Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Esclerose Múltipla

A esclerose múltipla é uma doença crônica, de causa ainda desconhecida, caracterizada pela inflamação, perda da bainha de mielina e de neurônios, que manifesta-se através de surtos, e que pode ser de evolução com recidiva, ou progressiva. 

Na esclerose Múltipla (EM) as camadas de mielina que recobrem e isolam as fibras nervosas são destruídas, prejudicando a transmissão das mensagens que controlam os movimentos conscientes e inconscientes do organismo como falar, andar, ou mesmo respirar que a longo prazo leva à invalidez.

Sintomas da esclerose múltipla

Os sintomas da esclerose múltipla podem surgir de forma repentina ou parecer tão comuns que o indivíduo nem os percebe. São eles:

  • Fraqueza das pernas e dos braços: falta de força, destreza, fadiga ou dificuldade para caminhar;
  • Espasticidade: Movimentos involuntários dos músculos;
  • Acometimento visual: Diminuição da visão, visão embaçada ou turva, diminuição da percepção das cores, dor nos olhos. Estes sintomas podem afetar somente um dos olhos ou os dois;
  • Formigamento, "alfinetadas ou agulhadas", queimação e perda da sensibilidade;
  • Incontinência urinária ou fecal;
  • Perda de memória ou dificuldade de concentração;
  • Depressão;
  • Fadiga;
  • Diminuição da libido ou impotência.

Estes sintomas podem ser agravados quando o indivíduo é exposto ao calor ou tem febre, e podem reduzir espontaneamente quando a temperatura volta ao normal.

Diagnóstico da esclerose múltipla

Para o diagnóstico da esclerose múltipla é aconselhado que o neurologista verifique os sinais e sintomas que a doença causa e comprovar a deteriorização da bainha de mielina no cérebro através de exames como a ressonância magnética.

Tratamento para esclerose múltipla

O tratamento para esclerose múltipla é feito com a toma de medicamentos como:

  • Interferon, acetato de glatirâmero, mitoxantrona e natalizumab;
  • Fingolimode ;
  • Metotrexato, azatioprina, imunoglobulina intravenosa, ciclofosfamida;
  • Baclofeno, tizanidina ou uma benzodiazepina;
  • Antidepressivos;
  • Amantadina.

A escolha do esquema terapêutico vai depender dos sintomas que o indivíduo apresenta e muitos pacientes apresentam melhora significativa dos sintomas quando realizam fisioterapia ou terapia ocupacional.

Esclerose múltipla tem cura?

A esclerose múltipla não tem cura e o seu tratamento deve ser realizado por toda vida.

O prognóstico da esclerose múltipla é que o indivíduo acabe apresentando incapacidade neurológica progressiva, e geralmente cerca de 25 anos após o diagnóstico da doença, 80% destes pacientes já se tornaram totalmente dependentes de outros para realizar suas tarefas, mas a medicina tem tido grandes avanços nesta área e existem muitos casos de indivíduos diagnosticados com a doença a mais de 20 anos e não apresentam qualquer tipo de dependência.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...