Dor na barriga: 11 principais causas e o que fazer

Revisão médica: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
agosto 2022

A dor na barriga é um problema muito comum que pode ser provocado por situações simples como má digestão, excesso de gases ou estresse excessivo, por exemplo, podendo desaparecer sem precisar de tratamento, sendo apenas aconselhado repousar, evitar comer alimentos gordurosos ou ricos em açúcar e beber muita água.

No entanto, a dor na barriga pode ser também indicativo de gastrite, refluxo, síndrome do intestino irritável, alterações na vesícula ou ser indicativo de câncer.

Assim, quando a dor na barriga é muito intensa, se mantém por mais de 2 dias ou é acompanhada por outros sintomas, como febre, vômitos persistentes e perda de peso, por exemplo, é importante que o médico seja consultado para que seja identificada a causa da dor na barriga e iniciado o tratamento mais adequado.

O que pode ser a dor na barriga

Para saber o que pode estar causando a sua dor de barriga, por favor responda às seguintes questões:

Esta ferramenta deve ser usada apenas como orientação para tentar identificar a possível causa da dor na barriga e, por isso, não deve substituir a consulta com o médico, que é o profissional capaz de confirmar o diagnóstico e recomendar o tratamento mais adequado.

A seguir indicamos as principais causas de dor na barriga e o que fazer em cada situação:

1. Excesso de gases

O excesso de gases intestinais é a principal causa de desconforto na barriga, especialmente em pessoas que sofrem recorrentemente de prisão de ventre. Além disso, podem também surgir devido a problemas intestinais, como intestino irritável ou intolerância à lactose, além de também poderem surgir após o consumo de alguns alimentos como ovo, feijão, leite ou refrigerantes, por exemplo.

A dor na barriga causada pelo excesso de gases é em forma de pontada, podendo também ser notado inchaço abdominal, azia, fisgada no peito ou arrotos frequentes.

O que fazer: uma ótima dica é diminuir o consumo de alimentos que podem aumentar a produção de gases, como feijão e refrigerante. Além disso, beber o chá de erva-cidreira com funcho uma vez pode dia pode também ajudar a diminuir a quantidade de gases, aliviando o desconforto.

2. Má digestão

A má digestão também pode causar dor na barriga, além de azia, arrotos, sensação de estômago cheio e cansaço excessivo. A má digestão acontece quando se mistura muitos alimentos ou quando se tem uma alimentação rica em gordura, já que esses alimentos demoram mais tempo para serem digeridos, resultando nos sintomas.

O que fazer: além dos cuidados com a alimentação, pode-se optar por tomar chás digestivos, como chá de boldo ou de erva-doce, ou alguns remédios de farmácia, como gaviscon, estomazil ou sal de frutas também podem ser usados. Veja outras opções para acabar com a má digestão.

3. Excesso de estresse

Os problemas psicológicos causados pelo excesso de estresse, como a depressão ou o esgotamento, podem alterar o funcionamento do sistema gastrointestinal, causando desconforto abdominal que pode ser confundido com problemas no estômago ou intestino.

Além da dor na barriga e desconforto abdominal, em alguns casos pode haver diarreia ou prisão de ventre, enjoos, diminuição do apetite, dificuldade para dormir ou dores musculares, por exemplo.

O que fazer: o ideal é tentar relaxar para avaliar se a dor diminui, praticando exercício físico leve, fazendo uma massagem ou descansando num quarto calmo, por exemplo. Porém, se os sintomas continuarem, deve-se consultar um médico para identificar se existe outra causa. Veja algumas formas naturais para aliviar o excesso de estresse.

4. Gastrite ou úlcera gástrica

A inflamação do revestimento do estômago, conhecido como gastrite, ou a presença de uma úlcera podem provocar um intensa dor na barriga, especialmente após comer ou quando se ingere alimentos muito picantes ou gordurosos, além de também haver sensação de enjoo frequente, perda de apetite, vômitos e sensação de estômago inchado.

O que fazer: quando a dor é muito intensa deve-se consultar um gastroenterologista para fazer exames mais específicos como endoscopia para avaliar a existência de uma úlcera, por exemplo. Porém, até à consulta deve-se fazer uma alimentação adequada que ajuda a aliviar os sintomas. Veja como deve ser a dieta para gastrite e úlcera.

5. Refluxo gastroesofágico

O refluxo acontece quando o conteúdo ácido do estômago consegue chegar até o esôfago, causando irritação e inflamação do revestimento desse órgão. Este problema é mais frequente em pessoas com hérnia de hiato, excesso de peso, diabetes ou fumantes, mas pode acontecer em qualquer pessoa ou idade devido a outros problemas, como alterações no estômago ou esvaziamento gástrico demorado, por exemplo.

Além da dor na barriga, o refluxo gastroesofágico pode ser acompanhado por sensação de queimação na garganta, arrotos frequentes, indigestão, mau hálito ou sensação de bola na garganta. Estes sintomas podem piorar quando se dobra o corpo para baixo ou quando se deita logo após comer.

O que fazer: evitar deitar logo após comer, dormir com a cabeceira da cama ligeiramente elevada, fazer alterações na dieta e, em alguns casos, tomar remédios recomendados pelo gastroenterologista. Saiba como é feito o tratamento para refluxo gastroesofágico.

6. Intolerância à lactose ou glúten

As intolerâncias alimentares, como à lactose ou glúten, acontecem quando o organismo não consegue digerir essas substâncias, causando inflamação de todo o sistema gastrointestinal, levando a dor e desconforto generalizado após as refeições, especialmente quando se ingeriu alimentos como pão, massa, queijo ou leite.

A dor geralmente é generalizada e acompanhada de outros sinais como barriga inchada, diarreia, excesso de gases, irritabilidade ou vômitos. Além disso, ao longo do tempo, pode acontecer emagrecimento e perda de massa muscular.

O que fazer: em caso de suspeita de intolerância deve-se consultar o gastroenterologista para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado. Nestes casos, deve-se evitar todos alimentos com a substância a que se tem a intolerância. Veja uma lista dos alimentos com lactose ou com glúten, que devem ser evitados.

7. Intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é um problema que causa a inflamação do revestimento do intestino, podendo não ter uma causa específica ou sendo causado pelo excesso de estresse ou sensibilidade a algum alimento, por exemplo.

Como consequência da inflamação, é comum que a pessoa sinta dor na barriga, excesso de gases e períodos de diarreia intercalados com prisão de ventre.

O que fazer: deve-se consultar um gastroenterologista para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado. Nos casos em que é possível identificar o que está causando os sintomas, deve-se evitar esse alimento ou situação. Entenda como pode saber se é intestino irritável.

8. Problemas no útero ou ovários

O surgimento de problemas no útero, como inflamação ou endometriose, assim como alterações nos ovários, como cistos, por exemplo, são uma das principais causas do surgimento de dor no pé da barriga em mulheres.

A dor na barriga devido a alterações no útero ou ovário pode ser constante ou em cólicas, e de moderada a forte, além de poder causar sangramentos fora do período menstrual ou menstruação irregular, por exemplo.

O que fazer: se existir uma dor pélvica e que possa estar relacionada com o ciclo menstrual é importante ir ao ginecologista para fazer exames, como o papanicolau ou ultrassonografia, para identificar se existe algum problema e iniciar o tratamento adequado.

9. Problemas na vesícula ou no pâncreas

Alguns problemas mais graves que surgem na vesícula e no pâncreas, como pedra ou inflamação, podem causar intensa dor na parte superior da barriga que piora ao longo do tempo ou fica mais intensa após as refeições. Além da forte dor na barriga, podem surgir outros sintomas como febre, inchaço da barriga, náuseas, vômitos, diarreia ou fezes amareladas.

O que fazer: estes problemas devem ser tratados rapidamente e, por isso, se existir suspeita de alterações na vesícula ou no pâncreas deve-se ir ao hospital para identificar o problema e iniciar o tratamento adequado. Veja como é feito o tratamento no caso de pedra na vesícula ou de pancreatite aguda ou crônica.

10. Vermes intestinais

Embora os vermes intestinais sejam muito frequentes, especialmente em quem prefere comidas mal passadas, geralmente a dor é um sintoma mais raro, surgindo quando os vermes já estão se desenvolvendo a algum tempo. Além da dor na barriga, é comum também haver perda de peso, coceira no ânus, diarreia, alterações do apetite, cansaço sem razão aparente e barriga inchada.

O que fazer: deve-se consultar um médico de família ou um gastroenterologista para que seja identificado o verme responsável pelos sintomas e, assim, iniciar o tratamento, que normalmente é feito com remédios antiparasitários, como albendazol, por exemplo. Saiba outros cuidados que se deve ter para eliminar os vermes.

11. Câncer no intestino ou estômago

A dor na barriga raramente é sinal de câncer, no entanto, estados mais avançados de câncer no intestino ou no estômago podem provocar uma dor constante e difícil de descrever.

Caso a dor na barriga esteja relacionada com o câncer, é comum que sejam notados outros sintomas, como sangue nas fezes ou vômito, fezes muito escuras, sensação constante de peso no estômago ou região anal, cansaço frequente ou perda de peso sem causa aparente.

O que fazer: quando existe suspeita de câncer, especialmente no caso de história familiar de câncer, é aconselhado consultar um gastroenterologista. Além disso, pessoas com mais de 50 anos devem fazer endoscopia e colonoscopia frequentes, pois possuem maior risco de desenvolver câncer.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em agosto de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em novembro de 2019.

Bibliografia

  • Referente a: "Triagem de dor na barriga":

  • CORREIA, Lúcia et al. Torção anexial. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa. Vol.9. 1.ed; 45-55, 2015
  • MAGALHÃES, V, Carlos Eduardo; MAYALL, R, Monica. Isquemia mesentérica. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ. VOL.8. 70-80, 2009
Mostrar bibliografia completa
  • MEDLINE PLUS - NATIONAL LIBRARY OF HEALTH. Medical Encyclopedia: bdominal pain. Disponível em: <https://medlineplus.gov/ency/article/003120.htm>. Acesso em 09 mai 2022
  • OXFORD MEDICINE ONLINE. The Saint-Chopra Guide to Inpatient Medicine: Abdominal Pain. 2018. Disponível em: <https://oxfordmedicine.com/view/10.1093/med/9780190862800.001.0001/med-9780190862800-chapter-27>. Acesso em 06 mai 2022
  • UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS - UNASUS. Avaliação e manejo de casos de dor abdominal. 2013. Disponível em: <https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/1564/1/UNIDADE%2008.pdf>. Acesso em 06 mai 2022
  • ELSEVIER. Abdominal Pain. 2018. Disponível em: <https://www.us.elsevierhealth.com/media/wysiwyg/us/pdf/sample-chapter-9780323399562.pdf>. Acesso em 06 mai 2022
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.