Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Anticoagulantes: o que são, para que servem e principais tipos

Os anticoagulantes são medicamentos que impedem a formação de coágulos no sangue, porque bloqueiam a ação de substâncias que fazem a coagulação. Os coágulos são fundamentais para cicatrizar feridas e parar sangramentos, mas existem situações em que podem impedir a circulação do sangue, causando sérias doenças, como AVC, trombose e embolia pulmonar, por exemplo.

Assim, os anticoagulantes permitem que o sangue se mantenha sempre líquido dentro dos vasos e possa circular livremente, sendo recomendados para pessoas que sofreram doenças provocadas por coágulos ou que tenham maior risco de as desenvolver.

Os mais comumente usados são a heparina, varfarina e rivaroxabana, que devem ser usados com cuidado e sempre com acompanhamento médico, já que o seu uso incorreto, pode levar à ocorrência de hemorragias graves.

Anticoagulantes: o que são, para que servem e principais tipos

Quem deve usar

Os anticoagulantes devem ser usados por pessoas que têm maior risco de desenvolver um trombo, como aquelas com arritmias cardíacas ou que usam próteses em valva cardíaca. Também são usados para eliminar um trombo que já se formou, como em casos de pessoas com trombose, embolia pulmonar ou infarto.

Qual a relação entre o uso de anticoagulantes e a COVID-19?

Recentemente, tem sido usado um anticoagulante, chamado heparina, para controlar as complicações tromboembólicas que têm surgido em alguns pacientes com COVID-19.

A heparina, embora não contribua para eliminar o novo coronavírus do organismo, tem tido resultados promissores no controle de episódios trombólicos, como AVC, embolia pulmonar e coagulação intravascular disseminada, que têm surgido em alguns pacientes infectados pelo novo coronavírus, que estão relacionados com a exacerbação da resposta imune. Entenda, com mais pormenor, a relação entre estas doenças.

Principais tipos de anticoagulantes

Os anticoagulantes podem ser divididos de acordo com a via de administração e a sua forma de ação:

  • Injetáveis, como heparina ou fondaparinux: são injetadas por via intravenosa ou subcutânea. São mais usadas em situações de emergência, no hospital, como em casos de trombose venosa profunda, embolia pulmonar ou infarto do miocárdio. A heparina pode ser usada em gestantes que tiveram trombose, pois não interferem na formação do bebê;
  • Orais, como Marevan, Xarelto e Pradaxa: são comprimidos usados em casa, diariamente, para evitar a formação de coágulos ou para dissolver coágulos que estão impedindo a circulação sanguínea.

A escolha do melhor comprimido anticoagulante e a respetiva posologia, deve ser determinada pelo médico, dependendo da gravidade do problema, histórico de doenças e da resposta do organismo de cada pessoa.

Tipos de anticoagulantes orais

Existem tipos diferentes de anticoagulantes orais, e sua escolha vai depender da avaliação do médico, quanto às suas vantagens e desvantagens para cada pessoa:

TiposNomesVantagensDesvantagens
Inibidores da vitamina K

Varfarina (Marevan, Coumadin);

Acenocumarol (Sintrom).

- Muito utilizados;

- Mais baratos;

- Permitem maior controle da coagulação através de exames.

- Necessidade de fazer controle regular da coagulação;

- Doses precisam ser frequentemente modificadas,

- Seu efeito pode ser alterado por outros medicamentos ou alimentos ricos em vitamina K.

Novos anticoagulantes

Rivaroxabana (Xarelto); 

Dabigatrana (Pradaxa); 

Apixabana (Eliquis).

- Não é necessário fazer controle regular da coagulação;

- Doses únicas diárias;

- Podem ter menos efeitos colaterais.

- Mais caros;

- Contra-indicados em diversas doenças;

- Não têm antídotos.

No caso dos inibidores da vitamina K, o controle da coagulação normalmente deve ser feito uma vez por mês ou de acordo com a indicação médica. 

Remédios anticoagulantes naturais

Existem algumas substâncias fitoterápicas, popularmente conhecidas como capazes de "afinar" o sangue e diminuir o risco de formação de coágulos, como Ginkgo biloba ou Dong quai, por exemplo.

Estas plantas podem ser utilizadas em chás ou ingeridas sob a forma de cápsulas, vendidas em lojas de produtos naturais. Entretanto, o seu uso não deve substituir os medicamentos receitados pelo médico, e não devem ser utilizados em conjunto com outros anticoagulantes.

Além disso, só devem ser tomados após o conhecimento do médico, pois podem interferir na ação de outros medicamentos, e, assim como outros medicamentos, estes fitoterápicos deve ser interrompidos no pré-operatório de qualquer cirurgia.

Cuidados durante o tratamento

Durante o tratamento com anticoagulantes, é importante:

  • Relatar ao médico sempre que houver mudanças na dieta ou no uso de medicamentos para não desregular a ação do anticoagulante;
  • Evitar misturar dois tipos de anticoagulantes, exceto em casos de indicação médica; 
  • Pretas atenção a sinais de sangramento, como excesso de manchas na pele, sangramento de gengivas, sangue na urina ou nas fezes e, em caso de presença de algum deles, procurar um médico. 

Alguns alimentos ricos em vitamina K reduzem a ação de certos anticoagulantes, como a varfarina, devendo-se ter cuidados no seu consumo. No entanto, como a dose do anticoagulante é ajustável para a necessidade de cada pessoa, não é necessário parar o consumo de todos estes alimentos, mas, sim, evitar a mudança brusca da alimentação, mantendo uma quantidade constante na dieta.

Exemplos desses alimentos são os vegetais verde-escuros e folhosos, como espinafre, couve, alface, além de repolho, brócolis e couve-flor, por exemplo. Veja a lista completa dos alimentos ricos em vitamina K

Anticoagulantes: o que são, para que servem e principais tipos

Remédios caseiros que não devem ser usados com os anticoagulantes

É comum que algumas pessoas usem fitoterápicos ou remédios caseiros, sem indicação médica, no dia-a-dia, por acharem que são naturais e que não fazem mal. Porém, alguns deles podem interagir, geralmente intensificando, o efeito dos anticoagulantes, o que causa risco de sangramento, colocando em risco a vida da pessoa.  

Assim, pessoas que fazem uso de medicamentos anticoagulantes ou anti-agregantes, devem ter um cuidado especial quando tomarem remédios caseiros ou suplementos alimentares preparados à base de:

  • Alho;
  • Ginkgo Biloba;
  • Ginseng;
  • Sálvia vermelha;
  • Guaco;
  • Dong Quai ou Angélica chinesa;
  • Castanha-da-índia;
  • Boldo;
  • Guaraná;
  • Arnica.

Devido a este tipo de interação entre os medicamentos e os remédios naturais, é importante apenas tomar medicamentos após indicação ou aprovação do médico.

Bibliografia >

  • DR. MAURICIO ESTEBAN GAUNA – DR. JUAN LUIS BERNAVA. Recomendaciones diagnósticas y terapéuticas ante la Respuesta Inmune Trombótica Asociada a Covid-19 (RITAC). 2020. Disponível em: <https://fundacionio.com/wp-content/uploads/2020/04/Si%CC%81ndrome-RITAC.pdf>. Acesso em 27 Abr 2020
  • LUSHINA, Nadia et. al.. Pulmonary, Cerebral, and Renal Thromboembolic Disease Associated with COVID-19 Infection. Radiological Society of North America. 2020
  • OUDKERK, Matthijs. Diagnosis, Prevention, and Treatment of Thromboembolic Complications in COVID-19. National Institute for Public Health of the Netherlands. 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem