Choque cardiogênico: o que é, sintomas, causas e tratamento

O choque cardiogênico é uma condição em que o coração não consegue bombear sangue em quantidade suficiente para atender as necessidades de todo o corpo, devido uma redução nas contrações dos músculos cardíacos, causando diminuição acentuada da pressão arterial, falta de oxigênio nos tecidos, acúmulo de líquidos nos pulmões e redução da quantidade de sangue nas artérias coronárias, que são os vasos que levam sangue ao coração. 

Este tipo de choque é uma das maiores complicações do infarto agudo do miocárdio e se não for tratado com urgência, pode levar à morte em quase 50% dos casos. Assim, se existir suspeita de choque cardiogênico, é muito importante ir imediatamente ao hospital para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado.

Choque cardiogênico: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

Os sintomas que podem indicar um possível choque cardiogênico são:

  • Respiração rápida;
  • Aumento exagerado do batimento cardíaco;
  • Desmaio repentino;
  • Pulso fraco;
  • Suor sem causa aparente;
  • Pele pálida;
  • Pés e mãos frios;
  • Diminuição da quantidade de urina.

Nos casos onde há acúmulo de líquido nos pulmões ou edema pulmonar, também pode surgir falta de ar e sons anormais ao respirar, como chiado, por exemplo.

Uma vez que o choque cardiogênico é mais comum após um infarto, estes sintomas são também acompanhados dos sintomas de infarto, como sensação de pressão no peito, dor que se espalha para o braço, ombros ou mandíbula, sensação de bola na garganta, náuseas ou vômitos. Veja uma lista mais completa dos sinais que podem indicar um infarto.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de choque cardiogênico precisa ser feito o mais rápido possível no hospital e, por isso, caso exista suspeita é muito importante ir rapidamente à urgência do hospital. O médico poderá utilizar alguns exames, como medição da pressão arterial, eletrocardiograma ou raio X do peito, além de exames de sangue, para confirmar o choque cardiogênico e iniciar o tratamento mais adequado.

Possíveis causas 

Embora o infarto seja a causa mais frequente de choque cardiogênico, outros problemas também podem causar esta complicação. Outras possíveis causas incluem:

  • Doenças das válvulas cardíacas;
  • Insuficiência ventricular direita;
  • Miocardite aguda;
  • Doença arterial coronariana;
  • Arritmias cardíacas;
  • Trauma direto no coração;
  • Intoxicação do coração por medicamentos e toxinas.

Além disso, na fase mais avançada da sepse, que é uma infecção generalizada do organismo, também pode surgir choque cardiogênico, resultando quase sempre em morte. Saiba como identificar um quadro de sepse, para iniciar o tratamento e evitar o choque cardiogênico.  

Como é feito o tratamento

O tratamento para choque cardiogênico geralmente é iniciado logo na urgência do hospital, mas depois é necessário ficar internado em uma unidade de cuidados intensivos, onde podem ser feitos vários tipos de tratamento para tentar aliviar os sintomas, melhorar o funcionamento do coração e facilitar a circulação sanguínea.

Os principais tratamentos para o choque cardiogênico são:

1. Uso de medicamentos

Além do soro que é aplicado diretamente na veia para manter a hidratação e alimentação, o médico pode ainda usar:

  • Vasopressores, como adrenalina, noradrenalina ou dopamina, para tratar a pressão arterial baixa;
  • Agentes inotrópicos, como dobutamina, dopamina ou milrinona, que ajudam a melhorar o bombeamento do coração, e geralmente são usado até que os outros remédios comecem seu efeito;
  • Ácido acetilsalicílico, para diminuir o risco de formação de coágulos e facilitar a circulação do sangue;
  • Antiagregantes plaquetários, como clopidogrel ou tirofibana, para prevenir a formação de coágulos no sangue;
  • Anticoagulantes, como heparina, para diminuir a capacidade de coagulação do sangue e prevenção da formação de coágulos;
  • Diuréticos, como furosemida ou espironolactona, para diminuir a quantidade de líquidos no pulmão.

Alguns remédios são aplicados diretamente na veia, pelo menos durante a primeira semana de tratamento, podendo depois ser tomados oralmente, quando o quadro melhorar.

2. Cateterismo

Este tipo de tratamento é feito para restaurar a circulação para o coração, caso tenha ocorrido um infarto, por exemplo. Para isso, o médico geralmente insere um cateter, que é um fino longo e comprido, através de uma artéria, geralmente na região do pescoço ou da virilha, até ao coração para remover um possível coágulo e permitir que o sangue volte a passar adequadamente. Veja como é feito o cateterismo e para que serve

3. ECMO

A ECMO, ou oxigenação por membrana extracorpórea, é uma máquina que funciona como um pulmão artificial, que ajuda a melhorar o fluxo de sangue e o fornecimento de oxigênio para o corpo, enquanto é feito o tratamento do choque cardiogênico. Entenda melhor como é feito o tratamento com ECMO

4. Cirurgia

A cirurgia normalmente só é utilizada nos casos mais graves ou quando os sintomas não melhoram com o uso de medicamentos ou cateterismo. Nestes casos, a cirurgia pode servir para corrigir uma lesão no coração ou para fazer um bypass cardíaco, no qual o médico coloca outra artéria no coração para que o sangue passe até à região que está sem oxigênio devido à presença de um coágulo.

Quando o funcionamento do coração está muito afetado e nenhuma técnica funciona, a última etapa do tratamento consiste em fazer um transplante cardíaco, porém, é necessário encontrar um dador compatível, o que pode ser bastante complicado. Saiba mais sobre o transplante de coração.

Possíveis complicações

As complicações do choque cardiogênico são a falência de múltiplos órgãos nobres como rins, cérebro e fígado, sendo responsável pela maioria das mortes de pessoas internadas nos cuidados intensivos. Estas complicações podem ser evitadas sempre que o diagnóstico e o tratamento são feitos precocemente.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • TSANGARIS, Adamantios; et al. Overview of Veno-Arterial Extracorporeal Membrane Oxygenation (VA-ECMO) Support for the Management of Cardiogenic Shock. Front. Cardiovasc. Med. 1-17, 2021
  • VAHDATPOUR, Cyrus; et al. Cardiogenic Shock. J AM Heart Assoc. 8. 8; e011991, 2019
  • TEWELDE, S. Z.; LIU, S. S.; WINTERS, M. E. Cardiogenic Shock. Cardiol Clin. 36. 1; 53-61, 2018
  • TEHRANI, B. N.; et al. A Standardized and Comprehensive Approach to the Management of Cardiogenic Shock. JACC Heart Fail. 8. 11; 879-891, 2020
  • KAPUR, N. K.; THAYER, K. L.; ZWECK, E. Cardiogenic Shock in the Setting of Acute Myocardial Infarction. Methodist Debakey Cardiovasc J. 16. 1; 16-21, 2020
  • SHAH, A. H.; PURI, R.; KALRA, A. Management of cardiogenic shock complicating acute myocardial infarction: A review. Clin Cardiol. 42. 4; 484-493, 2019
  • NAPP, L. C.; KUHN, C.; BAUERSACHS, J . ECMO in cardiac arrest and cardiogenic shock. Herz. 42. 1; 27-44, 2017
  • FURER, A.; et al. Hemodynamics of Cardiogenic Shock. Interv Cardiol Clin. 6. 3; 359-371, 2017
Mais sobre este assunto: