Vaginismo: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
agosto 2022

O vaginismo é uma contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico da mulher, não permitindo a penetração vaginal durante o contato íntimo ou a inserção de outros objetos, como absorvente interno ou espéculo vaginal que é utilizado pelo ginecologista durante exames de rotina.

Essa alteração pode acontecer em qualquer fase da vida da mulher e pode ter causas físicas ou psicológicas, como por exemplo medo de engravidar, abuso sexual, doenças do trato urinário ou hemorroidas, por exemplo. 

Apesar de possuir várias causas, o vaginismo pode ser facilmente tratado, sendo importante que seja feito com orientação do ginecologista, que pode indicar o tratamento com psicoterapia, uso de dilatadores vaginais ou exercícios de Kegel.

Sintomas de vaginismo

Os principais sintomas de vaginismo são:

  • Dificuldade ou impossibilidade de penetração durante o contato íntimo;
  • Dor durante o contato íntimo;
  • Contração ou ardência na vagina;
  • Desconforto durante a realização de exames ginecológicos;
  • Dificuldade de inserção de absorventes internos, coletor menstrual ou anel vaginal.

Além disso, o vaginismo pode levar à diminuição do desejo de contato íntimo, baixa auto-estima ou ansiedade. 

Os sintomas de vaginismo podem variar de mulher para mulher de acordo com a causa, sendo importante que o diagnóstico do vaginismo seja feito pelo ginecologista que pode indicar o tratamento mais adequado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do vaginismo é feito pelo ginecologista através da avaliação dos sintomas e histórico de saúde, além do exame pélvico, para avaliar se existe alguma condição de saúde que possa estar causando dor ou desconforto, e descartar outras situações que podem causar sintomas semelhantes, como a atrofia vaginal ou vestibulite vulvar, por exemplo.

Além disso, o médico deve avaliar o contexto psicológico e social, de forma a identificar traumas ou estresse psicológico que possam estar causando o vaginismo. 

Tipos de vaginismo

O vaginismo pode ser classificado em dois tipos principais de acordo com a sua causa:

  • Vaginismo primário: em que a mulher nunca sofreu penetração, seja por meio de exames ginecológicos, uso de absorventes íntimos ou contato íntimo, 
  • Vaginismo secundário: é desencadeado por eventos traumáticos, como abuso sexual, parto, cirurgia ou menopausa, por exemplo.

É importante que a mulher seja examinada pelo ginecologista, que pode identificar o tipo de vaginismo e indicar o tratamento mais adequado.

Possíveis causas

A causa exata do vaginismo ainda não é totalmente conhecida, no entanto, ocorre por contrações involuntárias dos músculos da pelve, sendo normalmente associada à disfunções do assoalho pélvico ou problemas psicossociais.

Alguns fatores podem contribuir para o seu desenvolvimento, como:

  • Medo da dor do contato íntimo;
  • Memória de relações sexuais dolorosas no passado;
  • Medo de engravidar;
  • Ansiedade e estresse;
  • Abuso sexual ou testemunho de abuso sexual;
  • Doenças, como infecção urinária, endometriose ou tumores pélvicos;
  • Trauma relacionado ao parto;
  • Desconforto em relação ao contato íntimo;
  • Atrofia genital na pós-menopausa;
  • Hímen rígido;
  • Septo vaginal;
  • Hemorroidas;
  • Carúncula vaginal.

Além disso, o vaginismo pode ser causado devido a um exame ginecológico traumático previamente, ou ainda devido à alguma condição de saúde que cause dor ou desconforto, como a candidíase, por exemplo.

O que fazer se tiver dificuldade na penetração 

Se a mulher apresentar dificuldade durante a penetração é importante buscar ajuda médica porque existem diversas estratégias que podem ajudar a solucionar o problema e fazer com que ela possa ter uma vida sexual saudável. Marcar uma consulta com um ginecologista é a primeira atitude que deve ter porque é preciso investigar se existem doenças que estejam provocando essa dificuldade. Veja as principais causas de dor durante o contato íntimo

Quando fica claro que as causas são psicológicas, é primordial realizar o tratamento com um psicólogo ou psiquiatra para lidar com as emoções e curar traumas, caso seja necessário. É importante que o parceiro também seja avaliado pelo médico porque situações como a impotência sexual e a ejaculação precoce também favorecem o vaginismo, e podem ser resolvidos. Saiba como é feito o tratamento da ejaculação precoce

Como é feito o tratamento

O tratamento do vaginismo deve ser feito com orientação do ginecologista, e varia de acordo com a causa.

1. Terapia cognitiva-comportamental

A terapia cognitiva-comportamental pode ser indicada pelo médico e deve ser feita por um psicólogo, sendo especialmente indicada quando o vaginismo foi causado por algum trauma ou estresse, pois ajuda a mulher a entender como seus pensamentos afetam as emoções e comportamentos, reduzindo a ansiedade, depressão ou o estresse pós traumático

Além disso, a terapia cognitiva-comportamental ajuda a mulher a desenvolver ferramentas para melhorar a sua qualidade de vida. Saiba como é feita a terapia cognitivo comportamental

2. Dilatadores vaginais

Os dilatadores vaginais são dispositivos na forma de tubo, que podem ser indicados pelo ginecologista, para ajudar a alongar os músculos vaginais, deixando-os mais flexíveis, aliviando o desconforto durante o contato íntimo.

Para inserir o dilatador vaginal, o ginecologista deve recomendar o uso de alguma pomada anestésica para reduzir o desconforto da sua inserção na vagina.

3. Exercícios de Kegel

Os exercícios de Kegel podem ser indicados pelo médico para o vaginismo  pois ajudam a trabalhar a musculatura do assoalho pélvico e a região íntima, reduzindo as contrações involuntárias da dos músculos vaginais, de modo a permitir a penetração. 

Inicialmente, a mulher deverá ser orientada a conhecer sua anatomia íntima e como realizar os exercícios de Kegel, podendo também ser orientado como usar o dilatador vaginal. Veja como fazer os exercícios de Kegel

4. Fisioterapia

A fisioterapia pode ser indicada pelo médico e feita com orientação do fisioterapeuta com exercícios que ajudam a relaxar a musculatura do assoalho pélvico, de modo a reduzir os sintomas do vaginismo. 

5. Uso de remédios

Os remédios para o vaginismo que podem ser receitados pelo ginecologista variam de acordo com a sua causa, podendo ser indicados métodos contraceptivos, no caso da mulher ter o vaginismo por medo de engravidar, anti-inflamatórios ou uso de anticoncepcionais orais para o tratamento da endometriose, ou ainda terapia de reposição hormonal durante a menopausa, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em agosto de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • MELNIK, T.; et al. Interventions for vaginismus. Cochrane Database Syst Rev. 12. 12; CD001760, 2012
  • TETIK, S.; et al. Vaginismus, Dyspareunia and Abuse History: A Systematic Review and Meta-analysis. J Sex Med. 18. 9; 1555-1570, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • PACIK, P. T.; GELETTA, S. Vaginismus Treatment: Clinical Trials Follow Up 241 Patients. Sex Med. 5. 2; e114-e123, 2017
  • PACIK, P. T. Understanding and treating vaginismus: a multimodal approach. Int Urogynecol J. 25. 12; 1613-20, 2014
  • DANKOVÁ KUCEROVÁ, J.; et al. Vaginismus - who takes interest in it?. Ceska Gynekol. 84. 3; 233-239, 2019
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.