Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Entenda o que é prolapso uterino e como tratar

O prolapso uterino corresponde à descida do útero para o interior da vagina causada pelo enfraquecimento dos músculos que mantém os órgãos dentro da pelve na posição correta, sendo assim considerada a principal causa de útero baixo. Entenda o que é o útero baixo e principais sintomas.

Apesar de ser mais comum em mulheres idosas ou que tiveram vários partos normais, esta alteração também pode ocorrer antes da menopausa ou durante a gravidez.

O prolapso uterino pode ser classificado de acordo com o nível de descida do útero pela vagina em:

  • Prolapso uterino de grau 1, em queo útero desce, mas o colo do útero não aparece na vulva;
  • Prolapso uterino de grau 2, em que o útero desce e o colo do útero aparece junto com a parede anterior e posterior da vagina;
  • Prolapso uterino de grau 3, em queo útero está fora da vulva até 1 cm;
  • Prolapso uterino grau 4, em que o útero exterioriza-se mais de 1 cm. 

Outros órgãos da região da pelve como as paredes da vagina, bexiga e reto também poderão sofrer este deslocamento devido ao enfraquecimento dos músculos de sustentação da pelve.

Fotos do prolapso uterino

Prolpso Uterino Grau 1
Prolpso Uterino Grau 1
Prolpso Uterino Grau 2
Prolpso Uterino Grau 2
Prolpso Uterino Grau 3
Prolpso Uterino Grau 3

Principais sintomas

Os principais sintomas do prolapso uterino são:

  • Dor na barriga;
  • Corrimento vaginal;
  • Sensação de algo saindo pela vagina;
  • Incontinência urinária;
  • Dificuldade em evacuar;
  • Dor nas relações sexuais.

Quando o prolapso uterino é menos grave os sintomas podem não ser observados. No entanto, ao serem identificados sinais e sintomas indicativos de prolapso uterino é importante consultar um ginecologista para que se possa confirmar o diagnóstico e inicar o tratamento.

Prolapso uterino na gravidez

O prolapso uterino na gravidez é muito raro e, pode ocorrer antes ou durante a gravidez. Além disso, o prolapso do útero na gravidez pode levar a infecção cervical, retenção urinária, aborto espontâneo e ao trabalho de parto prematuro. Por isso deve-se seguir todas as orientações do obstetra para diminuir o risco de complicações.

Como é feito o tratamento

O tratamento do prolapso uterino é estabelecido de acordo com o grau de descida do útero, podendo ser indicada a realização de exercícios para fortalecer os músculos pélvicos, que são os exercícios de Kegel. Veja como fazer os exercícios de Kegel.

Além disso, o uso de cremes ou anéis contendo hormônio para serem aplicados na vagina poderão ajudar a restaurar o tecido vaginal, no entanto, quando se trata de prolapso uterino grave, somente a cirurgia poderá ser eficaz.

Cirurgia para prolapso uterino

A cirurgia para prolapso uterino é segura e eficaz, sendo indicada quando a recuperação não responde às outras formas de tratamento.

De acordo com a indicação do médico, a cirurgia pode ser feita com o objetivo de:

  • Reparar o útero: nestes casos o cirurgião repõe o útero no seu local, mantendo-o dentro da vagina através de um aparelho chamado pessário e, procede à colocação de próteses, chamadas redes, que mantém o o útero na sua posição;
  • Retirada do útero: nesta cirurgia ocorre a retirada parcial ou total do útero e, geralmente é feita em mulheres na menopausa, ou quando o prolapso é muito grave. A histerectomia é eficaz na cura do prolapso uterino, porém poderá desencadear menopausa imediata se os ovários também forem retirados.  Veja o que mais pode acontecer após a retirada do útero.

Saiba como é a recuperação da cirurgia para o prolapso uterino.

Causas do prolapso uterino

A causa mais comum do prolapso uterino é o enfraquecimento muscular da pelve devido ao envelhecimento. No entanto, outras causas que contribuem para a ocorrência do prolapso podem ser:

  • Partos múltiplos;
  • Menopausa devido a redução do hormônio estrogênio;
  • Sequelas de infecções anteriores na região da pelve;
  • Obesidade;
  • Levantamento excessivo de pesos.

Além destas causas, tosse cronica, constipação intestinal, tumores pélvicos e acúmulo de líquido no abdome causam aumento da pressão no abdômen e na pelve e, por isso, também podem causar o prolapso uterino.

O diagnóstico do prolapso uterino é feito com exames clínicos que avaliam todos os órgãos da pelve simultaneamente, além de exames ginecológicos como a colposcopia e esfregaços vaginais feitos pelo ginecologia para avaliar a melhor forma de tratamento. Veja quais são os principais exames solicitados pelo ginecologista.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Carregando
...