Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Garganta seca: o que pode ser e o que fazer

Revisão clínica: Dr. Flávio Sakae
Otorrinolaringologista
dezembro 2022

A garganta seca é um sintoma muito comum, que pode ser causada por beber pouca água durante o dia, estar em ambientes muito secos, uso excessivo da voz ou exposição a irritantes, podendo ser aliviada com medidas simples como beber bastante líquido, fazer repouso, descansar a voz ou evitar substâncias irritantes, por exemplo. 

No entanto, a garganta seca também pode surgir devido a infecções, como gripes, resfriados, mononucleose infecciosa, faringite ou amigdalite, por exemplo, e estar acompanhada de outros sintomas, como dor de cabeça e no corpo, mal estar, febre, espirros, nariz entupido ou escorrendo ou lacrimejamento.

É importante consultar o otorrinolaringologista ou o clínico geral, sempre que surgir garganta seca, especialmente se estiver acompanhada de outros sintomas, para que possa ser identificada sua causa e iniciado o tratamento mais adequado. 

Imagem ilustrativa número 1

Principais causas de garganta seca

As principais causas de garganta seca são:

1. Desidratação

A garganta seca pode surgir devido a desidratação por beber pouca água durante o dia, pois o corpo desidratado não produz saliva suficiente para hidratar a garganta, podendo resultar na sensação de garganta seca ou irritada.

O que fazer: o ideal é beber pelo menos 2 litros de água por dia em pequenos goles, para ajudar a hidratar a garganta e aliviar a sensação de garganta seca. Para pessoas com dificuldade em tomar água, uma boa opção é adicionar o suco de meio limão na água para dar sabor e facilitar a ingestão.

2. Ar seco e ar condicionado

Quando o ar está mais seco, a mucosa da garganta tende a perder umidade, e a garganta tende a ficar mais seca e irritada, além de causar tosse seca, pigarro ou até rouquidão.

Além disso, o uso do ar condicionado também pode deixar o ar do ambiente mais seco, favorecendo a irritação da garganta e o surgimento de secura na garanta.

O que fazer: o ideal é evitar o ar condicionado e a exposição a ambientes secos. Além disso, é aconselhado beber muita água. Outra medida, é usar um umidificador de ambiente, pois aumenta umidade do ar, reduzindo a secura e irritação na garganta. Veja como usar o umidificador corretamente

3. Dormir com a boca aberta

Dormir de boca aberta, respirar de boca aberta durante o sono ou roncar, pode causar sensação de garganta seca e irritada pela manhã. Isto porque a saliva que normalmente mantém a boca e a garganta úmidas, seca, resultando em secura das mucosas.

Algumas condições podem aumentar o risco de dormir de boca aberta ou roncar, como dormir de barriga para cima, adenoide, apneia do sono ou desvio de septo, por exemplo.

Além disso, a congestão nasal causada por alergias respiratórias, gripes, resfriados ou sinusite, por exemplo, podem levar a pessoa a respirar pela boca durante o sono, e causar garganta seca pela manhã.

O que fazer: é recomendado consultar o otorrinolaringologista para identificar a causa de dormir de boca aberta e iniciar o tratamento mais adequado. No caso da apneia do sono, o médico pode recomendar o uso de CPAP, ou até cirurgia. Veja como é feito o tratamento da apneia do sono.  

4. Uso excessivo da voz

O uso excessivo da voz, especialmente em pessoas que utilizam muito a voz no trabalho, como professores, palestrantes ou cantores, por exemplo, pode causar sensação de garganta seca ou arranhando, devido a irritação ou inchaço na garganta, ou lesões nas cordas vocais, podendo estar acompanhada de rouquidão.

O que fazer: geralmente, os sintomas melhoram em alguns dias descansando a voz, evitando falar muito, gritar, cantar ou sussurrar. No entanto, no caso da sensação de garganta seca não melhorar ou ocorrer piora da rouquidão, deve-se consultar o otorrinolaringologista para verificar se existem lesões nas cordas vocais, e iniciar o tratamento mais adequado. Veja como é feito o tratamento de lesões nas cordas vocais.  

5. Gripe e resfriado

A gripe e o resfriado podem causar garganta seca, arranhando, irritada ou inflamada, e acontecem devido a infecções por vírus, como influenza ou Rhinovírus, por exemplo, que podem entrar pelo nariz e chegar até a mucosa da garganta. 

Além da sensação de garganta seca, a gripe ou o resfriado também podem causar outros sintomas, como tosse, febre, espirros, nariz entupido ou escorrendo e dor de cabeça e no corpo.

O que fazer: deve-se manter o corpo hidratado, bebendo bastante líquido e fazer repouso. Além disso, o otorrinolaringologista pode recomendar o uso de remédios analgésicos, anti-inflamatórios ou descongestionantes, como paracetamol, ibuprofeno ou desloratadina, por exemplo, para ajudar a aliviar os sintomas. Saiba como diferenciar gripe de resfriado.

6. Amigdalite

A garganta seca também pode ser causada por amigdalite que é uma inflamação das amígdalas, que são estruturas localizadas na garganta, causada por vírus, como adenovírus, rinovírus, influenza, ou bactérias, como a Streptococcus pyogenes.

Além da sensação de garganta seca, outros sintomas que podem surgir são sensação de garganta arranhando, dor de garganta intensa, dificuldade para engolir, febre alta ou até presença de pus na garganta.

O que fazer: o tratamento da amigdalite deve ser feito com orientação do otorrinolaringologista que pode indicar o uso de analgésicos e anti-inflamatórios, como o paracetamol e o ibuprofeno, para aliviar os sintomas, ou antibióticos para combater as bactérias, como amoxicilina, azitromicina, clindamicina ou cefalosporina, por exemplo. Veja como é feito o tratamento da amigdalite viral e amigdalite bacteriana.

7. Faringite estreptocócica

A garganta seca pode surgir devido a faringite estreptocócica, que é uma infecção da faringe, localizada na parte de trás da garganta, pela bactéria Streptococcus pyogenes, causando dor de garganta, dificuldade para engolir e sensação de garganta seca, arranhando ou coçando, e catarro verde ou amarelo na garganta.

Além disso, em alguns casos pode surgir febre, dor de cabeça, mal estar geral e rouquidão.

O que fazer: o tratamento da faringite estreptocócica varia de acordo com os sintomas e a causa, podendo ser indicado pelo otorrinolaringologista o uso de remédios analgésicos, anti-inflamatórios, para aliviar os sintomas e antibióticos para eliminar a bactéria. Além disso, é importante fazer repouso e beber bastante líquidos durante o tratamento. Confira os principais tratamentos para a faringite

8. Refluxo gastroesofágico

O refluxo gastroesofágico é o retorno do conteúdo do estômago em direção à boca, causando dor, sabor desagradável e, em alguns casos, coceira na garganta e sensação de de garganta seca ou irritada, devido à irritação provocada pelo conteúdo ácido do estômago.

O que fazer: deve-se fazer o tratamento do refluxo gastroesofágico indicado pelo gastroenterologista com o uso de antiácidos, protetores gástricos ou aceleradores do esvaziamento gástrico, para evitar o retorno do ácido do estômago para a boca, aliviando os sintomas. Confira os principais remédios para o refluxo gastroesofágico.

9. Exposição a substâncias irritantes

A exposição a substâncias irritantes, como a fumaça do cigarro ou poluição, podem provocar irritação na garganta e inflamação crônica, o que leva sensação de garganta seca mesmo tomando água, pois prejudicam a produção de saliva. 

Além disso, outros sintomas que podem surgir são garganta arranhando, coceira, pigarro ou até dor de garganta.

O que fazer: evitar a exposição a substâncias que provoquem irritação na garganta é a medida mais eficaz. Caso isso não seja possível, pode-se recorrer a pastilhas calmantes que tenham mel, limão ou gengibre na sua composição, ou fazer gargarejos com soluções à base de água e sal. 

No caso do hábito de fumar, deve-se consultar o clínico geral que pode indicar medidas para parar de fumar ou remédios, como bupropiona ou vareniclina. Veja os principais remédios para parar de fumar.  

10. Consumo excessivo de álcool

A garganta seca também pode ser causada pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas, pois o álcool tem um efeito irritativo direto na garganta, além de pode causar aumento da acidez do estômago que pode levar a um refluxo do conteúdo do estômago até a boca, causando irritação na garganta.

O que fazer: deve-se evitar o consumo frequente ou excessivo de bebidas alcoólicas. Além disso, no caso de alcoolismo, pode ser recomendado pelo psiquiatra, o uso de remédios, além de acompanhamento com psicólogo. Saiba como é feito o tratamento do alcoolismo

11. Alergias

Quando ocorre uma reação alérgica, a garganta pode ficar irritada ou inflamada, levando ao surgimento de garganta seca e arranhando, coriza, olhos lacrimejando ou espirros, por exemplo.

A alergia é uma reação a alguma substância irritante, como poeira, pólen ou pêlos de animais, por exemplo, levando a liberação de histamina no corpo, que é responsável pelos sintomas de alergia.

O que fazer: o tratamento de alergias deve ser feito com orientação do clínico geral que pode recomendar a administração de anti-histamínicos para aliviar os sintomas alérgicos. Confira os principais anti-histamínicos que podem ser indicados pelo médico.  

12. Xerostomia

A xerostomia, conhecida popularmente como boca seca, é caracterizada pela diminuição ou interrupção da produção de saliva ou alteração na composição da saliva, fazendo com que as mucosas da boca e garganta fiquem muito secas, o que leva ao surgimento de sensação de garganta seca, ou dificuldade a engolir, mastigar ou falar.

Geralmente, a sensação de garganta seca é acompanhada de outros sintomas, como saliva grossa, mau hálito, língua seca ou aftas, e geralmente, é causada pelo hábito de fumar, estresse, ansiedade ou até doenças, como anemia, diabetes, lúpus ou esclerose múltipla, por exemplo.

O que fazer: é importante beber bastante água ao longo do dia para hidratar as mucosas da boca e diminuir o desconforto da boca seca, além de evitar fumar. Além disso, o médico pode recomendar o uso de saliva artificial ou o tratamento específico para a doença que esteja causando a xerostomia. Veja outras causas de boca seca e o que fazer

Garganta seca pode ser COVID-19?

A garganta seca não é um sintoma da COVID-19, no entanto, um dos sintomas comuns da infecção pelo SARS-CoV-2, é a dor de garganta, que pode estar acompanhada de vermelhidão ou irritação na garganta, ou sensação de garganta arranhando ou coçando.

Além da dor de garganta, os primeiros sintomas da COVID-19 mais comuns que podem surgir são tosse seca, febre ou cansaço excessivo.

A COVID-19 também pode causar outros sintomas como dor no corpo, dor de cabeça, perda do paladar ou olfato, nariz escorrendo ou entupido, por exemplo. Nos casos mais graves, também podem surgir dificuldade para respirar ou falta de ar. Saiba identificar todos os sintomas da COVID-19

Quando ir ao médico

É importante consultar o otorrinolaringologista ou o clínico geral, sempre que a garganta seca esteja acompanhada de outros sintomas, como:

  • Dor de garganta;
  • Dificuldade para engolir;
  • Rouquidão;
  • Cansaço excessivo;
  • Febre;
  • Tosse seca ou com sangue;
  • Dificuldade para respirar;
  • Respiração curta ou falta de ar;
  • Dor no peito.

Além disso, é importante consultar o médico quando a garganta seca não melhora em uma semana ou piora ao longo do tempo, para que seja avaliada sua causa e iniciado o tratamento mais adequado.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr. Flávio Sakae - Otorrinolaringologista, em dezembro de 2022.

Bibliografia

  • WOLKOFF, P. Indoor air humidity, air quality, and health - An overview. Int J Hyg Environ Health. 221. 3; 376-390, 2018
  • SIDDIQUI, Z. A.; et al. Allergic rhinitis: diagnosis and management. Br J Hosp Med (Lond). 83. 2; 1-9, 2022
Mostrar bibliografia completa
  • CDC - CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. COVID-19 Clinical Presentation. 2022. Disponível em: <https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/clinical-care/clinical-considerations-presentation.html>. Acesso em 14 dez 2022
  • SYKES, E. A.; et al. Pharyngitis: Approach to diagnosis and treatment. Can Fam Physician. 66. 4; 251-257, 2020
  • RAMAR, K.; et al. Clinical Practice Guideline for the Treatment of Obstructive Sleep Apnea and Snoring with Oral Appliance Therapy: An Update for 2015. J Clin Sleep Med. 11. 7; 773-827, 2015
  • AMB. Manifestações clínicas da doença do refluxo gastroesofágico e os achados encontrados na endoscopia digestiva alta em adultos.. 2011. Disponível em: <http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/881.pdf>. Acesso em 14 dez 2022
  • ADDEY, D.; SHEPHARD, A. Incidence, causes, severity and treatment of throat discomfort: a four-region online questionnaire survey. BMC Ear Nose Throat Disord. 12. 9, 2012
  • TANASIEWICZ, M.; et al. Xerostomia of Various Etiologies: A Review of the Literature. Adv Clin Exp Med. 25. 1; 199-206, 2016
  • SYKES, E. A.; et al. Pharyngitis: Approach to diagnosis and treatment. Can Fam Physician. 66. 4; 251-257, 2020
Revisão clínica:
Dr. Flávio Sakae
Otorrinolaringologista
Otorrinolaringologista formado pela USP, com CRM-SP 100700.

Tuasaude no Youtube

  • 5 remédios caseiros para acabar com a DOR DE GARGANTA

    23:04 | 505469 visualizações
  • 5 dicas para acabar com o PIGARRO da garganta

    05:10 | 1412618 visualizações
  • 7 Remédios Caseiros para a DOR DE GARGANTA

    01:37 | 808977 visualizações
  • Remédio Caseiro para Gripe

    01:08 | 1201679 visualizações
  • REFLUXO GASTROESOFÁGICO - tratamento natural

    05:19 | 2698341 visualizações