Dor na relação: o que pode ser e o que fazer

agosto 2022
  1. Dor na relação em mulheres
  2. Dor durante a relação em homens

A dor durante as relações sexuais é um sintoma que pode estar presente na vida íntima de alguns casais em qualquer momento da relação sexual, podendo estar relacionada com alterações físicas ou psicológicas, chegando a ser um problema que pode afetar a relação.

A dor na relação sexual em mulheres, chamada de dispareunia, pode surgir antes, durante ou após a relação, causada por diminuição da libido, endometriose ou infecções sexualmente transmissíveis, por exemplo. Já nos homens, a dor na relação pode estar relacionada à fimose ou inflamação da próstata, por exemplo.

Por isso, é importante que o ginecologista seja consultado, no caso das mulheres, ou urologista, nos casos dos homens, para que seja identificada a causa da dor e, assim, ser iniciado o tratamento mais adequado.

Dor na relação em mulheres

As principais causas de dor na relação sexual em mulheres são:

1. Diminuição da libido

A diminuição da libido é uma das principais causas de dor e ardência durante a relação sexual, principalmente nas mulheres, pois leva à diminuição da lubrificação vaginal, o que torna a penetração mais dolorosa. 

A diminuição da libido pode acontecer devido a diversos fatores, sendo os principais o excesso de estresse, que além de diminuir a lubrificação dificulta a excitação, uso de alguns medicamentos, principalmente anticoncepcionais, antidepressivos e anti-hipertensivos, ou problemas conjugais, por exemplo.

O que fazer: é recomendado consultar o ginecologista para que se possa identificar a causa da diminuição da libido e, no caso de ser devido ao uso de medicamentos, pode ser indicada a troca ou suspensão do medicamento. Além disso, o apoio de um psicólogo é fundamental, já que assim é possível que se possa aliviar o estresse ou encontrar estratégias para resolver os conflitos do casal.

2. Alergias

Algumas alergias, como a dermatite de contato, pode ser provocada pelo uso de sabonetes íntimos ou lubrificantes, e levar ao surgimento de sintomas como coceira, inchaço, vermelhidão ou feridas na região íntima da mulher, causando desconforto e dor durante a relação sexual.

O que fazer: caso seja verificada que a dor durante a relação sexual é devido à alergia, é recomendado evitar o uso de produtos que possam ser irritantes para a região íntima e consultar o ginecologista para iniciar o tratamento mais adequado, que pode ser feito com podendo incluir corticoides e antialérgicos, por exemplo. 

3. Alterações hormonais

A dor na relação sexual pode surgir devido a alterações hormonais, especialmente de estrogênio, o que leva a uma diminuição da libido e redução da lubrificação vaginal, podendo causar dor durante o contato íntimo.

A alteração dos níveis de estrogênio é mais comum de surgir em mulheres que estão entrando na menopausa, mas também pode surgir no pós parto ou na amamentação, por exemplo.

O que fazer: a dor causada pelas alterações hormonais e que tem como consequência a diminuição da lubrificação, pode ser aliviada com o uso de lubrificantes íntimos. No entanto, é importante consultar o ginecologista para que seja feito o diagnóstico, no caso da mulher ter entrado na menopausa, o médico pode indicar a terapia de reposição hormonal ou uso de antidepressivos, por exemplo. Veja como é feito o tratamento da menopausa.  

4. Endometriose

A endometriose é uma condição inflamatória crônica causada pelo crescimento anormal de células do endométrio fora do útero, que pode se aderir aos intestinos, ovários, trompas de falópio ou bexiga, além da parte de trás da vagina ou parte inferior do útero, e causar dor durante a penetração ou após o contato íntimo.

Além disso, outros sintomas que podem indicar endometriose são cólicas intensas durante a menstruação, menstruação abundante ou dor pélvica frequente. Saiba como identificar os sintomas da endometriose

O que fazer: a endometriose deve ser tratada com orientação do ginecologista, que pode indicar o uso de anticoncepcionais ou colocação do DIU Mirena, anti-inflamatórios para aliviar as cólicas, ou nos casos mais graves, cirurgia. Veja todas opções de tratamento para a endometriose.  

5. Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs)

As infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como a tricomoníase, herpes genital, clamídia ou gonorréia, são as principais causas de dor durante a relação sexual. Confira as principais ISTs na mulher

Essas infecções, além de causarem dor durante a relação sexual, levam ao aparecimento de outros sintomas, como coceira, sensação de queimação na região íntima, presença de corrimentos, aparecimento de feridas ou manchas na região genital. Além disso, quando não tratadas podem causar doença inflamatória pélvica (DIP) e afetar o útero, as trompas e os ovários, e se espalhar por uma grande área pélvica. Entenda melhor o que é a doença inflamatória pélvica.  

O que fazer: deve-se seguir a orientação do ginecologista, que pode indicar o tratamento de acordo com o microrganismo responsável pela doença, sendo na maioria das vezes indicado o uso de antibióticos. Além disso, é importante manter a região genital sempre limpa, urinar após as relações sexuais e evitar o contato sexual sem camisinha. Veja como é feito o tratamento das ISTs

6. Infecções urinárias

As infecções urinárias, como cistite ou uretrite, por exemplo, além de queimação e dor ao urinar, também podem causar dor durante a relação sexual.

Essas infecções geralmente são causadas por bactérias que entram no trato urinário através da uretra, podendo alcançar a bexiga, os ureteres ou os rins, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista para que seja iniciado o tratamento, que depende do microrganismo identificado como causador da infecção, podendo então ser indicado o uso de antibióticos ou antifúngicos. Além disso, é importante manter uma boa higiene íntima, beber bastante líquidos, evitar a relação sexual sem camisinha e usar roupa íntima de algodão. Veja como é feito o tratamento da infecção urinária.  

7. Pós-parto

O período de pós-parto pode ser muito desconfortável para a mulher, especialmente após um parto natural devido às lesões que podem ter surgido na região íntima. Além disso, o sangramento que ocorre depois do parto pode durar várias semanas, tornando o contato íntimo desconfortável.

O que fazer: é recomendado voltar a ter relações sexuais depois das 3 semanas de pós-parto pois existe menos risco de infecção e o sangramento é menor, porém, a mulher que deve decidir quando se sente mais confortável para voltar a ter contato íntimo.

Além disso, outra forma de melhorar a relação sexual é através da prática do pompoarismo, uma técnica que melhorar e aumentar o prazer sexual durante o contato íntimo. Veja como praticar o pompoarismo para melhorar a vida sexual

8. Vulvovaginite

A vulvovaginite é uma inflamação na vulva e na vagina, que pode acontecer devido a infecções por fungos ou bactérias, alergias, alterações na pele ou ser consequência da menopausa ou gravidez, por exemplo, levando ao surgimento de sintomas como vermelhidão, inchaço ou coceira, que podem causar à desconforto ou dor durante a relação.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista para diagnosticar a vulvovaginite e identificar sua causa. No caso da vulvovaginite ter sido causada por infecções, o médico pode indicar o uso de antibióticos ou antifúngicos, por exemplo. Confira todas as opções de tratamento da vulvovaginite.  

9. Candidíase vaginal

A candidíase vaginal é uma das infecções mais comuns nas mulheres causada por um desequilíbrio da microbiota vaginal, favorecendo o crescimento excessivo do fungo Candida albicans, que vive normalmente na pele da região íntima, e causar dor ou ardência durante a relação.

Além disso, outros sintomas comuns da candidíase vaginal são coceira intensa, vermelhidão, inchaço e corrimento branco, com aspecto de leite coalhado.

O que fazer: o tratamento da candidíase deve ser feito com orientação do ginecologista, que geralmente indica o uso de antifúngicos na forma de pomadas ou comprimidos, como miconazol, fluconazol ou itraconazol, por exemplo. Confira os principais remédios para candidíase.

10. Vaginismo

O vaginismo é a contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico da mulher, não permitindo a penetração vaginal durante o contato íntimo ou causando dor durante a relação.

O vaginismo pode acontecer em qualquer fase da vida da mulher e pode ter causas físicas ou psicológicas, como medo de engravidar, abuso sexual ou doenças do trato urinário, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista para que o vaginismo seja diagnosticado. Dessa forma, o médico pode indicar o tratamento mais adequado que pode ser feito com terapia cognitivo-comportamental, exercícios pélvicos ou uso de remédios. 

11. Alterações no útero

Algumas alterações no útero, como prolapso uterino, útero invertido, adenomiose, fibrose uterina ou até cistos no ovário, podem causar dor antes, durante ou após a relação sexual.  

O que fazer: deve-se fazer o tratamento orientado pelo ginecologista, que varia de acordo com a condição a ser tratada. 

Dor durante a relação em homens

As principais causas de dor na relação sexual em homens são:

1. Disfunção erétil

A disfunção erétil é um distúrbio sexual masculino que pode causar o desenvolvimento de deformações no pênis em alguns homens, podendo provocar dor durante a penetração.

O que fazer: deve-se consultar um urologista caso existam problemas relacionados com a ereção, no entanto, para melhorar os resultados é recomendado fazer uma alimentação pobre em gorduras, açúcar e álcool, pois são substâncias que podem piorar o problema. Confira os principais tratamentos para a disfunção erétil. 

2. Fimose

A fimose consiste na dificuldade de expor a glande do pênis quando a pele que a recobre não tem abertura suficiente, podendo provocar dor intensa durante a relação sexual. Este problema normalmente tende a desaparecer até a puberdade mas pode se manter até a idade adulta.

O que fazer: é recomendado consultar um urologista para avaliar o problema e fazer uma pequena cirurgia para retirar o excesso de pele no pênis. Veja como é feita a cirurgia para fimose.

3. Inflamação da próstata

A inflamação da próstata é um problema comum que pode surgir durante a vida do homem e, normalmente, além de causar dor durante o contato íntimo, especialmente ao ejacular, também pode provocar queimação ao urinar.

O que fazer: é aconselhado consultar o urologista para que seja identificada a causa e possa ser iniciado o tratamento mais adequado, que pode ser feito com anti-inflamatórios e, no caso de haver infecção associada, antibiótico de acordo com o microrganismo envolvido. Além disso, durante o tratamento uma boa dica é tomar um banho quente ou fazer um banho de assento para aliviar a dor durante a relação sexual. Saiba mais sobre o tratamento da próstata inflamada

4. Doença de Peyronie

A doença de Peyronie é uma alteração do pênis provocada pelo surgimento de fibrose ou cicatrizes rígidas dentro do pênis, fazendo com que se desenvolva uma curvatura anormal do pênis quando ereto, dor durante a ereção e dificuldade na penetração.

Essa doença pode ser causada por pequenos traumas durante a relação sexual ou durante a prática de esportes, levando a uma inflamação no pênis, a formação de cicatrizes ou fibroses, durante o processo de cicatrização do pênis.

O que fazer: o tratamento deve ser orientado pelo urologista que varia de acordo com os sintomas, curvatura do pênis e fase da doença, podendo ser indicado uso de anti-inflamatórios ou até cirurgia. Saiba como identificar e todas as opções de tratamento para a doença de Peyronie.  

5. Alergia ao látex

A alergia ao látex do preservativo é uma das causas comuns de desconforto ou dor durante a relação, pois pode provocar irritação na região íntima, com sintomas como vermelhidão na pele, coceira intensa ou inchaço. Veja como identificar a alergia à camisinha

O que fazer: é indicado utilizar preservativos que são feitos com outros materiais, como poliuretano ou poliisopreno, por exemplo. Além disso, se a alergia provocou muita irritação e inchaço nas partes íntimas, é importante consultar o urologista, que pode indicar o uso de remédios anti-alérgicos, anti-inflamatórios ou até mesmo corticoides para aliviar os sintomas. 

6. Infecções sexualmente transmissíveis

Assim como nas mulheres, as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) podem causar dor no pênis durante a relação sexual, além de coceira e secreção no pênis, aparecimento de feridas na região íntima ou ardor ao urinar.

As ISTs mais comuns são a gonorréia, clamídia, tricomoníase, herpes genital ou a infecção pelo Mycoplasma hominis.  
O que fazer: o tratamento da IST deve ser orientado pelo urologista e varia de acordo com o tipo de microorganismo, sendo geralmente indicado o uso de antibióticos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • VOELKER, R. Relief for Painful Intercourse. JAMA. 317. 1; 18, 2017
  • COKER, T. J.; et al. Acute Bacterial Prostatitis: Diagnosis and Management. Am Fam Physician. 93. 2; 114-20, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • ORR, N.; et al. Deep Dyspareunia: Review of Pathophysiology and Proposed Future Research Priorities. Sex Med Rev. 8. 1; 3-17, 2020
  • ZIEGELMANN, M. J.; et al. Peyronie's disease: Contemporary evaluation and management. Int J Urol. 27. 6; 504-516, 2020
  • LEE, N. M. W.; et al. Dyspareunia. BMJ. 361. k2341, 2018
  • SEEHUSEN, D. A.; et al. Dyspareunia in women. Am Fam Physician. 90. 7; 465-70, 2014
  • PACIK, P. T. Understanding and treating vaginismus: a multimodal approach. Int Urogynecol J. 25. 12; 1613-20, 2014
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • CAMISINHA FEMININA: como colocar e o que não fazer

    07:35 | 152612 visualizações
  • Tudo que precisa saber sobre SÍFILIS

    08:49 | 103541 visualizações
  • COMO COLOCAR A CAMISINHA CORRETAMENTE

    08:15 | 928343 visualizações
  • INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS | com Drauzio Varella

    14:11 | 161276 visualizações