Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Síndrome Antifosfolípide: O que é, Causas e Tratamento

Atualizado em Abril 2019

A Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide, também conhecida como síndrome de Hughes ou apenas SAF, é uma doença autoimune rara caracterizada pela facilidade em formar trombos nas veias e artérias que interferem na coagulação sanguínea, podendo resultar em dor de cabeça, dificuldade para respirar e ataque cardíaco, por exemplo.

De acordo com a causa, a SAF pode ser classificada em três tipos principais:

  1. Primária, em que não há causa específica;
  2. Secundária, que acontece como consequência de outra doença, sendo normalmente relacionada com o Lúpus Eritematoso Sistêmico. A SAF secundária também pode acontecer, apesar de ser mais raro, associada a outras doenças autoimunes, como esclerodermia e artrite reumatoide, por exemplo;
  3. Catastrófica, que é o tipo mais grave de SAF no qual há formação de trombos em pelo menos 3 locais diferentes em menos de 1 semana.

A SAF pode acontecer em qualquer idade e em ambos os sexos, no entanto é mais frequente em mulheres entre os 20 e 50 anos. O tratamento deve ser estabelecido pelo clínico geral ou reumatologista e tem como objetivo prevenir a formação de trombos e evitar complicações, principalmente quando a mulher está grávida.

Síndrome Antifosfolípide: O que é, Causas e Tratamento

Principais sintomas

Os principais sintomas da SAF estão relacionados às alterações no processo de coagulação e à ocorrência de trombose, sendo os principais:

  • Dor no peito;
  • Dificuldade para respirar;
  • Dor de cabeça;
  • Náusea;
  • Inchaço dos membros superiores ou inferiores;
  • Diminuição da quantidade de plaquetas.

Além disso, as pessoas diagnosticadas com SAF têm maior chance de ter problemas nos rins, ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, por exemplo, devido à formação de trombos que interferem na circulação sanguínea, alterando a quantidade de sangue que chega nos órgãos. Entenda o que é a trombose.

O que causa a síndrome

A Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide é uma condição autoimune, o que significa que o próprio sistema imune ataca as células do corpo. Neste caso, o organismo produz anticorpos antifosfolipides que atacam as os fosfolipídeos presentes nas células de gordura, o que faz com que o sangue tenha maior facilidade para coagular e formar trombos.

Ainda não se sabe a razão específica que leva o sistema imune a produzir este tipo de anticorpos, mas sabe-se que é uma condição mais frequente em pessoas com outras doenças autoimunes, como Lúpus, por exemplo.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide é definido pela presença de pelo menos um critério clínico e outro laboratorial, ou seja, pela presença de um sintoma da doença e pela detecção de pelo menos um autoanticorpo no sangue.

Dentre os critérios clínicos considerados pelo médico estão episódios de trombose arterial ou venosa, ocorrência de aborto, parto prematuro, doenças autoimunes e presença de fatores de riscos para trombose. Esses critérios clínicos devem ser comprovados por meio de exames de imagem ou de laboratório.

Em relação ao critérios laboratoriais estão a presença de pelo menos um tipo de anticorpo antifosfolípide, como:

  • Anticoagulante lúpico (AL);
  • Anticardiolipina;
  • Anti beta2-glicoproteína 1.

Estes anticorpos devem ser avaliado em dois momentos diferentes, com um intervalo de pelo menos 2 meses.

Para que o diagnóstico seja positivo para SAF, é preciso que ambos os critérios sejam comprovados por meio de exames realizados duas vezes com um intervalo de pelo menos 3 meses.

Síndrome Antifosfolípide: O que é, Causas e Tratamento

Como é feito o tratamento

Embora não exista um tratamento capaz de curar a SAF, é possível reduzir o risco de formação de coágulos e, consequentemente, o surgimento de complicações como trombose ou infarto, através do uso frequente de medicamentos anticoagulantes, como a Varfarina, que é de uso oral, ou a Heparina, que é de uso intravenoso.

Na maior parte das vezes, pessoas com SAF, que estão fazendo o tratamento com anticoagulantes conseguem ter uma vida completamente normal, sendo apenas importante manter consultas regulares com o médico para adequar as doses dos medicamentos, sempre que necessário.

Porém, para garantir o sucesso do tratamento, é ainda importante evitar alguns comportamentos que possam prejudicar o efeitos dos anticoagulantes, como é o caso da ingestão de alimentos com vitamina K, como o espinafre, a couve ou o brócoli, por exemplo. Confira outros cuidados que deve ter ao usar anticoagulantes.

Tratamento durante a gravidez

Em alguns casos mais específicos, como durante a gravidez, o médico pode recomendar que o tratamento seja feito com Heparina injetável associada a Aspirina ou o a uma Imunoglobulina intravenosa, para prevenir a ocorrência de complicações como o aborto, por exemplo.

Com o tratamento adequado, existem grandes chances de a grávida com SAF ter uma gestação normal, no entanto é preciso que seja acompanhada de perto pelo obstetra, uma vez que apresenta maior risco de aborto, parto prematuro ou pré-eclâmpsia. Saiba como reconhecer os sintomas de pré-eclâmpsia.


Bibliografia

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem