Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Coronavírus (COVID-19): principais sintomas, diagnóstico e tratamento

O coronavírus que apareceu pela primeira vez na China em 2019 é responsável pelo surgimento de uma infecção respiratória, conhecida como COVID-19, que pode variar desde uma simples gripe até complicações muito graves, como pneumonia, colocando a vida em risco.

As complicações mais sérias desta infecção parecem surgir especialmente em pessoas idosas com idade superior a 60 anos, mas o vírus pode afetar pessoas de todas as idades, sendo, por isso, muito importante ficar atento ao surgimento de sintomas que possam indicar a infecção, especialmente febre alta, tosse persistente e dificuldade para respirar.

A COVID-19 se transmite através de secreções respiratórias e saliva, sendo indicado ter alguns cuidados para evitar pegar a infecção e passá-la para outras pessoas, como cobrir a boca ao tossir ou espirrar, lavar as mãos regularmente e evitar tocar no rosto, principalmente na região dos olhos, nariz e boca.

Coronavírus (COVID-19): principais sintomas, diagnóstico e tratamento

Teste online de sintomas

Os sintomas da infecção COVID-19 parecem variar de uma simples gripe até uma infecção mais grave. Se acha que pode estar infectado, por favor, responda às seguintes perguntas para descobrir qual o seu risco e saber o que fazer:

  1. 1. Sente dor de cabeça ou mal-estar geral?
  2. 2. Sente dor muscular generalizada?
  3. 3. Sente cansaço excessivo?
  4. 4. Tem congestão nasal ou coriza?
  5. 5. Está com tosse intensa, especialmente seca?
  6. 6. Sente dor intensa ou pressão persistente no peito?
  7. 7. Tem febre acima de 38ºC?
  8. 8. Sente dificuldade para respirar ou falta de ar?
  9. 9. Está com os lábios ou rosto ligeiramente azulados?
  10. 10. Está com dor de garganta?
  11. 11. Esteve em algum local com elevado número de casos de COVID-19, nos últimos 14 dias?
  12. 12. Acha que teve contato com alguém que possa estar com COVID-19, nos últimos 14 dias?
Imagem que indica que o site está carregando

No caso das infecções mais graves, podem surgir também sintomas sistêmicos, como dores musculares e sintomas gastrointestinais, como diarreia e vômito, além de alterações no exame de sangue, como diminuição na quantidade de linfócitos, plaquetas e neutrófilos.

Além disso, têm sido relatados casos de pessoas que parecem apresentar conjuntivite, presença de manchas no interior da boca e perda de olfato ou paladar durante a infecção do novo coronavírus, no entanto não são conhecidos estudos que demonstrem a incidência desses sintomas. A perda de olfato é uma condição conhecida cientificamente como anosmia, que pode surgir quando existe uma irritação temporária ou permanente da mucosa do nariz, sendo comum em outras infecções respiratórias virais. Entenda mais sobre a perda de olfato e porque pode acontecer.

O que são dedos de COVID?

Durante um estudo feito em Espanha com 375 casos confirmados de COVID-19 [1], foram identificadas alterações na pele que podem estar relacionadas com a infecção do novo coronavírus. Um desses novos sintomas inclui o aparecimento de feridas assimétricas, semelhantes a frieiras, que aparecem nos dedos das mãos e pés.

No entanto, segundo esse estudo, também existem outras alterações da pele que podem ser observadas como:

  • Pequenas bolhas na pele (vesículas) principalmente no tronco, braços e pernas;
  • Manchas avermelhadas que coçam, especialmente no tronco;
  • Sinais vermelhos ou grandes hematomas, principalmente no tronco, braços ou pernas;
  • Locais de necrose da pele.

No entanto, estes sintomas ainda não foram confirmados pela OMS e podem ser difíceis de identificar em casa, sem a ajuda de um dermatologista.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da infecção COVID-19 é iniciado por meio da avaliação dos sintomas, sendo definido pela OMS que o diagnóstico seja baseado em parâmetros clínicos e epidemiológicos. Em relação aos parâmetros clínicos, a pessoa precisa ter febre e outro sintoma de gripe, e pelo menos um dos parâmetros epidemiológicos que são: ter estado num local em que foram identificados muitos casos de COVID-19, ter tido contato com uma pessoa com suspeita ou ter estado em contato direto com uma pessoa com confirmação da infecção COVID-19.

Após a primeira avaliação, o médico poderá pedir um teste de COVID-19 com as secreções respiratórias ou um exame de sangue para confirmar que realmente se trata de uma infecção pelo novo coronavírus ou não. Dependendo do tipo de exame, os resultados poderão demorar até 6 horas para estarem disponíveis. Saiba mais sobre o teste de COVID-19.

O que fazer em caso de suspeita

O que se deve fazer quando se suspeita de uma infecção por COVID-19 é entrar em contato com a linha "Disque Saúde" através do número 136, para saber como proceder. Outra opção é entrar em contato com a linha através do número de Whatsapp: (61) 9938-0031.

Se for aconselhado ir ao hospital ou ao posto de saúde, deve-se ter alguns cuidados no caminho entre casa e a unidade de saúde, como:

  • Utilizar máscara descartável, para proteger as outras pessoas da tosse e de espirro que podem espalhar o vírus;
  • Cobrir o nariz e a boca para espirrar ou tossir, utilizando um lenço descartável e descartando após cada utilização;
  • Lavar as mãos antes de sair de casa e logo que chegar ao hospital;
  • Evitar o contato direto com outras pessoas, através do toque, beijos ou abraços;
  • Evitar utilizar o transporte público para chegar ao hospital.

Uma vez no hospital é importante manter alguma distância das outras pessoas, especialmente nas salas de espera, já que isso permite atrasar a transmissão do vírus.

Além disso, é importante avisar todas as pessoas que estiveram em contato próximo nos últimos 14 dias, como familiares e amigos, sobre a suspeita, para que essas pessoas possam ficar atentas ao surgimento de sintomas.

Veja as recomendações mais recentes dos nossos profissionais de saúde sobre como lidar com o novo coronavírus:

Como acontece a transmissão

A transmissão do coronavírus pode acontecer por meio do contato com animais selvagens infectados ou por meio do contato pessoa-pessoa por meio da inalação de gotículas liberadas no ar ao tossir ou ao espirrar que contém o vírus ou por meio da via fecal-oral, já que o SARS-CoV também pode ser excretado nas fezes.

Confira os 9 passos mais importantes para se proteger contra a COVID-19.

Como é feito o tratamento

Não existe um tratamento específico para a COVID-19, sendo apenas recomendadas medidas de suporte, como hidratação, repouso e alimentação leve e equilibrada. Além disso, também estão indicados os remédios para febre e analgésicos, como o Paracetamol, desde que usados sob supervisão do médico, para aliviar os sintomas e facilitar a recuperação.

Alguns estudos estão sendo realizados com o objetivo de testar a eficácia de vários medicamentos antivirais para eliminar o vírus do corpo, como o Remdesivir, a Hidroxicloroquina ou a Mefloquina, que já apresentaram resultados positivos em alguns pacientes, mas até ao momento nenhum medicamento foi comprovado. Veja mais sobre os remédios sendo testados para a COVID-19.

Nos casos mais graves, a pessoa infectada pode ainda desenvolver uma pneumonia viral, com sintomas como intensa pressão no peito, febre alta e falta de ar. Nesses casos, é recomendado o internamento no hospital, para receber oxigênio e ficar sob vigilância contínua dos sinais vitais.

Quem tem maior risco de complicações

O risco de complicações graves por COVID-19, como a pneumonia, parece ser maior em pessoas acima dos 60 anos e todas as que possuam o sistema imune enfraquecido. Dessa forma, além dos idosos, também fazem parte do grupo de risco:

  • Pessoas com doenças crônicas, como câncer, diabetes, insuficiência renal ou doenças cardíacas;
  • Pessoas com doenças autoimunes, como lúpus ou esclerose múltipla;
  • Pessoas com infecções que afetam o sistema imune, como o HIV;
  • Pessoas que estejam fazendo tratamento contra o câncer, especialmente quimioterapia;
  • Pessoas que tenham feito uma cirurgia recente, principalmente transplantes;
  • Pessoas que estejam fazendo tratamento com imunossupressores.

Além disso, pessoas com obesidade (IMC acima de 30) têm também maior risco de desenvolver complicações graves, isso porque o excesso de peso faz com que o pulmão tenha que trabalhar mais para que o corpo seja oxigenado corretamente, o que também influencia na atividade do coração. É comum também que associado à obesidade existam outras doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, tornando o corpo susceptível ao desenvolvimento de complicações.

Estar no grupo de risco não significa que existem maiores chances de pegar a doença, mas que existe um risco aumentado de se desenvolver complicações graves que possam colocar a vida em perigo. Desta forma, durante períodos de epidemia ou pandemia, estas pessoas devem, sempre que possível, fazer auto-isolamento ou distanciamento social para diminuir as chances de pegar a doença.

Coronavírus ou COVID-19?

"Coronavírus" é na verdade o nome dado a um grupo de vírus pertencentes à mesma família, a Coronaviridae, que são responsáveis por infecções respiratórias que podem ser leves ou bastante graves dependendo do coronavírus responsável pela infecção.

O novo coronavírus da China é na realidade conhecido na comunidade científica como SARS-CoV-2 e a infecção causada pelo vírus é que é a COVID-19. Outras doenças conhecidas e causadas por outros tipos de coronavírus são, por exemplo, a SARS e a MERS, responsáveis pela Síndrome Respiratória Aguda Grave e pela Síndrome Respiratória do Oriente Médio, respetivamente.

Até ao momento, são conhecidos 7 tipos de coronavírus que podem afetar humanos:

  1. SARS-CoV-2 (coronavírus da China);
  2. 229E;
  3. NL63;
  4. OC43;
  5. HKU1;
  6. SARS-CoV;
  7. MERS-CoV.

Tipo SARS-CoV-2 (COVID-19)

Esse tipo de coronavírus é o mais recente e foi identificado pela primeira vez na China, no entanto já existem casos relatados de infecção na Itália, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Irã e Estados Unidos. Ainda não se tem muitas informações sobre esse tipo de coronavírus, no entanto sabe-se que, assim como o SARS-CoV e o MERS-CoV, causa infecção respiratória grave, podendo levar à insuficiência respiratória e resultar no óbito.

Em relação à forma de transmissão desse tipo de vírus, foi verificado que as pessoas que frequentaram um mercado em Wuhan, na China, em que era feita a comercialização de animais selvagens, foram infectados pelo vírus, comprovando a transmissão animal-pessoa. No entanto, outras pessoas, que não estiveram presentes no mercado mas que tiveram contato com as pessoas doentes, também foram infectadas por esse mesmo vírus, confirmando a hipótese de que o COVID-19 também é transmitido de pessoa para pessoa por meio da inalação de gotículas respiratórias e contato direto, sem as devidas precauções, com as pessoas infectadas.

Saiba mais sobre esse vírus, no vídeo seguinte:

Tipos 229E, NL63, OC43 e HKU1

Esses tipos são frequentemente associados aos resfriados comuns e são responsáveis por doenças respiratórias leves e que são naturalmente combatidas pelo próprio sistema imunológico. Esses tipos de vírus são transmitidos de pessoa para pessoa e levam ao aparecimento de sintomas típicos de resfriado comum ou de pneumonia leve dependendo da atividade do sistema imunológico da pessoa.

Tipos SARS-CoV e MERS-CoV

Esses tipos estão relacionados com infecções respiratórias graves e que normalmente é necessário que a pessoa seja hospitalizada para que seja monitorada e sejam prevenidas complicações. Esses vírus são transmitidos dos animais para as pessoas e, por isso, acaba por desencadear uma resposta imunológica e inflamatória mais grave, resultando em complicações e sintomas mais graves.

Além disso, a gravidade da infecção por esses vírus pode estar relacionada com o sistema imunológico da pessoa, pois é mais comum de surgir em pessoas que possuem o sistema imune comprometido devido a doenças, como o HIV, ou devido ao tratamento para o câncer, por exemplo, principalmente no caso do vírus MERS-CoV. O primeiro caso de infecção pelo MERS-CoV foi na Arábia Saudita em 2012, no entanto o vírus conseguiu ser facilmente transmitido para outros países do Oriente Médio. Conheça mais sobre a MERS.

O primeiro caso descrito de infecção pelo SARS-CoV foi em 2002 na Ásia e o vírus foi logo associado à infecção respiratória grave devido ao fato de conseguir espalhar-se rapidamente entre a população. Entenda o que é a SARS.

Bibliografia >

  • BARER, Michael R. et al. Medical Microbiology - A guide to microbial infections: pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 548-554.
  • ANVISA. NOTA TÉCNICA Nº 04/2020 GVIMS/GGTES/ANVISA - Orientações para serviços de saúde: medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo novo coronavírus (2019- nCoV). 2020. Acesso em 31 Jan 2020
  • CDC. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). Disponível em: <https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-nCoV/index.html>. Acesso em 12 Mar 2020
  • NHS. Coronavirus (COVID-19). Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/coronavirus-covid-19/>. Acesso em 12 Mar 2020
  • SOCIEDAD ESPAÑOLA DE NEUROLOGÍA. Covid-19: Recomendaciones de la Sociedad Española de Neurología (SEN) en relación con la pérdida de olfato como posible síntoma precoz de infección por CoVID-19. 2020. Disponível em: <http://www.sen.es/noticias-y-actividades/222-noticias/covid-19-informacion-para-pacientes>. Acesso em 24 Mar 2020
  • CDC. 2019 Novel Coronavirus (2019-nCoV), Wuhan, China. Disponível em: <https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-nCoV/summary.html>. Acesso em 23 Jan 2020
  • CDC. Update and Interim Guidance on Outbreak of 2019 Novel Coronavirus (2019-nCoV) in Wuhan, China. Disponível em: <https://emergency.cdc.gov/han/han00426.asp>. Acesso em 23 Jan 2020
  • CDC. Human Coronavirus Types. Disponível em: <https://www.cdc.gov/coronavirus/types.html>. Acesso em 23 Jan 2020
  • SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ. Nota técnica nº 08 - Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional: Coronavírus. 2020. Disponível em: <http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/ACS/NotaTecnicaCoronavirus.pdf>. Acesso em 23 Jan 2020
  • NOBRE, Akim Felipe S. et al. Primeira detecção de coronavírus humano associado à infecção respiratória aguda na Região Norte do Brasil. Rev Pan-Amaz Saude. Vol 05. 2 ed; 37-41, 2014
  • RODRIGUEZ-JIMENEZ, Pedro et al.. Classification of the cutaneous manifestations of COVID-19: a rapid prospective nationwide consensus study in Spain with 375 cases. British Journal of Dermatology. 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem