Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Para que serve o Eletroencefalograma e como é feito

O eletroencefalograma (EEG) é um exame de diagnóstico que registra a atividade elétrica do cérebro, sendo utilizado para identificar alterações neurológicas, como em caso de convulsões ou episódios de alteração da consciência, por exemplo.

Normalmente, ele é feito através da fixação de pequenas placas de metal no couro cabeludo, chamadas de eletrodos, que estão ligadas a um computador que registra as ondas elétricas do cérebro, sendo um exame muito utilizado por não causar dor e por poder ser realizado por pessoas de qualquer idade.

O eletroencefalograma pode ser feito tanto em vigília, ou seja, com a pessoa acordada, ou durante o sono, dependendo de quando surgem as convulsões ou do problema que está sendo estudado, podendo, também ser necessária a prática de manobras para ativar a atividade cerebral, como exercícios respiratórios ou colocar de uma luz pulsante na frente do paciente.

Eletrodos do eletroencefalogramaEletrodos do eletroencefalograma
Resultados normais do eletroencefalogramaResultados normais do eletroencefalograma

Preço

O eletroencefalograma pode ser realizado gratuitamente pelo SUS, com a indicação médica, mas também é realizado em clínicas de exames particulares, com um preço que pode variar entre os 100 e os 700 reais, dependendo do tipo de encefalograma e do local que faz o exame.

Para que serve

O eletroencefalograma costuma ser solicitado por um neurologista e, geralmente, serve para identificar ou diagnosticar alterações neurológicas, como:

  • Epilepsia;
  • Suspeita de alterações da atividade cerebral;
  • Casos de alteração da consciência, como desmaios ou coma, por exemplo;
  • Detecção de inflamações ou intoxicações cerebrais;
  • Complemento da avaliação de pacientes com doenças cerebrais, como demência, ou doenças psiquiátricas;
  • Observar e acompanhar o tratamento da epilepsia;
  • Avaliação da morte encefálica. Entenda quando acontece e como detectar a morte cerebral

Qualquer pessoa pode realizar um eletroencefalograma, não havendo contra-indicações absolutas, entretanto, é recomendado que seja evitado em pessoas com lesões de pele no couro cabeludo ou pediculose (piolho).

Para que serve o Eletroencefalograma e como é feito

Principais tipos e como é feito

O eletroencefalograma comum é feito com o implante a fixação de eletrodos, com um gel condutor, em áreas do couro cabeludo, de forma que as atividades cerebrais são captadas e registradas através um computador. Durante o exame, o médico poderá indicar a realização de manobras para ativar a atividade cerebral e aumentar a sensibilidade do exame, como hiperventilar, com respirações rápidas, ou com a colocação de uma luz pulsante na frente do paciente. 

Além disso, o exame pode ser feito de formas diferentes, como:

  • Eletroencefalograma em vigília: é o tipo mais comum do exame, feito com o paciente acordado, muito útil para identificar a maioria das alterações;
  • Eletroencefalograma em sono: é realizado durante o sono da pessoa, que passa a noite no hospital, facilitando a detecção de alterações cerebrais que podem surgir durante o sono, em casos de apnéia do sono, por exemplo;
  • Eletroencefalograma com mapeamento cerebral: é um melhoramento do exame, em que a atividade cerebral captada pelos eletrodos é transmitida para um computador, que cria um mapa capaz de tornar possível identificar as regiões do cérebro que estão em atividade no momento. 

Para identificar e diagnosticar doenças, o médico poderá utilizar exames de imagem, como a ressonância magnética ou a tomografia, mais sensíveis para detectar alterações como nódulos, tumores ou sangramentos, por exemplo. Entenda melhor quais as indicações e como são feitas a tomografia computadorizada e a ressonância magnética

Como se preparar para o encefalograma

Para se preparar para o encefalograma e melhorar a sua eficácia na detecção de alterações, é necessário evitar medicamentos que alteram o funcionamento do cérebro, como sedativos, antiepilépticos ou antidepressivos, 1 a 2 dias antes do exame ou de acordo com indicação do médico, não consumir bebidas com cafeína, como café, chá ou chocolate, 12 horas antes do exame, além de evitar utilizar óleos, cremes ou sprays no cabelo no dia do exame.

Além disso, caso o eletroencefalograma seja feito durante o sono, o médico pode pedir que o paciente durma menos 4 a 5 horas na noite anterior para facilitar um sono profundo durante o exame.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...