Formigamento nas pernas e pés: 16 causas e o que fazer

Revisão clínica: Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
maio 2022

A sensação de formigamento nas pernas e nos pés pode acontecer simplesmente por se posicionar mal o corpo ou pode ser sinal de doenças como hérnia de disco, diabetes ou esclerose múltipla, ou ainda acontecer devido a uma fratura num membro ou a uma mordida de um animal. 

É importante que o médico seja consultado caso o formigamento aconteça de forma frequente ou esteja associado a outros sintomas, como dor nas costas, fraqueza, diminuição ou ausência de sensibilidade em algum local e cãibras.

Dessa forma, a partir da avaliação dos sinais e sintomas apresentados é possível que sejam indicados exames com o objetivo de identificar a causa do formigamento e, assim, ser indicado o tratamento mais adequado, que pode envolver repouso, uso de remédios ou cirurgia, em alguns casos.

1. Mau posicionamento do corpo

Uma das causas mais comuns que provocam formigamento nas pernas e nos pés é ficar sentado, deitado ou parado na mesma posição durante muito tempo, como por exemplo ficar sentado em cima de uma perna, pois isso interfere na circulação sanguínea e provoca a compressão do nervo no local, resultando no formigamento.

O que fazer: O ideal é ir mudando de posição frequentemente e fazer alongamentos pelo menos uma vez ao dia, de forma a estimular a circulação ao longo do dia. Além disso, deve-se ir no caso de viagens longas, ou de pessoas que trabalham todo o dia sentadas, devem fazer algumas pausas para caminhar um pouco.

2. Má circulação das pernas

A má circulação nas pernas e pés acontece quando há dificuldade para o sangue passar pelas veias e artérias, o que pode acontecer durante a gravidez, envelhecimento ou sedentarismo, ou ser consequência de doenças como diabetes ou hipertensão, por exemplo.

Como consequência da má circulação, é possível haver alguns sintomas como pés frios, inchaço, dor local, pele ressecada, sensação de formigamento e adormecimento das extremidades inferiores.

O que fazer: O tratamento para a má circulação deve ser realizado de acordo com a orientação do angiologista e depende da causa, podendo ser recomendado o uso de meias de compressão e medicamentos específicos para a doença de base, como antidiabéticos ou anti-hipertensivos, por exemplo.

3. Hérnia de disco

A hérnia de disco consiste numa saliência do disco intervertebral que causa sintomas como dor nas costas e dormência na coluna, que pode irradiar até às pernas e dedos dos pés e causar formigamento.

O que fazer: É importante consultar o ortopedista para que seja indicado o tratamento mais adequado, que pode envolver o uso de analgésicos, relaxantes musculares ou anti-inflamatórios para aliviar a dor e inflamação, fisioterapia, e em casos mais graves pode ter que se recorrer à cirurgia. Veja mais sobre o tratamento para hérnia de disco.

4. Polineuropatia periférica

A polineuropatia periférica caracteriza-se por alterações nos nervos do corpo, fazendo com que a pessoa sinta muita dor, formigamento, falta de força ou ausência de sensibilidade em algumas regiões específicas do corpo.

O que fazer: O tratamento é feito de acordo com as necessidades de cada pessoa e com a doença que provoca a neuropatia, e consiste no alívio da dor com anestésicos e fisioterapia, que é uma ótima opção para reabilitar as áreas afetadas.

5. Ataques de pânico, ansiedade e estresse

Situações de estresse e ansiedade extremos podem provocar sintomas como formigamento das mãos, braços, língua e pernas, podendo ser acompanhados de outros sintomas como suores frios, palpitações cardíacas e dor no peito ou na barriga.

O que fazer: Nestes casos deve-se tentar manter a calma e regular a respiração de forma a melhorar a circulação sanguínea. Caso isso não seja possível, deve-se consultar um médico, porque pode ser necessário fazer um tratamento mais específico.

6. Nervo ciático inflamado

Quando há compressão ou inflamação do nervo ciático pode haver intensa dor nas costas, glúteos ou pernas, dificuldade para manter a coluna reta, dor ao caminhar, sensação de choque ou ardor no glúteo ou na perna, além de formigamento na perna no local por onde passa o nervo, que vai desde o glúteo até o tornozelo.

O que fazer: O tratamento para a inflamação do nervo ciático pode ser feito com o uso de medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios em forma de pomada ou comprimido, como a realização de compressas mornas e por meio da realização de sessões de fisioterapia, em que são realizados exercícios específicos. Veja mais detalhes do tratamento para nervo ciático inflamado.

7. Esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença crônica que se caracteriza por uma inflamação, na qual são destruídas as camadas de mielina que recobrem e isolam ou neurônios, prejudicando assim a transmissão de mensagens que controlam os movimentos do organismo como falar ou andar, levando à invalidez. Além de provocar sensação de formigamento nos membros, nesta doença também se podem manifestar movimentos involuntários nos músculos e dificuldade para caminhar.

O que fazer: A esclerose múltipla não tem cura e o tratamento tem que ser feito para toda a vida, que consiste na toma de medicamentos para diminuir a progressão da doença, como Interferon, Fingolimode, Natalizumabe e Acetato de Glatirâmer, corticoides para reduzir a intensidade e o tempo de permanência das crises, e medicamentos para controle dos sintomas, como analgésicos, relaxantes musculares ou antidepressivos. Veja mais sobre o tratamento para a esclerose múltipla.

8. Beribéri

O Beribéri é uma doença causada pela deficiência em vitamina B1 que pode causar sintomas como cãibras musculares, visão dupla, confusão mental e formigamento nas mãos e nos pés.

O que fazer: O tratamento desta doença consiste na ingestão de suplementos com vitamina B1, eliminação do consumo de álcool e aumento do consumo de alimentos ricos nesta vitamina, como flocos de aveia, sementes de girassol ou arroz, por exemplo.

9. Fraturas 

Durante o tratamento de uma fratura, como o membro fica muito tempo imobilizado e como sofre uma ligeira compressão devido à colocação do gesso, pode-se sentir formigamento nesse local. O formigamento nas pernas é mais frequente quando a fratura acontece no quadril.

O que fazer: Uma coisa que pode ajudar a reduzir a sensação de formigamento é manter sempre que possível o membro ligeiramente elevado em relação ao corpo, no entanto, caso se sinta muito desconforto deve-se ir ao médico.

10. Diabetes 

A diabetes pode provocar má circulação, principalmente nas extremidades do corpo, como mãos e pés, sendo que o formigamento pode ser sinal do inicio de desenvolvimento de feridas ou úlceras nos pés ou nas mãos.

O que fazer: Nestes casos é muito importante controlar com frequência os níveis de glicose no sangue, ter cuidado com a alimentação e fazer caminhadas de pelo menos 30 minutos por dia, de forma a ajudar a melhorar a circulação sanguínea.

11. Síndrome de Guillain–Barré

A síndrome de Guillain–Barré é uma doença neurológica grave que se caracteriza pela inflamação dos nervos e fraqueza muscular, podendo levar a morte. Na maior parte dos casos é diagnosticada após uma infecção provocada por um vírus, como dengue ou zika, por exemplo. Um dos sintomas mais comum é o formigamento e perda de sensibilidade de pernas e braços. Veja mais sobre esta doença.

O que fazer: Normalmente o tratamento é feito no hospital, com um método que consiste na filtração do sangue, de forma a retirar os anticorpos que estão a atacar o sistema nervoso, ou injetando anticorpos que agem contra esses anticorpos que estão a atacar os nervos, reduzindo a sua inflamação. Veja mais sobre o tratamento.

12. Mordida de animais

A mordida de alguns animais como abelhas, cobras ou aranhas podem provocar formigamento no local, podendo ser acompanhado de outros sintomas como inchaço, febre ou queimação, por exemplo.

O que fazer: A primeira coisa a fazer é tentar identificar o animal que causou o ferimento, lavar bem o local e ir ao pronto socorro logo que possível.

13. Aterosclerose

A aterosclerose é caracterizada pelo acúmulo de placas de gordura no interior das artérias, que vai ocorrendo com o passar do tempo, podendo bloquear o fluxo sanguíneo e causar um infarto ou AVC. Maior parte dos sintomas só surgem quando ocorre o bloqueio do vaso, e podem ser dor no peito, dificuldades respiratórias, dor na perna, fadiga e formigamento e fraqueza muscular no local que está com má circulação.

O que fazer: Para aliviar os sintomas de aterosclerose e prevenir o desenvolvimento de outras doenças cardíacas, é importante ter atenção à alimentação, consumindo menos gorduras saturadas e açúcar, e praticar exercício físico regularmente. É também muito importante ir imediatamente ao médico mal surjam os primeiros sintomas.

14. Hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma doença em que há uma diminuição na produção dos hormônios tireoidianos, o que pode causar sintomas como cansaço excessivo, diminuição dos batimentos cardíacos, aumento do peso, queda de cabelo, pele seca e sensação de adormecimento ou formigamento nas mãos e nos pés. Confira outros sintomas de hipotireoidismo.

O que fazer: O tratamento para hipotireoidismo deve ser realizado por um endocrinologista ou clínico geral, que pode indicar o uso de medicamentos como Levotiroxina, por exemplo, para regular a quantidade de hormônios do organismo e diminuir os sintomas.

15. Enxaqueca com aura

A enxaqueca com aura é uma dor de cabeça caracterizada por sintomas como pequenos pontos luminosos e visão borrada, seguidos de dor de cabeça forte e constante, além de dificuldade para falar e sensação de formigamento na cabeça, lábios, língua, braços, mãos e pés.

O que fazer: É recomendado consultar o neurologista ou clínico geral, que poderá indicar medicamentos que ajudem a aliviar a dor, como Ibuprofeno ou Naproxeno, além de mudanças nos hábitos diários para evitar novas crises de enxaqueca com aura, como alimentação balanceada, dormir adequadamente e praticar atividade física regularmente.

16. Cisto sinovial

O cisto sinovial é um tipo de nódulo redondo e macio que pode aparecer na articulação e é formado por líquido sinovial, podendo causar sintomas como formigamento ou adormecimento do local, perda da força ou sensibilidade, principalmente quando o cisto é grande, além de dor ao mover a articulação.

O que fazer: Na maioria dos casos, o cisto sinovial desaparece sozinho, no entanto caso os sintomas sejam muito intensos, o médico pode indicar o uso de medicamentos ou a realização de uma cirurgia para remover o cisto.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em maio de 2022. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em maio de 2022.

Bibliografia

  • SOCIEDAD ESPAÑOLA DE FARMACIA COMUNITARIA . GUÍA PRÁCTICA PARA PREVENIR Y TRATAR EL SÍNDROME DE PIERNAS CANSA. 2017. Disponível em: <https://www.sefac.org/sites/default/files/2017-11/Sind__piernas_cansadas>. Acesso em 15 mar 2022
  • CONSEJO GENERAL DE ENFERMERÍA. Salud de las piernas e insuficiencia venosa crónica. Disponível em: <https://www.consejogeneralenfermeria.org/docs_revista/Dossier_Salud_de_las_Piernas_e_IVC_Cinfa.pdf>. Acesso em 15 mar 2022
Mostrar bibliografia completa
  • Dr. Eduardo Carrasco Carrasco Dr. Santiago Díaz Sánchez. Recomendaciones para el manejo de la Enfermedad Venosa Crónica en Atención Primar. I-d édica. España: ID Médica, 2015.
  • Mercè Piera Fernándeza. Piernas cansadas. ELSEVIER. 2002
  • MELHADO, Eliane M.. Dor de cabeça e enxaqueca: tudo o que você precisa saber!. 1 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2017.
  • GOLDMAN, Lee; SCHAFER, Andrew I. . Goldman-Cecil Medicine . 25.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018. pp. 2404-2405.
  • McDERMOTT, Michael T. et al. Segredos em Endocrinologia. 5 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. pp. 290-294.
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA. Hipotireoidismo: Sintomas. Disponível em: <http://www.tireoide.org.br/hipotireoidismo-sintomas/>. Acesso em 21 fev 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA. 10 Coisas que Você Precisa Saber sobre Hipotireoidismo. Disponível em: <https://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-hipotireoidismo/>. Acesso em 21 fev 2020
  • LOPES, CHARLES R. O método Pilates no tratamento da hérnia de disco. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol.6. 506-510, 2012
  • KISNER, Carolyn; COLBY Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 6ª.ed. São Paulo: Manole, 2016. 439-448.
  • Mark Dutton. Fisioterapia ortopédica: exame, avaliação e intervenção. 2ª.ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 1134-1156.
  • SARTORI, Lourraine Simões; BASQUEROTO, Vanessa Penha. Os benefícios do pilates na reabilitação da hérnia de disco lombar. 1-6,
  • Lara, Fernanda Heemann. Efeitos do pilates na hérnia discal lombar. Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de graduação em Fisioterapia, 2011. Universidade do Sul de Santa Catarina.
  • NECTOUX, Valquíria Zorzi; LIBERALI, Rafaela. Método Pilates como recurso analgésico em pessoas com diagnóstico de lombalgia/lombociatalgia. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol.4. 20.ed; 196-202, 2010
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.