Raquitismo: o que é, sintomas, causas e tratamento

agosto 2022

O raquitismo é uma doença que afeta o desenvolvimento dos ossos da criança, causada principalmente pela deficiência de vitamina D, que é importante para absorção do cálcio e fósforo pelo intestino, que são minerais essenciais para a formação e desenvolvimento de ossos fortes e saudáveis.

O raquitismo é mais comum de surgir em crianças dos 6 aos 36 meses de idade, que é uma fase de rápido crescimento ósseo, podendo ser percebido através de sintomas como atraso no crescimento dos dentes ou no desenvolvimento da criança, arqueamento das pernas e dos braços, ou falta de vontade da criança para andar, por exemplo.

O tratamento do raquitismo é feito pelo pediatra ou ortopedista, e varia de acordo com sua causa, mas em todos os casos é indicada a suplementação de vitamina D e mudança na dieta, de modo a consumir alimentos ricos em cálcio. Confira os principais alimentos ricos em cálcio.

Sintomas de raquitismo

Os principais sintomas de raquitismo são:

  • Amolecimento do crânio em bebês com mais de 3 meses;
  • Testa saliente;
  • Moleira larga;
  • Atraso no crescimento dos dentes;
  • Dentes tortos ou com cáries;
  • Pernas ou braços arqueados;
  • Joelhos tortos, afastados um o outro ou em contato um com o outro;
  • Inchaço nas articulações do joelho e tornozelos;
  • Engrossamento da articulação do punho e do tornozelo, conhecido como sinal de Marfan;
  • Deformidade na coluna, como cifose, lordose ou escoliose;
  • Alterações na bacia;
  • Deformidade no tórax, chamado de peito de pombo;
  • Atraso no crescimento e desenvolvimento;
  • Atraso no desenvolvimento da coordenação motora;
  • Falta de vontade da criança para andar;
  • Irritabilidade, devido à dor óssea;
  • Fraqueza muscular;
  • Cansaço fácil e frequente.

Além disso, o raquitismo pode causar fraturas ósseas, e nos casos em que também existe carência de cálcio no organismo, pode surgir formigamento, dormência ou espasmos musculares, ou até convulsões, além de aumentar o risco de cardiomiopatia. Conheça todos os sintomas do raquitismo.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do raquitismo é feito pelo pediatra ou ortopedista através da realização de um exame físico, em que o médico pode verificar se há baixa estatura ou diminuição da velocidade de crescimento e presença de deformidades esqueléticas.

Além disso, o médico deve fazer uma avaliação detalhada do histórico de saúde da criança, como parto prematuro, exposição à luz solar e alimentação. Além disso, o médico também deve avaliar o histórico familiar de alterações ósseas e dentárias ou consanguinidade dos pais, que podem indicar o raquitismo por causas genéticas.

Para complementar o diagnóstico, o médico pode solicitar exames laboratoriais, como dosagem de cálcio, vitamina D e fosfatase alcalina, além de exames de raio X para verificar deformidades nos ossos.

Possíveis causas

O raquitismo é causado pela deficiência em vitamina D, que é importante para absorver o cálcio e o fósforo da alimentação pelo intestino, que são fundamentais para a mineralização óssea, desenvolvimento, fortalecimento, resistência e saúde dos ossos.

Alguns fatores podem afetar a absorção, metabolismo ou ação da vitamina D no corpo, levando a sua deficiência e aumentando o risco de desenvolvimento do raquitismo, como:

  • Mutações genéticas;
  • Baixa ingestão de alimentos com vitamina D;
  • Baixa exposição solar;
  • Doença celíaca;
  • Doença inflamatória intestinal;
  • Doença de Crohn;
  • Colite ulcerativa;
  • Insuficiência renal;
  • Fibrose cística;
  • Doenças do fígado;
  • Uso de remédios, como difenilhidantoína ou rifampicina.

Além disso, em bebês, o raquitismo também pode ser causado devido a deficiência de vitamina D pela mulher durante a gestação, ou por ter nascido de parto prematuro.

O raquitismo também pode surgir devido à baixa ingestão de cálcio na dieta, sendo chamado de raquitismo hipocalcémico ou calcipênico, ou ainda pela má absorção de fósforo pelo intestino ou alterações renais que levam à perda de fósforo pela urina, sendo conhecido como raquitismo hipofosfatêmico ou fosfopênico.

Como é feito o tratamento

O tratamento do raquitismo deve ser feito com a orientação do pediatra ou ortopedista com o objetivo de repor as vitaminas e minerais em deficiência no corpo, podendo ser indicado:

  • Suplementos de vitamina D, como vitamina D2 (ergocalciferol) ou vitamina D3 (colecalciferol);
  • Suplementos de cálcio;
  • Suplementação de fósforo, no caso do raquitismo hipofosfatêmico.

Além disso, é importante fazer alterações na dieta e aumentar o consumo de alimentos ricos em vitamina D, como óleo de fígado de bacalhau, salmão, carapau, ovo cozido ou sardinhas enlatadas, por exemplo. Confira os principais alimentos ricos em vitamina D.

No caso do raquitismo calcipênico, em que há baixa quantidade de cálcio no organismo, também é importante aumentar o consumo de alimentos ricos em cálcio, como brócolis, repolho ou derivados do leite, como leite, queijo e iogurte, por exemplo. Veja uma lista completa de alimentos ricos em cálcio.

Além disso, o médico pode recomendar a exposição solar de pelo menos 15 minutos por dia no início da manhã (antes das 10 horas), ou no final da tarde (após as 16 horas) e sem protetor solar.

Assista o vídeo seguinte e veja mais dicas para fortalecer os ossos:

Qual a diferença entre raquitismo e osteomalacia?

Tanto o raquitismo como a osteomalácia são alterações nos ossos causadas principalmente pela deficiência de vitamina D no corpo.

No entanto, o raquitismo ocorre em crianças, e a osteomalacia afeta adultos, deixando os ossos mais frágeis. Saiba mais sobre a osteomalacia e como é feito o tratamento.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • UDAY, S.; HOGLER, W. Nutritional rickets & osteomalacia: A practical approach to management. Indian J Med Res. 152. 4; 356-367, 2020
  • CARPENTER, T. O.; et al. Rickets. Nat Rev Dis Primers. 3. 17101, 2017
Mostrar bibliografia completa
  • LAMBERT, A. S.; LINGLART, A. Hypocalcaemic and hypophosphatemic rickets. Best Pract Res Clin Endocrinol Metab. 32. 4; 455-476, 2018
  • CREO, A. L.; et al. Nutritional rickets around the world: an update. Paediatr Int Child Health. 37. 2; 84-98, 2017
  • ACAR, S.; et al. Genetic Causes of Rickets. J Clin Res Pediatr Endocrinol. 9. 2; 88-105, 2017
  • DAHASH, B. A.; SANKARARAMAN, S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Rickets. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK562285/>. Acesso em 12 ago 2022
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • Alimentos ricos em VITAMINA D para FORTALECER A IMUNIDADE

    05:54 | 137003 visualizações
  • DIETA VEGETARIANA e VEGANA durante a gravidez

    08:26 | 19305 visualizações
  • Ossos Fortes Sempre | Tati & Marcelle | Como tratar osteopenia e osteoporose

    09:05 | 186330 visualizações
  • Alimentação rica em CÁLCIO

    02:16 | 246381 visualizações