Flacidez: o que é, 10 causas (e o que fazer)

Atualizado em fevereiro 2024

Flacidez é a perda do tônus ou firmeza da pele ou músculos, sendo causado pelo envelhecimento natural do corpo, fatores genéticos, hábito de fumar, perda de peso rápido ou sedentarismo, por exemplo.

Essas condições levam a uma perda de fibras pela pele, como colágeno e elastina, deixando-a com aspecto mais fino e sem firmeza, ou resultam na atrofia dos músculos devido a perda de fibras musculares esqueléticas, o que diminui o tônus e a força muscular.

O tratamento da flacidez é feito pelo dermatologista ou clínico geral, e varia de acordo com o tipo de flacidez, podendo ser indicado o uso de cremes para a pele, procedimentos estéticos ou fisioterapia, por exemplo.

Imagem ilustrativa número 1

10 causas de flacidez

As principais causas de flacidez são:

1. Envelhecimento

A flacidez da pele, também chamada de flacidez tissular, pode surgir devido ao envelhecimento natural do corpo, iniciando geralmente por volta dos 30 anos, devido a perda de fibras de colágeno e elastina.

A flacidez tissular pode surgir em qualquer parte do corpo, como rosto, barriga, mãos, coxas, braços ou pescoço, por exemplo, e além da perda da firmeza, a pele também pode ficar mais áspera, fina e frágil.

O que fazer: por ser uma condição normal, não há necessidade de tratamento, uma vez que não representa risco para a saúde. No entanto, caso a flacidez cause desconforto estético, o dermatologista pode indicar o uso de cremes antirrugas, hidratantes corporais ou tratamentos estéticos, como radiofrequência, carboxiterapia e crioterapia, por exemplo. Veja algumas dicas para combater a flacidez no corpo.

Não ignore os seus sintomas!

Priorize sua saúde. Descubra a causa dos seus sintomas e receba o cuidado que precisa.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

2. Fatores genéticos

Os fatores genéticos também podem influenciar na elasticidade da pele, fazendo com que fique mais flácida.

No entanto, a flacidez da pele geralmente é causada por uma combinação de fatores, incluindo a predisposição genética e hábitos de vida, como má alimentação ou sedentarismo, por exemplo.

O que fazer: é importante manter os hábitos de vida saudáveis, como praticar atividades físicas regularmente, beber bastante água, fazer uma dieta nutritiva e balanceada, além de evitar fumar, de forma a evitar a flacidez precoce. Em alguns casos, o dermatologista pode ser indicado o uso de suplementos de colágeno para flacidez. Saiba quando usar suplementos de colágeno para flacidez.

3. Sedentarismo

O sedentarismo, que é um estilo de vida em que não se pratica atividades físicas, podendo levar a perda de fibras musculares e resultar em flacidez tanto muscular como da pele.

O que fazer: é importante mudar alguns hábitos de vida, tanto relacionados à prática de exercícios físicos, como hábitos alimentares. 

Desta forma, é recomendado fazer uma alimentação balanceada, além de exercícios físicos, principalmente a musculação, pois aumenta as fibras musculares, combatendo a flacidez muscular e da pele. Veja algumas dicas de como sair do sedentarismo.  

4. Exposição ao sol

A exposição ao sol, principalmente sem o uso de protetor solar, pode acelerar o envelhecimento da pele e aumentar os danos causados pelos radicais livres.

Além disso, os raios UV do sol podem interferir no colágeno e elastina, que são fibras que dão sustentação e firmeza à pele, deixando a pele mais flácida.

O que fazer: é importante usar protetor solar diariamente, pelo menos FPS 30, de preferência recomendado pelo dermatologista de acordo com o tipo de pele. Saiba como escolher o protetor solar.

O protetor solar deve ser usado mesmo em dias nublados, para proteger a pele contra os raios solares, para retardar o envelhecimento da pele, o desenvolvimento de flacidez, além de prevenir o aparecimento de manchas e câncer de pele.

5. Má alimentação

A má alimentação também pode contribuir para o desenvolvimento de flacidez na pele, principalmente quando a dieta é rica em açúcares e gorduras, levando a um acúmulo de células de gordura na pele.

Com o excesso de células de gordura, ocorre uma alteração na estrutura da pele, deixando-a mais flácida.

O que fazer: deve-se evitar o consumo excessivo de açúcares e gorduras, manter o peso saudável e aumentar o consumo de proteínas e alimentos bons para a pele, como batata-doce, aveia ou abacate, pois ajudam na formação de colágeno e elastina, prevenindo a flacidez tissular. Confira a lista completa de alimentos bons para a pele

6. Rápida perda de peso

A perda de peso rápida, como ocorre após dietas ou cirurgia bariátrica, pode causar flacidez da pele.

Isso ocorre porque ao emagrecer rapidamente, perde-se muitas células de gordura, no entanto as fibras de colágeno e elastina na pele não são capazes de contrair, o que leva a uma maior flacidez da pele.

O que fazer: deve-se fazer uma dieta orientada pelo nutricionista, incluindo proteínas na alimentação, e uma alimentação variada e balanceada.

Além disso, para combater a flacidez, o dermatologista pode indicar tratamentos estéticos que estimulam a produção de colágeno, como ultrassom, radiofrequência ou carboxiterapia, por exemplo. Veja como deve ser a alimentação após a cirurgia bariátrica.  

7. Falta de cuidados com a pele

A falta de cuidados com a pele, como não usar protetor solar diariamente, não retirar a maquiagem, não aplicar cremes hidratantes e beber pouca água durante o dia, pode acelerar a flacidez e o envelhecimento da pele.

O que fazer: deve-se usar protetor solar diariamente, com no mínimo FPS 30, retirar a maquiagem antes de dormir, aumentar a ingestão de água durante o dia e aplicar cremes hidratantes no corpo e no rosto, ou cremes antirrugas ou para flacidez indicados pelo dermatologista. Confira os principais cremes antirrugas e cremes para flacidez.

8. Menopausa

Devido a diminuição dos hormônios na menopausa, especialmente do estrogênio, pode ocorrer uma diminuição da produção de colágeno, resultando em flacidez da pele.

Essa flacidez pode afetar qualquer parte do corpo, incluindo a região íntima, e provocar flacidez vaginal, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista que pode indicar o tratamento com terapia de reposição hormonal, utilizando hormônios sintéticos, mas também pode ser feito de forma natural com o uso de isoflavona da soja, por exemplo. Confira todas as opções de tratamento para a menopausa.

9. Hábito de fumar

O hábito de fumar, assim como de consumir bebidas alcoólicas com frequência, pode resultar em aumento do estresse oxidativo da pele e perda de fibras de colágeno.

Isso acelera o envelhecimento da pele, deixando-a mais flácida.

O que fazer: é aconselhado evitar o consumo de bebidas alcoólicas e parar de fumar para evitar evitar danos na pele e flacidez, além de outros problemas graves de saúde. Confira algumas dicas de como parar de fumar.  

10. Estar acamado

Estar acamado por longos períodos pode levar à perda de fibras musculares, causando flacidez muscular ou atrofia dos músculos.

O que fazer: o tratamento da flacidez muscular em pessoas acamadas é feito pelo fisioterapeuta, com exercícios de alongamento e fortalecimento muscular, de forma a reduzir a atrofia e a flacidez dos músculos. Além disso, associada à fisioterapia, deve-se fazer uma dieta rica em proteínas orientada pelo nutricionista. Veja como fazer uma dieta rica em proteínas.  

Tipos de flacidez

Existem dois tipos de flacidez que são:

  • Flacidez tissular: é o tipo de flacidez que afeta a pele que ocorre por modificações, perda ou enrijecimento de fibras de colágeno, elastina e reticulares, deixando a pele menos firme e mais fina, com aspecto envelhecido;
  • Flacidez muscular: ocorre devido a perda de fibras musculares, resultando em atrofia muscular e flacidez dos músculos, além da perda da força e dificuldade para realizar as atividades do dia a dia.

Dependendo do tipo de flacidez, o tratamento indicado pelo dermatologista ou clínico geral  pode variar.

Quando ir ao médico

É recomendado consultar o dermatologista ou o clínico geral quando existe desconforto estético, perda da força muscular ou dificuldade de realizar atividades no dia a dia, de forma a ter orientação adequada e iniciar o tratamento mais adequado.