Coceira no corpo: 9 principais causas e o que fazer

novembro 2022

A coceira no corpo acontece por uma irritação ou inflamação na pele, como no caso da pele ressecada ou alergia ao suor ou picada de inseto. A coceira na pele também pode ser causada por infecção por fungos, vírus ou bactérias, ou ser devido a doenças psicológicas, como a ansiedade ou depressão, por exemplo, podendo afetar uma parte específica do corpo ou o corpo todo.

Dependendo da sua causa, a coceira no corpo pode ser acompanhada de outros sintomas, como vermelhidão, formação de bolhas, manchas ou feridas na pele, que também podem ser formadas pelo ato frequente de coçar.

Na presença de coceira no corpo, é importante sempre consultar o dermatologista, ou o clínico geral, para avaliar as características da coceira, o que pode ter causado, o local em que aparecem e se está acompanhada de outros sintomas e, dessa forma, ser diagnosticado e iniciado o tratamento mais adequado, que pode ser feito com uso de remédios antialérgicos ou uso de cremes hidratantes, por exemplo.

Principais causas

As principais causas de coceira no corpo são:

1. Reações alérgicas

As reações alérgicas podem causar coceira intensa, que pode ser acompanhada de outros sintomas como formação de pequenas bolhas vermelhas ou brancas, crostas ou feridas na pele. Veja como identificar a alergia na pele.

A coceira na pele causada por reações alérgicas pode ocorrer em qualquer parte do corpo e é causada por uma irritação ou inflamação na pele, sendo as causas mais comuns:

  • Calor ou suor excessivo;
  • Picada de inseto;
  • Tecidos;
  • Cosméticos, como sabonetes, cremes e xampus;
  • Produtos de limpeza;
  • Pelos de animais ou plantas;
  • Alimentos;
  • Reação alérgica a medicamentos;
  • Poeira ou ácaros de roupas, livros e estofados.

A alergia pode surgir de forma isolada ou ocorrer frequentemente em pessoas que têm tendências a ter alergias, e os episódios podem ser leves ou graves, podendo ser necessário o tratamento com imunoalergologista.

O que fazer: é recomendado que o local seja lavado com água fria abundante e sabão neutro, além de ser importante que se evite o contato com a substância, alimento ou objeto irritante. Além disso, pode-se fazer o tratamento com antialérgicos ou corticoides aplicados diretamente na pele ou tomados na forma de comprimidos, conforme orientação médica. Em casos mais graves é preciso ir a uma urgência, pois pode ser necessário uso de medicamentos injetáveis.

2. Pele ressecada

A pele ressecada, chamada de xerose cutânea, é causada, principalmente, pelo uso excessivo de sabonetes, por banhos muito quentes e demorados, ou devido envelhecimento da pele que fica mais fina e perde a capacidade de produzir óleo e reter a hidratação natural, o que pode causar coceira constante, além de outros sintomas como irritação, descamação ou até rachaduras pele. Esse tipo de coceira é mais comum de ocorrer nas pernas, braços ou barriga.

Outras causas do ressecamento da pele podem incluir uso de alguns medicamentos, como remédios para baixar o colesterol, opioides ou diuréticos, por exemplo, além de situações como desidratação, viver em regiões frias e com baixa umidade, e, até, certas doenças que podem causar alterações na queratinização da pele.

O que fazer: deve-se evitar tomar banhos muito quentes, usar umidificadores no ambiente e utilizar sabonetes hipoalergênicos, além de cremes hidratantes que contenham ceramidas, ácido glicólico, vitamina E ou ureia, por exemplo. O ideal é consultar o dermatologista para que seja indicado o melhor creme hidratante de acordo com o tipo de pele.

Além disso, em alguns casos, para aliviar a coceira de forma imediata, o médico pode receitar remédios anti-alérgicos, como loratadina ou dexclorfeniramina, por exemplo. Confira a receita de um ótimo hidratante caseiro para a pele extra ressecada.

3. Dermatites

A dermatite é uma doença inflamatória da pele, geralmente de causa genética ou auto-imune, em que há um processo alérgico crônico, que causa coceira constante e intensa, e pode estar acompanhada de outras alterações da pele.

Algumas das formas mais comuns de dermatite incluem:

  • Dermatite atópica: mais comum nas dobras dos braços e joelhos em crianças, podendo, também, aparecer nas bochechas e junto às orelhas dos bebês, ou no pescoço, mãos e pés dos adultos, e estar acompanhada de vermelhidão, descamação ou inchaço na pele;
  • Dermatite seborreica: causa vermelhidão ou descamação da pele, especialmente no couro cabeludo, e regiões oleosas da pele como os lados do nariz, orelhas, barba, pálpebras e peito, causando coceira, manchas e descamação da pele;
  • Dermatite de contato: provoca intensa coceira acompanhada de bolhas e vermelhidão, inchaço e descamação, em locais da pele que estiveram em contato direto com uma substância irritante, como uma bijuteria ou cosmético, por exemplo;
  • Dermatite herpetiforme: causa uma reação inflamatória que causa coceira intensa, acompanhada de pequenas bolhas na pele, semelhantes às lesões provocadas pelo herpes, e pode surgir no couro cabeludo, o bumbum, os cotovelos, os joelhos e as costas, sendo mais comum em pessoas com intolerância ao glúten ou doença celíaca;
  • Psoríase: é uma doença crônica da pele que causa inflamação e intensa multiplicação das células da camada mais superficial da pele, provocando manchas vermelhas e ressecadas, que causam coceira, sensação de queimação ou dor;
  • Dermatite por mariposa ou dermatite por Hylesia: acontece devido à liberação de cerdas pela mariposa da espécie Hylesia, que penetram profundamente a pele e podem permanecer durante dias a semanas, levando ao desenvolvimento de sintomas como coceira intensa na pele e vermelhidão local. Nesse tipo de dermatite, a coceira acontece principalmente à noite, já que essa mariposa possui hábito noturno, havendo liberação das suas cerdas durante o voo, não sendo necessário contato direto com a mariposa para resultar nos sintomas.

Outros exemplos mais raros de alterações da pele, que causam coceira, incluem as dermatites luminar ou bolhosa, além de outras doenças dermatológicas como penfigoide bolhoso, a micose fungoide e o líquen plano, por exemplo. Confira mais detalhes sobre os principais tipos de dermatite.

O que fazer: deve-se consultar o dermatologista para avaliação das características das lesões e, assim, seja orientado tratamento de acordo com cada tipo de dermatite, o que pode incluir cremes hidratantes à base de ureia, remédios corticoides ou anti-alérgicos, por exemplo.

4. Infecções na pele

As infecções na pele podem ser causadas por fungos, bactérias ou parasitas, causando lesões e reações inflamatórias, e surgimento de coceira na pele, podendo ocorrer em diferentes partes do corpo, de acordo com o tipo de microrganismo que causou a infecção.

Algumas das infecções mais comuns são:

  • Micoses de pele: causa coceira, vermelhidão e descamação na pele, e pode atingir qualquer região do corpo, que surge devido a infecções por fungo, como no caso da Tinha, Onicomicose, Intertrigo e Pitiríase Versicolor;
  • Candidíase cutânea: causada por uma infecção pelo fungo Candida, provocando o surgimento de coceira na pele, lesões avermelhadas e úmidas, mais comuns nas dobras do corpo, como debaixo dos seios, virilhas, axilas, unhas ou entre os dedos, apesar de poder surgir em qualquer local do corpo;
  • Escabiose: também conhecida como sarna, esta doença é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, que causa uma coceira intensa e caroços avermelhados, e é bastante contagiosa;
  • Herpes: a infecção pelo vírus da herpes causa vermelhidão e pequenas bolhas, que podem causar coceira ou ser dolorosas, sendo comuns nos lábios e na região genital;
  • Impetigo: infecção na pele causada por bactérias que provocam o surgimento de pequenas feridas que contém pus e formam crostas.

Estas infecções podem ser transmitidas de uma pessoa para a outra, e costumam surgir devido aos maus hábitos de higiene ou quando há queda da imunidade.

O que fazer: o tratamento deve ser orientado pelo médico de acordo com o tipo de microrganismo que causou a infecção, podendo ser indicado o uso de remédios antifúngicos, como nistatina ou cetoconazol, antibióticos, como neomicina ou gentamicina, soluções de permetrina ou ivermectina para escabiose, e antivirais, como aciclovir, para herpes. A coceira também pode ser aliviada com anti-alérgicos receitados pelo médico.

5. Doenças sistêmicas

Existem diversas doenças sistêmicas, que podem atingir diversos órgãos ou o corpo como um todo do corpo, e causar coceira na pele.

Algumas doenças sistêmicas que podem causar coceira no corpo, são:

  • Infecções virais, como Dengue, Zika ou catapora;
  • Doenças nos rins, como insuficiência renal crônica;
  • Neuropatias, causadas por diabetes, AVC ou esclerose múltipla, por exemplo;
  • Doenças endócrinas, como hipertireoidismo, diabetes ou mastocitose;
  • HIV, tanto devido à infecções da pele, como por alterações imunes que podem surgir;
  • Doenças hematológicas, como anemia ou policitemia vera;
  • Câncer, como linfoma de pele.

Estas doenças podem causar coceira com frequência e intensidade diferentes em cada pessoa.

O que fazer: nestes casos,o tratamento deve ser indicado pelo médico de acordo com a doença principal que pode estar causando a coceira no corpo. Em alguns casos, o médico pode indicar o uso de remédios antialérgicos, como a hidroxizina, para aliviar a coceira.

6. Lúpus

O lúpus é um tipo de doença autoimune que se caracteriza pela produção de anti-corpos em excesso, podendo causar sintomas como irritação, vermelhidão e coceira na pele e nos casos mais graves, pode atingir outros órgãos como o pulmão e provocar dor no peito e falta de ar.

O que fazer: o lúpus não tem cura, mas os sintomas podem ser controlados através de pomadas e medicamentos com corticoides ou imunossupressores indicados pelo médico reumatologista. Veja como é feito o tratamento para lúpus.

7. Problemas no fígado e na vesícula

Alguns problemas no fígado e na vesícula biliar provocam a redução na produção e no fluxo da bile, que é um líquido produzido nestes órgãos responsável pela absorção de gorduras, e isto pode acontecer por obstrução nas vias biliares e nos canais do fígado.

Desta forma, com o acúmulo de bile no corpo os níveis de bilirrubina, que é um componente da bile, ficam muito aumentados provocando sintomas como pele e olhos amarelados e coceira na pele, que é mais intensa durante a noite e pode ser mais localizada nas solas dos pés e na palma da mão.

A colestase gravídica é uma doença hepática que pode surgir durante a gravidez, que tem essas características, podendo ser necessária a realização de ressonância magnética ou ultrassonografia para confirmar o diagnóstico.

O que fazer: depois de confirmado o diagnóstico da doença que causa o problema no fígado ou vesícula, o médico poderá receitar medicamentos para estimular a produção de ácidos biliares que ajudam a equilibrar os níveis de gordura na bile. Nestes casos, também é importante evitar o consumo de álcool e bebidas com cafeína, assim como deve-se ser feita uma dieta balanceada, pobre em gorduras.

8. Doenças psicológicas

A coceira de origem psicológica, também chamada de prurido psicogênico, é diagnosticada pelo médico quando não se consegue encontrar a causa da coceira mesmo após investigação médica detalhada e demorada, com exames e avaliações físicas.

Este tipo de coceira pode surgir nos casos de depressão, transtorno bipolar, ansiedade, distúrbio obsessivo-compulsivo, distúrbios alimentares, dependência de drogas de abuso ou distúrbios da personalidade, por exemplo. Algumas vezes, a coceira é tão intensa que pode causar lesões na pele.

O que fazer: deve-se fazer o tratamento indicado pelo médico de acordo com a causa da coceira na pele, após confirmação de que não se trata de uma doença dermatológica ou sistêmica. Desta forma, o psiquiatra pode indicar psicoterapia ou tratar a doença de base, com o uso de ansiolíticos ou antidepressivos, por exemplo.

9. COVID-19

Apesar de ser raro, a COVID-19 pode causar o surgimento de lesões vermelhas, ou roxas, parecidas com urticária, e que também podem também causar coceiras na pele de algumas pessoas. Essas manchas e coceiras podem surgir em diferentes partes do corpo, como pernas, braços e mãos, e geralmente são causadas por uma reação do sistema imunológico para combater o vírus SARS-CoV-2, podendo durar entre 5 e 14 dias.

O que fazer: é importante passar por uma consulta com um médico, para avaliar as possíveis causas das lesões e indicar o tratamento mais adequado, que pode incluir o uso de anti-histamínicos, imunossupressores e corticoides, para o tratamento de urticária, ou paracetamol, para os casos de COVID-19, por exemplo.

O que causa coceira na gravidez

Durante a gravidez, as alterações hormonais, que são normais na gestação, podem deixar a pele mais seca, o que pode provocar coceira.

Além disso, existem alguns problemas de pele que podem surgir ou piorar neste período, como o prurido gestacional, causado por alteração das vias biliares, ou outras dermatoses como urticárias, dermatose papular ou penfigoide gestacional, por exemplo.

Assim, caso a coceira seja persistente, é recomendado consultar com o obstetra ou dermatologista, para avaliar as possíveis causas e indicar o tratamento mais adequado.

Veja no vídeo a seguir outras causas da coceira no corpo e como é o tratamento:

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr. Leonardo Rotolo Araújo - Dermatologista, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • LUDWIG, Martha W.B. et al. Localização da lesão e níveis de stress em pacientes dermatológicos. Estudos de Psicologia. Vol.25, n.3. 343-352, 2008
  • BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. Psoríase. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2203-psoriase>. Acesso em 20 fev 2020
Mostrar bibliografia completa
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lúpus: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/lupus>. Acesso em 20 fev 2020
  • ROSMANINHO, Isabel; MOREIRA, Ana; SILVA, José P. M. Dermatite de contacto: revisão da literatura. Rev Port Imunoalergologia. Vol.24, n.4. 197-209, 2016
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. Prurido nas doenças do fígado. Disponível em: <https://tudosobrefigado.com.br/wp-content/uploads/2019/01/cartilha_prurido_nas_doencas_do_figado.pdf>. Acesso em 20 fev 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Colangite Biliar Primária. Disponível em: <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/setembro/16/Portaria-Conjunta-PCDT-Colangite-Biliar-Prim--ria-SET.pdf>. Acesso em 20 fev 2020
  • CALADO, Gisela; LOUREIRO, Graça et al. Stress e doença alérgica: Mecanismos subjacentes. Rev Port Imunoalergologia. Vol.20, n.1. 9-21, 2012
  • BRAS, Susana; AMARO, Cristina; CARDOSO, Jorge. Prurido crônico. Revista da SPDV 72(4) 2014;. Vol.72, n.4. 1-19, 2014
  • ANTUNES, Adriana A. et al. Guia prático de atualização em dermatite atópica - Parte I: etiopatogenia, clínica e diagnóstico. Arq Asma Alerg Imunol. Vol.1, n.2. 131-156, 2017
  • SEIRAFIANPOUR, Farnoosh et al. Cutaneous manifestations and considerations in COVID‐19 pandemic: A systematic review. Dermatologic Therapy - Wiley Online Library. 2020
  • VISCONTI, ALESSIA et al. Diagnostic value of cutaneous manifestation of SARS-CoV-2 infection. British Journal of Dermatology. Vol.184. 5.ed; 880-887, 2021
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLGIA. Prurido epidêmico no Recife: causa desvendada. 2021. Disponível em: <https://www.sbd.org.br/mm/cms/2021/12/08/sbd-surto-pernambuco-nota-tecnica.pdf>. Acesso em 09 dez 2021
  • BUTEAU, A.; REICHENBERG, J. Psychogenic Pruritus and Its Management. Dermatol Clin. 36. 3; 309-314, 2018
  • COMBS, S. A.; et al. Pruritus in Kidney Disease. Semin Nephrol. 35. 4; 383-91, 2015
  • MONIAGA, C. S.; et al. Mechanisms and Management of Itch in Dry Skin. Acta Derm Venereol. 100. 2; adv00024, 2020
  • MISERY, L.; et al. Neuropathic pruritus. Nat Rev Neurol. 10. 7; 408-16, 2014
  • DE VLOO, C.; NEVENS, F. Cholestatic pruritus : an update. Acta Gastroenterol Belg. 82. 1; 75-82, 2019
  • WEISSHAAR, E.; et al. European S2k Guideline on Chronic Pruritus. Acta Derm Venereol. 99. 5; 469-506, 2019
  • BERGER, T. G.; SHIVE, M.; HARPER, G. M. Pruritus in the older patient: a clinical review. JAMA. 310. 22; 2443-50, 2013
  • BECHTEL, M. A. Pruritus in Pregnancy and Its Management. Dermatol Clin. 36. 3; 259-265, 2018
  • SONG, J.; et al. Pruritus: Progress toward Pathogenesis and Treatment. Biomed Res Int. 2018. 9625936, 2018
Revisão clínica:
Dr. Leonardo Rotolo Araújo
Dermatologista
Dermatologista, graduado pela Unisul, com CRM-RJ 100411-5 e membro da SBD e SBCD. Coordenador da Dermatologia do Hospital Caxias D'Or.

Tuasaude no Youtube

  • 6 causas de COCEIRA e como tratar - com Dr. Aline Bressan Dermatologista

    08:27 | 21322 visualizações