Varfarina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
agosto 2022
  1. Para que serve
  2. Como tomar
  3. Cuidados
  4. Efeitos colaterais
  5. Contra-indicações

A varfarina é um anticoagulante indicado para o tratamento ou prevenção da formação de coágulos nos casos de trombose venosa profunda, AVC, infarto ou doenças das válvulas cardíacas, por exemplo. Esse remédio age inibindo os fatores de coagulação dependentes da vitamina K, que participa da produção de proteínas necessárias à coagulação sanguínea.

A varfarina pode ser encontrada em farmácias ou drogarias, na forma de comprimidos de 2,5 mg, 5 mg ou 7,5 mg com o nome comercial Marevan, ou como genérico sob a designação “varfarina sódica”.

Esse anticoagulante, também conhecido popularmente, como "remédio para afinar o sangue", deve ser usado somente com indicação médica, e com doses individualizadas, baseadas nos resultados de exames de sangue que medem os fatores de coagulação sanguínea.

Para que serve

A varfarina é indicada para o tratamento ou prevenção da formação de coágulos, nas seguintes situações:

Além disso, a varfarina pode ser indicada para prevenir a formação de coágulos devido ao uso de prótese de válvulas cardíacas mecânicas.

A varfarina age inibindo os fatores de coagulação que dependem da vitamina K, sendo indicada para prevenção do aparecimento de novos coágulos nos vasos sanguíneos, não tendo ação sobre os coágulos já formados.

Como tomar

O comprimido da varfarina deve ser tomado com um copo de água, antes ou após uma refeição, nos horários estabelecidos pelo médico.

A posologia da varfarina varia de acordo com os resultados do exame de sangue em que são medidos o tempo de protrombina e RNI, sendo que a dose inicial normalmente recomendada é de 2,5 mg a 5 mg por dia, e a dose de manutenção varia de 2,5 mg a 10 mg por dia, conforme orientação médica.

O uso da varfarina deve ser feito com acompanhamento médico regularmente, sendo necessários exames de sangue pelo menos 1 vez por mês, ou de acordo com a indicação médica, como tempo de protrombina e RNI, de forma a ajustar a dose do tratamento.

A duração do tratamento com a varfarina deve ser sempre orientado pelo médico.

Cuidados durante o tratamento

Alguns cuidados são importantes durante o tratamento com a varfarina, como:

  • Escovar os dentes suavemente com escova de dentes macia;
  • Ter cuidado ao fazer a barba ou depilar;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Evitar consumir chás ou remédios fitoterápicos, como alho, Ginkgo Biloba ou ginseng, sem orientação médica;
  • Evitar o uso de remédios anti-inflamatórios sem orientação médica, como diclofenaco, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico ou naproxeno, pois podem aumentar o risco de sangramentos;
  • Evitar consumir sucos, como suco de toranja, suco de cranberry ou suco de noni, pois podem aumentar o risco de efeitos colaterais.

Além disso, deve-se evitar fazer mudanças na dieta, sem a orientação do médico ou do nutricionista, pois alimentos ricos em vitamina K podem diminuir a eficácia da varfarina, como fígado, vegetais de folhas verdes ou óleos vegetais, por exemplo. Confira a lista de alimentos ricos em vitamina K que devem ser evitados.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns que podem surgir durante o tratamento com a varfarina são sangramentos ou hemorragias, que podem surgir em qualquer local do corpo, e que devem ser comunicados imediatamente ao médico responsável pelo tratamento.

Os principais sintomas de sangramentos ou hemorragias são hematomas, manchas roxas no corpo sem causa aparente, sangramento nasal ou nas gengivas, sangue na urina, fezes escuras com aspecto de borra de café, tosse ou vômito com sangue, menstruação intensa, sangramento vaginal anormal, ou dificuldade de estancar o sangue de pequenos cortes ou injeções.

Além disso, deve-se procurar atendimento médico imediatamente ou o pronto socorro mais próximo caso surjam sintomas como dor de cabeça intensa e repentina, fraqueza, tontura, inchaço no corpo ou em algum membro, dor súbita e intensa na perna ou nos pés, dedos ou unhas arroxeadas, palidez ou suor frio.

A varfarina também pode causar efeitos colaterais como anemia, queda de cabelo, febre, náuseas, diarreia ou reações alérgicas.

Quem não deve usar

A varfarina não deve ser usada por mulheres grávidas pois pode causar malformações no no rosto ou no sistema nervoso central do feto e problemas congênitos no bebê. Além disso, também pode causar hemorragia no feto e aumentar o risco de aborto.

Esse remédio não deve ser usado durante a amamentação, uma vez que ainda não se sabe se a varfarina passa para o bebê através do leite materno.

A varfarina também não deve ser usado por crianças ou por pessoas que tenham úlcera no estômago ou intestino, hemofilia, insuficiência renal ou hepática, aneurisma cerebral, aneurisma na aorta, cirurgia recente no cérebro, olhos ou medula espinhal, câncer nas vísceras, deficiência de vitamina K, pressão alta grave e não controlada, ou endocardite bacteriana.

Além disso, a varfarina não deve ser usada no caso de pessoas que tenham alergia à varfarina ou a qualquer outro componente da fórmula.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • WANG, M.; et al. Drug-drug interactions with warfarin: A systematic review and meta-analysis. Br J Clin Pharmacol. 87. 11; 4051-4100, 2021
  • MILIC, N.; et al. Warfarin interactions with medicinal herbs. Nat Prod Commun. 9. 8; 1211-6, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • CHOCK, A. W. Y.; et al. Food and Lifestyle Interactions With Warfarin: A Review. U.S. Pharrmacist. 34. 2; 28-39, 2009
  • TAN, C. S. S.; LEE, S. W. H. Warfarin and food, herbal or dietary supplement interactions: A systematic review. Br J Clin Pharmacol. 87. 2; 352-374, 2021
  • FARMOQUÍMICA S/A. Marevan (varfarina sódica). Disponível em: <https://www.saudedireta.com.br/catinc/drugs/bulas/marevan.pdf>. Acesso em 22 ago 2022
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.