Terapia de reposição hormonal: o que é, para que serve e como é feita

A terapia de reposição hormonal, também conhecida como TRH ou terapia de substituição hormonal, é um tratamento normalmente indicado em casos de menopausa, uma vez que ao repor os níveis dos hormônios que estão circulando em menor concentração no corpo.

Dessa forma, através da terapia de reposição hormonal é possível promover o alívio dos sintomas desse período, como ondas de calor, cansaço excessivo, secura vaginal ou queda de cabelos, por exemplo, além de ser útil na prevenção da osteoporose e promover a melhora dos níveis de colesterol. Saiba mais sobre os sintomas da menopausa.

A reposição hormonal deve ser recomendada pelo ginecologista de acordo com a idade da mulher, sinais e sintomas apresentados e sua intensidade e concentração de estrógeno, progesterona e hormônios androgênicos circulantes, podendo ser indicada a reposição hormonal na forma de comprimidos ou adesivo. A duração do tratamento pode variar de mulher para mulher, no entanto normalmente dura entre 2 a 5 anos.

Terapia de reposição hormonal: o que é, para que serve e como é feita

Para que serve

A terapia de reposição hormonal tem como objetivo repor os níveis dos hormônios femininos, principalmente a concentração de estrogênios e progesterona, sendo normalmente indicada a sua realização na menopausa, já que alivia os sintomas comuns de acontecer nesse período e previne alterações que podem acontecer como consequência da desregulação hormonal.

Assim, a reposição hormonal pode servir para:

  • Prevenir a perda óssea e a ocorrência da osteoporose;
  • Melhorar o perfil lipídico, ou seja, os níveis do colesterol LDL, HDL e triglicerídeos circulantes;
  • Aliviar os sinais e sintomas da menopausa, como ondas de calor, secura vaginal, quedas de cabelo, cansaço excessivo, diminuição da libido e alterações do humor;
  • Aumentar a lubrificação vaginal;
  • Melhorar o fluxo de sangue.

Antes de iniciar a reposição hormonal, é fundamental que a mulher realize os exames indicados pelo ginecologista para que se saiba a concentração dos hormônios circulantes, assim como exames que avaliem a saúde dos ossos, das mamas e do aparelho reprodutor. Conheça melhor os exames que confirmam a menopausa.

Como é feita

A terapia de reposição hormonal é indicada principalmente para mulheres que possuem sintomas moderados a graves relacionados com a menopausa, podendo ser feita a partir do uso de medicamentos por via oral, por via percutânea, na forma de adesivos ou através de cremes vaginais, de acordo com a orientação do ginecologista.

Existem dois tipos principais de terapias que podem ser indicadas pelo obstetra para fazer a reposição dos hormônios:

  • Terapia com estrogênio e progesterona: neste caso são usados medicamentos contendo progesterona natural ou uma forma sintética de progesterona combinada com um estrogênio. Esta terapia é especialmente indicada para mulheres com útero;
  • Terapia com estrogênios: nesta terapia são usados medicamentos contendo apenas estrogênios como estradiol, estrona ou mestranol, por exemplo, sendo especialmente indicada para mulheres que tenham removido o útero devido a alguma alteração.

O tempo de total de tratamento não deve exceder 5 anos, uma vez que o tratamento prolongado pode favorecer o aumento do risco de desenvolver doenças, como câncer de mama e doenças cardiovasculares, por exemplo. Assim, é importante que durante o tratamento a mulher consulte regularmente o médico para avaliar os resultados do tratamento e, assim, ser possível determinar a suspensão, continuação ou alteração da dose utilizada.

Reposição hormonal natural

Algumas plantas medicinais possuem propriedades capazes de promover o alívio dos sintomas da menopausa, uma vez que contém fitoestrogênios, que são substâncias naturais semelhantes ao estrogênio, promovendo o equilíbrio hormonal. Assim, pode ser interessante o consumo de da erva-de-São-Cristóvão, o agnocasto, a amora negra e a salva, por exemplo. Saiba mais sobre a reposição hormonal natural.

Apesar das plantas medicinais serem úteis no alívio dos sintomas da menopausa, não devem substituir o tratamento de reposição hormonal recomendado pelo médico.

Quando não é recomendada

Em alguns casos, os benefícios do tratamento de reposição hormonal não compensam os riscos e, por isso, o tratamento não deve ser realizado. Assim, este tratamento é contraindicado nas seguintes situações:

  • Doença hepática e biliar;
  • Câncer de mama;
  • Câncer de endométrio;
  • Porfiria;
  • Sangramento genital anormal de causa desconhecida;
  • Doença trombótica ou tromboembólica venosa;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Doença coronariana;
  • Alterações na coagulação sanguínea.

Mulheres que tenham sido diagnosticadas com estas doenças não podem realizar a terapia de reposição hormonal, pelo risco de aumento da gravidade destas doenças. Porém, na maior parte dos casos, podem recorrer à terapia de reposição hormonal natural para aliviar alguns incômodos da menopausa, desde que devidamente orientado pelo médico.

A terapia de reposição hormonal engorda?

A reposição hormonal não engorda pois são utilizados hormônios sintéticos ou naturais, semelhantes aos que o corpo da mulher produz.

Contudo, durante devido ao envelhecimento natural do corpo, com o avançar da idade é normal existir uma maior tendência para engordar, assim como pode também existir um aumento da gordura na região abdominal.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde em Janeiro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias, Ginecologista em Fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • PARDINI, Dolores. Terapia de Terapia de reposição hormonal na menopausa hormonal na menopausa . Arq Bras Endocrinol Metab. 58. 2; 172-181, 2014
  • GEBARA, Otavio C. E. Terapia de reposição hormonal baseada em evidências. 2016. Disponível em: <http://departamentos.cardiol.br/dcm/palestras/simposio-coracao-mulher2016/reposicao-hormonal.pdf>.
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CLIMATÉRIO. Consenso Brasileiro de Terapêutica Hormonal da Menopausa. 2014. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/images/arquivos/manuais/Manuais_Novos/consenso_brasileiro_de_terapeutica_hormonal_da_menopausa_SOBRAC.pdf>. Acesso em 17 Set 2019
  • SILVA, Matheus M.; BUENO, Rayssa Gabrielle P. C.; MACIEL, Maria Simone P. et al. Evidências contemporâneas sobre o uso da terapia de reposição hormonal. Brazilian Journal of health Review. Vol 2. 2 ed; 925-969, 2019
  • SOUZA, Natália Rúbia R.; VIANA, Maria Elisa L.; MIRANDA, Maria Lúcia C. et al. Relação entre terapia de reposição hormonal no climatério e o desenvolvimento de neoplasias. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. Vol 25. 2 ed; 135-143, 2018
  • WANNMACHER, Lenita; LUBIANCA, Jaqueline N. Terapia de reposição hormonal na menopausa: evidências atuais. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Vol 1. 6 ed; 2004
Mais sobre este assunto: