Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Vaginismo: o que é, sintomas e como tratar

O vaginismo corresponde à contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico da mulher, não permitindo a penetração vaginal durante o contato íntimo ou a penetração de outros objetos, como absorvente interno ou espéculo vaginal que é utilizado pelo ginecologista durante exames de rotina.

Essa alteração pode acontecer em qualquer fase da vida sexual da mulher e pode ter causas físicas ou psicológicas, como por exemplo medo de engravidar, abuso sexual, doenças do trato urinário ou hemorroidas, por exemplo. Apesar de possuir várias causas, o vaginismo pode ser facilmente tratado, sendo importante que seja feito pelo ginecologista e, em alguns casos, com ajuda de psicólogo.

Existem 2 tipos de vaginismo, o primário, em que a mulher nunca sofreu penetração, seja por meio de exames ginecológicos, uso de absorventes íntimos ou contato íntimo, e o secundário, que é desencadeado por eventos traumáticos, como abuso sexual, parto, cirurgia ou menopausa, por exemplo.

Vaginismo: o que é, sintomas e como tratar

Principais sintomas

Os sintomas de vaginismo são fáceis de serem percebidos, havendo principalmente a dificuldade ou impossibilidade de penetração. No entanto, outros sintomas podem estar presentes, como dor durante o contato íntimo, contração ou ardência na vagina e desconforto durante a realização de exames ginecológicos ou inserção de absorventes internos.

Os sintomas de vaginismo também podem variar de mulher para mulher de acordo com a causa, sendo importante que o diagnóstico do vaginismo seja feito pelo clínico geral ou ginecologista para que o tratamento possa ser estabelecido corretamente e os sintomas possam ser avaliados.

O que causa o vaginismo

O vaginismo pode ter causas físicas, mas também psicológicas, como por exemplo memória de relações sexuais dolorosas no passado, medo de engravidar ou de ser controlada pelo homem. 

Outras causas de vaginismo incluem:

  • Medo da dor do contato íntimo;
  • Medo de engravidar;
  • Ansiedade e estresse;
  • Abuso sexual ou testemunho de abuso sexual;
  • Educação religiosa desequilibrada;
  • Doenças como infecção urinária, endometriose, tumores pélvicos;
  • Trauma relacionado ao parto;
  • Desconforto em relação ao contato íntimo;
  • Depois da menopausa por atrofia genital;
  • Hímen rígido;
  • Septo vaginal;
  • Hemorroidas;
  • Carúnculas vaginais; 

É importante esclarecer que a contração dos músculos da vagina é involuntária e a mulher não é responsável por esta contração, trazendo descontentamento também para ela.

O que fazer se tiver dificuldade na penetração 

Se a mulher apresentar dificuldade durante a penetração é importante buscar ajuda médica porque existem diversas estratégias que podem ajudar a solucionar o problema e fazer com que ela possa ter uma vida sexual saudável e prazerosa. Marcar uma consulta com um ginecologista é a primeira atitude que deve ter porque é preciso investigar se existem doenças que estejam provocando essa dificuldade.

Quando fica claro que as causas são psicológicas, é primordial realizar o tratamento com um psicólogo ou psiquiatra para lidar com as emoções e curar traumas, caso seja necessário. É importante que o parceiro também seja avaliado pelo médico porque situações como a impotência sexual e a ejaculação precoce também favorecem o vaginismo, e podem ser resolvidos. 

Como é feito o tratamento

O tratamento para vaginismo deve ser feito de acordo com a causa e pode incluir o uso de medicamentos contra ansiedade, anestésicos em forma de pomada, além de uso de vasodilatadores vaginais. 

Também pode ser feito com o uso de técnicas de dilatação vaginal em associação com os exercícios de ​Kegel, que são exercícios que trabalham a região íntima feminina, de modo a permitir a penetração. Inicialmente a mulher deverá ser orientada a conhecer sua anatomia íntima e como realizar os exercícios de Kegel, e assim conseguir a penetração de pequenos objetos como um cotonete, por exemplo. Saiba como fazer os exercícios de Kegel.

O tratamento do vaginismo deve ser orientado por um médico ginecologista e a ajuda de um fisioterapeuta especialista em saúde da mulher contribui para melhores resultados. O aconselhamento psicológico, com técnicas de psicoterapia cognitiva e comportamental pode facilitar, acelerar o processo e reduzir a ansiedade e por isso também é indicado.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem