11 exames de sangue que detectam o câncer

setembro 2022

Para identificar o câncer podem ser solicitados pelo médico a realização da dosagem de marcadores tumorais, que são substâncias produzidas pelas células ou pelo próprio tumor, como o AFP e o PSA, que se encontram elevados no sangue na presença de determinados tipos de câncer. Conheça os sinais e sintomas que podem indicar câncer.

A dosagem dos marcadores tumorais é importante não só para detectar o câncer, mas também para avaliar o desenvolvimento do tumor e a resposta ao tratamento.

Apesar dos marcadores tumorais serem indicativos de câncer, algumas situações benignas podem levar ao seu aumento, como por exemplo apendicite, prostatite ou hiperplasia da próstata e, por isso, na maioria dos casos é necessário fazer outros exames para confirmar o diagnóstico, como ecografia ou ressonância magnética, por exemplo.

Além disso, os valores dos indicadores tumorais do exame de sangue variam de acordo com o laboratório e o sexo do paciente, sendo importante ter em consideração o valor de referência do laboratório. Veja como entender o exame de sangue.

Alguns dos exames mais pedidos pelo médico para identificar o câncer são:

1. AFP

O que detecta: A alfafetoproteína (AFP) é uma proteína cuja dosagem pode ser solicitada para investigar tumores no estômago, intestino, ovários ou presença de metástases no fígado.

Valor de referência: Geralmente quando existem alterações malignas o valor é superior a 1000 ng/ml. No entanto, este valor também pode estar aumentado em situações como cirrose ou hepatite crônica, por exemplo, sendo o seu valor próximo de 500 ng/ml.

2. MCA

O que detecta: O antigênio mucoide associado ao carcinoma (MCA) normalmente é solicitado para verificar a ocorrência de câncer da mama. Saiba reconhecer os sinais de câncer de mama.

Valor de referência: Na maioria dos casos pode indicar câncer quando o seu valor é superior a 11 U/ml no exame de sangue. Porém, este valor pode estar aumentando em situações menos graves, como tumores benignos do ovário, útero ou próstata.

Normalmente o médico também solicita a dosagem do marcador CA 27.29 ou CA 15.3 para acompanhamento do câncer de mama e verificar a resposta ao tratamento e chance de recidiva. Entenda para que serve e como é feito o exame CA 15.3.

3. BTA

O que detecta: O antígeno tumoral da bexiga (BTA) é utilizado para ajudar a detectar o câncer da bexiga e normalmente é dosado juntamente com o NMP22 e o CEA.

Valor de referência: Na presença de câncer de bexiga, o exame apresenta um valor superior a 1. A presença de BTA na urina, no entanto, também pode estar elevado em problemas menos graves como inflamação dos rins ou da uretra, especialmente quando se utiliza sonda vesical.

4. PSA

O que detecta: O antigênio prostático (PSA) é uma proteína produzida normalmente para a próstata, porém no caso de câncer de próstata pode ter sua concentração aumentada. Saiba mais sobre o PSA.

Valor de referência: Quando a concentração do PSA no sangue é superior a 4,0 ng/ml pode indicar o desenvolvimento de câncer e, quando é superior a 50 ng/ml, pode indicar a presença de metástases. No entanto, para confirmar o câncer é necessário realizar outros exames como toque retal e ecografia à próstata, já que a concentração dessa proteína também pode estar aumentado em situações benignas.

5. CA 125

O que detecta: O CA 125 é um marcador muito utilizado para verificar a chance e acompanhar o desenvolvimento de câncer no ovário. A dosagem desse marcador deve ser acompanhado de outros exames para que possa ser feito o diagnóstico correto. Saiba mais sobre o CA 125.

Valor de referência: Geralmente é sinal de câncer no ovário quando o valor é superior a 65 U/ml. Porém, o valor também pode ficar aumentado no caso de cirrose, cistos, endometriose, hepatite ou pancreatite.

6. Calcitonina

O que detecta: A calcitonina é um hormônio produzido pela tireoide e que pode estar aumentada principalmente em pessoas com câncer da tireóide, mas também em pessoas com câncer de mama ou de pulmão, por exemplo. Veja como é feito o exame da calcitonina.

Valor de referência: Pode ser sinal de câncer quando o valor é superior a 20 pg/ml, mas, os valores também podem estar alterados devido a problemas como pancreatite, doença de Paget e até mesmo durante a gravidez.

7. Tireoglobulina

O que detecta: A tireoglobulina normalmente está elevada no câncer de tireoide, no entanto, para diagnóstico de câncer de tireoide também devem ser dosados outros marcadores, como a calcitonina e o TSH, por exemplo, já que a tireoglobulina pode estar aumentada mesmo em pessoas que não têm a doença.

Valor de referência: Os valores normais de tireoglobulina são entre 1,4 e 78 g/ml, acima disso pode ser indicativo de câncer. Veja quais são os sintomas do câncer de tireoide.

8. CEA

O que detecta: O antígeno carcinoembrionário (CEA) pode ser dosado para diferentes tipos de câncer, estando normalmente elevando no câncer no intestino, afetando o cólon ou o reto. Saiba mais sobre o câncer de intestino.

Valor de referência: Para ser indicativo de câncer, a concentração do CEA precisa ser 5 vezes superior ao valor normal que é até 5 ng/mL em pessoas fumantes e até 3 ng/mL em pessoas não fumantes. Entenda o que é o exame CEA e para que serve.

Além destes exames de sangue, pode-se avaliar outras hormonas e proteínas, como CA 19.9, CA 72.4, LDH, Catepsina D, Telomerase e Gonadotrofina coriônica humana por exemplo, que ficam com os valores de referência alterados quando se está desenvolvendo um câncer em algum órgão.

9. Eletroforese de proteínas

O que detecta: A eletroforese de proteínas é um dos principais exames solicitados para investigação e diagnóstico do mieloma múltiplo, pois mede a quantidade de imunoglobulinas no sangue, assim como avalia a presença de imunoglobulinas anormais. Veja como é feito o exame de eletroforese de proteínas.

Valor de referência: Pode ser indicativo de mieloma múltiplo os valores elevados de gama-globulina, acima de 1,27 g/dL ou maior que 18,8%, o que depende do valor de referência do laboratório em que o exame foi realizado.

Além desse exame, para confirmar o diagnóstico de mieloma múltiplo, o médico deve solicitar outras análises laboratoriais, como a proteína M na urina, conhecida como proteína de Bence-Jones, e exames de sangue, que normalmente apresentam anemia, pancitopenia, aumento de cálcio no sangue ou doença renal.

10. CD20

O que detecta: O CD20 é um marcador tumoral utilizado para determinar o tipo de tratamento para o linfoma não Hodgkin.

Valor de referência: Esse tipo de exame fornece um resultado positivo ou negativo para a proteína CD20, ou seja, é apresentado no resultado como CD20+ ou CD20-. Quando o resultado é CD20+, o tratamento pode ser realizado utilizando a terapia alvo, com anticorpos monoclonais, como o rituximabe, por exemplo.

11. C-kit

O que detecta: O exame de C-kit detecta mutações no gene C-kit, sendo realizado através de uma amostra de sangue, tecido tumoral ou mielograma, para diagnosticar o tumor estromal gastrointestinal (GIST), leucemia mielóide aguda (LMA) ou melanoma de mucosa. Esse tipo de exame permite ao médico determinar o tipo de tratamento que deve ser feito.

Valor de referência: O resultado do exame C-kit pode ser positivo para mutações no gene C-kit, ou negativo, quando não apresenta mutações. Geralmente, são necessários outros exames para confirmar o diagnóstico desses tipos de câncer, como CD34 ou P-glicoproteína, por exemplo.

Resoonância magnética
Resoonância magnética

Como confirmar o diagnóstico de câncer

No caso de suspeitar de câncer, é necessário confirmar o diagnóstico, normalmente solicitado pelo médico exames complementares de imagem, como por exemplo:

  • Ecografia: Também conhecida por ultrassonografia, que é um exame que permite detectar lesões em órgãos como fígado, pâncreas, baço, rins, próstata, mama, tireoide, útero e ovários;
  • Radiografia: É um exame realizado através de Raio X, que ajuda a identificar alterações no pulmão, na coluna e ossos;
  • Ressonância magnética: É um exame de imagem que deteta alterações em órgãos como mama, vasos sanguíneos, fígado, pâncreas, baço, rins e supra-renais.
  • Tomografia Computadorizada: É realizada quando se verificam alterações no Raio X e normalmente é solicitada para avaliar os pulmões, fígado, baço, pâncreas, articulações e faringe, por exemplo.

Na maioria dos casos, a confirmação do diagnóstico é feito através da combinação de vários exames, como observação do paciente, exame de sangue, ressonância magnética e biopsia, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • BIND, M. K.; et al. Serum CA 19-9 and CA 125 as a diagnostic marker in carcinoma of gallbladder. Indian J Pathol Microbiol. 64. 1; 65-68, 2021
  • VRANIC, S.; et al. Targeting HER2 expression in cancer: New drugs and new indications. Bosn J Basic Med Sci. 21. 1; 1-4, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • HAO, C.; et al. Serum CEA levels in 49 different types of cancer and noncancer diseases. Prog Mol Biol Transl Sci. 162. 213-227, 2019
  • BOCHEVA, Y.; et al. Ca-125 in diagnosis and monitoring of patients with ovarian cancer. Akush Ginekol (Sofiia). 54. 11; 11-17, 2015
  • ZHANG, J.; et al. The role of TPS, CA125, CA15-3 and CEA in prediction of distant metastasis of breast cancer. Clin Chim Acta. 523. 19-25, 2021
  • LAKES, J.; ARSOV, C. PSA screening and molecular markers. Urologe A. 58. 5; 486-493, 2019
  • NORDSTROM, T.; et al. Prostate-specific antigen (PSA) density in the diagnostic algorithm of prostate cancer. Prostate Cancer Prostatic Dis. 21. 1; 57-63, 2018
  • SHIMADA, H.; et al. Clinical significance of serum tumor markers for gastric cancer: a systematic review of literature by the Task Force of the Japanese Gastric Cancer Association. Gastric Cancer. 17. 1; 26-33, 2014
  • LERSRITWIMANMAEN, P.; NIMANONG, S. Hepatocellular Carcinoma Surveillance: Benefit of Serum Alfa-fetoprotein in Real-world Practice. Euroasian J Hepatogastroenterol. 8. 1; 83-87, 2018
  • RACK, B.; et al. CA27.29 as a tumour marker for risk evaluation and therapy monitoring in primary breast cancer patients.. Tumour Biol. 37. 10; 13769-13775, 2016
  • THEODORE, X.; et al. Understanding and Interpreting Serum Protein Electrophoresis. American Family Physician. 71. 1; 105-112, 2005
  • DONG, X.; et al. Advances in tumor markers of ovarian cancer for early diagnosis. Indian J Cancer. 51. 3; e72-6, 2014
  • LECH, G.; et al. Colorectal cancer tumour markers and biomarkers: Recent therapeutic advances.. World J Gastroenterol. 22. 5; 1745-55, 2016
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.