Buclina realmente engorda?

“Tenho muita dificuldade em ganhar peso, mesmo comendo mais e seguindo um plano nutricional direitinho. Ouvi falar que o medicamento Buclina pode ajuda, é verdade?”

Dr.ª Janyele Sales

Médica de Saúde Familiar

CRM 177392-SP

Dr.ª Janyele Sales
Não tem agenda disponível
Buscar Endocrinologista perto de você

A Buclina é um medicamento que pode engordar porque estimula o apetite e, por isso, ao comer mais, a pessoa tende a ganhar peso.

O efeito estimulante do apetite da Buclina ainda não está bem determinado, mas parece estar relacionado com uma ação hipoglicemiante do medicamento. A Buclina estimula o pâncreas a secretar insulina, que é o hormônio responsável por transportar a glicose (açúcar) para dentro das células. Assim, com menos açúcar no sangue (hipoglicemia), o cérebro envia um sinal de fome, para a pessoa repor os níveis de glicose sanguínea.

A Buclina também tem uma leve ação sedativa, o que pode contribuir para reforçar o efeito estimulador do apetite. Inclusive, o efeito colateral mais comum da Buclina é a sonolência durante o dia, especialmente no início do tratamento.

Apesar de ser popularmente usada para engordar, a Buclina é um medicamento e, por isso, pode causar vários efeitos colaterais. Se está querendo usar buclina para engordar, o ideal é que consulte um endocrinologista. Esse profissional poderá fazer uma avaliação detalhada para identificar a causa da dificuldade em ganhar peso e delinear um tratamento adequado.

62% dos leitores acham este conteúdo útil (13 avaliações nos últimos 12 meses)
  • Iremos publicar sua pergunta de forma anônima.
  • Faça uma pergunta clara, curta e sem incluir dados pessoais.
  • Não peça um diagnóstico ou 2ª opinião sobre tratamentos que já esteja realizando.
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta. O seu email nunca será publicado online.
Marque consulta com um Endocrinologista perto de você!

Atendemos mais de 150 convênios em 9 estados do Brasil*.

Marcar Consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.