Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Pancitopenia, sintomas e principais causas

A pancitopenia corresponde à diminuição de todas as células do sangue, ou seja, é a diminuição no número de hemácias, leucócitos e plaquetas, o que provoca sinais e sintomas como palidez, cansaço, hematomas, sangramentos, febre e tendência a infecções.

Ela pode surgir tanto por diminuição na produção de células pela medula óssea, devido a situações como deficiência de vitaminas, doenças genéticas, leucemia ou leishmaniose, como também por uma destruição das células sanguíneas na corrente sanguínea, devido a doenças imunológicas ou que estimulam a ação do baço, por exemplo.

O tratamento para a pancitopenia deve ser feito de acordo com as orientações do clínico geral ou hematologista de acordo com a causa da pancitopenia, que pode incluir o uso de corticoides, imunossupressores, antibióticos, transfusões sanguíneas, ou a retirada do baço, por exemplo, que somente são indicados de acordo com a necessidade de cada paciente.

O que é Pancitopenia, sintomas e principais causas

Principais sintomas

Os sinais e sintomas de pancitopenia estão relacionados com a redução das hemácias, leucócitos e plaquetas no sangue, sendo os principais:

Redução da hemáciasRedução dos leucócitosRedução de plaquetas
Resulta em anemia, provocando palidez, fraqueza, cansaço, tontura, palpitações.Prejudica a ação do sistema imune, aumento a tendência a infecções e febre.Dificulta a coagulação do sangue, aumentando o risco de sangramento, e leva ao aparecimento de equimoses, hematomas, petéquias, hemorragias.

A depender do caso, também podem haver sinais e sintomas resultantes da doença que provoca a pancitopenia, como aumento do abdômen devido ao baço aumentado, gânglios linfáticos aumentados, malformações no ossos ou alterações na pele, por exemplo.

Causas de pancitopenia

A pancitopenia pode acontecer devido a duas situações: quando a medula óssea não produz corretamente as células do sangue ou quando a medula óssea produz corretamente mas as células são destruídas na circulação sanguínea. As principais causas de pancitopenia são:

  • Uso de medicamentos tóxicos, como alguns antibióticos, quimioterápicos, antidepressivos, anticonvulsivantes e sedativos;
  • Efeitos de radiação ou agentes químicos, como benzeno ou DDT, por exemplo;
  • Deficiência de vitamina B12 ou ácido fólico na alimentação;
  • Doenças genéticas, como anemia de Fanconi, disqueratose congênita ou doença de Gaucher;
  • Distúrbios da medula óssea, como síndrome mielodisplásica, mielofibrose ou hemoglobinúria paroxística noturna;
  • Doenças autoimunes, como lúpus, síndrome de Sjögren ou síndrome linfoproliferativa autoimune;
  • Doenças infecciosas, como leishmaniose, brucelose, tuberculose ou HIV;
  • Câncer, como leucemias, mieloma múltiplo, mielofibrose ou metástases de outros tipos de câncer para a medula óssea.
  • Doenças que estimulam a ação do baço e das células de defesa do organismo para destruir as células sanguíneas, como cirrose hepática, doenças mieloproliferativas e síndromes hemofagocíticas.

Além disso, doenças infecciosas agudas provocadas por bactérias ou vírus, como o citomegalovírus (CMV), podem provocar uma forte reação imune no organismo, capaz de destruir as células sanguíneas de forma aguda durante o curso da infecção.

O que é Pancitopenia, sintomas e principais causas

Como é o diagnóstico

O diagnóstico da pancitopenia é feito através do hemograma, em que são verificados os níveis de hemácias, leucócitos e plaquetas diminuídos no sangue. No entanto, é importante também identificar a causa que levou à pancitopenia, o que deve ser feito através da avaliação do clínico geral ou do hematologista por meio da observação da história clínica e do exame físico realizado no paciente. Além disso, pode ser recomendada a realização de outros exames para identificar a causa da pancitopenia, como:

  • Pesquisa de ferro sérico, ferritina, saturação de transferrina e contagem de reticulócitos;
  • Dosagem de vitamina B12 e ácido fólico;
  • Pesquisa de infecções;
  • Perfil de coagulação do sangue;
  • Testes imunológicos, como Coombs direto;
  • Mielograma, em que se aspira a medula óssea para se obter mais informações sobre as características da células deste local. Confira como é feito o mielograma e quando está indicado;
  • Biópsia da medula óssea, que avalia as características das células, presença de infiltrações por câncer ou outras doenças e fibrose. Saiba como é feita e para que serve a biópsia de medula óssea.

Também podem ser solicitados exames específicos para a doença que o médico suspeita, como é o caso da imunoeletroforese para o mieloma múltiplo ou cultura da medula óssea para identificar infecções, como a leishmaniose, por exemplo.

Como é feito o tratamento

O tratamento da pancitopenia é orientado pelo hematologista de acordo com sua causa, e poderá incluir o uso de medicamentos que atuam na imunidade, como Metilprednisolona ou Prednisona, ou imunossupressores, como Ciclosporina, no caso de doenças autoimunes ou inflamatórias. Além disso, caso a pancitopenia seja em função de um câncer, o tratamento pode envolver o transplante de medula óssea.

No caso de infecções, são indicados tratamentos específicos para cada microrganismo, como antibióticos, antivirais ou antimoniais pentavalentes no caso da leishmaniose, por exemplo. Já a transfusão sanguínea nem sempre é indicada, mas pode ser necessária em casos graves e que necessitam de rápida recuperação, a depender da causa.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem