Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Principais sintomas de falta de B12, causas e tratamento

A vitamina B12, também conhecida como cobalamina, é uma vitamina essencial para a síntese de DNA, RNA e mielina, assim como para a formação dos glóbulos vermelhos. Essa vitamina normalmente está armazenada no corpo em maiores quantidades que as outras vitaminas do complexo B, no entanto, algumas situações podem causar sua deficiência e gerar sintomas como palpitações, fadiga e formigamento nas mãos e nos pés.

As principais causas da deficiência dessa vitamina são a doença de Crohn, a realização de dietas vegetarianas sem a devida orientação ou a falta de fator intrínseco, uma substância que permite a absorção dessa vitamina.

Principais sintomas de falta de B12, causas e tratamento

Principais sintomas

A deficiência de vitamina B12 pode ser notada nos sistemas cardíacos e nervoso, podendo ser percebidos os seguintes sintomas:

  1. Fadiga e fraqueza frequentes;
  2. Anemia perniciosa
  3. Falta de ar;
  4. Palpitações;
  5. Dificuldade visual;
  6. Perda da sensibilidade e formigamento nas mãos e nos pés;
  7. Falta de equilíbrio;
  8. Perda da memória e confusão mental;
  9. Possibilidade de demência, que pode ser irreversível;
  10. Falta de apetite e perda de peso sem razão aparente;
  11. Feridas na boca e na língua frequentemente;
  12. Irritabilidade;
  13. Sentimentos de tristeza recorrentes.

Nas crianças, a deficiência dessa vitamina também pode causar dificuldade de crescimento, atraso no desenvolvimento geral e anemia megaloblástica, por exemplo. Veja todas as funções que a vitamina B12 desempenha no organismo.

O que pode causar a falta de vitamina B12

A vitamina B12 pode ter diversas causas, sendo as principais:

  • A nível estomacal: A anemia perniciosa pode causar uma diminuição do fator intrínseco, que é uma substância necessária para a absorção da vitamina a nível estomacal. Além disso, o ácido gástrico facilita a separação da vitamina B12 dos alimentos que a contêm, de modo que a gastrite atrófica e o uso de alguns medicamentos que bloqueiam ou neutralizam o ácido gástrico e podem interferir na concentração dessa vitamina;
  • A nível intestinal: As pessoas com doença de Crohn em que há o acometimento do íleo ou que tiveram o íleo removido, não absorvem a vitamina B12 de maneira eficiente. Outras causas intestinais de deficiência de B12 são o desenvolvimento excessivo de bactérias e parasitas;
  • Relacionado à alimentação: Os alimentos de origem animal são a única fonte natural de vitamina B12, sendo a deficiência da vitamina decorrente de uma dieta pobre em alimentos como carnes, peixes, ovos, queijo e leite. As pessoas que possuem maior risco são os idosos, alcoólicos, que não se alimento de maneira correta e os vegetarianos estritos.

Além disso, o uso de medicamentos como antibióticos, Metformina e remédios para gastrite e úlceras gástricas, como Omeprazol, podem diminuir a absorção de B12 no intestino, sendo recomendado conversar com o médico para avaliar a necessidade de usar suplementos vitamínicos.

Como é feito o tratamento

O tratamento da deficiência de vitamina B12 varia de acordo com a sua causa. No caso da anemia perniciosa, por exemplo, o tratamento é feito com aplicações de injeções intramusculares periódicas dessa vitamina e de outras do complexo B.

Quando a causa é a alimentação e a absorção é normal, o médico ou o nutricionista pode indicar a suplementação oral ou injeção de vitamina B12, assim como o aumento do consumo dos alimentos ricos nessa vitamina.

No caso dos vegetarianos, é importante incluir na dieta o consumo de alimentos enriquecidos com essa vitamina, como leite de soja, tofu e cerais, por exemplo.

O excesso dessa vitamina é raro, já que a vitamina B12 pode ser facilmente eliminada na urina. No entanto, pessoas que possuem policitemia, alergia ao cobalto ou à cobalamina, ou que se encontram no período pós operatório não devem fazer uso de suplementos de vitamina B12 sem orientação médica.


Bibliografia

  • ÁLVAREZ María Luisa et al. Nutrición en pediatría . 2ª. Caracas, Venezuela: Cania, 2009. 369.
  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 513-525.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem