Adenovírus: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
maio 2022
  1. Sintomas
  2. Adenovírus e hepatite infantil
  3. Transmissão
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prevenção

O adenovírus é um grupo de vírus que normalmente causa infecções das vias respiratórias, como gripes, resfriados, crupe, bronquite ou pneumonia, por exemplo, mas também pode infectar os sistemas gastrointestinal e nervoso, ou os olhos, causando gastroenterite, encefalite ou conjuntivite. 

Esse vírus é facilmente transmitido por meio do contato direto com gotículas de saliva ou secreções respiratórias liberadas no ar quando a pessoa tosse ou espirra, por tocar em uma superfície contaminada pelo adenovírus, ou através do contato com fezes infectadas, durante uma troca de fraldas, por exemplo.

Os sintomas do adenovírus dependem do órgão infectado, podendo surgir febre, tosse, dor de garganta, diarréia ou vômitos, devendo sempre ser avaliado pelo médico, especialmente em pessoas com o sistema imunológico enfraquecido ou crianças, uma vez que este vírus tem sido relacionado com a hepatite infantil. 

Sintomas de infecção pelo adenovírus

Os sintomas mais comuns de infecção pelo adenovírus são:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Nariz entupido ou escorrendo;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de ouvido;
  • Náuseas ou vômitos;
  • Diarréia;
  • Dor de barriga;
  • Olho vermelho ou irritado;
  • Lacrimejamento.

Além disso, no caso de infecção do sistema nervoso, podem surgir sintomas como rigidez do pescoço e das costas, paralisia, fraqueza muscular, confusão mental ou até convulsões. Veja outros sintomas de infecção no sistema nervoso.  

Geralmente, os sintomas da infecção pelo adenovírus são leves e iniciam-se cerca de 2 a 14 dias após o contato com o vírus. No entanto, em crianças, pessoas com o sistema imunológico enfraquecido ou que tenham doenças respiratórias ou cardíacas, os sintomas podem ser graves.

Por isso, deve-se consultar o clínico geral ou pediatra, sempre que surgirem os sintomas de adenovírus, para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado.

Adenovírus e hepatite infantil

A hepatite infantil tem sido relacionada com a infecção pelo adenovírus, uma vez que o adenovírus do tipo 41 foi identificado em algumas crianças com sintomas de hepatite aguda, como dor abdominal, diarréia e vômitos. Saiba identificar os sintomas da hepatite aguda

No entanto, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) [1], ainda não se sabe a causa exata do surto de hepatite infantil em alguns países, sendo necessários mais estudos para identificar as causas e outros fatores de risco, como outras infecções na criança ou exposição a toxinas, por exemplo.

Como acontece a transmissão

O adenovírus é transmitido através do contato direto com pessoas infectadas com o vírus ou por meio da inalação de gotículas de saliva ou secreções nasais liberadas quando a pessoa infectada tosse ou espirra. 

Além disso, a transmissão também pode acontecer por tocar uma superfície contaminada pelo adenovírus e levar a mão aos os olhos, nariz ou boca. 

O adenovírus também pode ser transmitido pelo contato com fezes contaminadas com o vírus, como ao trocar uma fralda, ou, embora seja menos comum, através de água contaminada de piscinas, por exemplo.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da infecção pelo adenovírus é feito pelo médico através da avaliação dos sintomas, exame físico, histórico de saúde e exames laboratoriais, como sorologia para identificar a presença de antígenos, exame de fezes ou urina e cultura viral por meio da coleta de secreções respiratórias.

Além disso, em casos graves, o médico pode solicitar o exame molecular de PCR, de forma a identificar a presença do adenovírus nas secreções respiratórias ou no sangue. Saiba como é feito o exame de PCR

Outro exame que o médico pode solicitar, no caso de suspeita de encefalite, é a punção lombar, feita através da coleta de líquor, que banha o cérebro e a medula espinhal, para identificar a presença do adenovírus. 

Como é feito o tratamento

O tratamento da infecção pelo adenovírus deve ser orientada pelo médico, sendo que na maioria dos casos não é necessário nenhum tratamento específico, pois a infecção geralmente melhora em alguns dias, sendo normalmente indicado aumentar a ingestão de líquidos para evitar desidratação, repousar e fazer uma alimentação leve e de fácil digestão.

Além disso, não existe nenhum tratamento específico para o adenovírus, no entanto, o médico pode indicar remédios que ajudam a aliviar os sintomas e evitar complicações, como:

  • Analgésicos, como paracetamol, para reduzir a febre e dor;
  • Soro fisiológico 0,9%, para fazer a lavagem nasal e desentupir o nariz. Saiba como lavar o nariz corretamente
  • Broncodilatadores, na forma de nebulização ou bombinhas, para reduzir a inflamação das vias respiratórias e facilitar a respiração;  
  • Colírios hidratantes ou lágrimas artificiais, para aliviar a irritação nos olhos.

Nos casos graves pode ser necessário internamento hospitalar e tratamento com soro aplicado diretamente na veia, ou até mesmo uso de oxigênio por cateter nasal ou ventilação mecânica não invasiva.

Como prevenir

Para prevenir a infecção pelo adenovírus, é recomendado:

  • Evitar permanecer em ambientes fechados ou com muitas pessoas e com pouca circulação de ar por muito tempo, como shoppings ou academias;
  • Evitar o contato com pessoas que estejam com gripes ou resfriados;
  • Lavar bem as mãos, principalmente antes e após ir ao banheiro e trocar a fralda da criança;
  • Passar álcool gel nas mãos frequentemente;
  • Evitar tocar em superfícies e levar as mãos nos olhos, boca ou nariz; 
  • Evitar compartilhar objetos pessoais que possam estar em contato com gotículas de saliva ou secreções respiratórias, como talheres, copos e escovas de dentes;
  • Cobrir sempre o nariz e a boca ao tossir ou espirrar, utilizando um lenço descartável ou a roupa.

Além disso, deve-se lavar as mãos regularmente, utilizando água e sabonete neutro, por pelo menos 20 segundos antes de enxaguar, de forma a prevenir a infecção pelo adenovirus e evitar a transmissão da doença.

Assista o vídeo a seguir sobre como lavar a mão corretamente para prevenir o adenovírus:

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Marcela Lemos - Biomédica, em maio de 2022.

Bibliografia

  • BAKER, J. M.; et al. Acute Hepatitis and Adenovirus Infection Among Children - Alabama, October 2021-February 2022. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 71. 18; 638-640, 2022
  • WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Multi-Country – Acute, severe hepatitis of unknown origin in children. 2022. Disponível em: <https://www.who.int/emergencies/disease-outbreak-news/item/2022-DON376>. Acesso em 11 mai 2022
Mostrar bibliografia completa
  • MATOQ, A.; SALAHUDDIN, A. Acute Hepatitis and Pancytopenia in Healthy Infant with Adenovirus. Case Rep Pediatr. 8648190, 2016
  • SCHABERG, K. B.; et al. Adenovirus Hepatitis: Clinicopathologic Analysis of 12 Consecutive Cases From a Single Institution. Am J Surg Pathol. 41. 6; 810-819, 2017
  • MARSH, K.; et al. Investigation into cases of hepatitis of unknown aetiology among young children, Scotland, 1 January 2022 to 12 April 2022. Euro Surveill. 27. 15; 2200318, 2022
  • LION, T. Adenovirus infections in immunocompetent and immunocompromised patients. Clin Microbiol Rev. 27. 3; 441-62, 2014
  • MO, J. Historical Investigation of Fowl Adenovirus Outbreaks in South Korea from 2007 to 2021: A Comprehensive Review. Viruses. 13. 11; 2256, 2021
  • CDC - CENTER FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Children with Hepatitis of Unknown Cause. 2022. Disponível em: <https://www.cdc.gov/ncird/investigation/hepatitis-unknown-cause/overview-what-to-know.html>. Acesso em 11 mai 2022
  • CDC - CENTER FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Adenoviruses. 2019. Disponível em: <https://www.cdc.gov/adenovirus/hcp/index.html>. Acesso em 11 mai 2022
  • LYNCH, J. P. 3rd; et al. Adenovirus. Semin Respir Crit Care Med. 32. 4; 494-511, 2011
  • LYNCH, J. P. 3rd; KAJON, A. E. Adenovirus: Epidemiology, Global Spread of Novel Serotypes, and Advances in Treatment and Prevention. Semin Respir Crit Care Med. 37. 4; 586-602, 2016
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.

Tuasaude no Youtube

  • Como lavar as mãos do jeito certo | com Drauzio Varella

    05:00 | 48658 visualizações
  • APRENDER A LAVAR AS MÃOS ✋

    02:44 | 43369 visualizações