10 sintomas de epilepsia e o que fazer

Revisão médica: Drª. Beatriz Beltrame
Pediatra
abril 2022

Os principais sintomas de epilepsia generalizada são:

  1. Convulsões, que são contrações violentas e involuntárias dos músculos;
  2. Rigidez muscular, principalmente dos braços, pernas e tórax;
  3. Salivação excessiva;
  4. Incontinência urinária;
  5. Confusão mental;
  6. Fala imperceptível;
  7. Morder a língua e ranger os dentes;
  8. Dificuldade para respirar;
  9. Agressividade;
  10. Perda da consciência, de forma que a pessoa pode não lembrar do episódio.

Após o episódio de epilepsia é normal sentir sonolência, dor de cabeça náuseas e vômitos. Os sintomas de epilepsia muitas vezes ocorrem sem aviso e, podem ocorrer de dia ou durante o sono, podendo afetar pessoas de todas as idades, desde bebês até idosos. Quando a crise de epilepsia dura mais de 5 minutos deve-se pedir ajuda médica, ligando para o 192, ou levar a vítima imediatamente para o hospital. Veja o que fazer na crise de epilepsia. 

A epilepsia acontece devido a alterações na condução de impulsos nervosos no cérebro, ocorrendo uma atividade elétrica excessiva. Em alguns casos, a epilepsia pode apenas atingir uma pequena parte dos neurônios, resultando em epilepsia parcial, ou causar uma crise de ausência, que é quando a pessoa fica parada e totalmente ausente, não falando nem reagindo ao toque durante poucos segundos. Conheça mais sobre a epilepsia.

Sintomas de epilepsia parcial

Em algumas situações, a epilepsia pode afetar apenas uma pequena parte dos neurônios do cérebro, causando sintomas mais leves e que correspondem à parte do cérebro atingida. Por exemplo, se a atividade intensa do cerebral ocorre na parte cérebro que controla os movimentos da perna esquerda, este pode apresentar contrações e rigidez. Por isso, neste caso de epilepsia, os sintomas são limitados à área afetada.

Sintomas de crise de ausência

A crise de ausência é caracterizada por sintomas menos intensos, sendo os principais:

  • Ficar parado e muito quieto;
  • Permanecer com um olhar vazio;
  • Mexer descontroladamente os músculos do rosto;
  • Fazer movimentos como se estivesse mastigando;
  • Mexer o braço ou perna constantemente, mas de uma forma ligeira;
  • Formigamento nos braços ou pernas;
  • Pequena rigidez dos músculos.

Além disso, neste tipo de crises, normalmente não ocorre perda de consciência, apenas uma sensação estranha de dejá vu, sendo que na maioria dos casos dura apenas entre 10 a 30 segundos.

As crises de ausência são mais comuns de acontecerem em crianças, e, na maioria dos casos é benigna e atinge crianças entre os 3 e 13 anos. Veja como identificar a crise de ausência.

O que fazer

Em caso de crise epilética, é recomendado colocar a pessoa que está em crise de lado, com um apoio em baixo da cabeça, desapertar roupas apertadas e não segurar braços e pernas. Além disso, é indicado não colocar a mão na boca da pessoa e nem dar líquidos ou alimentos durante a crise, sendo recomendado contar o tempo da crise e chamar ajuda médica.

É importante que o neurologista seja consultado para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que normalmente envolve o uso de medicamento antiepilético, como Oxcarbazepina, Carbamazepina ou Valproato de sódio, por exemplo. Quando as crises de epilepsia não ficam controladas com o uso do medicamento, pode ser necessário associar vários remédios. Confira mais detalhes do tratamento para epilepsia.

Durante o tratamento, os indivíduos com crises de epilepsia devem evitar situações que causem convulsões, tais como ficar muito tempo sem dormir, beber álcool em excesso ou estar em ambientes com muitos estímulos visuais, como é o caso das discotecas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em abril de 2022. Revisão médica por Drª. Beatriz Beltrame - Pediatra, em julho de 2016.
Revisão médica:
Drª. Beatriz Beltrame
Pediatra
Formada pela Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná, em 1993 com registro profissional no CRM PR - 14218.