Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Entenda o que é Linfoma não-Hodgkin

O linfoma não-Hodgkin é um tipo de câncer linfático caracterizado pelo aumento de alguns gânglios linfáticos e o tipo mais comum é o que atinge as células de defesa tipo B. Seus sintomas podem incluir suor noturno, febre e coceira na pele e seu tratamento é feito com quimioterapia, radioterapia e imunoterapia.

A escolha do tratamento dependo do tamanho do tumor, sua localização e se existem metástases ou não. Apesar de grave, o linfoma não-Hodgkin pode ter cura através da realização do tratamento.

Sintomas do Linfoma não-Hodgkin

Entenda o que é Linfoma não-Hodgkin

O sintomas desse tipo de câncer podem surgir em qualquer fase da vida, são mais comum nos homens e geralmente são:

  • Aumento dos gânglios linfáticos;
  • Pode haver febre;
  • Pode haver emagrecimento;
  • Pode haver suor noturno de grande intensidade;
  • Pode haver coceira na pele.

Ainda não foi identificada nenhuma causa específica para o desenvolvimento deste linfoma mas há uma suspeita de que o sistema imune comprometido e o surgimento de várias infecções estejam relacionadas com a doença. Saiba mais sobre os Sintomas de linfoma não-Hodgkin.

Tipos de linfoma não-Hodgkin

Existem mais de 40 tipos de linfoma não-Hodgkin e eles são classificados ainda de acordo com as células que afetam: B ou T, e também se considera o tamanho do tumor, forma e apresentação ao microscópio, mas geralmente os linfomas não-Hodgkin são subdivididos em: indolentes ou agressivos pois saber isto é de extrema importância para que o tratamento seja realmente bem direcionado.

O linfoma não-Hodgkin pode ser classificado como:

  • tipo I: Apenas um gânglio linfático está afetado;
  • tipo II: Mais de um gânglio linfático está afetado, mas todos localizam-se no mesmo lado do diafragma;
  • tipo III: Gânglios linfáticos abdominais afetados;
  • tipo IV: Vários gânglios linfáticos afetados por todo o corpo.

O linfoma não-Hodgkin deve ainda ser classificado ainda como indolente quando o seu desenvolvimento é lento, sem sintomas, ou agressivo quando seu desenvolvimento é rápido e apresenta sintomas.

O médico pode identificar o tipo de linfoma que a pessoa possui e qual o seu estadiamento ao solicitar exames como hemograma completo, função renal e hepática, cálcio, ácido úrico, tomografia computadorizada de tórax, abdome e pelve, e biópsia de medula óssea.

Causas do Linfoma não-Hodgkin

Algumas das possíveis causas do desenvolvimento desta doença incluem a fraqueza do sistema imune, a exposição a poluentes, altas doses de radiação, medicamentos imunossupressores e infecções virais ou bacterianas. Portadores do vírus Epstein-Barr assim como os que possuem a bactéria H.Pylori no estômago tem o risco aumentado de desenvolver algum tipo de linfoma.

O meio ambiente que o indivíduo vive e seus hábitos de vida também interferem na maneira como o organismo reage aos efeitos nocivos provocados pela exposição a agentes químicos aumentando o risco de desenvolvimento deste câncer.

Tratamento do Linfoma não-Hodgkin

O tratamento pode ser feito através da quimioterapia e radioterapia associadas, mas o uso de anticorpos monoclonais também tem se mostrado eficaz. No entanto, a escolha do tratamento depende do estadiamento do linfoma e deve ser indicado pelo oncologista. Saiba os remédios, dieta e dicas para combater este tumor aqui.

O prognóstico do linfoma não-Hodgkin varia dependendo da extensão da doença e dos órgãos afetados. Quando ele é descoberto precocemente existe maiores chances de cura, mas quando o linfoma encontra-se numa fase mais avançada e existe metástase a cura pode ser mais difícil, mas normalmente o linfoma não-Hodgkin agressivo, apesar de mais grave, têm mais chances de cura. Saiba quais são as chances de cura deste tumor aqui.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...