Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Ultrassom Morfológico: Quando fazer e Para que serve

O ultrassom morfológico, também conhecido como ultrassonografia morfológica ou USG morfológico, é um exame de imagem que permite visualizar o bebê dentro do útero, facilitando a identificação de algumas doenças ou malformações como Síndrome de Down ou cardiopatias congênitas, por exemplo.

Normalmente, a ultrassonografia é indicada pelo obstetra no segundo trimestre, entre a 18ª e 24ª semana de gestação e, por isso, além de malformações no feto, também já pode ser possível identificar qual o sexo do bebê. Além disso, o USG morfológico marca o primeiro momento em que os pais conseguem ver com detalhe o bebê que está se desenvolvendo. Saiba que outros exames devem ser feitos durante o segundo trimestre de gravidez.

Embora o preço do ultrassom possa variar entre 100 e 200 reais, dependendo da clínica, ele também pode ser feito gratuitamente no SUS, mas apenas após as 20 semanas de gestação.

Ultrassom Morfológico: Quando fazer e Para que serve

Quando fazer o Ultrassom morfológico

É recomendado fazer o ultrassom morfológico no segundo trimestre, entre as 18 e as 24 semanas de gestação, pois é quando o bebê já se encontra suficientemente desenvolvido. Porém, esta ultrassonografia também pode ser feita no primeiro trimestre, entre a 11ª e a 14ª semana de gestação, mas como o bebê ainda não está bem desenvolvido, os resultados não podem ser tão satisfatórios.

A ultrassonografia morfológica também pode ainda ser feita no 3º trimestre, entre as 33 e as 34 semanas de gestação, mas isso geralmente só acontece quando a gestante não fez o USG no 1º ou 2º trimestre, existe suspeita de malformação no bebê ou quando a grávida desenvolveu uma infecção que possa prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Além do ultrassom morfológico, os ultrassons 3D e 4D mostram detalhes do rosto do bebê e também identificam doenças.

Para que serve

O ultrassom morfológico permite identificar a fase de desenvolvimento do bebê, assim como avaliar possíveis alterações nas fases de desenvolvimento. Dessa forma, o obstetra consegue:

  • Confirmar a idade gestacional do bebê;
  • Avaliar o tamanho do bebê, medindo a cabeça, tórax, abdômen e do fêmur;
  • Avaliar o crescimento e o desenvolvimento do bebê;
  • Monitorar os batimentos cardíacos do bebê;
  • Localizar a placenta;
  • Mostrar anormalidades no bebê e possíveis doenças ou malformações.

Além disso, quando o bebê se encontra de pernas abertas o médico também pode conseguir observar o sexo, que pode depois ser confirmado com exames de sangue, por exemplo. Confira uma lista das técnicas disponíveis para tentar identificar o sexo do bebê.

Que doenças podem ser identificadas

O ultrassom morfológico feito no 2º trimestre pode ajudar a identificar vários problemas no desenvolvimento do bebê como espinha bífida, anencefalia, hidrocefalia, hérnia diafragmática, alterações nos rins, síndrome de Down ou doenças cardíacas.

Veja como deve ser o desenvolvimento normal do bebê com 18 semanas.

Como se preparar para fazer o ultrassom

Normalmente não é necessário qualquer tipo de preparo especial para fazer o ultrassom morfológico, porém, como a bexiga cheia pode ajudar a melhorar as imagens e também a elevar o útero, o obstetra pode aconselhar beber água antes do exame, assim como evitar esvaziar completamente a bexiga, caso se tenha vontade para ir no banheiro.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade

LIVE | Saúde da Prostata

A Tatiana e o Manuel vão estar te esperando num encontro informal para falar tudo sobre problemas na próstata.

A sua presença vai fazer o evento ser mais especial.

Se inscreva e receba uma notificação quando começar, para não perder nenhum minuto.

Inscreva-se
* Não perca a oportunidade de fazer perguntas e participar deste momento em homenagem ao Novembro Azul.

Estamos ao vivo agora! Vem falar com a gente!

A Tati e o Manuel falam sobre problemas na próstata, o preconceito dos homens a respeito do exame de toque retal, e até sobre impotência sexual, que pode ser um complicação da detecção tardia desse tipo câncer.

Participe agora
* Vamos responder todas as perguntas que chegarem, sem tabus. Estamos te esperando!
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem