da mulher em que ocorre uma diminuição abrupta da produção de estrógeno levando ao fim da menstruação, o que marca o fim da fase reprodutiva da mulher. Geralmente, acontece entre 45 e 55 anos, mas pode acontecer precocemente, antes dos 40 anos.

Os sintomas mais comuns da menopausa são ondas de calor, insônia, batimentos cardíacos acelerados, diminuição do desejo sexual, secura vaginal e dificuldade de concentração. Além disso, a menopausa pode causar osteoporose que caracteriza-se por maior fragilidade dos ossos. 

O que fazer: pode ser necessária a reposição hormonal, entretanto, somente o médico ginecologista é capaz de avaliar a necessidade da reposição hormonal, pois em alguns casos é contra-indicada, como câncer de mama suspeito ou diagnosticado. Saiba mais sobre o tratamento de reposição hormonal.

5. Andropausa

A andropausa, também chamada de síndrome da deficiência androgênica, é considerada como a menopausa masculina que é um processo natural do organismo em que ocorre diminuição gradual da produção da testosterona. 

Os sintomas da andropausa podem ocorrer em qualquer idade, mas é mais frequente após os 40 anos de idade e incluem diminuição do desejo sexual, disfunção erétil, diminuição do volume dos testículos, diminuição da força e da massa muscular, insônia e inchaço das mamas. Saiba mais sobre a andropausa.

O que fazer: muitas vezes não é necessário realizar nenhum tratamento, pois os sintomas são sutis. Algumas medidas simples como dieta equilibrada e atividades físicas moderadas podem ajudar os níveis de testosterona a voltar ao normal. Entretanto, é importante fazer avaliação e acompanhamento com o médico urologista para ajudar a reduzir os sintomas.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico das disfunções hormonais baseia-se nos sintomas e em exames laboratoriais através da dosagem dos hormônios no sangue. 

Em alguns casos, podem ser feitos ultrassom como nas disfunções da tireoide em que é feito o ultrassom da tireoide e na síndrome dos ovários policísticos o ultrassom transvaginal. Na andropausa pode ser necessário ultrassom dos testículos ou análise do esperma.

Bibliografia >

  • KOEHLER, V. F.; REINCKE, M.; SPITZWEG, C.. Hypothyroidism-when and how to treat?. Internist (Berl) . 59. 7; 644-653, 2018
  • MCDERMOTT, Michael T.. Hyperthyroidism. Ann Intern Med. 172. 7; ITC49-ITC64, 2020
  • CHATERJEE, Sudesna; KHUNTI, Kamlesh; DAVIES, Melanie J.. Type 2 diabetes. Lancet. 389. 10085; 2239-2251, 2017
  • MEIER, Renate . Polycystic Ovary Syndrome. Nurs Clin North Am. 53. 3; 407-420, 2018
  • TAKAHASHI, Traci A.; JOHSON, Kay M. . Menopause. Med Clin North Am . 99. 3; 521-534, 2015
  • Robert Krysiak 1, Bogusław Okopień. Pathogenesis and clinical presentation of andropause. Pol Merkur Lekarski . 32. 187; 70-73, 2012
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem